12/07/16

Sem interesse

Nao é dolorido, nao é triste, nao incomoda, mas sabe-se que causa estranhamento. 
Olhar o mundo em volta e cada vez mais, ter menos vontade de sair do seu canto. Nada realmente interessa. Pode até participar (e participa!), das coisas estritamente necessárias lá fora, mas entusiasmo verdadeiro, lhe falta. É como estar num lugar só em corpo, tendo a cabeça noutro lugar. Que estranho! 

A verdade é que as coisas perderam importância. Nao os amigos, nao o trabalho, nao os estudos, mas as coisas: Os sapatos, as bolsas, os carros, as etiquetas à mostra, as festas, o barulho, o exibicionismo, as risadas forçadas, as viagens, a falsidade do dia a dia, os beijinhos mentirosos no rosto, as conversas levianas, as leituras seculares, as fofocas, a internet, o celular, o fazer questao de se mostrar interagida, o preenchimento das horas com qualquer coisa, só pra não ficar de fora das novidades, ou sozinho consigo mesmo!
Acabou!
Agora, só interessa cuidar bem da família e estar de boa. Com Ele. E nEle, ter paz!
"Paz que excede todo entendimento"...

Falar isso pra alguém que nao entende, é dar um tiro no pé: "Ai que triste! Está em depressao! Procure algo pra fazer! Você nao merece isso! Levanta e sacode a poeira! Vai trabalhar! Faz trabalho voluntário! Sai, se arruma, arranja um paquera! Vai fazer compras! Vai dançar! Volta pra academia! Você é tao jovem! Faz um curso de qualquer coisa! Coitada, tá louca".

Fato: Pessoas nunca entenderão, então, desistir de tentar convencê-las é o melhor a fazer. E lembrar:  A paz que excede todo entendimento, guardará vossos coracoes e mentes em Cristo Jesus....

Nao sei quantos estão juntos nesse esperar maravilhoso e nesse apagar lentamente. Nesse sussurro de saudade. Nesse adeus silencioso. Nessa pouca ou quase nada, interatividade com o que está aí: Essas coisas de mentira, ilusórias, como bolhas de sabão. O mundo anda assustando e cada vez mais, perdendo seu brilho, vai ficando distante, e mais distante, perdendo o foco, e que satisfação notar, que nao se deseja mais forçar a vista pra enxergá-lo...

Fica-se bem, quando se está com  "A Pessoa" certa.

" ... Não são do mundo, como eu do mundo não sou. Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade..."

11/05/16

Depressão

Há duas semanas estou resfriada, num vai a vem, e chove e não molha sem fim. Se não bastasse a gripe, tive ainda uma longa TPM e muitos dias de enxaqueca. Me sentindo arrasada, entreguei os pontos, joguei a toalha... e caí na cama. Há três dias não sinto vontade de levantar, mais parecia uma múmia andando pela casa quando ia a cozinha, ou ao banheiro. A família estranhou, isso não é do meu feitio. Na verdade, até eu me estranhei. Fato é que há duas semanas andava triste. 
Hoje, tive que levantar, pra levar filhinho na escola. Já sem dor de cabeça e sem nariz escorrendo, me sentia melhor. Mas depois de voltar da escolinha, e começada a limpeza da casa, me peguei chorando sem cessar, e sem motivo aparente. 
Conheço pessoas que quando começam a desenvolver uma doença, começam também a se sentir deprimidas. Mas, gripe eu nem considero doença, além do mais, fico com muita frequência resfriada, isso não seria motivo para me sentir triste. Gracas a Deus, está tudo bem com a família e com os amigos.
O que eu tinha então? 

Não sofro de depressão, mas hoje ao chorar, lembrei da única vez que senti algo assim. Há dezoito anos, quando estava numa fase muito difícil comigo mesma e com meu ex marido, fiquei uma semana de cama, sentindo grande tristeza e só saí daquilo depois de um médico, amigo nosso, me receitar um remedinho. Nunca mais tive algo parecido. Quando me vi hoje chorando, com uma pazinha na mao enquanto mexia com minhas plantas, a única coisa que me deu vontade de fazer, foi correr até meu quarto. Lá, sentei no chão e chorando, falei ao meu Senhor, que estava com saudade e que desejava só ficar ali um pouco com Ele. Não falei mais nada. Parei de chorar, fiquei mais uns minutinhos ali, e levantei. Já outra! Fui direto para a sala, liguei uma música, e voltei às minhas atividades de antes, sorrindo e me sentindo muito, muito leve. 
Foi aí que percebi a razão. Eu estava com saudade de Deus!

Notei que nessas duas semanas, me sentindo doente, e me vitimizando, quase nao falei com Ele (amo conversar com meu Senhor o tempo todo!), quase não li minha Bíblia e se o fiz, foi automaticamente, e orei muito pouco. Então, a saudade dessa comunhão diária, foi o que me fez falta e estava me entristecendo o espírito.

E aí, pensei em você! É, você! Talvez você sinta isso de vez em quando, não? Provavelmente, seu caso seja mais complicado do que o meu. Há uma doença grave, morte de algum querido, traumas que não consegue esquecer, ou pode ser que você tenha a doenca chamada depressão.  Mas será que você já parou pra pensar que  pode estar com o mesmo problema que eu? Você pode estar sentindo saudade do seu Criador?

Sabia que quando Adão e Eva pecaram, lá no jardim do Eden, eles quebraram essa comunhão que havia entre eles e Deus? Antes de O desobedecerem, esse casal recebia a visita do Senhor todo fim de tarde, bonito pensar nisso, não? Ele tinham, digamos assim, um chá da tarde com Deus! Mas eles quebraram esse relacionamento e desde lá, é isso que Deus tem procurado restabelecer, a relação entre Ele e o homem. É só isso que Deus quer da gente! Que nós O conheçamos, que tenhamos com Ele um relacionamento, uma amizade, um carinho de Pai e filho. Por isso Ele nos deu Jesus Cristo, só através de Seu filho, isso seria possível, porque o pecado nos distanciou de tal forma, que nada seria capaz de nos ligar a esse Deus Santo Santo Santo! Cristo é a porta através da qual, podemos chegar ao Pai, "Ele é o caminho, a verdade e  a vida",  é o pedaço de nós que nos falta. 

Você pode rir de mim, pode rir da Bíblia, mas num dos intervalos do seu choro, quando estiver sozinho consigo mesmo, tente lembrar do que está lendo... pense se a dor que sente, nao vem da saudade de algo que você nao lembra, mas que um dia soube que existia... Pense que o seu espírito morto, talvez, esteja querendo acordar. Fale com Deus, mesmo que você nao acredite muito nEle. O fato de você nao acreditar, nao faz dEle inexistente. 

Se você já tentou muitas coisas e nada tem te ajudado de verdade, talvez este seja o seu diagnóstico: Saudade de Deus. Pense nisso... e tente perguntar a Ele se é isso mesmo. Não custa nada tentar...




    

20/04/16

Saudade de rio

Popopopóóó...
Lá vai o barco, descendo o rio. Deixando às margens, o banzeiro a encostar na areia. A criança cansada do dia e queimada de sol, encosta o queixo na borda de madeira lascada, da popa do barco. Fica olhando o movimento que o motor vai formando na água, atrás dele. Parece guaraná gelado, sendo servido num grande copo. A menina olha a água como que enfeitiçada, querendo entender como ela pode ter aquela cor. Ao redor dela, o verde da floresta, as palmeiras, e as grandes e soberbas, Castanheiras do Brasil. As rainhas da floresta! Tão imponentes,  dentro daquele verde esplendoroso das matas. Não sabe explicar, mas aquelas árvores lembram a beleza de sua mãe. Bonita, grande, formosa, que chama tanto a atenção.
Antes de subir no barco, tomava banho com as primas no igarapé de águas geladas, ouvia o canto dos pássaros ao longe, e ele ainda entoa no seu lembrar. Não sabe dizer o nome de nenhum deles, mas sabe que eles estão ali nas copas das árvores. A avó  brinca de assobiar, conhece os passarinhos, e ela, quando está no ônibus indo pra escola, gosta de cantar dentro da cabeça, e pensa que há um passarinho dentro dela também. Olha para o rio, sem cansar. Vai estar sempre ali pra ela. Nesse momento, nada mais importa, só o rio. 
O céu é sempre azul, com enormes nuvens brancas, que sao um bálsamo para a cidade. Sem elas, seria difícil suportar Manaus. 
- É calor demais -  diz a mãe, usando uma boa desculpa pra manter os cabelos das filhas curtinhos.

Mas é no banho de rio, que as meninas entendem o que é a beleza da terra em que elas nasceram. Para que xampu se os cabelos ficam lindos e macios depois de vários banhos de igarapé? O que faz também a menina lembrar, que certa vez, em mais um dia de barco na sua infância,  viu uma sereia!
A sua posição era a mesma daquela do queixo na popa do barco, cansada do sol, e das brincadeiras na água, ela nao sabe dizer se o que via era real. Uma mulher de longos cabelos negros, estava no meio do rio, abraçada a um homem. Não havia pedra, nem canoa, era só a mulher de longos cabelos lisos e um homem... era muito criança pra entender o que eles faziam ali. Terá sido uma ilusão? Mas a irmã também estava olhando, a mesma cena! 
Não falaram nada uma com a outra naqueles dias, só muito tempo depois de crescidas: 
- Uma vez eu vi uma Iara, uma sereia... 
- Tu também viu?! Falara a irmã com olhos arregalados.
Assim sao as coisas da terra delas, mágicas. Ou pelos menos, assim era na cabecinha sonhadora das meninas.

Quando ela cresceu, foi trabalhar com  gente da mata. No meio da floresta. Rio, mato, madeira, bicho. Lua e sol, nuvem e chuva. Canto da mata, que ela nunca cansou de ouvir... jacaré e peixe boi, tartaruga, bicho preguiça, pirarucu... cupuaçu, tapioca, acaí, café, pé de moleque, farinha. Gostava de acompanhar as mulheres que torravam a farinha, debaixo de um sol de lascar, num tacho gigantesco! Ia com os homens colher macaxeira, mas a maior alegria, era quando pulava com as crianças no rio. Ali sim, era seu lugar! Desde menina. Quando o sol refletia na água e ela podia ver seus pés ali dentro, flutuando no embalo do rio. E as crianças, brincando de mergulhar, mais pareciam patinhos com a cabeca dentro daquela coisa fluida, quase sobrenatural, que é o rio. O rio!! 
O sol vai indo embora, abaixando no horizonte alaranjado... A mulher da casa, lhe oferece flor colhida ali, no quintal. Nao quer ir embora, mas tem que ir para outra comunidade. No mesmo rio, do outro lado. A rabeta, faz um popopopó agora mais rápido que o barco da infância. 

O homem pega o violão com apenas três cordas, está quebrado, como tudo naquela casa simples e feliz, mas faz música. As  pessoas conversam, um friozinho depois de uma chuva, chega de leve, e a lua está no céu, cheia e enorme. Ela vai tomar banho na varanda do flutuante, de cuia, levando um sabonete barato nas mãos. Olhando a lua, e seu reflexo no rio. Molha os cabelos, nao precisando de xampu... nao precisa de mais nada! Se sente parte daquele ambiente, como se fosse aquela árvore na beira do rio, a flor da vitória régia, o reflexo da lua, a índia que carrega o filho no balaio, a cunhantã que pinta o corpo com urucum, ou o curumim que vai caçar com a tribo. 

Ela faz parte daquilo, desde menina e ninguém tira isso dela.  


08/04/16

Cega

Certa feita, Jesus curou um homem cego de nascença. Os fariseus, os religiosos da época, que o Senhor muito criticou, já cheios de raiva de Jesus, foram perguntar ao homem quem o havia curado, e depois de muita enchecao de saco, o ex cego, diante de tantas perguntas e falta de crença, disse: se ele é o que vocês dizem ser eu nao sei, o que sei é que eu era cego e agora vejo.
Acho perfeita essa resposta corajosa desse cara. Também é essa a resposta que melhor me convém quando estou em meio a discussoes sobre minha fé. O que sei é que eu era cega e agora vejo. Todo o resto nao me importa. Todos que discordam de mim e teimam em nao aceitar minha fé em Deus, nao podem entender, porque me acham cega, que curioso! Eles me acusam de cegueira... mas eu vejo! Eu sei que vejo.
Ninguém pode entender de Cristo, se nao O conhece. Nao adianta brigarmos, discutirmos, com pessoas que nao creem. Nosso melhor entendimento da Palavra, ou nosso perfeito linguajar,  nunca  convencerao absolutamente ninguém.
Eu mesma nao posso explicar como Ele me fez enxergar, só sei que agora vejo. E é isso o que importa pra mim. Sei que parece egoísmo, mas isso me basta. O relacionamento com Deus é totalmente individual. Nao é uma "igreja", um pastor, um grupo de irmaos, uma vigília, ou semanas de jejum que irao me fazer encontrá-lo, porque Ele nao está perdido para ser encontrado, é exatamente o contário que ocorre... é Ele quem me encontra. E Ele me encontra cega...  e desde que Ele me encontrou, eu vejo. Era cega e agora vejo! É só isso que sei.
Houve um tempo em que me achava muito inteligente e superior a tantas pessoas, nesse tempo, eu era cega. Nao via. Agora vejo. E enxergar,  nem sempre é fácil, porque vejo minha pequenez. Minha ignorância, minha inferioridade. Vejo minha arrogância, minha insensatez. Meu orgulho e vaidade.  Vejo meus defeitos como eles sao, sem máscaras, meus erros mostrados cotidianamente na minha cara. Coisas que antes, nao via. Veja como eu era cega! Mas também vejo feridas curadas, lágrimas enxutas, alegria onde antes, havia dor. E vejo o futuro. Vejo simplesmente, mesmo nao enxergando realmente. Fé é assim, "é a certeza de coisas que nao se veem". Mas espera, eu disse que via. Sim eu vejo, mas vejo com outros olhos que esses, grudados na face. Nao vejo com os olhos do coracao, como diria o pequeno príncipe, eu vejo com os olhos da fé e estes, nao sao cegos.

Nao faz nada...

Mais um dia totalmente normal comeca. O primeiro som do despertador toca às seis. Levanta. Coloca o lanche do filho na porta do seu quarto e verifica se ele de fato, já levantou. Prepara o café, acorda o filho pequeno. Serve seu cereal com iogurte. Leva o pequeno a escolinha, na volta, compra alguma coisa que falta para o almoco. Quando tem vontade vai ao Pilates, mas quando o almoco é trabalhoso, prefere faltar a tortura da academia. Une o útil ao agradável já que detesta se exercitar. Faz uma oracao, lê um pouco sua Bíblia e comeca as tarefas da casa. Liga o computador, tenta recomecar as transcricoes e revisoes de textos, mas tem que parar constantemente, para colocar a roupa na máquina, ou arrumar o quarto. Volta aos textos, mas para de novo, porque já é hora de comecar a fazer o almoco, já que uma hora da tarde tem que estar pronto, quando a sobrinha e o filho chegam. Termina o almoco, lava toda a louca que usou pra cozinhar. Passa o aspirador na casa toda. Duas horas antes, comeca a tentar acordar a filha, que só dorme tarde, de madrugada, toda noite. Volta aos textos, para de novo, porque alguém toca a campainha, aproveita que está lá e passa um pano no amarelado da porta. Volta pra cozinha, mas para no meio do caminho, porque  o vidro da janela está muito sujo,  a máquina apita que a lavagem acabou. Tira a roupa da máquina, olha para o relógio, tem que pegar o filho na escolinha, e nota que ainda nao almocou. Come rápido, e vai correndo pegar o filho. Mais de uma  hora depois estao em casa, porque antes, pararam pra ele brincar um pouco no parquinho e depois de aulas de biologia, conversas sobre Deus e brincadeiras na rua, chegam em casa, nao antes de passarem no supermercado no meio do caminho pra comprar café, ou um queijo pra mais tarde. Coloca o almoco do pequeno, e volta aos textos. Ele termina de comer, e a cada quinze minutos,  pergunta se pode comer alguma coisa. Levanta, dá um biscoito, uma fruta cortadinha, diminui o áudio da TV onde dinossauros falam alto, responde uma pergunta ou outra dos filhos, tira o pó dos móveis da sala, arruma de novo a cozinha, bate as almofadas do sofá, arrumas as cortinas. Atende o telefone, e aproveita pra ligar e marcar uma consulta pro filho. Volta aos textos, o menino pede pra brincar de futebol. Lá vai ela, brincar de ser goleira. Acha pouco brincar disso e vao tentar derrubar cabecas de borracha sobre colunas de um tal angrybirds. Param de brincar, comeca a fazer o chá às 18 horas para o jantar, prepara tudo, tira pela segunda vez, roupas da máquina, estende-as, guarda a  louca, coloca a suja que se acumula na pia, na máquina novamente, prepara a mesa, chama a gurizada pra jantar, comem, riem, conversam. Olha pela janela, admira o por do sol. Respira... Agora é hora de dar banho no pequeno, vesti-lo, escovar seus dentes, limpar um pouco o boxe do banheiro. Passa um pano no espelho que sempre tem poeira, poe menino pra fazer xixi, veste o pijaminha no menino, e o coloca na cama. Lê pra ele sua Bíblia infantil e o livro dos dinossauros, oram juntos, ele bebe água, pede pra ela ficar no quarto, ela diz que nao, ele pede por favor, ela diz que nao, mas o lembra que sexta feira ele pode dormir com a mamae, até domingo! Ele pergunta quantas vezes tem que dormir pra chegar sexta, ela responde e diz boa noite, sai do quarto. Já pediu que os filhos maiores guardem as coisas do jantar. Dá um beijo no marido que fica vendo TV, coisa que ela detesta, e vai finalmente tomar seu banho, escovar os dentes, e ler suas coisas na cama. Hora taaaaaao boa!
Liga o computador pra tentar dar continuidade aos textos, até que um filho venha  perguntar se tem um docinho guardado no armário, ou onde estao os lencois pra cama, o marido vir contar como foi seu dia, cobrando a lista de compras pro dia seguinte, ou levanta para limpar o bumbum do filhinho que foi ao banheiro e nunca adormece rápido. Neste momento,  olha de relance o cesto de roupa suja lotado de novo, solta um suspiro. Volta para o quarto. Verifica se o despertador está certinho pro dia seginte, onde tudo se repetirá, liga o celular pra ler as últimas notícias e encontra um  comentário de um homem falando que dona de casa nao faz nada... fecha os olhos e vai dormir.

29/03/16

Rotina

"Amanheceu, 
O silêncio ferido de morte agonizou 
 Os sons do cotidiano em brado forte irrompem das ruas 
A quietude expirou pássaros entoam seu canto matinal portas batem, janelas se abrem 
O sol se deita sorrateiramente sobre as casas e asfaltos 
Ouve-se suspiros profundos e altos 
 O vento tremula entre as folhas das árvores varre das ruas as sobras da noite agita a cabeleira crespa dos mares 
Passos agitados, gente correndo
 Máquinas em funcionamento 
Risos, prantos, lamento a noite se desfazendo 
Amanheceu, o dia exala o seu cinzento odor uma formiga apressada carrega uma folha inaugura seu rotineiro e áspero labor"
 Úrsula Avner






"Em santidade e justiça perante ele,
 todos os dias da nossa vida". Lucas 1:75


 "A idéia é a rotina do papel.
O céu é a rotina do edifício.
O inicio é a rotina do final.
A escolha é a rotina do gosto.
A rotina do espelho é o oposto.
A rotina do perfume é a lembrança.
O pé é a rotina da dança.
A rotina da garganta é o rock.
A rotina da mão é o toque.
Julieta é a rotina do queijo.
A rotina da boca é o desejo.
O vento é a rotina do assobio.
A rotina da pele é o arrepio.
A rotina do caminho é a direção.
A rotina do destino é a certeza.
Toda rotina tem sua beleza".


Arnaldo Antunes
 
 "Cada dia te bendirei, e louvarei o teu nome 
pelos séculos dos séculos e para sempre". Salmos 145:2



 "Cansei de me sentir sozinha. Cansei de tanta mentira. Cansei dos dias iguais, da rotina. Cansei de mim e de me deixar sempre em última opção. Cansei de procurar meus amigos. Cansei de mentir pra mim, pra ver se dói menos. Cansei de me preocupar com quem não se preocupa comigo. Cansei de sofrer e de acordar indisposta, cansei de sentir o coração bater mais forte, com uma sensação de arrependimento, de erro. Cansei de tudo".
Clarice Lispector
 
obs. eu nao cansei de nada disso, mas achei bonitas as palavras da Clarice :-)


"Pois todos os nossos dias vão passando na tua indignação 
passamos os nossos anos como um conto que se conta". Salmo 90

24/03/16

Patagônia e Ushuaia

Lá pelos meus dezoito anos, um amigo meu falou que sua mae tinha ido a Patagonia Argentina e estava adorando. Nesse tempo eu nao pensava em viajar para nenhum outro lugar que nao fosse para França. Sério! Nao conseguia considerar nenhum outro lugar no mundo pra ir. Eu era fascinada pelo modo francês de viver desde meus doze anos, quando tive aula de francês na escola, ainda como matéria obrigatória. Olhei pra cara do meu amigo cheia de desapontamento e imagino que devo ter pensado (dá um desconto, isso já tem muitos anos pra lembrar exatamente o que eu pensei!): grande coisa, porcaria de Patagônia velha fria! Mãe véia boba, em vez de ir a Paris vai aqui logo embaixo passar frio!

O tempo passou. Um dia,  meu marido estava fazendo os planejamentos da nossa viagem de férias, e eu disse que gostaria de incluir a Argentina: tava me dando uma vontaaaaade de conhecer Buenos Aires! Fui ao Brasil com meu pequeno Pedro e depois de duas semanas, chegou o meu marido em Manaus. Estava eu, toda calminha e feliz, procurando umas coisas na sua mala, quando me deparei com meu casaco de inverno, bota, meias, cachecol, tudo muito bem escondido no fundo da mala... 
-  Mas o que é isso marido? - já fui falando com voz alterada. Ele ficou disfarçando, mas acabou revelando seus propósitos escondidos: - aaaaahhh amor, pois é, nao te falei, ne? mas, bem, vamos a Patagônia... Surpresa!!
....
....
Pausa para olhos arregalados!
....
....

- O que???? Tu sabe que nao quero encarar frio!!  A gente tá de férias, na América do Sul! Clima tropical, po! Que marido traíra!
- Mas amor, querida, princesa, Schatz da minha vida, eu to acompanhando a previsao do tempo desde que estava em casa, está bonito, é verão lá também, a temperatura está boa e... 
- Mas que porquera é essa?? Tu sabe, seu feladamae, que eu detesto frio, que to aqui fugindo do inverno, e que só quero calor, calor, só quero saber de praia, areia, sol torrando na cachola, suor,  tu saaaaaaabe meooooo!!! (mentira, em praia eu só fico debaixo de guarda sol, mas vc me entendeu, certo?).
O pobre marido ficou lá, quase implorando para a monstrenga aqui, desculpar seu excesso de romantismo, mas eu saí bufando, soltando fumaça pelas orelhas, batendo a porta do banheiro e fui afogar minha mágoas tomando um banho. - Me ajuda Senhor, me ajuda a aceitar  essa m* de surpresa!

Bem, aqui estou eu depois da surpresa e da ajuda do meu Senhor! Disposta a ir a outros lugares tao frios quanto a Patagônia, se for para ver mais coisas tao lindas por esse mundo lindo de Deus! 100% disposta a encarar frio, desde que visitei aquela lindeza de lugar na hermana argentina! Dei inclusive, o braço a torcer ao marido enquanto estávamos lá, depois que vi o quão boba eu, pequena-grande-monstrenga, sou.  Meu marido estava certo, eu nao teria aceitado se soubesse do que ele estava planejando em secreto. E por minha estupidez e ignorância, iria perder a chance de conhecer um lugar incrível!

Estivemos em El Calafate, e pudemos apreciar a cidade que é muito agradável e os glaciais de Perito Moreno, uma coisa extraordinária e imperdível na regiao.
Aqui algumas fotos desse lugar impressionante:















E recomendo a você, viu? A Patagonia é impressionante! Lindíssima, cheia de vida pulsante, de paisagens diferentes. Não precisa ir no inverno, realmente o frio é grande nessa estação, chega a 25 graus negativos, mas o verão tem temperatura bastante agradável. Em alguns momentos, cheguei até a sentir bastante calor, com temperatura de 12 graus com muito sol. Fato é que nao é muito barato, mas vale a pena conhecer, sim. Não é longe do Brasil e você pode procurar bons pacotes que as agências de turismo oferecem.
Nao espere pela europa, como eu. Há lugares lindíssimos tao perto do Brasil (e claro, dentro dele) e bem mais barato!
Publicamente,  peço desculpas a mae do meu amigo. Ela que estava certa...


***
E para o post ficar enorme mesmo (desculpa aê), posto aqui fotos de Ushuaia, a capital da Tierra del Fuego, também na Argentina e nao muito distante de El Calafate (mesmo que precisemos pegar um aviao pra chegar a Patagonia). O ponto mais ao sul do continente (na verdade, o ponto mais sul é uma vila no Chile mas a cidade, é mesmo Ushuaia). Muito bonitinha, mas bem mais fria que a Patagônia. O vento não para NUNCA naquele lugar (como você pode ver na foto comigo descabelada mais embaixo). Mas vale a pena conhecer se você estiver por perto, a paisagem é deslumbrante e pode-se visitar a ilha dos pinguins com a única empresa que proporciona essa visita mais que supervisionada.





Se você tiver filhos que gostam de animais, como meu menino, Ushuaia vai encantá-los!
Pedro até hoje diz que o melhor da viagem foi a casa da avó em Manaus, o cachorrinho da tia e os pinguins ;-)

20/03/16

Domingo de manhã

Acordei cedo. O dia amanheceu com preguica, o sol ainda estava encoberto, havia um pouco de neblina e fazia um friozinho de 4 graus. Vesti o casaco e fui. Fazia tempo que nao precisava fazer algo cedo num domingo. Me surpreendi com a beleza desse dia da semana, e quero me dispor a fazer isso mais vezes. Domingo de manha pode ser um encanto. É bonito ver que as pessoas nao estao esbaforidas, correndo de um lado pra outro porque estao atrasadas, ou que as ruas nao estao cheias de carros, ou que os funcionários da prefeitura nao estao fazendo uma interminável reforma na sua rua. Passo a observar mais as pessoas e paisagens no domingo de manha. E isso é agradável! 

Entro no bonde que está quase vazio para o horário, normalmente os estudantes enchem o bonde com seu barulho juvenil e suas mochilas cheias e pesadas, empurrando a todos no caminho, ou há sempre pessoas penduradas em seus celulares falando todo o idioma que é possível aqui ser ouvido. Domingo de manha nao é assim. Do bonde observo o movimento lá fora. Uma senhora de cabelos brancos e aparentando no mínimo uns setenta anos, passa correndo num patinete (!!), me surpreendo, já vi muita coisa nessa Alemanha, mas tal cena ainda nao! Vejo pessoas idosas com buquês de flores  descendo no ponto do cemitério, essas sim, mais comuns de serem vistas. 

As pessoas também estao bem vestidas no domingo de manha. Algumas vao a igrejas, outras levam pratos e flores nas maos, talvez estejam indo para algum encontro, algum café especial com amigos, quem sabe? Vejo a igreja bonita, com suas torres e rodeada de grama  no centro da cidadezinha, e noto os galhos das árvores ainda pelados de folhas, por enquanto, porque dentro de alguns dias eles já estarao verdinhos, com o início da primavera. Dentro do bonde, um casal pergunta aonde descer para ir a certo  lugar, noto que o homem é idêntico ao Albert Einstein. Os mesmos cabelos, o bigode, os olhos, a sobrancelha! No assento ao lado, um pai leva seu filho de no máximo, dois anos, no colo, e o menininho carrega aqueles macarroes coloridos de natacao - há um curso de natacao no domingo, para criancas pequenas, mas nao havia mais vagas quando procuramos... talvez aquele menininho tenha pego a última que havia. Mas ele é tao bonitinho e doce, que o perdoo. Ao descer do bonde, para pegar outro, olho a cidade vazia, coisa rara em dias de semana e especialmente, em dias de sol. Os alemaes esperam cada raio de sol como se fosse um presente divino. E é! No bonde, de volta para casa, umas seis horas mais tarde, verei pessoas de rosto colado no vidro, por causa do sol que saiu lindamente numa temperatura de dez graus, sorrindo e de olhos fechados. A primavera é tao bela e as pessoas parecem tao gratas.

Gosto da cidade no domingo de manha, de lojas e restaurantes fechados, e tenho tempo e espaco para observar e ler as plaquinhas de metal espalhadas por todo o país, no chao, em frente a casas de onde judeus foram retirados e levados aos campos de trabalho e concentracao, num passado nao muito distante. Vejo um homem de aparência muito triste, comendo uma dönner num banco. Um outro homem dorme no chao em frente a uma loja, num saco de dormir. Ambos me deixam triste, mas logo me alegro - o homem que parece o Alberto Einstein passa por mim e eu tenho vontade de mostrar  a língua pra ele... No outro lado da rua, passa um pai numa bicicleta seguido de seu filho com um gorrinho afrancesado, numa outra bicicletinha. O ambiente ainda é sereno. O domingo de manha me agrada. 


Chego perto da casa da amiga. Seu marido está de saída: - nao vai ficar? pergunto - Nao! Já trabalhei muito, limpei vidros, tirei pó e limpei banheiro, vou descansar agora.-  fala ele brincando. Entro num dos apartamentos mais bonitinhos em que já estive. E a tranquilidade da cidade lá fora, acaba, somos brasileiras falantes tomando um café da manha juntas. Sem filhos, sem maridos, somente nós e o cachorrinho mais lindo e querido do mundo. E no meio daquilo tudo, percebo a serenidade disso, a tranquilidade que há na amizade. Porque estar reunido com quem amamos, é tranquilizante, reconfortante. É bom saber que temos umas às outras. 


 Obrigada Grazi querida, pelo convite, pelas flores, pelo Quinto, pelas deliciosas guloseimas, pelas meninas e por me mostrar a beleza do domingo de manhã.

  

15/03/16

Sou contra o aborto

No início dos meus vinte anos, fiz um aborto. Sempre tive vontade de ser mae, e essa decisao me doeu muito e até hoje,  vinte e poucos anos depois, ainda me comove. A ocasiao não era de forma alguma, a mais propícia para eu ter um filho. Cometi uma falha muito grave e nao consegui ver saída para a situacao. O aborto parecia ser, no momento, a decisao acertada.

Nao foi!
E eu me arrependo muito de tê-lo feito.
Eu nao queria abortar!! - realmente nao queria, e tive que lutar muito contra mim mesma para fazê-lo. Desejei desesperadamente, assumir a gravidez, mas a situacao era totalmente adversa. E isso nao me faz melhor que alguém que nao queira assumir uma gravidez, ambas estamos partindo do ponto errado: Nao é o que fazer dali pra frente, mas sim, porque fizemos?

Tive "sorte". Era bem no início, tomei apenas um comprimido e nao senti quase nenhuma dor depois. Quero dizer, nao houve realmente, dor física, mas a emocional, aquela coisa pesada e sentida, que eu arrastava por longos anos, como correntes num corpo fantasma, essa era dura e difícil de ser suportada.
Essa atitude me roubou paz interior por muitos anos, "destruiu" a base do relacionamento que acabava de comecar - apesar de ter sobrevivido ainda por dez anos-  e talvez seja o motivo pelo qual, nao consigo mais engravidar. Nao sei se é assim de fato, mas a mulher deve ter uma quantidade X de possibilidades de engravidar, e acho que aquela vez me faz falta hoje...

Mas o que mais me incomoda nisso tudo é o fato de ter que pensar, inevitavelmente, que teria mais um filho hoje em dia. Um menino mais velho que minha Laura. Tenho vontade de saber como seria o seu rosto, o seu jeito, a sua voz. Me sinto culpada por nao tê-lo amamentado, carregado no colo, ninado, lido livros pra ele na hora de dormir, assim como fiz com meus outros meninos. O privei da minha presenca e do meu amor, o privei de conhecer seus irmaos, seus avós, tios e primos... 

É fácil criticar minha posicao e me chamar de dramática, nao é? Você pode pensar que eu nao posso julgar ninguém, que nao sei o que moça tá passando, enfim... E você está certo! Mas posso falar do que sinto, e é isso o que me faz falta, sinceramente: o fato de nao ter permitido que meu filho viesse ao mundo. Agi de forma egoísta, incorreta, magoei alguém muito importante, e tirei do meu filho (ou filha) o direito à vida. Eu nao tinha esse direito!

Hoje, por conhecer muito bem, o Deus que sirvo, sei e acredito, que sou perdoada, e a dor que eu sentia, motivada pela culpa, se transformou.  Sei por fé, que um dia irei conhecer meu filho, e isso me traz muita paz, e nao me permite sentir mais remorso... mas nao muda a minha posicao de antes e depois de abortar (mesmo sabendo que isso parece contraditório!)
Não sou contra você, que já fez. Mas sou contra o "ato" que você cometeu. Que nós cometemos.
Engracado como só entendemos quem realmente somos e o que podemos fazer, quando nos deparamos com as situacoes que nos obrigam a ver o tipo de pessoa que somos, nao é?! Veja o meu caso,  eu sempre fui contra o aborto, até que me vi em tal situacao... e como toda boa hipócrita, eu até falava mal das mulheres que faziam, me fazendo de boazinha aos olhos de quem me ouvia. Até que eu precisei tomar a mesma decisao que as outras tomaram,  e virei aquele copo d´água de uma única vez...

Nao foi fácil engolir junto o meu orgulho, ao notar que eu era uma farsa. Mas foi fácil todo o resto: tomar aquele comprimido num só gole, fechar os olhos apertado, acariciar a barriga, me desculpar com o nenên e chorar algumas poucas horas... Logo depois estaria livre para cometer mais e mais falhas, porque eu nao iria parar por aí com minhas cagadas pela vida... Mas poderia ter havido tantas outras complicacoes, que nao ficariam somente nas lembrancas, mas também no meu corpo e na minha saúde, talvez nem mesmo tivesse sobrevivido...

Sei que falar que Deus nao aprova sexo fora do casamento, num mundo como o de hoje, é loucura... mas apesar de o mundo ter mudado, Deus é o mesmo e nEle nao há sombra de mudanca. Sei que falar que a mulher, nao é dona do seu corpo, num mundo como o nosso, é loucura, mas... sabe? Dizer ao namorado (ou seja lá o que esse homem for) que só ela pode decidir se aborta ou nao, porque o corpo é dela e ela é quem manda, é loucura também!

O  mundo todo virou de ponta cabeca e o que estamos vendo por aí, como p.exe., meninas tomando pílula do dia seguinte depois de dar pra todo mundo na noite anterior, nao faz delas pessoas sensatas, donas de suas vidas e de seus corpos, necessariamente.
- Ah, é dona sabichona, e o que fazer entao?
- Ué, nao trepa minha fia!
E se trepou e engravidou, assuma seu filho!

O mundo nao vai acabar porque você vai ser mae, na verdade, é aí que tudo comeca...
***

o video aqui, pode ser uma continuacao do post



03/03/16

Meus filhos

Estou em casa passando o aspirador no chao da entrada. A porta se abre num rompante e entra um filho: "lembrei muito de você hoje, mae" e completa dizendo que quer cantar uma música pra mim mas que esqueceu a letra, me dá em vez disso, um abraco, um beijo, e minutos depois, já está a discutir comigo, querendo testar minha fé e paciência. Duas horas atrás, fui acordar a filha, que ainda  está dormindo, porque pegou no sono ontem muito tarde, lendo, lendo, lendo. Ela levanta com a maior boa vontade, alegremente, me abraça, se joga em cima de mim, me derrubando no chao, num golpe quase mortal, me chamando de "minha véia", e rindo de mim tentando recolocar meus ossos no lugar. Vejo a menina ligar música alta, dançando tao linda e sorridente. Ela me lembra seu pai...
Logo depois, chega a sobrinha da covinha na bochecha, que está fazendo curso de alemao e  morando comigo por um tempo. Ela chega com fome, "frio dá fome, tia" e durante o almoço, diz que a comida está quentinha, como minha filha sempre diz. Reclama um pouco do frio do qual nao está acostumada, do idioma que nao faz o menor sentido "o que é afinal esse tal de Akkusativ?" e se junta aos primos pra rir e tagarelar. Saio para buscar meu pequeno de cinco anos. Ele me vê e vem correndo me abraçar. Todo dia me pede pra comer o pão que esqueceu de comer, e que ainda está na mochila, "- nao comi porque nao queria parar de brincar com o Noah, nao temos tempo de comer, entende, Mama?"! - Me diz ele, todo compenetrado. Caminha conversando alegre comigo e com seus dinos invisíveis, e nos conta sobre as traquinagens do dia.  Chegamos em casa, ainda tem gente conversando. Uma outra amiga da filha pode chegar, e fica todo mundo falando português, alemão, inglês. E eu gosto desse barulho! Dessa gente.

Sento no meu quarto pra escrever um email a uma amiga e me pego falando dos filhos. Eles sao tudo pra mim, meus amores, meu tesouro! Ouço a voz deles fora do quarto. Uma grita, o outro gargalha,  outra bate na porta do toilette reclamando que o menino demora demais,  uma quer entrar no banheiro pra tomar banho mas outra canta alto do chuveiro, o menininho pula enquanto assiste um filminho de dinossauros na sala e vem toda hora me perguntar se pode comer algo, a sobrinha diz que ele tem um buraco negro no estômago. Lá fora chove e eu... bem, eu só quero dizer que amo meus meninos. Amo de doer o peito. 
Nunca tive a infeliz ideia de colocar culpa por algo que nao deu certo na minha vida, em meus filhos, como vejo muitas mães fazer. Já ralei muito com eles, sim, já passamos apertos, sim, já choramos juntos. Mas se precisasse, faria tudo de novo! Bem, talvez corrigisse algumas coisinhas... mas eles eu teria! Iguaizinhos como eles sao, sem tirar nem por. Porque nao sei quem eu seria se nao fosse mae deles.  Cada dia, tenho mais e mais certeza, que ter meus meninos, foi a melhor coisa que me aconteceu. Ser mae deles, me faz feliz. E se isso fosse tudo, eu seria completa só com eles. 

Ter a casa cheia me deixa feliz. Sou o tipo mae-galinha, gosto de ter minha "ninhada" por perto. Sei que eles vao um dia morar fora de mim, mas enquanto eles estao aqui, eu aproveito, assim como aproveitei sua infância e cada fase de suas vidas. Eles alegram a casa, me deixam contente, mesmo quando me irritam. Sem eles, tudo seria um tédio! Eles fazem da nossa casa, o que nós fizemos na casa da minha mae, quando criancas. Uma casa legal! É isso o que os amigos deles dizem, era isso o que eu ouvia dos meus amigos, quando menina, sobre a casa da minha mae...

Sei que nasci pra isso, pra ser mae. Teria mais filhos, se pudesse. Sei que nao sou tao boa quanto gostaria, mas também isso é legal, porque quando falho, aprendo com eles. Eles me ensinam, na maior parte das vezes (!!), gentilmente. São lindos, carinhosos, inteligentes. Os amo! Muito, muito! E sou grata a Deus por saber dizer isso a eles, todo dia.

22/02/16

A Volta do Senhor

Esta noite fui acordada com mais um sonho de "terror". É o terceiro em menos de um ano que tem sempre a mesma base: algo que cai do céu direto no oceano e desencadeia um tremendo tsunami, que leva todas as pessoas que encontra pelo caminho. Noto que nesses sonhos, a força das águas, que é capaz de levar prédios e grandes construcoes, nunca leva nada além de pessoas, muitas, muitas pessoas. Todas mortas. No sonho desta noite, como sempre, eu estava num lugar seguro, e olhava para o céu todo vermelho, com meteoros, estrelas, lua, tudo correndo no espaço de modo desgovernado, num céu prestes a explodir. Era um verdadeiro horror e eu morria de medo.

Mas, nao se preocupe, nao sou mais uma "profeta", apontando algo futuro a fim de apavorar alguém. Até porque acredito no que diz a Bíblia, que tudo o que Deus tinha para falar, ele falou através do Seu Filho. Mas quero aproveitar o ensejo para começar a conversa mais difícil que eu nunca quis ter aqui neste blog, com o tema que o mundo detesta ouvir e que o cristão mais almeja: a volta de Cristo! Portanto, se você nao quer saber de Cristo, volte pra seu mundinho e feche a página.


* * *

Tenho o maior prazer em falar do amor de Deus e da alegria que Ele me deu, do peso que Ele tirou de sobre meus ombros, das mágoas "passadas" mas tão terrivelmente "presentes" que Ele retirou de mim e do quanto sou feliz estando com Ele. "Volta, minha alma, para o teu repouso, pois o Senhor te fez bem". Mas é importante também falar que além de Amor, Deus também é Justiça. 

Quando Jesus esteve nesta terra, como homem perfeito e sem pecado, ao subir aos céus ele disse que voltaria um dia para buscar os seus. E é essa garantia, dada pelo Senhor, que temos, é essa a nossa esperança. Nós, os que recebemos o que Ele fez na cruz, vivemos como se fôssemos plantas sem raízes, prontas a serem arrancadas pelo ceifador, mas com a cabeça nas nuvens, quase que literalmente. Estamos neste mundo, mas nao somos daqui, porque nossa cidadania é celestial. E nao há cristão verdadeiro que nao espere ansiosamente o dia em que Ele cumprirá essa promessa. 
Perdi a noção das vezes em que já me peguei olhando para o céu, imaginando vê-lo voltando enfim, pra mim. E se Ele falou, tá falado! Se prometeu, Ele há de cumprir, passe o tempo que passar!!

Pode rir, sabe?! Eu não me importo de ser chamada de maluca. Comigo, bem sei,  estão milhoes e milhoes de outros malucos, olhando para o mesmo céu, cheios de contentamento, mesmo que suas vidas nao sejam exatamente, as mais "abencoadas" aos olhos do mundo. 
Somos sim, loucos felizes porque lemos que  "Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias"

Quando Jesus subiu aos céus para ficar à direita do Pai, Ele falou que mandaria um Consolador. Este é o Espírito Santo, que habita todo aquele que crê na obra de Cristo, de verdade! E é exatamente Ele, que  também é Deus, assim como Jesus, que testifica em nós, que somos filhos e nos dá o poder de nos consolar com essa esperança, de que Ele voltará e nos buscará para estarmos um dia, para sempre, com Ele. Para esse encontro ser possível, só há duas maneiras, pelo arrebatamento, ou seja, ser levado vivo com o corpo transformado, diretamente aos céus, ou pela morte.

E olha, eu sei, sei mesmo querido leitor, que isso tudo parece doido para você, mas o Espírito Santo poe nos coracoes dos cristãos de todos os tempos, esse desejo de estamos com Ele. É Ele quem nos faz acreditar nisso, não somos vítimas de lavagem cerebral como você sempre gosta de falar. Esse entendimento é sobrenatural, nao vem de nós! É o próprio Deus que nos dá força para nao nos abatermos com as dificuldades desse mundo de ilusao, fazendo com que nao criemos raízes aqui. 
Todos os que acreditam em Jesus Cristo hoje e no passado, tem e tiveram esse desejo. Por isso que nao ligamos quando as pessoas que nao acreditam nos chamam de loucos. Veja o que o apóstolo Pedro disse em uma de suas cartas: "Sabendo primeiro isto, que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências, e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação. Eles voluntariamente ignoram isto, que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus, e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste .2 Pedro 3:3-5

Entao, resumindo. O que a Bíblia afirma é que, Jesus Cristo voltará a este mundo um dia, para buscar aqueles que acreditam nEle, mas também para fazer aqui a Sua Justica. Nao voltará mais humildezinho como a primeira vez em que veio trazendo a graça, o dom da salvação, mas que virá como o Sol da Justiça! Aos que tiveram seus pecados lavados no seu sangue derramado na cruz,  ele virá buscar, e essa promessa é válida para absolutamente todos os que nele creem, e que sabem  que a única coisa para ser aceito pelo Pai, é crer no Filho e nada mais! Mas a Bíblia também afirma, que todo o resto das pessoas, será levado para um outro lugar, longe dEle, para sempre. E esse lugar não é nada agradável. 
Ou seja, alguns serao levados em vida ou após a morte, ao Senhor e os outros, serao como aqueles do meu pesadelo.  

Nao sei se você chegou até o fim dessa postagem, mas se chegou, nao acredite nas minhas palavras, mas na Palavra Viva de Deus. A vida é muito curta pra desperdiça-la com as coisas vãs desse mundo, pense por exemplo, nessa parábola que Jesus contou certa vez:

"A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância; E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos. E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens;E direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga. Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus. Lucas 12:16-21
E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos.
E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens;
E direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga.
Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?
Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus.
Lucas 12:16-21



Você acredita mesmo que o mundo vai melhorar? Não acha que há provas suficientes de que o fim está próximo? Leia a Bíblia, peça discernimento de Deus pra entendê-la, Ele te ajudará.
Já ouviu falar de Apocalipse, Anticristo, Israel e Igreja, Arrebatamento, Grande Tribulação? Pois é. Não é historinha pra boi dormir, é real! Depois, vai comparando com as coisas que estao acontecendo hoje... ali você verá o quão atual esse livro, escrito há milhares de anos, é!

17/02/16

Família

Poucas coisas se comparam com o sobrevoo de nossa cidade natal, não é mesmo? Quando você está longe de casa há algum tempo e lá de cima, após horas de voo, finalmente enxerga as luzes (se for à noite, obviamente) da cidade que você conhece tanto e estava com tanta saudade. Isso te dá um senso de pertencimento tão grande! É dali que venho! 
- Olha lá embaixo, Pedrinho, Manaus! Manaus!!
- Vovóóóóó, estamos chegando! - Falamos querendo gritar...

Estar de volta ao Brasil é algo sempre indescritível.
Sim, não nego, o Brasil me deixa louca com todo aquele barulho, em todos os lugares e direcoes, ou a preocupacao constante do dia a dia, o transporte público complicado, o lixo, o desrespeito do brasileiro no geral, o preconceito, o preconceito e sempre o preconceito! A exagerada vaidade sensual das mulheres, a diferença absurda entre ricos e pobres, a falta de pontualidade, enfim. Mas foi dali que vim, e é pra ali que sempre vou. Porque Brasil é família e família a gente não deixa pra trás! Mas pra mim, especialmente, Brasil é Amazonas. É floresta, é rio, igarapé, é riso e é choro. Brasil é mistura de um bocado de emoçoes impossíveis de serem realmente descritas.

Se pudesse, ficaria só na casa da minha mãe, sabe?! Porque acho que ela tem tudo o que preciso do Brasil. O Brasil é ela. É os filhos e netos dela! E foi exatamente o que fiz esse tempo todo em que estive em Manaus, fiquei com minha família. Nao dá nem vontade de sair de perto dos meus irmaos e sobrinhos. Porque não há coisa melhor que estar com a família e ficar por dentro das novidades, às vezes não tão boas, às vezes, ótimas, mas que nos fazem tanta falta por morarmos longe. Como é difícil nao estar perto  e ver a sobrinhada crescer, ver a mãe envelhecer, a irmã consertando devagar a sua vida, a outra virando borboleta de patins :-)  Faz falta não ver o tio se recuperando, a prima ganhando um bebê, a amiga passando apertos mas com aquele sorrisão estampado no mesmo rosto tão conhecido, há mais de trintas anos! Rever o amigo da irmã que estava sempre perto alegrando boa parte da nossa adolescência, rever as duas amigas mais presentes e que sempre estiveram por perto, quando precisei, tao queridas! Como faz falta passar o natal com a família TODA reunida, o reveillon com a irmã que também mora longe e como é bom vê-la tão bem casada, tão feliz e saudável!
 
É verdade, meu amor pelo Brasil é um amor dividido, reconheço. Amo um dia, detesto outro. Não tenho vontade alguma de voltar a morar no país, e nem sinto saudade, mas quero sim, poder voltar sempre para revisitar minha infância, que vive na minha família, no meu estado, que é o único lugar que tenho essa sensação de pertencer.
E estar sempre na casa da minha querida mãe. Dentro da casa dela,  é esse o Brasil que amo.

 * * *


À minha mae, meus irmãos e sobrinhos. Aos meus cunhados.
Aos meus amigos, Vanessa, Joseane, Keury, Jander.
Aos meus primos e tios.
A Deus!







As fotos são das águas límpidas e apaixonantes, de cachoeiras em Presidente Figueiredo, próximo a Manaus. Banho gelado, maravilhosamente revigorante e de cor de guaraná, a cor dos rios da minha infância.

28/01/16

De volta a forma... só que nao!

Há três meses, estava sentindo muitas dores nas costas e fui ao médico. Ele me recomendou  a um ortopedista que me recomendou a um fisioterapeuta que me recomendou a academia: 

- O que a senhora faz? 
- Sou dona de casa e trabalho feito escrava! 
- Além disso, há outra atividade? 
- Só na cozinha mesmo, moça, todo dia,  manha e  noite! 
- Muito bem! E qual esporte a senhora pratica? 
- Limpar privadas?
- Outra coisa?
- Vale limpar o chao, o vidro das janelas, e arear panelas? 
-  NAO! 
- Ah, eu corro todo dia de manha levando o menino pro Kindergarten, vou e volto duas veezs por dia. Vale? 
- Nao, tem que ir pra academia! 
- Mas eu odeio academia, moça, por favor, nao me manda pra lá, por favor! 
- Eu também nao gosto, dona Nina, mas tem que fazer algo. Como a senhora está, nao dá pra continuar. Nao pode ficar parada!

Hein??????!!
Nao preciso dizer que quase voei no pescoco daquela mulher, certo?!
OK! A descricao aqui nao condiz totalmente com a conversa, mas foi algo parecido e engraçado...

Mas, coagida por aquela moça esbelta e pelas minhas irmas, que pegaram no meu pé, dei a mao a palmatória e voltei para o pilates, coisa que larguei há dois anos pra nunca mais voltar. Fiz entao, duas semanas de pilates, estava já melhor de todas as dores, quando viajei e passei dois meses sem fazer absolutamente nada... corrigindo: corri um dia na praia, mas sabe quando a bunda, culotes e peitos correm e pulam junto? Então, nao dá, nao dá mesmo! E olha que eu tava de shorts e camiseta por sobre o maiô...tisc tisc... 

Dá uma raaaaaiva ver aquelas gatinhas correndo de biquini, se exibindo na areia, jogando vôlei, frescobol, futevolei... tudo durinha!!

Mas como ia dizendo, estou de volta ao lar há quase duas semanas. Ontem voltei ao pilates. Que raiva!
- Inspira, expira, relaxa aqui, coloca a bola ali, pensa na linha, na coluna, senta, deita, levanta, estica, puxa, faz bananeira (naoooo) olha a postura, expira, "inspira, enche o peito de ar" (lembra desse programa? daquela coroa que ficava de colant, meia calca e polaina, tudo no brilho? Você aí, que tem mais de quarenta anos?? Lembra? Pois é).

Ontem depois da aula, doia tudo. As costas, o peito, o quadril, as pernas, o pescoço! Doía mais que há três meses. E o que mais me dá raiva, é ver aquelas velhas alemãs, tudo com sorriso no rosto, se contorcendo todas, parece que estao no circo, pensando que sao gatinhas na praia, parecem nem sentir dor... bando de velhas metidas! 

Ainda vou ser como elas! Só me recuso a colocar colant e polainas brilhantes de novo...

22/01/16

Quanto privilégio!!

Estava em frente ao mar. Não podia vê-lo, apenas senti-lo. Ouvi-lo. As ondas, naquele movimento incrível que nunca para, dia e noite, batiam na praia, trazendo com seu barulho, uma calmaria no meu dia, cheio de aventura e vai e vem, e sobe e desce. Agora era noite e eu olhava o céu absolutamente encantada. Havia uma imensidão azul escura pespontada com brilho prateado, infinito, bem em cima de mim e eu, essa alma simples, que nao ligo pra coisas refinadas, mas nao resisto aos encantos da natureza, fiquei ali, falando com Deus, segurando as lágrimas. Quanto privilégio!



Pude sair da Alemanha, que entrava no inverno e fui aos trópicos. Tomar um sol, beber água de coco, curtir o mar, e o mais importante, rever minha querida família. Agora, estava na Costa Rica, numa praia em frente ao oceano Pacífico, confirmando o que o alegre motorista costa riquenho, nos havia garantido antes: "as águas do mar desse lado do país, sao mais quentinhas que a do lado caribenho da Costa Rica". E era verdade! Há poucos dias havia estado em Curaçao, na ilha de belas águas azuis e areia branca, e depois dali, ainda iria novamente ao Brasil, passaria pela Argentina e Uruguai, numa bela viagem programada meses e meses atrás. Que privilégio!

Ali, em frente ao mar, era impossível nao lembrar de quando Deus chamou Abraao, para fora de sua cabana no deserto e disse, "...Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar..." Nao, nao se pode contar, assim como eu nao conseguia também parar de agradecer.

Sei que em comparacao a muitos, sou uma pessoa privilegiada. Tenho saúde, bons filhos, família maravilhosa, vivo relativamente bem, e posso viajar para onde quiser. Ali, em frente ao mar, contei mentalmente em quantos países já estive: sao vinte e oito! Fora a quantidade enorme de cidades dentro desses vinte e oito países. Quanto privilégio!

Mas de todos esses privilégios, que me dou conta que tenho, olhando o mesmo céu de Abraao,  nada se compara ao único e maior deles: conhecer esse Deus que me ama mais, muito mais, do que eu a Ele! Ter sido chamada por Ele pra conhecê-lo, ser chamada Sua filha, poder ter comunhao com esse mesmo Deus que criou aquele mar, aquele céu ricamente estrelado,  o mesmo Deus que fez a mim, e que me deu essa família incrível que tenho, conhecer esse maravilhoso Senhor, que fez tudo o mais que há nesse belo mundo, Deus que é tao rico em misericórdia e bondade, por chamar para fazer parte da Sua família, uma pessoa como eu, alguém "como eu"!!! Deus que me deixa sem palavras para descrevê-lo...

Isso sim, é privilégio! 
Absolutamente, o maior de todos!


ps. Só quem conhece o Senhor, de verdade, pode entender de qual privilégio eu falo aqui. Se Ele é só uma historinha de conto de fada pra você, um ser meio inexistente e que você pensa que acredita nEle, mas nao O vive realmente, nao vai compreender e nem acreditar se eu disser: se um dia acontecer de eu nao mais poder viajar, por qualquer motivo, ou nao ter mais um real ou euro no bolso, ou pior ainda, perder minha saúde ou algo mais importante que isso, eu ainda vou me alegrar no Senhor, e dizer a todo mundo que quiser me ouvir: sim, a minha maior alegria é ter o Senhor na minha vida! Porque tudo isso, um dia passará, toda essa beleza que nossos olhos veem, passará, o que nao passa é a Sua Palavra! 
...Aguardo ao Senhor; a minha alma o aguarda, e espero na sua palavra". Salmos 130:5

08/11/15

O melhor que tenho em mim

Uma amiga me escreveu outro dia, me agradecedendo, quando, num momento de angústia, segundo ela,  eu lhe dei a melhor dica: aproxime-se de Deus!
Fiquei pensando nisso hoje. Ela disse que eu sempre quis o seu bem e dei a ela Aquilo que me faz bem: o contato com o Deus que creio.
De fato, eu sempre quis o bem dessa amiga. Mesmo numa época em que acreditava que ela tinha bastante. É que ela sempre me pareceu melhor do que eu. Tinha tudo o que eu sonhava ter um dia e tive que lutar contra mim mesma, pra não permitir que a inveja tomasse conta dos meus sentimentos por ela. Formou-se na faculdade bem antes de mim, fazia trabalhos em conjunto com uma instituição ligada a universidade, viajava o Brasil e a Europa, tinha um salário, fazia o que gostava, era (é) bonita, inteligente, chegou até a me dar aulas perto do término do meu curso, quando ela, já fazendo mestrado, foi chamada por nosso professor para ajudá-lo numa matéria.
Nessa época eu me sentia a mais infeliz das criaturas, porque me corroía da dor dilacerante de ser a eterna vítima e se sentir, uma pobre menina infeliz... mesmo que na minha cegueira espiritual, eu não enxergasse que na verdade, tivesse exatamente o que era necessário ter. Mas também isso é um processo e muitos de nós só entende muito tarde, como foi o meu caso.

Depois que nos tornamos mais próximas, ela foi me contando mais de suas dores e eu fui descobrindo que minha "ídola" sofria e tentei lhe dar o melhor que podia. Até que, há dois anos,  me converti dos meus caminhos e passei a andar sobre os passos do meu Senhor Jesus. Desde então, tenho falado com ela sobre Ele, que é de fato, o melhor que tenho! Porque sei que todos precisam de Deus, mas há certas pessoas, que puxa vida!! precisam REALMENTE dEle, senão, piram! 
Mas minha amiga está errada quando pensa que foi o meu bom coração que me fez falar de  Deus com ela, mas o inverso: foi o amor de Deus por ela, que me fez falar dEle.

Como diz Paulo, em Romanos 3:10 e que parece tão pouco politicamente correto hoje em dia:  "Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda; Não há ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só". 

É somente o próprio amor de Deus quem chama, quem nos faz falar do Seu amor. Não somos nós que nos decidimos a isso. É Deus quem faz tudo, inclusive o querer, o ouvir, o crer...

Doei a minha amiga, se é que posso falar assim, o melhor que tenho em mim, e o que tenho saindo por todos os poros: Uma nova vida! "...Que Ele cresça, e eu diminua"... Essa minha amiga, estava bem aberta a tudo isso, porque de fato, já vinha sendo tocada pelo Senhor, mas me vejo em situacoes parecidas com outras pessoas. Sei que de repente, elas podem estar querendo ouvir outras coisas de mim, Deus parece tão longe do mundo delas... mas fato é que me sinto atualmente meio inútil pra esse mundo. Não é que eu tenha perdido o interesse nas coisas que me cercam, ou que nao tenha outras ideias para os problemas dos outros, é que de alguma maneira, me enriqueci desse Amor vindo de Deus e me esvaziei para as outras coisas.
No caso da minha amiga, sei que dei a ela, a única coisa que posso oferecer hoje em dia. Antes de me converter, eu a escrevia falando de tudo, tentava desvendar os segredos que a mente esconde, achar os problemas do passado, ou entender um pouco a mente dos outros, culpando esta ou aquela situação, hoje, diferentemente, da minha boca, só sai coisas sobre Ele. Porque sei que não há resposta melhor que essa: Não importa o que houve! Abra seu coração sem medo, amiga, fale com Deus!

Sei que muita gente, dita, inteligente, pode me olhar com pena."Coitada da Nina, parece que emburreceu, ou vive num mundo de ilusão, alienada e distante de tudo"... Pode ser que tenham razão. Mas a única coisa que sei, é que esse mundo espiritual que nos rodeia, e que não enxergamos, é mais real do que a mesa sobre a qual está meu laptop neste momento...