07/08/14

Pedalando pela vida

O dia comeca meio lento. Uma nuvem escura e pesada fica se formando lá fora da minha janela. Tem um ventinho estranho pra dias de verao, mas nao faz frio. O pequenininho coloca seu capacete, fecha o cinto de seguranca da cadeirinha e agarra firme na cintura da mamae enquanto esta comeca a pedalar. O deixo na escolinha e continuo o caminho em direcao a feira. Uma chuvinha fina comeca e eu paro quando ela dá uma encorpada. Debaixo da verdejante copa de uma frondosa árvore, fico observando o pouco movimento da rua, quando muitos dos moradores da cidade, já sairam de férias de verao. Algumas bicicletas, poucos carros. Uma senhora passa com um guarda chuva vermelho e um cachorrinho brinca na chuva, um rapaz passa falando alto num outro idioma no celular, enquanto pedala, os motoristas dos carros olham pra mim. E eu embaixo da árvore, lembro das chuvas grossas do Amazonas. Quando no meio daquele trânsito caótico de Manaus, certa vez, peguei todo o temporal de pingos grossos e em vez de reclamar e me proteger, deixei que a chuva molhasse corpo e alma. Lembro das pessoas olhando pra mim, feliz, na chuva. Elas nao sabiam, mas já era tempestade dentro de mim há tempos... 

Na feira, em frente a catedral, compro as frutinhas para o bolo. Só ontem lembrei, quando meu menininho perguntou na sua língua enrolada: "mama, vamos levar o bolo da senhora da janela?" Meu Deus, esqueci de fazer o bolo prometido a mim mesma! Coloco as frutas na cestinha e vou pra casa. 


Nao se preocupe, as compras nao vieram abertas assim, tá?

A chuva já passou, a nuvem deu uma clareada e eu, de volta, noto como é fácil voltar pra casa. A rua é levemente inclinada, a bicicleta vai descendo sozinha e eu fico olhando as coisas em volta. Lembrancas vao passando como a paisagem que passa ao meu lado, alguns momentos da vida, até ontem, me vem à memória. O sorriso leve faz uma prece. E os pensamentos vao se encaixando um no outro, como imagino acontecer na corrente da minha bike. A cadeirinha atrás faz barulho, a cesta deu uma balancada, sinal fica verde e continuo o caminho, quase sem pedalar. E penso como minha vida ultimamente está assim. Como descendo devagar uma pequena ladeira. Sem esforco, confortavelmente sentada numa bicicleta, recebendo o ar fresco no rosto, de cabelos ao vento e frutas e flores na cesta...

Entendi desde minha conversao e aprendo a cada dia desde entao, o que significa assentar-se nas promessas de Deus. Ontem vivi uma das experiências mais claras e palpáveis de como é Ele quem faz absolutamente tudo na nossa vida. Ontem me ficou muito claro, quao vao é todo sacrifício e esforco para que alguma coisa venha a acontecer. Desisti de, desde agosto, brigar com Deus, com o mundo, com o tempo, com as pessoas e comigo mesma. É claro que nem sempre é fácil, tem vezes que eu choro quando as coisas nao saem exatamente como pensei. Mas daí, eu só faco isso mesmo: chorar quieta no meu canto e pedir a Ele forcas. Já nao brigo, nao bato boca, de que vai adiantar?? Quem se estressa no fundo, sou só eu mesma... Sabe? Ontem um amigo do meu marido, desmaiou no trabalho, foi levado ao pronto socorro. Era um início de infarto. Com 32 anos! Foi por pouco. Eu penso: já pensou? Morrer de repente. Alguém levando tudo tao a ferro e fogo, nao tendo tempo de pensar na família, vive pra trabalho. E nunca pensa na eternidade. Nao sabe nem mesmo, pra onde vai depois de bater as botas. Tao estranho saber que pessoas nao pensam nisso...

Mas eu continuo meu pedalar.
E a cada dia creio mais que quem está comandando o guidon (ou se preferir, guidao) da minha bicicletinha é Deus, enquanto eu fico só fazendo pose como meu vestidinho florido. Vou seguindo meu caminho, aquele mesmo que Ele tracou pra mim, sem medo, sem receio, sem mágoas, sem cobrancas, mas sempre com fé e esperanca.
..."E nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus"... Efésios 2:6
 E
* * * 

Vou agora fazer, finalmente, essa torta e levar pra senhorinha...

* * *
To fazendo como parte dos "freiburgers": saindo de FÉRIAS!
Até a volta, querido leitor deste singelo blog!


05/08/14

Alugar apartamento em vez de ficar em hotel

Existe na internet a possibilidade de alugar apartamentos em viagens, né? Tem até um site especializado nesses aluguéis, com ofertas de aps., casas e até barcos, lindinhos e bem decorados no mundo inteiro. O Airbnb. Conhece? Você já experimentou algo assim? Ou seja, em vez de você ficar em hotel, você fica num apezinho, geralmente bem mobiliado e confortável. 


sala de jantar e de estar, no fundo

Nunca tínhamos feito isso fora do Brasil (costumamos alugar apartamentinhos no Rio) e a primeira vez foi em Amsterda. Lá ficamos num apartamento joinha demais. E agora, nessa viagem a Bruge, também alugamos um.


Cozinha fofa
Temos um amigo que só de pensar nisso sente arrepios. Diz achar muito estranho usar coisas que foram usadas por outras pessoas poucos dias atrás. Nós, porém,  nao temos problema com isso, até porque, ué, nao é isso o que acontece num hotel, ora bolas?

ainda na cozinha
 O que acho mais bacana nesse tipo de coisa, é que tira a impessoalidade e rigidez dum hotel e você se sente em casa. Às vezes, convenhamos, até melhor do que em casa, dependendo do lugar que você for parar. Tem cada casinha lindamente mobiliada mundo afora, que você fica só babando e acumulando ideias pra suas próximas loucurinhas decorativas na sua própria morada ;-)
Delicadeza

É o que eu faco o tempo todo. Porque sabe, eu sou meio maluca com decoracao. Sou daquelas que anda pelas ruas olhando pra dentro das casas, sou o tipo voyeur mesmo e assumo. Amo ver como as pessoas decoram seus lares. Quando vou visitar amigos, fico olhando tudo e adoro quando eles me convidam pra conhecer a casa. AMO! E sempre acho algo bem bacana, seja num lar bem simples ou numa casa mais sofisticada. Às vezes até faco fotos, como essas que você vê aqui nesta postagem. 


Sao do apezinho em Bruge. Simplesmente um encanto. O dono é a gentileza em pessoa! Assim como em Amsterda, ele mora encostadinho no ap, o que facilita  ver mais ou menos de perto, quem está de passagem na sua casa. Além disso, ele prepara o café da manha na hora em que você pede, que aliás, foi sempre uma verdadeira delícia! O apartamento em Bruge era absolutamente todo lindinho, cheio de delicadezas em cada canto. E o preco ficou até mais barato do que muito hotel na cidade, que nao é nada baratinha!

Entao é isso. É só uma dica de viagem pra quem procura algo menos formal que um chato hotel.

03/08/14

Bruge, na Bélgica

Semana passada estivemos alguns dias na cidade de Bruge, na Bélgica. Nem sabia que estava visitando uma das nove recomendadas, na lista que a Ellen me indicou. A cidade é muito lindinha, merece mesmo estar em qualquer roteiro de viagens! Quando for a Bélgica, nao deixe de visitar. Vale muito a pena conhecer Bruge. Ela é tao antiga quando Colmar, e tem uma paisagem sempre tranquila, bucólica. Suas casas antigas sao lindas e muito bem cuidadas, alguns moinhos de vento fazem parte da paisagem assim como vários pequenos canais  entrecordados por pontes romantiquinhas (que parece mesmo que deram origem ao nome da cidade -  Brug se chama ponte em holandês, um dos três idiomas falado no país).

Gostamos muito da paisagem, das casas de pedras, das construcoes bem antigas, das pontes, do rio. É muito arborizada, come-se bem e a cerveja é esplêndida, como em toda a Bélgica ;-)
Vamos voltar lá se Deus quiser, foi uma viagem muito agradável.

Aqui algumas fotos.
Curte aí o passeio.





Ah nao liga nao, quem me conhece desse blog, sabe que amo fotografar bicicletas, janelas, varandinhas floridas, portas e.. olha quem encontrei confortavelmente curtindo o clima:
gente eu AMO esse cachorro!


A cidade nunca sofreu grandes danos em sua construcao, nem com guerra ou outro tipo de problema, por isso as construcoes que se vê por lá conseguem ser bem originais. 


 Todos os canais que sao vistos hoje foram constuídos na Idade Média.
E nao, os canais nao tem cheiro ruim como alguns de Veneza, foi apenas coincidência a menina ter colocado um lenco no rosto. Hora errada!


Cada cerveja (na Bélgica há mais de 1000 tipos diferentes de cerveja!) deve ser tomada no copo pertencente a marca da cerveja! Essa foi uma "exigência" que o dono do apartamentinho que alugamos nos fez. Curioso nao?




Na cidade há muitos museus, teatros e mercados de pulga. Estive num que quase me deixou doida. Onde você anda, encontra coisas antigas à venda, porcelanas maravilhosas, quadros, latinhas antigas (minha paixao),  chocolates deliciosos, que por sinal, é um dos melhores da europa! Ahh uma coisa acho estranho: quase 100% dos pratos que você pede num restaurante, tem batatinhas fritas como acompanhamento. Estranho pra mim que nao gosto de jeito nenhum de batata frita. É que lá, dizem as más línguas, sao feitas as melhores batatas fritas da zoropa. Bom, sei se isso é verdade nao, mas pra quem gosta, sim, parece que é, porque meu marido e filhinho adoram...

01/08/14

Carta a uma amiga IV - Abra a porta

Querida amiga,

a tua dor e decepcao ainda estao latejando em mim. Sinto muito por tudo o que esteve te acontecendo ultimamente. Sei bem como tua vida foi e continua sendo dura. Mas, deixa eu te contar uma historinha?

Como já disse diversas vezes, sofri um bocado, sabe? Fico lembrando das vezes em que lia tudo sobre o que me afligia. Lia tanto! Tomava decisoes importantes, decidia agir assim ou assado, tinha virado perita em mim mesma, podia falar como uma especialista, sobre coisas da alma e os tormentos que vinham sobre mim.
Era tao maluca com tudo o que passei na vida e de certa maneira, tinha tanto orgulho de ter aguentado toda a porrada "sozinha", que me via como a maior de todas as vítimas. Nao havia ninguém que tivesse sofrido mais que eu! Um dia, na cidadezinha em que morava, conheci uma moca que adorava reclamar da vida, da infelicidade no casamento, das coisas do passado. E ela tinha uma aparência tao triste! Quando terminou de contar das suas lamúrias, comecei as minhas. Ela nao podia acreditar que eu, aquela mocinha tao alegrinha, sempre sorridente e disposta a ajudar, pudesse ter uma história tao pesada pra contar. Nos encontramos várias vezes ainda, a fim de ficarmos lambendo nossas próprias feridas, e no fim de uma das nossas conversas, sempre banhadas a lágrimas e cerveja, ela resolveu que eu era a ganhadora da "competicao". E eu disse brincando que criaríamos um blog com o nome: Nós, mulheres sofredoras.
Que tonta! Ainda bem que nao levamos a ideia a sério senao, teríamos conhecido outras terríveis histórias e teríamos perdido nossa primeira posicao de tristeza no rank das infelizes.

Porque, você sabe né? Tem sempre alguém carregando uma maior carga emocional que a gente. Basta olhar pros lados. Nem interessa onde você vive, como é sua condicao financeira, se é casada, tem filhos ou nao. O seu vizinho será sempre mais ferrado que você, mesmo que sua grama aparente ser mais verde...

Era perita em mim mesma, mas você acha que alguma coisa me ajudou?
NADA. Nem minha pobre sabedoria mundana, nem minhas inquietacoes, nem minhas rezas, nem minhas palavras decoradas, nem meu sorrisinho doce que sempre se transformava em carranca, quando entrava pela porta de casa. Nada me ajudou a me libertar das dores que trazia sobre mim há muitos anos. Eu era mais uma pobre alma, escura e triste, andando pesada pela rua da solidao, amargurada e coberta pela minha falsa pele purpurinada e cor de rosa.

Até o dia em que Ele me encontrou.

Pode parece chover no molhado. E é. Deus nao muda. Ele é o mesmo ontem e sempre. E Sua Palavra permanece para sempre. E já to vendo você aí fazendo muxoxo: Esse bando de crentes chatos, tao sempre na mesma lenga lenga, né? Pois é. Mas, faz assim ó, pergunta pra um cristao verdadeiro, se ele quer mudar sua fé. Vai, pergunta. Tem nao, amiga! Porque Deus cura feridas, dá acalento e proporciona uma paz que esse mundo nunca será capaz de dar. É Pai de verdade, sacas? E mesmo que você seja como eu fui, uma alma cheia de dor, medo e sujeira (assim como somos todos nós, mesmo que nao saibamos), Ele é Pai e te conhece desde o ventre da tua mae, mesmo antes de teus ossos terem sido formados.

Mas eu to escrendo, porque sei que você está tendo vontade de recebê-lo na sua casa.

Entao deixa eu te dar uma dica. Você tem que estar preparada pra ser você mesma. Uia, isso nao é genial?!! Ele vai virar nao um hóspede, mas um morador definitivo dentro de você. Quando Ele chegar à tua porta, veja bem, fica esperta. Ele nao vai querer ir pra sala de estar que você arrumou tao belamente, Ele vai querer entrar pela porta dos fundos. E se você tiver colocado todo o teu lixo escondido num baú, pra Ele nao ver as tuas coisas podres, é exatamente lá que Ele vai querer olhar. E se ainda assim, você decidir que Ele nao deve entrar num outro cômodo qualquer, e você vê-lo parado exatamente àquela porta, e você insistir: "Nao Senhor, eu deixo o Senhor entrar em qualquer outro ambiente, mas aí nao". Se prepara que é lá que Deus vai pedir delicadamente pra entrar. Mas Ele será tao bondoso, que vai esperar o tempo que for preciso e um dia dirá: vamos filha, vamos juntos. E Ele pegará na sua mao e juntos vao abrir a macaneta.

Porque Ele é delicado, é sereno, gracioso, amoroso, gentil, é amável, companheiro. Ele é Pai e você será filha pra sempre. Abra a porta entao, sem medo...

Com amor, sua amiga
Nina

31/07/14

Mundo horrível

O mundo em que vivemos é tao horrível! Você é daqueles que crêem que tudo vai melhorar? Eu nao... pode me xingar de pessimista, mas nao dá pra acreditar mais nessa historinha de conto de fadas que vivi por longos anos. O mundo nao está melhorando, é apenas uma ilusao que temos. Tudo é ilusao e vaidade. Você sabe qual a única coisa infinita neste mundo? Nós: nossa alma e espírito. Tudo o que você vê em volta, será um dia destruído. E você aí, se apegando a coisas tao supérfluas, passageiras e finitas. Sabe a casa que você morre limpando, o belo destino daquela viagem dos seus sonhos, aquela peca caríssima do seu armário ou o carro que você tanta ama? Pois é, tudo vai queimar. Você nunca pensa no que será de você quando isso acontecer? 

Nao se assuste comigo, por favor. Mas nao sou sempre boazinha e nem quero mais viver como Pollyana, enxergando sempre o lado bom das coisas. Sim, ainda sou um tiquinho assim, mas agora, menos ingênua, eu acho... 

Essa semana aconteceu um fato muito triste na cidade em que vivo. Um menino de oito anos foi encontrado morto, vítima de algum louco abusador. E eu estava com um aperto no coracao há dias, e nao sabia o porquê. Ainda há pouco, descarreguei num desabafo molhado nos pés do meu Senhor, pedindo que Ele cuide em Seus bracos, desses pais que devem estar em desespero. Como é duro viver neste mundo! Jaz de fato, nas maos malditas do príncipe deste mundo.
E me lembrei de tantas criancas mortas no meu país... meu Deus! Tantas e tao repetidas vezes, que já virou coisa banal... a banalidade da mortandade! A mesquinharia humana, a soberba enlouquecida e desenfreada. Mata-se por nada e por tudo. Por dinheiro, por maldade, por nao ter nada pra fazer. O pai de uma amiga foi morto porque nao tinha nada além da sacola meio cheia de compras, quando saia de um supermercado... simples e banal assim.
A morte desse menininho aqui, me choca por ser tao inesperada. O país que me acolhe e que é tao tranquilo. Um menino encontrado num lago, machucado. Mundo miserável! Mundo perdido...
E nossa alma, como fica com tudo isso?
Estracalhada, nao é?
Mas ela se recupera. 
Até surgir outro acontecimento.
Assim como foi perder no futebol... a gente se levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima e quer de novo acreditar. "Um dia esse país melhora"... Você realmente acredita nessa fábula?

Os alemaes acreditam que fizeram um grande país. E fizeram! Mas, há um menino morto no lago....
Pra tal maldade e falta de escrúpulo, nao há mais saída. Este mundo já era! Há muito tempo.
E sua alma, como é que fica nisso tudo?
Pra onde ela vai quando tudo isso acabar?
Já pensou nisso?
* * *


"Palavras do pregador, filho de Davi, rei em Jerusalém.Vaidade de vaidades, diz o pregador, vaidade de vaidades! Tudo é vaidade. Que proveito tem o homem, de todo o seu trabalho, que faz debaixo do sol? Uma geração vai, e outra geração vem; mas a terra para sempre permanece. Nasce o sol, e o sol se põe, e apressa-se e volta ao seu lugar de onde nasceu. O vento vai para o sul, e faz o seu giro para o norte; continuamente vai girando o vento, e volta fazendo os seus circuitos. Todos os rios vão para o mar, e contudo o mar não se enche; ao lugar para onde os rios vão, para ali tornam eles a correr. Todas as coisas são trabalhosas; o homem não o pode exprimir; os olhos não se fartam de ver, nem os ouvidos se enchem de ouvir. O que foi, isso é o que há de ser; e o que se fez, isso se fará; de modo que nada há de novo debaixo do sol. Há alguma coisa de que se possa dizer: Vê, isto é novo? Já foi nos séculos passados, que foram antes de nós. Já não há lembrança das coisas que precederam, e das coisas que hão de ser também delas não haverá lembrança, entre os que hão de vir depois. Eu, o pregador, fui rei sobre Israel em Jerusalém. E apliquei o meu coração a esquadrinhar, e a informar-me com sabedoria de tudo quanto sucede debaixo do céu; esta enfadonha ocupação deu Deus aos filhos dos homens, para nela os exercitar. Atentei para todas as obras que se fazem debaixo do sol, e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito. Aquilo que é torto não se pode endireitar; aquilo que falta não se pode calcular. Falei eu com o meu coração, dizendo: Eis que eu me engrandeci, e sobrepujei em sabedoria a todos os que houve antes de mim em Jerusalém; e o meu coração contemplou abundantemente a sabedoria e o conhecimento. E apliquei o meu coração a conhecer a sabedoria e a conhecer os desvarios e as loucuras, e vim a saber que também isto era aflição de espírito. Porque na muita sabedoria há muito enfado; e o que aumenta em conhecimento, aumenta em dor".

26/07/14

Colmar, na Franca

Minha  amiga Ellen, queridíssima, engracada e que me faz rir o tempo, mora também na Alemanha e veio há alguns dias nos visitar. Aproveitamos e fomos conhecer uma cidadezinha francesa chamada Colmar, que fica uns 50 km de onde moramos. Ainda nao conhecia.  Foi uma grata surpresa encontrar um lugar tao fofinho e tao perto da gente.



É uma cidade lindinha e antiga. Existe desde o ano de 823!


Eu já havia estado em Colmar,  que já se chamou Kolmar numa época em que pertencia a Alemanha, alguns anos atrás, pra assistir um show, mas era de noite e nao havia visto nada da cidade. Foi em Colmar que assisti a maluca da Nina Hagen (quem nao lembra da doidinha no Rock´n Rio de 1989? foi mesmo 89?) Assisti também no mesmo show, o gentil Mick Hacknall, do Simply Red, no famoso Festival Internacional de Colmar. A cidade também tem uma festa do vinho, que é muito bacana.
 

 A cidade está situada na Alsácia, conhecida por suas videiras que podem ser vistas por toda a regiao, producao de bom vinho e queijos maravilhosos!!!


e que tem umas lojinhas de tirar o fôlego!


O que mais chama a atencao em Colmar, sao as casas, em sua maioria, construídas na idade média e renascenca. E suas ruelas entrecortadas por pequenos canais, o que também lhe confere um ar agradável e medieval. É a pequena Veneza da Franca. Charmosinha que só ela!


Foi ótimo passear com a Ellen e o Pedrinho pela cidade. Fomos a Colmar, porque a Ellen tinha lido num site brasileiro, que ela é uma das nove cidadezinhas encantadoras na europa pra se conhecer. Conhece essa lista

Amamos também um café chamado Au croissant dore em que comemos uma torta maravilhosa. 
Olha que charme!




As fotos ficaram com uma cor estranha porque eu esqueci de mudar a configuracao na máquina. Mas dá pra ver que é uma fofura, nao dá? Conversei um pouco com a dona do lugar, uma senhorinha super gentil que fala um pouco de alemao e que me disse que tudo o que decora o café, pertence a ela, que foi juntando suas cosinhas por anos e anos. 
Aiinnn...se eu pudesse trabalhar ali, seria a garconete mais feliz do mundo. Que delícia de lugarzinho!

* * *

Ellen querida, amei nosso passeio. Volta de novo pra irmos a Equisheim;-)

17/07/14

A senhora da janela

Perto de casa há muitas janelas. Muitas floridas janelas. No prédio quase ao lado do meu, numa construcao antiga e cor de rosa, de janelas gastas num azul que já fora bonito, há uma senhora que todos os dias, pode ser vista olhando o movimento da rua. De cabelos curtos, encrespados e brancos, ela passa seu tempo olhando tudo. Pode ser inverno, pode estar nevando, chovendo granizo, sol tinindo, lá está ela, todos os dias. Na janela. Meu filho sempre que passa por lá, olha para o primeiro andar à  procura da "senhora da janela", como dizemos nós dois. - Olha Pedro, lá está ela, a senhora da janela. - Ele olha e acena: hallo! mesmo estando longe, do outro lado da rua. 

Ela já conhece o horário em que ele passa, e parece ficar a espera do hallo do meu filhinho. Faco que nao olho diretamente e percebo de rabo de olho o seu interesse. Ele fala: - olha mae, a senhora da janela. E grita um hallo bem alto e acena. Ela se anima, acena de volta  e continua acenando, até que entremos na linha fora de sua visao. Pessoas passam por ela, algumas conversam, a maioria a ignora. Ela deve conhecer a fisionomia de todos da rua. Laura, minha filha, quando soube que conversamos com a senhorinha, me perguntou certa vez assustada: - O que? Você está falando daquela velhinha de cara rabugenta que tem mó jeito de fofoqueira? - Engracado. Passa tudo pela minha cabeca quando a vejo, menos isso. Vejo uma senhora solitária, que mora num prédio meio acabado, à espera de notícias e acenos. Sua figura é tao marcante para mim e Pedro que quando nao está à espreita, sentimos sua falta. A primeira vez que a notei, nao ligava muito pra ela. Depois, falei um olá e ela respondeu sem vontade. Continuava a passar por sua janela diversas vezes, e seus duros hallos foram devagar, se transformando em tons mais suaves, assim como é suave o tom de azul e rosa do lugar. Nao dá pra desistir de ser gentil.

Outro dia, ela estava caminhando, indo em direcao ao supermercado. Até me assustei em vê-la em outro ambiente. Conversamos um pouco, ela me perguntou do menininho. Um olhar sereno, uma fala rápida, o clima que mudou, as previsoes do tempo que já nao sao tao boas como antes. Um bom dia. Sem aceno, ela fica outra. Sentiu falta do menininho que diz hallo e ciao ao passar de bicicleta pela janela. 

Gosto de vê-la. É como se fosse o termômetro dos dias. Faz cara feia enquanto deixa parte de sua janela aberta, quando o vento está forte, se encolhe em seu pulôver, quando esfria, se esgueira na janela, quando coloca sua coberta pra tomar um ar, quando esquenta, e pisca os olhos quando o sol está forte. Gosto dela.

Vou fazer um bolo mais tarde e levar pra ela. Vou dar pela janela e desejar um bom dia. Levarei menininho comigo. Sei que se sentirá feliz.

16/07/14

Faca você mesma sua manteiga de ervas

Alemao adora fazer churrasco. Quando comecam os primeiros dias quentes de primavera, basta você abrir a porta da sua varanda, pra sentir o cheiro mais típico de verao por aqui. É normalmente, muito diferente do brasileiro, mas é também gostoso. A única coisa que ainda me faz falta, é ter uma carne realmente saborosa, mas a gente se acostuma. Come-se carne bovina, suína e de carneiro e vários tipos de salsichas, afinal, estamos nao somente na Batatolândia, mas também na Salsichalândia. E aqui você encontra todo tido possível e imaginável de salsichas e linguicas. Porém, uma das principais diferencas do churrasco brasileiro, é o acompanhamento, este será sempre de saladas deliciosas e pao. Muito pao! Você nunca verá aqui arroz e farofa como acompanhamento de churrasco! Nunca, em hipótese alguma. 

Para o pao, o alemao terá sempre à mesa, uma manteiga chamada Kräuterbutter, que quer dizer, ao pé da letra,  manteiga de ervas. Geralmente comprada em supermercado, prontinha e muito saborosa. Há  anos nao compro pronta, porque gosto muito de fazer eu mesma e acho bem mais gostosa. 


Essa manteiga é usada nao somente pra passar num baguete, por exempo, que você come com o churrasco, mas também pode ser usada por cima da carne ainda quentinha. Eu gosto tanto, que uso em vários outros pratos, como recheio por debaixo da pele do frango, quando o asso no forno, pra dar uma finalizacao no arroz ou no molho do macarrao. Acho deliciosa. 

Quer fazer também?
Pegue um pacotinho de qualquer manteiga, deixe um pouco fora da geladeira, até que ela fique num ponto bom de amassar no garfo. Coloque um pouco de sal, amasse uns dois dentes de alho (se gostar) e acrescente folhinhas secas de qualquer erva que preferir. Pode ser tomilho, orégano, salsinha, enfim... Misture muito bem, coloque num recipiente fechado, deixe na geladeira por algumas horas e pronto.

Simples e muito bom! 

08/07/14

Preconceito contra amazonenses

Faco parte de uma "minoria". Sou fruto de uma terra extraordinária, porém, frágil, onde sao as árvores que firmam o solo e nao o contrário. Sou índia, em termos. Em poucos pedacos de mim. Misturada, sim senhor! Mas índia com orgulho. Minoria por ter sido e ser, massacrada pelos brancos e pelos encardidos. 

Essa Copa tem trazido lembrancas à minha mente. Lembranca das vezes que fui maltratada pelo meu próprio povo, o resto do Brasil que se considera tudo, menos índio. Que se considera maioria. Grande coisa... 

O fato de minha cidade, Manaus, ter sido escolhida pela Fifa como melhor cidade sede da Copa, fez com que os pobres amazonenses, geralmente, acostumados a desrespeito, se sentissem um tiquinho valorizados. Elogiados, nao, obviamente, pelo seu próprio povo, claro que nao, mas pelos "de fora". Onde moro atualmente, na Alemanha, em qualquer lugar que vou e menciono de onde venho, ouco sempre um "oohhhhh", cheio de encantamento. As pessoas aqui amam o Brasil e sao fascinadas pelo Amazonas. No Brasil nao foram poucas as vezes que senti a repulsa das pessoas quando sabiam de onde sou. Já ouvi muita brincadeira sem graca e xingamentos "engracadinhos" do fato de sermos índios. É triste. Nao por sermos índios, mas por sermos maltratados por o sermos. Mais triste ainda, é notar que essa brincadeira tola e estúpida, machuca a integridade e o modo de se ver, das nossas criancas amazonenses. Nao é raro ouvir um xingamento entre elas próprias, "tu é uma índia mesmo! Sua caboca" dizem elas, sempre num tom pejorativo. Nao é raro vê-las chorarem, magoadíssimas, ao ouvir tal comentário. E nao é raro ver minhas próprias sobrinhas, entrarem na porrada, umas com as outras, quando sao assim xingadas. Nao adianta nada a tia Nina ir ter com elas e tentar explicar o quao bonito é ser índia. Elas nao querem saber. Se sentem feridas na sua beleza, ditada por modismos tolos da mídia e aumentadas pelos anos e anos de depreciacao e preconceitos, vindos do resto do Brasil: "Índio é feio, tia. Nao quero ser índia".

Nao sei se um dia o povo brasileiro se dará conta de que somos um povo. Nao uma raca somente, mas um povo. Misturados na beleza disso. Índios, negros, nordestinos, os gordos, os feios, os sem-bunda, favelados... 

Entao penso nos alemaes. Eles gostam de discutir essas questoes, gostam de ficar discursando sobre as diferencas culturais e nao compreendem porque pode haver discriminacao contra nós, os índios, dentro do Brasil, um país extremamente misturado. E sabe de uma coisa? Nem mesmo eles tem o direito de falar sobre isso. Sinto a mesma aversao sendo índia no Brasil que os "Bauer" devem sentir na Alemanha.  Bauer sao, literalmente, gente que trabalha com terra, em fazendas. Eles sofrem preconceitos aqui e as pessoas sao  assim denominadas, mesmo nao sendo realmente Bauer, quando se vestem mal, quando tem pouca escolaridade, quando comportam-se mal em sociedade, etc. O preconceito surge da ideia de que, quem trabalha somente com as maos, nao precisa de muito recheio cerebral.
Fato é que, alemaes tem problema sério com aqueles que nao estudaram feito "felasdamae". Pra eles, parece que tem valor, somente aqueles construídos na escola e posteriormente, na universidade,  o resto é tudo Bauer. E esquecem que seu próprio sistema escolar é um agente contribuidor para isso.
Entao, nao compreendo que eles se sintam superiores a nós, ao falarem dos índios. Eles sao tao preconceituosos como meus conterrâneos da parte "rica, produtiva e tao civilizada" do Brasil, que matam a pauladas e com fogo, um mendigo sem teto, por exemplo. 

Nao tomo mais parte em nada disso. Já nao discuto, já nao pesquiso, já nao me ofendo, já nao entro em brigas. A única coisa que sei, é que amo de onde venho e amo minhas raízes. Amo ver meus filhos que cresceram naquela terra, comentarem com seus amigos alemaes ou de outros tantos paises, o que faziam na infância. Amo que eles tenham lembrancas de tomar banho no rio, de remarem em canoas nos igarapés, de terem tido contato com macacos e tantos outros bichos, de terem uma mae que tem muita história pra contar, desde a comer formiga tanajura com farinha a ver cobras e sereias inventadas, na beira do rio.

No fundo, nao é isso o que importa?

Foto: Pedro Martinelli
AMAZONAS, eu sou dali!

03/07/14

Quadros e plantas no banheiro

Banheiro. Tá aí um lugarzinho que as pessoas nao costumam dar muito valor, né nao? Ele é quase sempre relegado a segundo plano, isso quando ao menos, se pensa no pobrezinho. Tenho que confessar que minha relacao com banheiro nao é grande coisas nao. O negócio todo comigo é muito vapt vupt. Nao sou daquelas de ter longos banhos  ou levar jornal ou revista pra ler sentada no vaso. To fora! Mas acho legal cuidar bem do lugar. Uma boa limpeza diariamente, é fundamental! 

Aqui, quando se comeca o processo de alugar-se uma casa ou apartamento, a primeira coisa que as pessoas costumam observar é se há janelas nos banheiros. Coisa mais que essencial em país que no inverno, o dia escurece tao cedo, além de ser importantíssimo pra dar uma boa arejada no ambiente com frequência.
Mas nem só de limpeza e janelas vivem os banheiros. Decorá-los também é algo bacana, nao é?

Nosso banheiro é relativamente grande. Tem uma ducha e uma banheira, que é muito comum em muitas casas na Alemanha. Em vez de uma janela, há uma porta de vidro (do tipo esfumacado) que é elaborada para clarear ainda mais o ambiente. Infelizmente, todas as paredes sao azulejadas, o que me proibe de pintá-las. Por isso coloquei uns quadrinhos coloridos (usei um tipo de adesivo pra prendê-los ao azulejo) e distribui algumas plantas.


É bem simples, e eu nao morro de amores por ele nao. Tenho vontade de fazer um ambiente mais romântico, mas realmente, ainda nao sei como. De qualquer forma, acho legal os pontos coloridos no bichinho, que é extremamente branco e muito dessa cor num só ambiente, me dá um pouco de náusea :-(

Quer me dar umas ideias?
E no teu banheiro, que tem nele?