09/01/2012

Evitando os brasileiros

Das cinco únicas experiências desagradáveis que tive aqui na Alemanha em cinco anos, quatro delas foi com brasileiras. Por isso, evito contato mesmo. Onde moro tem um grupo muito grande de brazucas, que se reunem frequentemente e eu nem mesmo conheco o lugar. Sei por meio de outros, que rola tanta fofoquinha que só em saber disso, já evito desde que soube de sua existência. Deus me livre, eu odeio fofoca. Nao quero saber da vida de ninguém. Mas nos últimos meses tenho aberto meu coracao aos conterrâneos. Teve a Márcia que já morou em Dresden e Bamberg, que já conhecia através do blog, que me visitou algumas vezes e que mora no meu coracao há muito tempo. Conheci a Denise há pouco tempo, ela mora longe de mim mas me contatou através do blog e desde lá,  trocamos emails ela já veio na minha cidade, me trouxe geléias feitas pelo maridao e veio com seu filho fofo, o também, Pedro. Mas esse Pedro já tem 18 anos! E tem a Maria, que dancamos salsa juntas, que me ensinou babymassage e com a qual passei o Reveillon  desse ano junto.

Esse Reveillon foi tao bacana, que nem consigo muito bem explicar em palavras. Tinha um bocado de outros brasileiros, com seus companheiros alemaes e seus filhos metade uma coisa, metade outra. Teve comida boa, conversas abertas e divertidas, dancamos o tempo todo músicas de todo o tipo e principalmente músicas antigas, brasileiras e muitas da Rita Lee; teve  brincadeiras com prendas e brindes (taaao brasileiro!!), fogos de artifício com direito a tacinha de champagne e até a musiquinha que minha mae canta todo ano deixando todo o resto da família de cara vermelha de vergonha, cantamos abracadas na rua (adeus ano velho, feliz ano novo, que tudo se realize...), teve sopa de lentilha também!  Teve Pedrinho até meia noite acordado, lá fora com alguns pinguinhos de chuva, num friozinho discreto de 4 graus, olhando os fogos no colo do pai, sorrindo pra todo mundo e depois entregando os pontos,  enquanto olhava os fogos, adormecendo.

O Reveillon com brasileiros simpáticos, a Márcia, a Denise, e a Maria me mostraram que nao vale a pena evitar pessoas apenas por clichês ou preconceito. Acho que comecei o ano muito bem. Diferente do anterior, onde um grupo de alemaes muito próximos me deixou tao triste. 

Daqui pra frente nao evito mais brasileiros, o que vou continuar evitanto é somente gente que nao combina comigo, sejam elas de que nacionalidade forem...

* * *



Meu marido, uns dias antes do reveillon estava apreensivo, nao  estava muito contente com o encontro, apesar de conhecer bem a Maria e seu marido e gostar muito deles, temia a noite com tantos brasileiros (ele tem alguns traumas por causa de uma certa brasileira). Na hora que estávamos na mesa da ceia ele comentou comigo que aquele encontro parecia muito a casa da minha mae com todos à mesa. Isso me emocionou, porque é isso que somos todo juntos. A gente é brasileiro, nao tem como fugir disso. E ser brasileiro em terra estrangeira tem um quê de saudade, de ternura e de proximidade, que só quem vive longe sabe o que significa.  Sim, ele adorou a noite, falou que pode repetir esse reveillon todo ano e meu filho de 14 anos que estava junto, e se opôs pra nao ir por que seria um tédio, adorou tudo. 
Bom, né?!

12 comentários:

  1. Talvez você tenha cruzado com os clichês femininos de mulheres que caçam maridos estrangeiros como forma de resolver sua vida financeira. Essas devem ser realmente bastante desinteressantes. Mas pelo blog a gente conhece quem se afina com a gente, só estreitamos laços com quem nos identificamos. Então fica mais fácil conhecer gente legal.

    Que você continue encontrando boas amizades brasileira.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  2. Conheci tanto brasileiros qd morei em Pisa e vi que quando moramos fora no inicio nos aproximamos por necessidade e nao por afinidade e quando isso deixa de ser uma necessidade, então vem a parte boa: Vc faz amizade por causa das coisas em comum.
    Se na proxima vez que eu for morar fora e o lugar escolhido for a europa, vou te procurar pra vc passear na minha casa, vc e essa alemãozada meio brazucas que tem aí na sua casa.

    ResponderExcluir
  3. Nina, espero de coracao ser a proxima brasileira que vai ganhar um pedaco do seu coracao. ;) Sabe, também já me decepcionei muito, muito com brasileiras que moram por aqui e tbm fujo um pouco, mas como disse a Dama ai de cima, pelo blog é mais fácil encontrar gente que tenha afinidade conosco. Eu mesmo nao tenho me decepcionado com as brasileiras que tenho conhecido pela internet e tenho feito boas amizades assim. E como voce estou aprendendo que o importante é se aproximar de gente que combina com a gente, independente da lingua ou nacionalidade delas. Beijo grande!

    ResponderExcluir
  4. eu nao sei onde perco ou ganho mais...pois onde moro nao tem um brasileiro nem pra fazer remedio, só eu! Conheco algumas via blog e via facebook, que via net sao até bem legais, mas nunva nos vimos pessoalmente, quando eu leio as fofocas dou gracas aDeus morar nos mato longe de coisa do tipo, mas quando bate a saudade de um papo potuguês do Brasil ai penso como seria bom ter uma amiga brazuca por aqui, enfim eu tô no muro ainda, no nivel de analisar quem é quem, algumas ja cairam no meu conceito faz tempo ..rss entao chego a conclusao que estou mais ganando do que perdendo.rss bjs linda

    ResponderExcluir
  5. Olá, querida! A quanto tempo não nos falamos... Andei meio sumida... Saudade de você. Família tá bem? Espero que sim. E você, como está? Estou tentando retomar as visitas aos blogues do meu coração, mas a vida esta me roubando o tempo. Bom, passei pra deixar um abraço e colher alguma notícia. Feliz Ano Novo! Que tudo continue dando certo por aí e que sua vida seja ainda mais linda! Beijos pra família toda!

    ResponderExcluir
  6. Oi Nina.. vc não deve evitar as pessoas em si, sendo brasileiros ou não... vc deve evitar as pessoas que te faz mal... bjo
    Ich, Hausfrau
    www.ich-hausfrau.com.br

    ResponderExcluir
  7. Nossa Nina...como te entendo...aqui na Florida entao,é uma brasileirada só....de todos os niveis.
    So me aproximo quando sinto uma afinidade, se nao, nem pensar!!!
    Quanto ao "estress"..rs, aquele articulo que voce recomendou caiu como uma luva e melhorou bastante meu relacionamento com o de 14.
    Que legal que o seu acabou curtindo o reveillon....eles reclamam, mas no final acabam gostando,né?
    Agora, voce acha que nao divido as tarefas aqui em casa? Estaria louquinha se nao o fizesse...rs...aqui galera trabalha duro, tira lixo, faz cama, lava roupa, louça..etc...e marido cozinha....na verdade nao poderia reclamar muito, mas mesmo assim o nosso saquinho enche amiga, quando a pediçao se junta..rs!!!
    Super obrigada pela força, adorei teu comment!!!!
    Mil bjks!!!

    ResponderExcluir
  8. Ahhh....e é muito bom mesmo quando encontramos um grupo com afinidades pra conversar, pelo que você descreveu pareceu um reveillon delicioso!!!

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    encontrei seu blog por acaso... Também moro na Alemanha e tive algumas experiencias comparáveis a sua. No final, também cheguei a mesma conclusao: nao é a nacinalidade que define uma pessoa, mas sim o seu caráter. Tem gente legal e gente chata em todo lugar, seja brasileiro, alemao, chines, africano... Gente é gente. Mas podemos escolher nossos amigos. Gracas a Deus por isso! Também achei um grupo de brasileiros/alemaes que me identifico e passamos o fim de ano juntos. Foi muito legal. um beijo para voce.

    ResponderExcluir
  10. Oi Nina!
    Primeiramente, obrigada pela menção carinhosa que fizestes dos nossos encontros e amizade, que independe de fronteiras!
    Durante minha vida na Alemanha encontrei poucas brazucas, mas tive a imensa sorte de só topar com gente boa! Claro que as afinidades eu construí com poucas, e o mais interessante é que ambas estão na blogosfera (Você e Angie).
    Olha, fiquei super contente que seu Mergulho em 2012 (mergulho é o termo dos alemães?) tenha sido tão animado, cheio de dança, brincadeiras tipicamente brasileiras... E que seu esposo e filho tenham gostado. Amiga, como é bom começar o ano novo se livrando de velhos conceitos...
    Com seu faro fino, vc vai identificar fácim quem se identifica contigo!
    Beijos
    Márcia

    ResponderExcluir
  11. Oi meninas, valeu por terem entendido o que disse, mas to feliz por estar mais relaxada com esse tema.

    Aah Hausfrau, eu nao evito pessoas nao, na verdade, eu adoro gente, gosto mt de conversar, de ser simpatica, de ouvir. Mas o que evitava eram brasileiros que moram no exterior. Quem mora fora sabe como é difícil encontrar alguém que vem do teu país, assim como vc, e que em vez de te tratar com pelo menos um pouco de carinho, só te esnoba e se acha SEMPRE melhor que vc.

    É chato sabe?

    Marcia, sim, sim, aqui eu conheco mts brasileiros super bacanas!!!! mas eles tbm como vc, conheci pelo blog. Isso é outra coisa bem diferente. Aqui pelo blog, temos coisas em comum. Mas assim, pessolmente, a coisa, como diz minha mae, muda de figura, saca?

    Mas vamo que vamo tentar ver se a sorte melhora e me aparecem brazuquinhas mais simpaticos ne?

    ResponderExcluir
  12. que bom que vc teve uma boa entrada de ano, fiquei feliz por vc, li seu post com sorriso no rosto, imaginando sua felicidade e como dve ter sido bom esse momento, meu ano novo foi pessimo amiga, eu estava com depressao, estraguei minha virada de ano e da minha familia, mas... a vida continua e outros anos novos virão! Mas que bom que vc curtiu, q bom, adorei ler e imaginar, me deu ate uma felicidade como se eu estivesse junto de vcs a mesa naqle momento tao especial e como vc mesma disse, divertidissimo, q legal ne. Bjus

    ResponderExcluir