16/10/14

Carta à menina

Querida menininha,

faz algum tempo que nao nos falamos. Sei que você, em outros tempos, com essa minha ausência, estaria se sentindo magoada e teria ido prum canto choramingar que nao é amada. Reclamaria da eterna falta de amor que marcou tao terrivelmente teu passado e tua mente, e remoeria todos os teus ressentimentos novamente. Até que esse mover te deixasse muito mal e você adormeceria embalada por um canto melancólico, até que  o amanha, ao te acordar, te encontrasse com os olhos inchados de tanto chorar. 

Você me visitou tantas vezes nesses últimos trinta anos que deve ter sido estranho pra você, a minha ausência de agora. Sei que era bom quando eu pegava na tua mao e íamos passear. Me desculpe menininha, acontece que eu cresci. E agora preciso que você largue minha mao. Por muitos anos, você assustada e medrosa, me assustou e meteu medo. Nao! Nao quero dizer com isso que você é feinha, como tanto já te disseram. De modo algum! Você é até bem bonita. Mas você me assustava com sua carência extrema. Sabe aquele buraquinho vazio e sem  fundo que você guardava no olhar e que procurava preencher com tantas coisas? Pois é, eu tinha medo. Medo de entrar por ele e nunca mais sair, assim como parecia que aconteceria com você. Você era tao assustada. Sei que se viu muitas vezes como que enjaulada, presa por grilhoes imaginários, tendo a boca como fechada, pra nao gritar. Sei que dentro de você, sua alma berrava, seu espírito queria sair do seu corpo e seu corpo preferia morrer naquela escuridao. Oh menina, como você me dava pena. 

Mesmo assim, quando você vinha me ver, era sempre uma boa hora. De alguma maneira, ter você por perto me fazia lembrar de coisas doces, como doce era a presenca da vovó. Ver a vovó de novo através dos teus olhos era voltar no tempo e me ver de novo ao lado dela. E ter aquela pele macia me abracando, aquele sorriso de novo, podia até ouvir o ruído da máquina Singer na sala... aquilo me lembrava de quando era bom estar com você. Mas tua presenca era carregada também de dores que eu preferia esquecer. Teu corpo frágil, tuas pernas que pareciam querer quebrar a cada pular de corda, no chicotinho queimado que as meninas brincavam na rua, me deixavam lá no passado. Como se as ruas de barro batido onde brincávamos, tivessem garras, me deixando presa ali, quando caía e era colocada pra fora no cantarolar das cantigas das meninas.

Sim, você me salvou muitas vezes, quando me visitava. E eu nao pude te salvar. Me desculpe. Mas isso nao estava ao meu alcance, sabe? Cheguei tarde, muito mais de trinta anos depois. A vida me segurou pra eu nao correr até você. Era preciso que você passasse pelo que passou pra dar valor a Quem você haveria de conhecer um dia. Algumas coisas, menina, nao podemos compreender, entende? Algumas coisas sao realmente muito complicadas e nem eu posso te explicar, nem mesmo hoje. Mas elas nao acontecem somente com você e nem doerao para sempre. Elas tinham somente, que acontecer. É dali que vinha o buraco vazio no teu olhar. Buraco sem fim, que ia até o fundo da alma vazia. Hoje entendo. 

Mas como te disse, cresci. Hoje sou adulta e gosto pela primeira vez disso. Tá certo, ainda me olham como se eu fosse você, mas de alguma maneira, isso é bonito e me agrada. Prometo conservar algo bom que é seu, tá bom? Afinal, nao foi de todo ruim, ter sido você. Toda a tua ternura guardarei comigo até o sempre. Mas a tua dor nao mais me pertence. Ficou no passado. E você agora está livre. Nao através de mim, mas dEle, que me achou. Ele que já tinha me achado lá, quando ainda pensávamos que éramos só nós duas... Eu que nao deixei você enxergá-Lo, porque a dor me sucumbiu e eu achava que ela era maior que Ele, que tudo. Mas nao era! Eu estava enganada. Mas enxerguei a tempo. 

E o buraco nos olhos que invadia a alma sem fundo, foi coberto com o sangue dEle que sarou TODAS as feridas. 

Por isso, seja feliz menina!
Com amor
Nina

***
Guarda-me como à menina do olho; esconde-me debaixo da sombra das tuas asas,

Salmos 17:8

Sa

Guarda-me como à menina do olho; esconde-me debaixo da sombra das tuas asas

Salmos 17:

Guarda-me como à menina do olho; esconde-me debaixo da sombra das tuas asas,

S
Lembrei que faz um pouco mais de um ano que nao recebo mais a sua fantasmagórica visita, ao ler hoje uma postagem da Camila

15/10/14

"Nao julgue sua condicao espiritual pelos seus sentimentos"

Gosto muito de ouvir pregacoes na internet. Uma das que mais me tocou, por ser, acredito, um problema para muitos cristaos, foi esta que transcrevo em partes aqui.


"Depois de ler estas coisas o diabo nao vai mais conseguir te enganar com suas mentiras sobre sua POSICAO em Cristo. Saiba que a questao aqui é mais que a sua Condicao, mas a sua Posicao!
Lemos em Tessalonicenses 4:1: Finalmente, irmãos, vos rogamos e exortamos no Senhor Jesus, que assim como recebestes de nós, de que maneira convém andar e agradar a Deus, assim andai, para que possais progredir cada vez mais.

Nao podemos ser escravos de sentimentos que sobem e descem, esquentam e esfriam. Se você tem ouvido o Evangelho verdadeiro e tem sido ensinado por vasos consagrados e essa Palavra é pura, forte e transformadora de vidas, entao você está crescendo na fé e no conhecimento de Deus.  Efesios 4:11: E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores. Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo.
Como você está crescendo? O que está acontecendo na sua velha vida? 
Provérbios 4:18: Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito.

O amor e conhecimentos de Deus sempre está crescendo!

Você está crescendo? Como sabe? Como mede seu crescimento?
Muitos medem seu crescimento espiritual pelos seus sentimentos. Muitos cristaos dizem que nao se sentem crescendo, que nao gravam tudo o que ouvem ou leem, que deveriam ser mais isso ou aquilo, assim ou assado. Mas creio sim que você está crescendo na graca e nao sabe disso. Jesus é vida que emana. Se crê nEle você tem a vida fluindo em você e  cresce mesmo quando está dormindo! Nao importa como você acorda de manha, nao importa como se sente, existe um poder vindo de Cristo em você. É como se fosse uma árvoere plantada em solo bom. Extraindo e sugando  vida desse solo.  Você está enraizado em Cristo! Como um rio de águas vivas que nao precisa ser bombeado, mas que brota por si mesmo. Como o maná no deserto. Os judeus nao sabiam que dali vinha o que eles precisavam, mas vinha. Você nao vê,  nao sente, mas há nutrientes que o mantém. É como as vitaminas que se toma toda manha, você nao vê os nutrientes agindo no seu corpo, mas algo está acontecendo ali.  É assim quando se está plantado em Cristo. Você pode nao ver, mas está crescendo, Deus está fortalecendo seu sistema imunológico contra o pecado.Ora, porque entao você acha que tem pensamentos tao corretos agora? Porque você nao se anima todo quando está chegando a sexta feira e nao vibra dizendo: yeah, amanha é dia de farra! Outros só pensam em se embriagar. Veja, você nao nao pensa mais como o mundo. Pode ser que você acorde todo desanimado, desencorajado. Podem vir nesse momento pensamentos desencorajadores: olha, você  nao prega mais como antes sobre o Senhor, mas você acredita mais ainda, e como nunca antes! 
Nao importa se você acha que nao está retendo tudo o que ouve ou lê, você também nao guardou tudo o que aprendeu na escola! Porque você acha que agora se sente altamente entristecido com o pecado? Agora ele é tao difícil, nao é? Porque é que quando você peca ou falha, se entristece como nunca antes? Ora,  porque você está crescendo!
Salmo 92:13: Os que estão plantados na casa do Senhor florescerão nos átrios do nosso Deus.
Você nota que há vida fluindo de você, quando alguém te procura quando tem um problema muito sério e você que pensava que nao tinha aprendido nada, e se achava espiritualmente seco, sente entao um rio de conforto e compaixao fluindo.
A verdade é que julgamos nosso crescimento espiritual falsamente, por causa da rotina e do senso de  tédio que é comum ao ser humano. Há pessoas que apesar de fazerem tudo o que acham importante ser feito para o Senhor,  nao se sentem realizando algo especial, sentem que nao há variacao. Isso é uma mentira! É a rotina que lhe dá essa impressao. Você come todo dia a mesma coisa, faz sempre as coisas do mesmo jeito,  percorre o mesmo caminho até o trabalho, acorda todo dia a mesma hora, você é um tédio! Nao importa o que você faca, será sempre do mesmo jeito. Entao crescer na graca  nao é fazer coisas espetaculares,  mas fazer as mesmas coisas, sempre e de uma maneira muito melhor, com uma conviccao de coracao e amor por Jesus cada vez maiores.
Você cresce na graca mesmo nao entendendo ou sentindo isso. Mesmo quando você  pensa que perdeu o fervor, quando sente que perdeu algo que tinha antes quando foi salvo. É como uma crianca quando está aprendendo a andar. Nos seus primeiros passos, todos aplaudem, fazem a maior festa. Alguns dias depois, aquela mesma criancinha está derrubando tudo na cozinha, entao é hora de discilplina! A Bíblia diz que nao se pode ser um bebê para sempre. E assim é com Deus no início. Ele está sempre ali, te levantando quando você cai, mas agora é hora de crescer, porque agora você está andando pela fé!
E você precisa se firmar na Palavra!
Entao nao acredite nas acusacoes do inimigo. Nao acredite quando vierem pensamentos de que você  nao é suficientemente  bom, fiel ou reto como antes. Sim, a Bíblia nos adverte sobre indiferenca, desleixo  e perda do primeiro amor, mas isso nao se aplica àqueles que estao de fato, plantados na fé. Porque o simples fato de você se preocupar com isso, já é por si só uma prova de que você está crescendo na graca. Afinal, você nao estaria pensando nessas coisas se nao fosse assim, mas estaria sentado no orgulho achando que tudo está bem. Entao essa preocupacao é evidência disso. Sim, você pode até duvidar de si mesmo, mas nunca duvide do grande amor de Deus por você. Isso é um pecado grave.  E nao se feche em si mesmo quando teus sentimentos te disserem que você nao é mais o mesmo que antes. Esqueca quem você foi! Sua posicao em Cristo nao depende de lágrimas, lamentacoes, obras, porque nada disso salvou você. Mas você foi salvo pela fé em Jesus Cristo!
Existem muitas evidências de seu crescimento na graca. Um deles, é que quando você estiver passando por uma crise, logo corre para o Senhor em busca de conforto. Você nao corre pra mais ninguém! Outra evidência, é que você depende cada vez menos de sinais exteriores, evidências, vozes internas. Quando nao desafia mais Deus pra que Ele prove ou produza algo. Porque agora você sabe: Hebreus 1:1: Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho,
E quando você ouve sobre todas as notícias de guerra, violência, preconceito racial, você entende que está crescendo na graca, quando consegue olhar pra tudo isso e se levanta contra a paixao que surge e é capaz de dizer, que rejeita tudo aquilo, usando a autoridade de Cristo sobre isso tudo. Quando ama a humanidade, mesmo sendo contra o adultério, mas amando o o adúltero, quando  é contra o homossexualismo, mas amando o homessexual. Porque quando você é um cristao verdadeiro você nao permite qualquer tipo de  preconceito em seu coracao!

14/10/14

Antes e depois do móvel

Ainda tinha um pouco da tinta que usei no criado mudo de nosso quarto e num dia de louco que deu em mim, já nao aguentando a cara de cocô do móvel da sala:

Coisa horrorosa, feia e sem graca :-(

Pintei:


Esse móvel fica embaixo do que antes, era um bar na parede, ideia de marido claro, mas como ele desistiu de expor suas bebidas ali (gracasss!) eu tive que inventar qualquer coisa pra colocar no lugar, nas prateleiras. E ficou assim:


Entao como nao faco passo a passo da minhas doideiras, aqui o esquema:

Primeiro uma boa lixada;
Depois tinta no móvel. Espera secar bem e passa a segunda camada;
Com a tinta ainda fresca, passa uma leve escova de cerdas macias, pra dar uma cara de pintura no estilo pátina;
Inventei de colocar algumas manchas de dourado antigo e preto;
E por fim, uma camada de verniz pra manter o brilho da tinta.
E só.

Eu gosto. E você?

11/10/14

Os cristaos encarcerados

Fico pensando algumas vezes nas pessoas aprisionadas. Nao naquelas que estao de fato, presas por grades, mas em certos princípios e doutrinas. Penso naqueles cristaos que nao conhecem a Cristo. Tenho pensado tao seriamente nisso! E antes de pensar em criticar qualquer pessoa, sou obrigada a me lembrar de como eu era. Acho curioso pensar em mim antes. De alguma maneira eu sou tao outra interiormente que já tenho dificuldade de lembrar da Nina de antes. Sei que eu era uma dessas pessoas. Como cresci em lar cristao (metade católico metade adventista) sempre ouvi pessoas falando de Deus, desde muito menina. Depois de "grandinha" (cof cof!) fui me distanciando de tudo aquilo mas sempre mantendo um certo apego a Deus.

Depois da primeira gravidez, vivendo uma vida muito dura, resolvi voltar. Fui com a motivacao errada, mas fui. Porém, frequentei o lugar que a meu ver, nao foi o correto e passei anos longe de qualquer "igreja". Já escrevi sobre minha experiência aqui. Mas o que quero dizer, é que eu, apesar de crer em Deus, era daqueles seres aprisionados que menciono antes. Nunca entendi nada de verdade sobre Ele e gostava de fazer as pessoas saberem que eu cria, mas nunca me atrevi a me entregar de fato, vivia em cima do muro. Era uma daquelas que dizia, quando aguém vinha falar de Deus pra mim: "ahhh claro, que lindo, concordo plenamente, já conhecia esse capitulo da Biblia, mas acho que a Maria ou o Chiquinho ali, precisam muito mais de Deus, já notou? Coitadinhos... vai lá [e me deixa em paz, sua crente chata!"].
Tipo assim, saca? Conhece esse tipo? Entao, era eu. 
Mas porque eu disse que sao prisioneiros? 

Eu nunca ouvi falar em qualquer lugar que estive que o contato com Deus era tao simples e fácil de ser feito. Onde quer que eu fosse, só ouvia sobre as dificuldades pra se chegar nEle. Teria por exemplo, que mudar de vida, obedecer os dez mandamentos, ir a igrejas o máximo de dias na semana possível, dar ofertas e dízimos, aceitar apertarem minha cabeca em reunioes às sextas feiras, morrendo de medo de pagar mico na frente de todos, caso "algo mais" se manisfestasse, nao podia usar isso ou aquilo, nao poderia mais tomar cerveja, teria que falar em línguas, ser batizada pelo Espírito Santo, fazer jejum, guardar sábado (agora misturando algumas crencas), enfim, muitas e muitas condicoes pra se chegar ao Criador e ser obediente a Ele. E no fim ia ver se Ele me concederia uma melhor vida aqui na terra. 

Nunca se falava que salvacao é dada a todo aquele que simplesmente, aceita e crê em Jesus, nunca ouvi falar realmente de vida eterna e comunhao com o Senhor, nem de Seu maravilhoso amor e da paz que Ele pode nos dar, só ouvia de Sua ira, das ruas de ouro e pedras preciosas na vindoura Nova Jerusalém, que seria aberta aos que sobrevivessem a tribulacao ou o quanto Ele abencoaria minha vida financeira se eu fizesse maiores ofertas... :-(  Meu Deus como isso é triste...
Lembro de ter, em toda a minha vida, extremo medo da morte, da grande tribulacao, do medo de ter que ir morar num sítio distante no meio do Amazonas e guardar ali muitos quilos e mais quilos de alimentos, temia a  marca da besta e o livro de Apocalipse. Na verdade, eu morria de medo de Deus!
Entende agora as prisoes das quais me refiro?

Note bem, eu nao estou aqui pra recriminar suas crencas muito menos dizer o que é certo ou errado nisso tudo que mencionei. Nao sou, definitivamente, a pessoa que pode esclarecer esses pontos. Estou milhoes de quilômetros longe de ser alguém correto, nao sou boazinha, nao sou perfeita, nao sou a rainha das boas obras, nao sei nem achar os livros da Bíblia rapidamente, nao sei orar e sem a menor sombra de falsa modéstia, reconheco, sou pior que você. A única coisa que quero dizer com tudo o que disse, é que essas coisas, essas exigências, essas crencas, sao todas barreiras que te impedem de ver Cristo de fato. Essas coisas te amedrontam, te obrigam,  te prendem a elas e te mantém concentrada nas coisas, nos rituais, e nao nAquele que realmente importa, o Senhor Jesus Cristo, entende?

Só Ele pode nos libertar das prisoes em que nós mesmos nos encarceramos.

10/10/14

Encontro em Paris

O apartamento era tao pequeno que mal podíamos nos movimentar. Vira a mala pra lá, abre a outra mala pra cá. Os dinossauros de brinquedo do menino e os sapatos naquele canto. Na mala algumas pecas que nem foram tocadas. - Pra que tudo isso? perguntou ele quando viu a mala aberta. - Ahh caríssimo, estamos em Paris! respondi. - E você precisa mesmo de três cachecóis pra tao poucos dias? - Claro menino! Um pra cada dois looks! Respondo pensando que talvez tenha trazido pouco. - Ah, mas posso comprar um ou dois no caminho pra cidade, mas pensando bem, estou precisando de sapatos**.Vou comprar em Paris, porque aqui a numeracao é menor que na Alemanha das agigantadas. No dia seguinte, o despertador toca, mas já estou acordada a mais de meia hora. No banheiro pequeno, passo uma camada de maquiagem, repasso, apago tudo, passo de novo. Arrumo o cabelo como posso. Nao posso! Sorrio pro espelho nervosa. Está quase na hora.  Tomo café aos pulos no saguao do hotel que nao é tao pequeno assim aqui fora. Marido volta ao quarto, menino brinca no hall. Na porta, silhuetas. Reconheco-os. Eles chegaram! Cadê marido que resolve ir ao banheiro a essa hora? Era eu quem deveria estar lá! Passo pela porta tipo giratória que travou por fora. O vento levemente frio me acorda. Abraco os dois. Um deles***, bem apertado e demorado, exatamente como o havia avisado. Pra ele nao se assustar. Abraco todo mundo! Como é bom abracar quem a gente tem carinho!  Recebo minha Bíblia que pedi que ele trouxesse pra mim. E ainda cobro uma dedicatória. Bichinha abusada, deve ter pensado ele e logo depois  me pergunta como posso viver num país frio como a Alemanha sendo eu tao esfusiante assim. Coitados dos alemaes, ainda nao havia pensado nisso.

Vamos ao encontro de outras duas irmas em Cristo. *Irmaos em Cristo, somos todos nós que temos como Deus nosso Pai. Ou seja, todo aquele que confessa que Jesus é seu Senhor e Salvador. Antes eu achava o cúmulo da breguice ouvir alguém chamar outro alguém de irmao, hoje, é uma das palavras mais ternas que pronuncio :-)   

Elas já estavam irritadas com nossa demora. É que chegamos quase quarenta minutos atrasados. Pegamos o metrô errado. Erramos de trem, de direcao, saimos da zona permitida por nossos tickets e fomos achados por uma gentil funcionária que nos mostrou o caminho correto e ainda nos fez passar por uma porta nao autorizada, gratuitamente. Só assim conseguiríamos pegar o próximo que já estava vindo. 

As meninas logo foram vistas, nao antes da torre, claro. Logo reconhecida por meu menino no carrinho de bebê. Elas atravessavam a rua com sua camiseta vermelha e pernas verdes. Lá estavam elas, sorrindo pela primeira vez, na minha frente. Já as conhecia "de internet". Uma delas, amiga-irma querida de facebook, que mora em Berlim, a outra, linda de Curitiba. Ambas abracadas pela "pequena-monstra-agarradora-de-irmaos como se fossem, amigas de infância. Fomos tomar um  café. Fotografamos, rimos. Ele nao parava de fazer gracinhas, nos fazendo rir a cada palavra. Seu menino, já um homem, ria antecipadamente daquilo que sabia ser uma piada mais que conhecida que o pai deve contar a cada encontro, mas que com sua discricao e respeito, me deixou emocionada. Como seria bom se todos os filhos tivessem um pouco desse bonito menino...
Fomos encontrar o outro bocado de irmaos. Duas jovens famílias com duas criancas alegres, que moram na Itália e Paris. Outro encontro bonito de gente que na verdade, nao tem muito a ver, mas que tem em Deus a comunhao necessária. Deus que une pessoas extremamente diferentes e que as fazem entender a palavra irmao de um modo tao sublime. É algo como, vermos através de... Esperamos outras duas queridas que congregam no Brasil e estávamos finalmente, em nosso grupo completo.  

E assim comecou nossa pequena história em Paris. Nosso abencoado encontro. Lemos juntos a Palavra de Deus. Ouvimos e falamos sobre algumas de nossas dúvidas. Rimos e nos emocionamos juntos. Vimos o brilho no olho de cada um ali presente. Vimos e quase apalpamos a alegria de cada um por ter esse privilégio, nao de estar em Paris, mas por poder sentir-se filho de Deus e irmaos uns dos outros. Vendo o poder que tem essa Palavra Viva que parece a cada leitura, ter uma nova conotacao. Porque a cada leitura, parece Deus falando de forma diferente e pessoal com cada um de nós. Pedro, meu filhinho, entrou na esfera crista, foi batizado num batismo de família, já que nao vemos criancas sendo batizadas na Bíblia. Eu parti o pao no domingo, pela primeira vez à Mesa do Senhor e senti nesse dia, no Dia do Senhor, umas das maiores emocoes da minha vida. Lembrar da morte do Senhor, assim como Ele pediu que fizéssemos, numa cerimônia singela, sem ricos aparatos, sem bandas, sem púlpito, sem "pastores", somente com o Senhor no centro, enfim, é algo maravilhoso e indescritível.

Mais dois dias se passaram. Queríamos todos ficar juntos o tempo inteiro. Ninguém queria largar ninguém. Nós principalmente, que moramos aqui, tao longe dos irmaos no Brasil, com tao pouco contato com aqueles que congregam somente ao Nome do Senhor. Rara e muito rica a experiência que vivemos.
Por isso Paris ficará por muito tempo ainda gravada na memória.

"Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união". Salmo 133

* * *

"A minha irma em Cristo Nina, com carinho e alegria por ver o que o Senhor tem feito em sua vida". Dedicatória na minha Bíblia. É isso. Que lindo! Ele acertou.
*** Ele é o Mario Persona. Palestrante, escritor e o cara do "O Evangelho em 3 minutos".

** Primeira viagem que faco na vida em que nao comprei absolutamente NADA.Nem cachecol, nem sapatos, nadinha!

09/10/14

A viagem

Uma grande amiga minha fez outro dia, uma viagem por partes da europa, incluindo aí algum pedaço do caminho de Compostela. Ela me disse que esta seria uma viagem espiritual. A intencao é boa. Sei o quanto ela está interessada em ter mais comunhão com Deus e espero que tenha tirado muitas coisas boas dessa experiência. Eu também fiz recentemente uma pequena viagem que alguns até poderiam chamar de espiritual. Cheguei anteontem. Fui a Paris encontrar alguns irmãos em Cristo, me reunir pra conhecer e saber mais das coisas de Deus. Foram dias maravilhosos!

Não a denomino como a que minha amiga fez, porque a verdadeira viagem do espírito já fiz alguns meses atrás. Para realizá-la, curiosamente, nao precisei pegar avião, trem, nem mesmo, caminhei a lugar algum. A única coisa que fiz foi levar meus joelhos ao chao, baixar minha cabeça, fechar os olhos e abrir meu coracao. A viagem começou assim. E até hoje, sinto que estou de passagem...
Meu comandante guia meus passos, meu olhar, meu coracao. É nEle que aprendi a confiar, como uma menininha confia no seu pai ao atravessar uma rua, sabendo sem entender muito bem como, chegará sã e salva no outro lado da rua. Minha viagem tem altos e baixos, destinos cruzados, algumas vezes tem também turbulências, desencontros, riscos enfim, comuns a viagens. Tem partidas e chegadas. Com direito a lágrimas e risos. Mas nao é, definitivamente, uma viagem onde o passageiro peca pra descer, pelo contrário, por graca,  mais e mais vao sendo acrescentados. E tenho certeza de que esta viagem é a maior e mais maravilhosa que o ser humano possa fazer em toda sua vida nesta terra. Quero poder viajar desse jeito pela eternidade, usufruindo do cuidado do meu Deus para sempre! 

E pensar que pra viajar assim, nao precisei ir a lugar nenhum. E como disse minha irma-amiga Bel, outra tripulante dessa incrível jornada, nao precisei nem mesmo pagar nada, pois "Alguém" já pagou muito caro pra que eu pudesse viajar tao tranquilamente...
Você sabe bem do que estou falando, nao sabe? Sabe quem pagou por minha entrada? "Aquele" a quem o mundo costuma chamar de um homem muito sábio, uma alma iluminada. O Senhor Jesus o fez quando veio ao mundo morrer por mim. Aquela morte nao foi uma coisa qualquer, entende? Daquele corpo entregue a morte na cruz, saiu água e sangue e esse sangue foi/é o responsável pela viagem que fiz. Custou muitíssimo caro a Ele. Porque Jesus nao era um homem comum, não era esse ser que as pessoas gostam de citar em suas comparacoes com outros "iluminados". Jesus nao tem comparacao com ninguém mais, porque  Ele "era e É" O Filho de Deus, que veio a terra como homem, sem pecado, que sofreu todas as tentacoes possíveis e inimagináveis, que teve que se separar de Seu Pai, do qual nunca ficara longe, para sofrer algo que eu merecia. Quando Jesus entregou Seu espírito naquela tarde há mais de dois mil anos, onde tudo escureceu, Ele me permitiu viver o que vivo hoje, estando nEle. Me permitiu ter essa plena comunhão com Ele, sem precisar de subterfúgios, de intercessores, sem rezinhas, sem viagens em caravanas, sem nada além dEle mesmo.

Sim, foi extremamente lindo encontrar irmaos que professam a mesma fé e esperança que eu, na bonita e agradável Paris, mas essa comunhao com eles, nao seria possível se minha comunhão com meu Senhor nao estivesse em primeiro lugar. E ela está! Gracas a Deus por isso.  

Tenho recebido alguns emails perguntando por onde ando que tenho escrito tao pouco aqui no blog. A verdade é que ando em comunhao, nesta viagem sem retorno e tao agradável e maravilhosa! Hoje pensei em você que me lê. Notei hoje que escrevo já há algum tempo da minha vida com meu Senhor e Salvador e de como Ele me faz tao bem e me deixa tao feliz. Mas lembrei que nao disse diretamente, como você pode ter o mesmo. Entao, o segredo é esse. Viaje! Nao para algum lugar fora de você, nao pegue um ônibus, aviao, trem. Nao perca tempo indo e voltando. Vá simplesmente. Vá até um lugar calmo e seguro, dentro do seu dia, e peca com sinceridade de alma, que o Senhor Jesus venha moram em seu coracao. Peça perdao pelos seus pecados, humilhe-se diante dEle. Perca toda a vergonha e medo. Agradeca-o pelo que Ele fez morrendo na cruz pra pagar por seus pecados. E creia que Ele virá viver pra sempre em você. E se você acredita um tiquinho em mim e no que escrevo, saiba que basta somente isso pra que você possa fazer parte da mais maravilhosa e incrível jornada na terra. 

*** 
Aliás, corrigindo: nao acredite em mim, mas nas palavras do Senhor Jesus em Joao 6:47:   
"Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna"

 

10/09/14

Sou uma crista decepcionada comigo mesma

No dia em que estive com as criancas, no jardim da prima do meu marido, nao havia somente criancas ao meu redor. Havia duas pessoas mais velhas, que nao sairam de perto de mim. Uma delas, a sogra da prima, que estava tentando curtir um momento de leveza no seu dia a dia, carregado de dor e sofrimento, por ter um marido com câncer em estado muito avancado em casa. E um outro senhor, padrasto da prima. Um homem muito brincalhao e de certa forma, zombador, que as pessoas nunca parecem dar muita importância pelas bobagens que ele fala. 

A senhora, eu conheci aquele dia, é muito simpática e parece ter me amado desde o primeiro olhar. Sorria pra mim desde o início, quando eu ainda nao sabia quem ela era. Comecou a falar comigo, e de repente parecia que já nos conhecíamos há tempos. Ele, de alguma maneira, sempre entrava na conversa e pra onde eu ia com a senhora, ele ia atrás. Quase no fim do dia, descobri a história do doente marido daquela senhora, e tentava em vao, falar com ela a sós. Nunca dava, porque o brincalhao sempre estava por perto. Nao sei a razao, mas ele estava o tempo todo grudado em mim. Onde eu ia, ele ia atrás. Eu queria um momento sozinha com aquela senhora, queria poder ter falado do amor de Deus pra ela, queria muito ter dito a ela, que gostaria de visitar seu marido, mesmo que no outro dia estivéssemos voltando pra nossa casa. Queria contar a ela sobre a Salvacao que Jesus nos forneceu a todos os que cremos nEle. Queria trazer algum tipo de alento ao coracao daquela mulher e talvez, do seu moribundo marido, mas nao via espaco. 

Tenho que fazer aqui uma pausa pra confessar: eu sou travada demais! E isso me dói tanto. Tenho tanta vergonha de mim e dos meu medos. Tenho medo de incomodar as pessoas. Especialmente aqui neste país, onde todo mundo está sempre falando que devemos respeitar as opinioes dos outros e sua decisao de nao ultrapassar os limites individuais de cada um. Ouco o tempo todo desde que cheguei aqui, que certo assuntos nao cabem em determinados lugares, que nao se pode empurrar goela abaixo, nossas crencas. Obviamente, isso nao é o que tenho em mente, e isso pode ser considerada uma regra básica de etiqueta em "qualquer" país do mundo. Mas nao é disso que estou falando. Falo do medo de incomodar as pessoas que mesmo aparentando estarem acabadas, entristecidas, sem rumo, parecem nunca estarem interessadas em Deus. Todo o tipo de assunto é permitido nas rodas em que frequento (e é mesmo!), mas Deus nunca foi um tema presente em absolutamente lugar nenhum! Como eu posso comecar esse assunto, se nao sei quando ele se encaixa? Quase sempre quando tento, vem alguém fazer um comentário maldoso, como me chamar de fanática, um que ri de mim e da minha fé ou outro que comeca com uns comentários e perguntas tao estranhas, que eu nao sei nem mesmo como responder de tao absurdas! Me sinto tao estúpida por nao enxergar brecha alguma!

Enfim, foi esse temor que me prendia a língua o tempo todo aquele dia. E tinha aquele senhor colado em mim, que nao nos deixava a sós... Nao achei espaco algum e passei o resto da noite, calada e chateada comigo mesmo. Brinquei com o meninos, sorri, fiz tudo o que tinha que fazer, mas a minha covardia  nao me saia da cabeca,  e meu coracao parecia cada vez mais entristecido pela vergonha que sentia de mim mesma.

Às dez da noite, a senhorinha se levantou rapidamente da cadeira em que estava e se despediu de todos num aceno, dizendo que tinha que ir pra casa. Fiquei quieta, observando-a atravessar o longo jardim até sua bicicleta, até o portao da casa, acompanhada somente do seu filho. Quando já estava subindo na bike, corri até ela, que ficou muito feliz ao me ver, a abracei e disse que oraria a Deus por eles dois. Ela agradeceu. Eu fiquei um pouco mais leve e voltei. Lá onde estávamos, o senhor continuou no meu pé, e do nada, comecou a fazer uma massagem nos meus ombros. Se despediu num abraco, explicou algo sobre a técnica que aplicou ao massagear e saíram, ele e sua esposa. Voltamos pra casa, e eu fiquei dias me sentindo mal por nao ter falado sobre Deus com aquela mulher. 

Ontem, exatos onze dias depois daquele encontro, aquele senhor faleceu, nao o moribundo com câncer, mas o brincalhao, num ataque fulminante do coracao.

Dá pra sacar o quanto isso me deixou mal?


***

Você dever estar estranhando, nao é? Louco pra me xingar:  "Mas como assim dona Nina? A senhora entao deixa de falar cara a cara com alguém que está morrendo, mas nao poupa a nós, seus míseros e raríssimos leitores desse seu blog de m* e nos enche desse papo de crente? Sua miseravelzinha hipócrita!" 
E sabe de uma coisa, se você pensa assim, tem toda razao! Mas mesmo assim, preciso explicar que junto a tudo isso que você leu antes que me impede, tem também o fato de eu me expressar melhor escrevendo. Falando eu sou uma tonta... escrever é a melhor forma que encontrei, de dizer o que penso, desde meus treze anos, idade em que, se eu falasse o que vinha à mente, poderia ser muito mal interpretada e no mínimo levaria uma boa surra da minha mae. As pessoas nunca gostaram de me ouvir, porque sempre me criticaram por eu falar rápido demais. Além de tudo isso, ainda tem o problema da língua, do medo de nao ser perfeitamente entendida. Aqui no blog, ah, francamente, quem nao quer ler que feche a página, diga adeus e vá embora!

04/09/14

Quando eu poderia ter morrido

Ando de bicicleta. Nao sei dirigir carros. Moro numa cidade em que nao há muita necessidade deles. O sistema público de transporte beira o perfeito e há por todos os trechos muito bem cuidados e sinalizados, ciclovias. A cidade é tranquila pra pedalar, mas mesmo assim, às vezes vivo situacoes na rua em que penso que aquilo poderia ter sido bem perigoso. Algumas vezes surge um carro do nada, e bem, o ciclista voaria pro alto... e nesses momentos, sempre penso que Deus estava ali guardando alguém. E lembro das várias vezes em que Deus me salvou de perigos. 

Na bicicleta mesmo, quando menina, várias vezes. Certo dia, aos vinte anos, depois de muito tempo sem pedalar, encontrei um amigo na rua que estava sobre uma. Pedi pra dar uma volta, porque amo bikes,  e o guidon girou de modo estranho, um carro quase me pegou. Sobre os patins, descendo como relâmpago as ladeiras da vila militar em que moramos, nao foram poucas as vezes em que Deus me livrou. A mim e a toda garotada comigo. Penso nas vezes em que o Senhor me livrou de doencas venéreas, nas muitas vezes em que estive dentro de um aviao em turbulência. Nos três partos cesárea e nas várias cirurgias pelas quais já passei. Nas várias vezes em que saí pra dancar à noite, quando mais jovem e encontrei tantos bêbados pelo caminho. No namorado agressivo. Na namorada enciumada de um ex, que me ameacou com uma faca. Das noitadas de carnaval que nunca gostei, mas ia por que, ahh vai,  todo mundo ia! E bebia.  Das viagens longas de ônibus numa estrada péssima e perigosa, pra fazer faculdade a trezentos quilômetros de onde morava, toda semana. Nas diversas voltas irresponsáveis sobre a Kawasaki de um namorado, a muitos Km/h, sem capacete. Do trabalho na floresta, assistindo a motosserra funcionando e tirando vidas nao só de árvores... Nos namorados estranhos da nossa babá. Nas muitas madrugadas, saindo das discotecas, com namorados com chave do carro na mao e muito álcool na cuca. Lembro especialmente de uma vez, em que indo pra uma festa, aos dezoito anos, num fusquinha com um bocado de amigos, passamos por poucos centímetros de um caminhao. Até hoje as luzes amarelas e a buzina alta, me vem à mente.   

Sabe? A vida é perigosa demais! E você sabe disso, nao? 
Já perdi muitos amigos e conhecidos que saíram pra nao voltar...
Tenho visto alguns filmes ultimamente. Alguns dramas onde pessoas sofrem com câncer e deixam um vazio na vida dos que ficam. Mas, pra onde elas vao depois da morte?? Perdi um primo ontem...onde estará ele hoje?

Das vezes em que fui salva, hoje entendo, estavam nos planos de Deus. Em muitas daquelas situacoes passadas, fui salva de morrer e nao sabia disso. Algo me falava ao coracao e eu automaticamente, agradecia a Deus, mas era mesmo, automaticamente. Porque tudo continuava como antes e eu, bem, eu nunca pensei que poderia morrer. Eu era jovem, bonitinha, namoradeira... eu nao morreria tao cedo. Mas... Sabe? Eu poderia sim, ter partido e onde estaria eu hoje? Naquele tempo, certamente, nao do lado de Deus!

Eu só queria hoje te fazer pensar um pouco. Pense nas vezes em que Ele te salvou. Se fizer uma lista, vai ficar horrorizado. E isso, sem contar nas vezes em que você nem percebeu, nem soube que havia ali a mao do Senhor. Sabe de uma coisa? Mesmo que você nao compreenda, Ele tem um propósito na sua vida e é por isso, que você ainda nao se foi! Ah, você nao acredita em Deus? Infelizmente eu nao tenho como provar a Sua existência, assim como você nao pode provar a Sua inexistência. Entao, sabendo que a eternidade existe e que sua alma diferente do seu corpo, nao morrerá, pra que arriscar?

***

 É que eu acredito na Bíblia e ela me diz em Hebreus 9:
 "... e, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo..."

H

03/09/14

Em meio a criancada

Semana passada, ficamos três dias na casa de uma prima do meu marido. Ela tem dois filhos pequenos e um deles, de seis anos, está ingressando na escola. Aqui essa é uma data muito importante, quando as criancas, recém saídas do Kindergarten sao recebidas na nova escola. Geralmente tem Zuckertüte (um grande cone de papel, recheado de doces e algum brinquedo ou uma peca de material escolar) que as criancas aguardam ansiosamente, uma Schulranz (pasta escolar ou mochila) seguida de uma recepcao que os pais fazem em casa com amigos e familiares. Depois da cerimônia na prefeitura da cidedezinha, com auditório lotado de outros tantos pais, irmaos, primos, avós e criancas, os pequenos sao recebidos na escola, onde sao apresentados a nova professora e onde os alunos da classe mostram toda a escola ao recém chegado. 

Pequena em relacao as que vi  sábado passado
Depois fomos para a casa da prima, que tem um enorme jardim. 
Os amigos deles tem mais criancas e eu quando há criancas em volta, esqueco que sou uma pessoa adulta. Enquanto as maes cuidavam da comida e os pais das bebidas (claro!), eu me ocupava da meninada. Só no outro dia percebi que nao havia ajudado as mulheres em quase nada na festinha, tao entretida que fiquei o dia todo com as criancas. Me desculpei umas dez vezes com a mais querida das primas do meu marido, mas ela nao entendia o porquê da minha preocupacao com isso: - Mas Nina, nao tem do que se desculpar, você cuidou daquele monte de criancas, já foi uma ótima ajuda. 

Cuidei nada! Fiz foi muita bagunca com elas.

Passamos o dia inteiro, de meio dia até meia noite, brincando. 
Jogamos bola todo o tempo, fui goleira (aliás, muito boa) e um juiz muito rigoroso! Fizemos esculturas de bolas de isopor e papel marchê, cacamos mais Zuckertüte pelo jardim, nos acabamos nos docinhos, brincamos de boca de forno, de pique esconde, de bumerangue. Colhemos ameixas e macas a tarde inteira. Subimos em árvores. Corremos e caímos um monte! Aguentei menino pequeno caindo e chorando e chamando maaaae várias vezes enquanto via menino maior, cair, sangrar um bocadinho e nem chiar. No início da tarde, eles resolveram ir ao rio (um pequeno riacho perto da casa, no meio de uma pequena mata). Todos saíram correndo. Eu que nao ia, ao ver Pedro se animando pra acompanhar  os mais velhos (todos meninos entre seis e nove anos) tive que ir e saí correndo atrás da molecada (uns sete meninos e uma menina). Até que ouvi um gritar: - Ah, que chato, lá vem um adulto. - Mas quem te disse que sou adulta? perguntei - Ah, nao? Entao tá bom, você pode vir. Respondeu ele. 
Ao saber que eu nao era adulta (o que o meu enoooorme tamanho ajuda bastante na mentirinha) e ter permissao de acompanhá-los na aventura, andamos pela florestinha úmida da forte chuva na noite anterior, cacamos insetos, aranhas, encontramos pedacos de um  túmulo que ninguém sabe como foi parar ali, de um casal que nasceu em 1845! Ouvimos cantos de pássaros e historinhas de terror. Pedro encantado, corria pra lá e pra cá e se fazia de maiorzinho.  
Ficaram o tempo todo perguntando qual minha idade. - Quinze? Dezenove? Vinte e quatro? Trinta e cinco? - Nao! disse eu, depois de me divertir e me orgulhar, com os chutes que ele davam sem acerto na minha idade, - sou mais velha que tua mae, teu pai, o pai dele, e o pai dela, tenho uma filha de vinte  e um outro filho de dezessete!
Eles nao acreditaram quando lhes disse a minha verdadeira idade e de vez em quando, durante o dia, olhavam pra mim realmente impressionados e diziam: eu nao acredito que você tem quarenta e três anos, Nina!

Foram embora pra casa, à meia noite, ainda sem sono e se recusando a acreditar.      
E eu, no outro dia, meio quebrada e dolorida, pensando que na próxima vez, digo que tenho trinta. Pelo menos assim serei um pouco mais poupada...

28/08/14

Lisboa

Era o dia vinte de agosto. Acordei às seis horas. Da porta de vidro enorme do apartamentinho em Lagos, olhei para o céu como fazia toda manha. Mas toda manha quando acordava, o sol já estava brilhando forte lá fora, cegando minha vista escurecida do quarto fechado. Olhei. Olhei de novo. Apertei os olhos pra ver se era real. Apaguei a lâmpada que tinha acabado de acender. Nao dava pra acreditar na visao. De cara grudada no vidro, fiquei admirando longamente o horizonte. No céu de um azul profundo, límpido, com tons alaranjados, o sol ainda nao tinha se levantando. Só vinha subindo sua luz discreta e lentamente. No alto, dois pontos brilhantes. A Estrela da Alva da manha reluzia. Era meu presente de aniversário! Fiquei longos minutos agradecendo aquilo. Se morasse ali, todo dia iria fazer questao de acordar as seis da manha, ou mais cedo, só pelo prazer do contemplar. Posso estar sendo exagerada, e sei que estou, mas nao lembro de ter visto céu mais azul e límpido na vida. O céu de Portugal nao é possível descrever! 
A família lentamente ia acordando. Eu tentei fotografar o céu. A foto nao ficou boa. Um a um, vinha me abracar, desejando feliz aniversário, e eu repetindo sem parar enquanto apontava pra o horizonte: veja, meu presente está ali! A filha riu. Riu porque deve ter notado que a mae tem sonhos e desejos aparentemente, tao miúdos. Nao quis presente de aniversário este ano. De ninguém. E no Natal, já comunicou, nao quer nada! 

Vou continuar presenteando, mas nao quero ganhar. Acho que cansei desse negócio, dessa paranóia de ter que presentear, só porque tem data certa pra isso. Tenho meus motivos. Hoje sou uma das pessoas mais de bem com a vida que conheco. Meu Senhor e Salvador, me faz sentir tao completa e satisfeita de tal maneira, que parece que nada mais me falta. Nao é excesso de soberba, nao é orgulho nao, tampouco, nobreza. É simplesmente um fato. É também excesso de tanta coisa. Nao tenho lugar pra coisas novas na casa. O que quero, posso, gracas a Deus, comprar. Meu presente de 43 anos, foi a visao do horizonte às seis. A companhia da minha família, a coisa mais importante na terra pra mim, o passeio pela bela Lisboa. E só.

Voltei pra casa cansada, no fim da noite. Mas com a alma serena. Com a mente cheia de belezas vistas e os ouvidos ainda ecoando o idioma. 
No outro dia, quis de novo acordar às seis.

Aqui algumas fotos da encantadora e surpreendente Lisboa:












 Aqui a foto mal feita, mas que dá uma pequena ideia, da beleza do meu presente: