20/05/2011

Sou dona de casa, e daí?! Valho menos por isso??

Ao comentar neste post aqui  a Monica fez o seguinte comentário:
"Nina,Voce está de parabens! Nota 10 mais mil.Eu nunca quiz ter esta responsabilidade de ser mãe. Nem de arrumar um namorado. Não tenho pciencia. Minha paciencia é zero pras coisas de casa. Se deixar eu leio 24 horas e se deixar escrevo bobeiras também. Mas só vou te contar uma coisinha. Ser dona de casa no Brasil não vale nada pra familia. Eu tinha uma tia que hoje por causa de esclerose multipla esta ou na cadeira de roda ou na cama. Mas sou testemunha que foi mãe, cozinheira motorista, professora para os filhos mas nunca trabalhou e então nao vale muita coisa para os filhos que não tem nenhuma paciencia com ela. E agora a mmaior dificuldade de arrumar ajudante. Dá pena mas....
Então eu que não sou nada somente uma professorinha de primario lhe digo. arrume algo pra fazer por fora para ser valorizada.
com carinho Monica"
O que você pensa sobre isso?

Eu achei muito triste!
Nao pela Mônica (isso nao é diretamente pra você Mônica, por favor, me compreenda, mas pra todo aquele que pensa assim) que é uma pessoa querida e sei que nao fala  isso pra me entristecer ou me magoar, mas por imaginar que alguém ainda pensa que uma mulher vale menos por ser dona de casa. A Mônica falou (e ela nao é a primeira a fazer isso) como se eu nao soubesse o que acontece no Brasil. Preciso explicar entao algumas coisas.

Moro na Alemanha há cerca de cinco anos apenas. E nao tenho a menor vontade de voltar a morar no Brasil! Morei lá 35 anos da minha vida. Sempre no Amazonas. Sei como a mulher pode ser mal tratada no nosso país. Trabalhando fora de casa ou nao!
Agora, mais uma explicacao: nao sou dona de casa, estou dona de casa e por escolha própria. Se eu fosse dona de casa, estaria talvez ainda mais feliz, porque ser dona de casa pra mim, é cuidar muito bem da sua casinha e dos  seus filhinhos. Só por isso nao me considero uma dona de casa de verdade, porque já confessei aqui, nao sou boa com os afazeres domésticos tanto quanto gostaria, mas tento. Acho essa atividade muito bonita, de verdade! E me entristeco só em imaginar que alguém pensa que valho menos que outras mulheres só por assumir que prefiro cuidar da casa a trabalhar fora.  
Acho isso uma troca de valores muito injusta.

Agora, quero falar com você, que tá quietinha aí, lendo as minhas baboseiras irritantes e até repetitivas, é, você mesma que teve (tem) uma mae que era (é) SÓ dona de casa... pense nela agora por favor e me diga: ela valia menos pra você?? 

Será que ela tinha pouco valor pro seu vizinho? Pra sua professora? Pra sua tia-avó? Pro carteiro? Pro padre da igrejinha? Pra fofoqueira da vizinha? Pra Dona Encrenca, aquela sem vergonha que andava com seu pai?
Sim, eu acho que pra esse povo todo aí, a sua maezinha que esquentava a barriga no fogao e esfriava na pia, que dormia tarde fazendo um bolo pra você levar pra escolinha, e que acordava cedo pra preparar o café da manha pra toda a família, que mesmo enxergando mal, costurava os teus remendos na calca jeans, ou que  ao sentar no sofá finalmente pra assistir a novela depois de um dia cheio, saia correndo pra  te dar um xarope cada vez que você tossia, enquanto passava vick vaporub na sua garganta e rezava com folhas e água  benta em você pra te curar do resfriado, resfriado esse aliás, que você pegou por nao ter vestido o agasalho que ela tanto te mandou vestir, que te ensinou o Beabá, que pegava na tua mao pra cobrir as letrinhas pontilhadas na alfabetizacao, que juntava as  suas maozinhas pra rezar pro anjo da guarda te proteger, ou que tinha que cozinhar pro sem vergonha do teu pai que chegava com cheiro de pinga e perfume barato de mulher da rua...  sim,  talvez pra esse povo todo aí, a sua mae, dona de casa, valesse menos, mas pra VOCÊ, ela era tudo, nao era????

É isso que eu quero, sabe? Valer alguma coisa, aliás, quero ter muito valor pra quem eu amo! E esse alguém que eu muito amo sao meus filhos. É a opiniao deles que me interessa! Se pra eles eu perder a importância um dia, aí, vamo combinar, eu vou ter que me estrepar pra arrumar outro jeito de me sentir valorizada pelo meus filhos. Mas até lá, é a opiniao deles que me importa e claro, a minha própria.

Uma outra coisa que acho, infelizmente, importante lembrar: eu tenho uma profissao! Sou engenheira florestal, mas como já falei aqui diversas vezes, NAO QUERO MAIS TRABALHAR NESSA ÁREA!
Mesmo tendo a oportunidade de trabalhar aqui, pois meu diploma é aceito, o que nao acontece com a maioria de outros profissionais estrangeiros. MAS EU NAO QUERO! Eu quero ser dona de casa!!! Eu quero ser dona de casa!! Eu quero ser dona de casa!!  Que mal há nisso?
Nunca entendi a razao de alguém sentir vergonha ao se apresentar num lugar e falar que é dona de casa. Olhando bem, mas bem lá dentro mesmo, acho uma das atividades mais importantes que alguém pode ter. Você já reparou como um tanto de gente anda precisando de atencao dentro de casa? Como um tanto de gente precisa de cuidados? Como um tanto de crianca precisa de acalento, roupa, comida, carinho, teto, afeto? Quem é que pode ter isso sem um verdadeiro lar???

No mundo atual, me pergunto ainda, como as maes podem dar isso tudo a um filho trabalhando tantas horas fora de casa?  É muito difícil, gente, você sabe como tem uma porrada de mulher que daria tudo pra passar mais horas com seus filhos e nao podem, por viverem nessa loucura de ter que trabalhar pra sustentar a família ou pior, nessa loucura de ter que mostrar eficiência a todo custo... e quando você pode se dar esse luxo, você é mal tratada por ser apenas dona de casa?

Uma outra explicacao. Tenho dois adolescentes. Fui mae muito presente mas nunca pude ser dona de casa de fato. Sempre havia uma empregada pra fazer tudo (coitadas daquelas mocas que fazem tudo e recebem tao pouco) e passei anos na faculdade e nunca pude realmente curtir a minha casa. Descobri agora a beleza de cuidar de um lar em tempo integral. Agora, tenho um bebê e moro num país onde a mulher tem 1 ano de licenca maternidade e pode se quiser, em negociacao com a empresa que trabalha,  prolongar esse período de licenca para 3 anos, porque o país considera essa a fase  mais importante no crescimento da crianca e o contato com a mae nesse período fundamental. Entao, mesmo se quisesse trabalhar agora, nao poderia.

De um dos grupos de 11 maes que faco parte, somente 3 trabalham.  Duas delas já disseram que nao vao voltar às suas atividades, preferem cuidar de seus filhos e serem donas de casa.
Quando perguntadas por mim porque nao voltar a trabalhar, elas dizem que cansaram disso. Que nao sabiam como é bom ficar em casa e dar toda a atencao ao seu filho. Que pensavam antes que trabalhar fora era se sentir importante e útil, mas que hoje, vem a necessidade de estarem mais presentes na vida dos filhos. É claro que elas podem ficar em casa, senao, iriam trabalhar. Mas a questao aqui é outra. É mostrar que quando podem escolher, as mulheres podem simplesmente, tem esse direito, ou pelo menos, deveriam ter. Elas nao precisam mostrar eficiência fora de casa e nem viver mostrando algo às pessoas, quem tem que estar feliz com algo, nao é a sociedade, mas você mesma. E se você se sente bem estando em casa, cuidando da filharada e limpando privada, quem é que tem o direito de te julgar??

Detesto hipocrisia, sério!

35 comentários:

  1. Entendo bem o que quis dizer e concordo! Acho que se você é feliz assim, porque seria menos, ou errado, ou teria que mudar de caminho? Sinceramente não entendo.

    Lembro do comentário que fiz nesse post, que eu disse que detestava ser dona de casa, e detesto. Mas daí achar que outras mulheres não podem ser felizes assim, é algo que não devo e não posso fazer.

    Como vou pincelou no seu post, não importa em que posição a mulher esteja no Brasil, parece que ela vale sempre menos que o homem. Detesto essa cultura daqui, machista, que supervoaloriza a figura masculina. Então as donas de casa, aqui, sofrem duplamente, por serem mulheres já desvalorizadas e por carregarem esse título de dona de casa que se tornou pejorativo!

    Acho que você tem que ser do jeito que te faz feliz!

    Beijocas

    ResponderExcluir
  2. PQP, que texto! Adorei Nina, você disse tudo o que deve está engasgado em muitas gargantas...

    ResponderExcluir
  3. Sabe uma coisa que aprendi na Alemanha...
    Que você não é mais por ser um diretor e não é menos por ser lixeiro..Você vale pelo seu trabalho!

    Ser dona de casa tem valor sim e temos que acabar com isso...

    O que faz uma DONA DE CASA:
    ADMINISTRA
    LIMPA
    PASSA
    É PSICÓLOGA
    COZINHEIRA
    COSTUREIRA
    Tudo isso é um trabalho.

    No caso da tia Monica, não é um caso de valor e sim de respeito.
    Os filhos não tem respeito pela mãe, ela fez a parte dela, agora se os filhos não se importam, isso é uma pena.
    Aqui se faz aqui se paga!

    Até pq se um diretor de uma grande empresa ficar velho e a familia não tiver nenhuma consideração pela familia acontece o mesmo.

    Nina, vamos para a praça protestar!

    rsrsr

    ResponderExcluir
  4. Muito bom o seu texto.
    Penso que cada um tem que fazer de si o que melhor que lhe aprouver. O problema em ser dona-de-casa é que esse trabalho não rende dinheiro, não dá um salário, logo não tem conteúdo econômico direto. O conteúdo é apenas indireto e por isso, passa batido. Ninguém vê (!?) poucos reconhecem o valor intrínseco dessa atividade. Taí o tal de valor ou desvalor. O resto é bobagem. São questões que adejam em volta do assunto principal. Entendo que se você, ou qualquer outra mulher, decide 'estar' dona-de-casa e tem suporte financeiro para isso, qual é o problema?

    Veja o meu caso. Tenho 63 e, por opção, ainda não estou dona-de-casa. É que adoro meu lado profissional e as viagens interessantes que faço a trabalho e, além disso, quero ter meu próprio dinheiro, sem ter que dar satisfações a ninguém. O ritmo do trabalho sou eu quem faço, e isso me agrada. Quando cansar ou encher o saco, vou parar. E pronto. Às vezes suspendo um pouco as viagens e fico uma ou duas semanas dona-de-casa. É uma glória!

    Não discuto, nem toco sequer no mérito, no valor social e familiar da dona-de-casa. Isso, para mim, é indícutível, de valor inestimável. Só não vê quem não quer.

    Bjssssss

    ResponderExcluir
  5. Oi Nina,

    Puxa, que post hein? Olha só,a minha mãe me ensinou desde criança que eu deveria estudar e ter uma profissão para TER OPÇÃO. Se eu nao quisesse ser "apenas" dona de casa (como se isso fosse pouca coisa), eu deveria ter uma profissão. Mas o que entendi disso, não é que deveria diminuir quem fosse DO LAR, mas que, a profissão me trouxesse independencia, principalmente financeira, para não ficar amarrada a ninguém por nao "saber se virar', nao ter como se bancar.
    Entendo que isso hoje está ultrapassado, mas o que ela quis me dizer em uma época que as mulheres eram totalmente dependentes dos homens e eles faziam disso seu escudo (quem manda aqui sou eu, quem sustenta essa casa sou eu, etc)é para SER DONA DO MEU NARIZ.
    Mas ser dona de casa também é uma escolha. Eu nunca me imaginei nao trabalhando fora. Mas posso te confessar uma coisa?
    Hoje em dia, que sou casada e penso em ter filhos, estou cada dia mais convencida filhos que tem mãe presente são muito diferente daqueles que só vem as maes fim de noite ou fim de semana. Acho que é até por isso que estou protelando a chegada de um filho. Neste momento eu PRECISO trabalhar. Não posso escolher ficar em casa porque meu salário é também o sustento da casa, sem a minha parte, as coisas ficariam extremamente complicadas.

    E quer saber? Mulher nenhuma vale menos por nao trabalhar fora. Mas isso está incutido na educação de cada uma. Até pouco tempo também pensava assim, que nao seria reconhecida ou valorizada se nao saisse de casa cedo e voltasse a noite (como eu faço).
    Adoro trabalhar, amo minha profissão. Mas penso muito no dia que eu poderei ficar em casa, cuidando das minhas coisas, tendo meus filhotes, tals!
    E você ser dona de casa, nao significa que tenha que ser uma paranóica de limpeza, que só fala nisso. Esta é a idéia de dona de casa que as pessoas tem, infelizmente!

    Um beijo.
    Desculpe pelo comentário maior que o post. Eu me empolgo, mas espero ter sido clara na minha opinião.

    ResponderExcluir
  6. Meu nome é Tatiana Dias e trabalho para uma empresa de Comunicação e Marketing, na Espanha. Gostaria de saber se te interessa colaborar com uma campanha de publicidade de um site de classificados gratis no Brasil. Pagamos 25 euros por PayPal pelo trabalho.
    Se está interessada na proposta, não deixe de entrar em contato comigo em este mesmo e-mail: tatiana.segala@gmail.com
    Atenciosamente,
    Tatiana A Dias

    ResponderExcluir
  7. Nina o que vale mesmo e o conhecimento, e isso voce tem de sobra! Voce pode ir a qualquer lugar, conversar e o seu nivel de conhecimento te colocara para cima.
    Tem tanta gente que trabalha e se sente miseravel, no sentido de ser infeliz...
    Tudo e relativo, ja dizia Einstein, amo pensar que nada e preto e branco, entao o caso da tia da Monica e um caso que os filhos poderiam desvaloriza-la mesmo que ela tivesse trabalhado fora. Talvez seja uma questao de carater deles, se for, acho triste realmente para a vida de quem os criou.
    Nao acho que filhos de dona de casa desvalorizem a mae nao... minha mae por exemplo, foi professora, mas depois largou e virou dona de casa, dava aulas particulares, mas ainda assim e dona de casa, ne?! Eu sempre tive orgulho por seu conhecimento, criatividade, bom gosto, pelo dom de falar, bom humor, saber costurar, pintar quadros e por sua beleza, por que nao. Ela nunca se sentiu menor.Isso de voce propria se valorizar e importantissimo... pois passa para os filhos. Acho que se a pessoa se mostra fraca diante os filhos, perde a lideranca, e pais sao lideres! Eles estao no comando! Acho ate mesmo que uma dona de casa e mae precisa tentar sempre estar bonita, para esse proposito, se sentir bem e reluzir confianca. A unica coisa que acho ponto negativo em donas de casa e a questao de dinheiro. Porque sim, e otimo ter o proprio dinheiro e gastar, juntar e comprar o que voce bem entender... sei tbm que trabalhar fora nao e so questao de dinheiro..claro! Mas e so um ponto que quis destacar.
    Bem, entao Nina, minha maninha querida, seu valor nao deve ser medido so por voce fazer as coisas praticas do dia a dia, nao. Voce escreve super bem, fala linguas, e formada, tem conhecimento de tudo um pouco, tem bom humor, carater, opniao, alem de linda. Quer mais o que? heheh
    E para as donas de casa ( e para quem trabalham tbm, ou seja para as mulheres): E muito bom ter escolhas na vida, e nao se sinta pressionada, escute a voce propria, como dizem "a voz do coracao". Se informe, leia, busque conhecimentos, mude o visual e seja feliz!

    Beijinhos e bom fds!

    ResponderExcluir
  8. Ahhh mais uma coisinha, aqui na Belgica e na Holanda tbm, homens e mulheres tem salarios diferentes, mesmo que eles trabalhem com o mesmo cargo e horas semanais. Esse e um ponto que as mulheres aqui ainda batalham. Nao sei se isso ja mudou, mas ate entao o que sei e que isso ainda acontece.

    De qualquer forma, as mulheres se valorizam em qualquer posicao, ate mesmo limpando chao de supermercado.

    ResponderExcluir
  9. Nina , eu também estou dona de casa. E também não sou dona de casa modelo, na verdade eu não sou muito fã de serviço doméstico, eu tenho coisas demais na cabeça que acabam me distraindo. O que eu sou mesmo é uma escritora, uma blogueira profissional, uma pensante que toma conta da própria casa. Agora, quem imagina que a dona de casa é menos de qualquer outro trabalhador, está com algum problema. Não há como não olhar quem cuida de sua casa e de seus flhos com dedicação como um ser menor, pelo contrario , trata-se de um ser cheio de qualidades, capaz de dedicar sua vida ao outro, e não a uma busca pessoal. Cuidar da sua casa e de seus filhos é uma atividade nobre. Escrevi até um livro sobre isso, é o que eu acredito.

    beijs

    ResponderExcluir
  10. Oi Nina,

    Conheci seu cantinho através da Dani Seiler, gostei muito de tudo o que escreveu e também tenho a minha posição, tenho o que falar.

    Quando eu nasci, minha mãe era "SÓ" Dona de Casa, ela se dedicava integralmente a casa, ao meu pai e a mim. Até que meu irmão nasceu, mais um ano se passou, e meus pais resolveram abrir uma loja. Início de empresa é complicado, aliás, início, meio... sempre, mas o início é pior, e os dois começaram a se dedicar muito à loja, tanto que meio que nos esqueceram. Sei que estavam fazendo tudo para o meu futuro e de meu irmão (tanto que temos a loja há 28 anos), mas foram ausentes. Ficavam na loja durante o expediente normal, e após, muitas vezes varando a madrugada.

    Dou sim, MUITO valor ao que fizeram, e ainda fazem, mas daria muito valor também, se minha mãe estivesse conosco, na hora das lições, das brincadeiras.

    Hoje, sou uma péssima dona de casa, e quando digo péssima, pode acreditar. Pois não tive um exemplo a seguir, mas juro que gostaria muito, de cuidar da minha casa, cuidar do meu filho, ter mais tempo para ele, que hoje tem 4 anos.

    Não o faço por alguns motivos, um deles, é que a minha renda ajuda bastante em casa, outra, é que meu marido, que amo muito, mas tem seus defeitos, acha que mulher em casa fica pensando besteira (olha o absurdo!), na verdade, se fosse só esse lance do meu marido eu não engolia não, mas o din din que entra é necessário.

    Sei lá, acho que falei demais. Mas o que eu estava querendo dizer mesmo é que ser Dona de Casa é importante demais, pra tudo e todos. Ser mulher empreendedora é legal, mas se você tem a possibilidade de ser Dona de Casa, seja, principalmente quando se tem filhos. A casa, fica com cara de LAR!

    Beijos para você

    Ana
    www.calcinhafrufru.com.br

    ResponderExcluir
  11. A mulher nunca deixa de ser dona de casa mesmo que trabalhe fora.

    Eu acho sim que a mulher que não trabalhe tem que estar preparada pra tudo.

    Mas Dona de casa tem que ter valor sim!

    ResponderExcluir
  12. Ah! Nina !!

    Que ponto batido né ? bom eu sou dona de casa e trabalho fora agora, de novo e fiquei 3 anos sem trabalhar por opção pois achei que precisava desse tempo com a LARA. Mas acho que isso é uma opção da mulher, claro as que podem opinar...mas gostaria de ser mais dona de casa do que sou para dar toda atenção que minha filha merece!! pq quem trabalha fora bem ou mal sempre fica devendo...

    E quando vc falou, dos valores que nossa maezinha tinha, lembrei da minha Nina essa sim tinha valor era uma simples e humilde dona de casa.

    beijo grande minha querida amiga !

    ResponderExcluir
  13. Nina, queridona!
    Falou e disse tudo!
    Eu também estou dona de casa há bastante tempo e não me arrependo, gosto muito, por sinal.
    O que a Dani falou, pouco mas acertadamente, concordo, pois mulher nunca deixa de ser dona de casa, mesmo trabalhando fora.
    Agora, nada se compara a uma mãe presente quando os filhos precisam, digo na infância e adolescência.
    O que estamos assistindo hoje é um retorno a estes velhos costumes e aquelas que fazem este caminho, são pessoas mais felizes, com certeza.
    beijos cariocas

    ResponderExcluir
  14. NINA!



    Eu vou dar o meu depoimento, que pode nao servir para ninguém. MAS SERVIU PARA MIM.

    FALO,,..SERVIU...

    Eu vivi toda a minha vida de casa, trabalho, faculdade, e cinco anos como representante de empresa no TRT, em Alagoas.

    Nunca tive oportunidade de ser mae...cuidar de meus filhos.

    Até que, ao casar com o homem que estou hoje, cai, de pára-quedas na Suécia.

    Pronto..MEU FILHO, ANOS ATRÁS, NAO FALAVA IDIOMA NENHUM...APENAS, MUITO RUIM O PORTUGUES. ELE ERA MUITO PEQUENININHO.

    Entao, eu negligenciei - dediquei - toda a minha vida a cuidar dele. A dar a ele a assitencia que ele precisava.

    No meio do caminho, voltamos a viver no Brasil,. Ele já nao se encaixava mais no modelo brasileiro de crianca.
    Até que, ele cresceu. Em 2009, a filha casou e um vazio se instalou em mim.Eu já lutava pela crianca refugiada em Mocambique. E, eu senti que aquilo era o que eu queria para minha vida.


    o MARIDo falou que eu tinha que cuidar da casa enorme, supermercado, jardim, jantar e encontros entre amigos.

    NAO..NAO ERA AQUILO QUE EU QUERIA.

    E, ele dizia: VC NAO VAI COSNEGUIR NADA ALÉM DO QUÉ..RELAXE E SE CONTENTE COM O QUE VC CONSEGUIU.

    Tinha dias em que eu naop sabia, aoc erto, que caminho seguir. Mas, segui.

    Entrei na escola e voltei a estudar inglês. Ainda tenho muitas dificuldades no idioma - é que devido problemas de saude - parte de minha voracidade de aprender se perdeu- mas, um dia, eu acordei e vi que EU TINHA QUE ME REINVENTAR.

    E fiquei super feliz quando eu fui aprovada para fazer Mestrado.

    Conclusao...

    O QUE EU QUERO FALAR COM ISSO?


    é que há tempo para plantar, colher, ceifar, etc.

    E podee haver nas trilhas de sua vida, a hora de VC DESCOBRIR QUE OS FILHOS CCRESCERAM E É HORA DE SE REINVENTAR EM OUTRA NINA.

    Quando isso acontecer, as comportas da VIDA vao se abrir e vc vai renascer em outra realidade.

    MAS, ENQUANTO ISSO NAO VEM E VC É FELIZ COMO É, A VALORIZACAO VIRÁ DO QUE VC É. E NAO DO QUE QUEREM QUE VC SEJA,.

    A vida é curta e -medindo as consequencias -a felizes sao aquelas que têm a oportunidade de sempre fazer seu rio correr em direcao ao mar.
    Continue assim..faca da sua vida o que vc acha melhor e nao o que acham que é bom para ti e tua familia.
    bjs e dias felizes


    NINGUÉM TEM MODELO DE VIDA FEITO UMA FORMA COMPRADA NO SUPERMERCADO DA ESQUINA.NÓS, COMO ARTESAOS, TEMOS QUE CRIAR A NOSSA. E ESSA, NEM SEMPRE SERVE PARA O VIZINHO.

    ResponderExcluir
  15. Nina

    Penso que se deve fazer o que nos faz feliz. Eu sempre trabalhei, administrri minha casa, mas nunca me dediquei só ao lar, Eu não gosto. Achei ótimo ter morado no interior quando as filhas eram pequenas, pois pude estar próxima. Mas , hoje penso que se tivesse abandonado tudo para ser mãe, estaria um tanto perdida, pois os filhos crescem e têm vida própria e a lacuna precisa ser preenchida. Isto requer esforços e habilidade para encontrar um novo sentido.
    bjs,

    ResponderExcluir
  16. Oi Nina,boa noite !!
    Sou uma dona de casa que faz,não uma dona de casa q delega tarefas,e faço com prazer,carinho.
    Lógico q tenho os "meus dias de preguicinha" e q deixo por fazer,mas e daí...ninguém me cobra por isso,essa é a grande diferença !!
    Com absoluta certeza,sou muito valorizada pela minha família!!!
    Nunca admiti em deixar meus filhos qdo pequenos com estranhas,e não havia creches particulares,hotelzinhos e afins,então resolvi chutar o balde,arregaçar as mangas e ir a luta !!! E não me arrependo por isto,muito pelo contrário,tenho orgulho,pq a colheita está sendo maravilhosa! Não sou uma frustada e muito menos me cobro sobre esta decisão !!
    Colegas e pessoas mais chegadas a mim...sofrem agora,por não estarem presentes ao longo da vida dos filhos,o que lamento por todas elas,colheita sofrida !!
    E vem cá...rs, muita coisa e afazeres...é uma distração,uma terapia,lógico q agora faço cursos q com certeza não faria na época...até pq aqui na minha cidade não oferecia estas facilidades,então,por ser uma dona de casa neste momento está sendo é ÓTIMO,faço minhas atividades extras,nada relacionado a afazeres domésticos,realização pessoal mesmo,e SOU FELIZ,minha família É FELIZ,e cada um aqui já está colhendo os frutos deles...
    E não preciso engolir sapos todo santo dia,aturar mal humor de chefes,estressar no trânsito e por aí a fora !!
    FELICIDADES E SAÚDE PARA VC E SUA LINDA FAMÍLIA !!!
    beijo e abraço.

    ResponderExcluir
  17. Nossa Nina!, que bacana esse post! E os comentários tb! Verdadeiros depoimentos. Eu fui mais dona de casa do que trabalhei fora, mas já trabalhei em casa tb. Não sou boa dona de casa, aliás, detesto tudo quanto é serviço do lar, mas não me arrependo de ter podido criar meus filhos, ver seus primeiros passos, seus dentinhos, a primeira palavra dita...isso não tem preço! A verdade é que aqui no Brasil há uma cobrança imensa pra mulher sair de casa e trabalhar e ao mesmo tempo uma cobrança imensa pra ela dar conta da casa e dos filhos. Mas sinto que está havendo uma repensada nisso tudo. Eu tenho visto muitas moças da geração dos meus filhos, abrindo mão de um emprego fora de casa para poder criar os filhos elas mesmas. E hj em dia tem computador e internet né? Muitas podem trabalhar em casa.
    No meu livro eu falo dessa culpa que as mulheres sempre tiveram: se trabalhavam fora, tinham culpa por ter deixado os filhos, se não, ao contrário, queriam ter sua independência financeira e se arrependiam de não ter um emprego...é muito complicado ser mulher num país onde as leis não beneficiavam a maternidade. E vamos combinar que toda mulher que trabalha fora tem mil atividades na casa, a não ser as muito ricas que delegam aos empregados e não fazem nada, nem criar seus próprios filhos. Adorei esses debate, parabéns! Não me arrependo e ainda acho que eu sou provedora emocional do meu lar. Propiciei a manutenção da família pro meu marido ir à luta.beijão,

    ResponderExcluir
  18. Por cada comentário, por cada palavrinha aqui comentada, muito obrigada meninas, vcs enriqueceram demais essa postagem. Entendi cada uma de vcs e suas situacoes. Cada uma com seu jeito de pensar e agir na vida. Fico contente que as que sao maes acham importante os momentos com seus filhos, esses sim enriquecedores e necessários e as futuras maes, pelo que vi aqui, serao ótimas em sua funcao de tentar estar presesentes mesmo trabalhando fora. Vcs tem razao, cada um escolhe o caminho que vai seguir, consciente de que o termômetro da felicidade pode ser mt individual, o que pra mim é bom, pra outro pode nao ser. Do que eu mais gostei de notar foi que somos mesmo, como disse a Grace, de fases. E o que mts de vcs disseram, o importante é nao se anular, nao ficar alienada, e ter atividades extras, pra nao ficar acabada e se sentindo sem utilidade alguma qd os filhos crescerem e tomarem conta de suas vidas.

    Obrigada a cada uma de vcs. Amei cada palavra!

    ResponderExcluir
  19. Nina,

    Adoro os seus posts, o seu blog de uma maneira geral...
    Ainda sou muito nova e decidi parar de trabalhar quando decidi que queria engravidar! Isso mesmo, antes mesmo de engravidar! Sempre quis ter uma gestação tanquila, sem estresses, fazendo as coisas que eu sempre gostei e achei que eram realmente importantes para mim e para a família que eu estava querendo formar...
    Sofri e sofro preconceitos por causa disso, mas, sinceramente: Não ligo!!! O que importa é que eu seja valorizada e amada pela minha família!!!
    Tenho certeza de que farei a diferença na educação dos meus filhos!!!
    Não sou contra quem gosta e quer trabalhar fora e seguir uma carreira, mas acho o cúmulo as pessoas que são contra e acham um absurdo as mulheres que gostam e querem ser Donas de Casa...
    Engravidei e realmente tive uma gestação tanquila e maravilhosa!!!
    Meu filho é calmo e acho que muito disso tem a ver com o ritmo aqui de casa: faço tudo com tranquilidade. Optei por isso! Meu filho é a minha prioridade! Depois dele vem o meu marido, eu e a minha casa... Vou fazendo minhas coisinhas no meu tempo... Adoro!!!
    Meu marido me valoriza muito e valoriza o fato de eu estar em casa pensando no melhor para a minha família. Diz que quer me ver feliz e que se eu quiser ficar em casa ou trabalhar fora, ele me apóia totalmente!!!
    Hoje quero ficar em casa... Talvez um dia eu volte a trabalhar... Mas, com certeza será num outro ritmo: quero sempre acompanhar meus filhos e meu marido. Quero sempre estar em casa quando eles chegarem, quero conversar enquanto comemos, quero participar de suas conquistas e ajudá-los em sua dificuldades, quero estar sempre presente (corpo e alma), quero amá-los incondicionalmente...

    Parabéns pelo seu post, parabéns pela sua escolha...

    Aliás, em meu último post, recomendo o seu blog, coloco-o como um de meus preferidos.
    Passe lá para conferir!!! Aproveite e pegue os selinhos!!!

    Beijos!

    Lívia.

    ResponderExcluir
  20. Ok Nina, vamos ao assunto.
    Sempre me incomodou o rótulo, acho um absurdo ser "só" dona de casa. Prestou a atenção? Só, o só é que me incomoda. Dona de casa, do Lar, Amélia e todos os outros nomes não me incomodam de jeito nenhum, mas o "SÓ" Nina, esse me mata.
    Hoje eu sou bancária, dona de casa, mãe, esposa, amiga e amante.
    Bancária nas horas vagas, dona de casa e todo o resto em tempo integral. Chego do trabalho(vamos chamá-lo de descanso) e aí sim, começa o meu verdadeiro dom, minha verdadeira identidade, bancária é a identidade secreta da Super Dona de Casa, e ser o que sou me faz feliz, acho que não e opção ficar em casa e administrar a economia que mais oscila no mercado financeiro, a fashion week o ano todo, o programa culinário, a sexologa que debate sobre sexo e amor, a psicologa que conversa sinceramente sobre adolecência com o filho, o consultorio médico que funciona com beijos e água com açucar, a dentista que ensina sobre higiene bucal, a advogada que defende, a massagista que com carinho cura dores nas costas, pés e pernas(filho crescendo), a líder religiosa, o colo quente...
    Isso não é opção, é vocação.
    Sempre me questionei se era realmete o que queria da vida, e afirmo pra você que ser mãe, dona de casa e esposa me faz feliz, me faz louca e me faz o que sou.
    Nina, se dona de casa vale ouro, vale diamante, vale rubi e seja o que há demais precioso.
    EU QUERO SER DONA DE CASA! EU QUERO SER DONA DE CASA! EU QUERO SER DONA DE CASA!
    Sinceramente.
    Beijins:*

    ResponderExcluir
  21. Oi Nina, eu acho que a gente deve procurar nossa felicidade onde ela está... se vc se vê feliz sendo dona de casa, então seja! Eu já fui dona de casa, arrumei um emprego e depois que minha filha nascer vou voltar a ser dona de casa, pq eu acho que há coisas mais importantes na vida do que ganhar dinheiro e ter uma carreira de executiva de sucesso. Eu já estou sendo crucificada por algumas pessoas por esta decisão, mas é o que vai me fazer feliz e ninguém não tem nada a ver com isso! Meu marido me apóia nessa decisão e é isso que importa! Sei que temos uma sociedade preconceituosa, mas eu acredito que o mundo estaria diferente se mais mulheres se dedicassem mais à criação dos seus filhos e cuidados com a sua família do que ficar se matando para ter igualdade com os homens...
    e viva nóis! =D

    ResponderExcluir
  22. Ai, ai, mais um post que me faz feliz por ver que ainda há vida inteligente na blogosfera. Eu, como mais uma mãe que ESTÁ dona de casa por força das circunstâncias e que AINDA, confesso, tem dificuldade de aceitar o fato e se sentir valorizada pelo ranço brasileiro de achar que só quem está fora e traz dinheiro pra casa é digno de consideração, bato palmas pras suas palavras, sem puxação de saco. Bjs Ma (seguindoahistoria.blogspot.com)

    ResponderExcluir
  23. Olha Nina...tenho apenas uma coisa para dizer...MARAVILHOSO...

    ResponderExcluir
  24. Boa noite Nina, acabei de achar seu blog, através de uma busca no google sobre serdona-de-casa, etc e tal...Eu tbm SOU dona-de-casa, só que penso diferente da maioria em outro aspecto, eu não tenho filhos.Nunca quiz, nem pretendo ter.(e antes que me pergutem meu esposo pensa igual, caso contrário não seria meu esposo!) Agora Nina imagina o preconceito que eu sofro?Pois digo que sou dona-de-casa automaticamente perguntam sobre "os filhos" pois o "natural" seria eu ficar em casa "tomando conta" das crianças certo? Só que no meu caso elas não existem!É preconceito puro!
    Estou reparando que há uma dificuldade imensa em encontrar na net ,artigos, blogs etc que tratem destas 2 opções juntas, ser dona de casa e não ter filhos...A maioria têm!
    Aaaa sim, ainda sofro o preconceito triplicado, explico...
    Ser do lar, não ter filhos, e não ser "formada" ...Nunca frequentei uma faculdade, Ááá isso sim me faz cidadã de 2º categoria!(rsss) Lhe entendo perfeitamente, quando vc demonstra sua indignação com o comentário da sua amiga...E eu sofro isso todos os dias....

    ResponderExcluir
  25. Olha adorei seu post e fico feliz de ver alguém feliz sendo dona de casa rs, digo isso pq todas as minhas amigas n gostam, meu marido por exemplo reclama de tudo, n elogia e quando faço algo errado ou deixo de fazer sempre sou criticada, fico muiiiito triste e me sinto inútil, cuido de casa e do meu filho e n posso descansar no fds ou no feriado, já q tenho q cuidar do meu filho e da casa, enquanto meu marido q sempre teve os cuidados da mae acha q ele n pode ajudar em Nd, se eu estou morta de cansada, estou doente ou com dor de cabeça eu n tenho opção de ir dormir ou n fazer a comida ou n arrumar a casa, pq ele fica com cara feia ou diz poxa mas vc n fez Nd hj, e por ele trabalhar e trazer o sustento se acha no direito de chegar e n fazer nd, ele tem empresa e trabalha na rua e em casa, entao as vezes chega e diz a n pode ajudar pq ta trabalhando, ou pq ta descansando pq ficou o dia todo na rua trabalhando , e sempre diz, ah vc ficou o dia todo em casa, trabalhou mas pode ver tv, ficar no sofa, n fez Nd demais, e n sabe o trabalho q dar ter uma casa arrumada todo dia e um filho bem cuidado.
    É complicado, e todos os maridos de minhas amigas só iguais a ele, e ele foi criado por pais adotivos q tem hj 86 anos, ele teve a criação do meu avô e acha q mulher serve pra cuidar da casa enquanto ele se diz o rei e o mais trabalhador sem ao menos nos dar um incentivo, um elogio... Quem trabalha em casa n recebe dinheiro e dinheiro de certa forma é um incentivo, agora se nem um elogio a gente ganha o q vale nisso tudo?
    Fora q o pensamento dele se mistura com a criação primitiva e com a conquista da igualdade feminina, ele acha q eu tenho q trabalhar sim, mas dividir todas as contas, cuidar de filho, casa e ainda ficar bonita q da trabalho tb , e ele só vai trabalhar e ainda dizer a faz mais a vc ... O trabalho dele é sempre mais puxado, e n vai te ajudar com filho, com casa, com Nd, affff fala serio... Por isso que vou criar meu filho com muito amor e carinho mas ele vai saber ajudar tb, dividir tarefas e arrumas as próprias coisas, pq muita mae mima o filho e Dps ele casa e quer ter continuar tendo uma mamãe do lado, fazendo a gente de empregada, e pela mae sempre fazer desde pequeno eles n vêem q isso é trabalhoso... Preciso colocar meu filho na creche mesmo com muita pena e ir a luta, estudar ou trabalhar e ter meu espaço tb , me sentir utiL e importante, pq sempre em uma Dr eu escuto q n faço Nd pra ninguém, enquanto a casa ta sempre arrumada, comida pronta, roupa lavada, cuecas e meias e toalhas recolhidas, ai preciso sair disso, fala seriooo...

    ResponderExcluir
  26. Hj ele já mudou em muitas coisas, aceita me ajudar mais, e já deixei claro q casamento n é facil, morar com a mamãe n ter gastos e ser bajulado é maravilhoso, mas se ele quis casar e quer estar do meu lado tem a entender a casamento n é facil e eu n sou mae dele, n aceito mais escutar a n faço nd, cobro alguns afazeres e conquistei dele a ajuda com meu filho, eu dou banho e Dps ele segura pra eu tomar o meu banho, me ajuda a dar comida, e assim vai, ele odeia trabalhos de casa e n tem a mínima aptidão, eu tento amenizar a minha frustração de no ser reconhecida com o fato da criação péssima dos pais dele, a mae sempre foi super Maria, traida sempre pelo pai dele e nunca teve o tratamento merecido e sem nenhum carinho, o pai dele é super frio, e n valoriza Nd a mae, ele é filho do pai com uma amante a o pai teve e a esposa do pai dele a ele chama de mae resolveu cria-lo, eu explico pra ele a hoje em dia a mulher n tem necessidade de ficar com um homem a n a valoriza só pq tem filhos com ele, já a hoje a mulher pode trabalhar, e pode ter uma nova família já a hoje é super normal uma mulher separar e casar novamente mesmo sendo mae solteira, e na época da mae dele n tinha isso, eu tenho casa própria e posso viver só quando quiser,já a mae dele n tinha Nd e dependia total do pai dele aceitando o tratamento q ele tinha e a vida de Maria, digo esse nome pq ela era realmente uma Maria. Dona de Casa, mae e empregada do marido, naquela época a mulher n exigia ser amada, respeitada, valorizada e nem sabia o a era sexo ou orgasmo, era uma o objeto . Sendo usada pra dar continuidade a vida dos homens q cresciam, q tinham uma mae assim e queriam casar com alguém igual e ter uma família sem o mínimo trabalho, apenas oferecendo o sustento. No meu caso eu prefiro trabalhar pq gosto de ter elogio, e meu marido até tenta as vezes Dps de tudo q já fiz, já terminei pra ele mudar e mudou bastante, mas essa criação n deixa ele se soltar muito e ser tão amoroso assim, e tb n se sabe o dia de amanhA, pode n dar certo e ele vai estar bem de vida lá com a empresa de,e super bem e eu parada no tempo, n da ne, além de q em casa a gente n se arruma como na rua, n usamos salto, maquiagem cabelo, e eles estão sempre saindo arrumados e perfumados pra trabalhar enquanto tem a certeza q estams em casa com a roupa molhada lavando louça ou roupa, cabelo preso etc, entao trabalhar fora e ter independência acho bom e saudável, a gente conhece pessoas, levanta a autoestima se arrumando, o marido sempre admira e tem medo de perder até pq hoje em dia muitos homens querem mulheres a trabalham e entao se paramos no tempo Dps se acaba o casamento o marido sempre acha a ninguém vai nos querer, enfim, acho q da pra gente mulher guerreira fazer de tudo, abre um negocio e vai a luta, pelomenos pode levar o baby ou colocar uma baba pra estar perto, pretendo fazer isso e enquanto esse projeto n chega eu vou iniciar meu projeto de emagrecimento, preciso sentir q progredi em alguma coisa e levar a serio até o fim, ser capaz e ter reconhecimento, e acho a com uns 15 kg a menos n tem como alguém n reconhecer tamanha força de vontade, vou começar com isso e Dps vamos ver o a farei, é o a da agora já a meu baby só tem 7 meses... Bjao

    ResponderExcluir
  27. It's wonderful that you are getting thoughts from this piece of writing as well as from our discussion made here.

    Visit my blog post ... government

    ResponderExcluir
  28. Adorei seu Blog, pesquisei no Google sobre Donas de Casa e daí, num momento de revolta contra todos que querem que trabalhamos fora, não entendem porque dessa opção tão digna. Sou de SP, fiz tratamento para engravidar, e depois que finalmente consegui, pesei muito a carreira de psicóloga e a minha vida e optei por ficar em casa e ser simplesmente feliz! Hoje meu filho tem 8 anos, é muito bem criado, não me arrependo, mas fico chateada dessas cobranças, principalmente de mulheres que de tão feministas, ficaram com mais ocupações durante a evolução do tempo. Ai que bom que não estou sozinha! Parabéns pelo Blog. Danielle.

    ResponderExcluir
  29. Oi Ninas e demais donas-de-casa,

    Eu sou dona-de-casa e para ajudar o maridão na economia, não tenho empregada. Também não curto muito o serviço de casa, até porque faz 12 anos que estou nesta vida... Se pudesse, teria sim alguém para me ajudar. O que sinto é que foi e é maravilhoso ter podido estar com meus filhos e tem sido difícil voltar a trabalhar por eles. Penso em retomar já que estão mais crescidinhos, já passei em alguns concursos bancários, mas quando me chamavam eu sempre escolhi ficar mais um pouco com eles. Sofri e sofro muita desvalorização especialmente na família materialista do meu marido e tb há cada dia na sociedade. Mas o resultado da educação que pude dar aos meus filhos, o meu coração tranquilo de missão cumprida (até o momento) não têm preço! E isso acaba chamando a atenção destas pessoas, até das que sempre me criticaram. Acho que a mulher tem um papel importantíssimo em casa, ela é o equilíbrio da sua família, é muita responsa, mas é assim mesmo que ocorre. Por isso temos que estar bem. Como tudo tem 2 lados, temos que cuidar pois a tendência desta super dedicação é esquecermo-nos de nós mesmas, seja na saúde, em fazer uma atividade física, em simplesmente manifestar-se como um ser individual dentro da família, pois sempre abrimos mão das nossas vontades em prol da familiar. Tenho procurado devagarzinho ir me dando conta disto, e penso sim em retornar ao trabalho especialmente quando meus filhos estiverem adolescentes, antes de saírem de casa, pretendo já ter reconstruindo algo para mim. Acho isso saudável, por enquanto, curto muito minha posição e agradeço a Deus o marido compreensível e que me apóia nisso. Dos filhos não sei se vai haver gratidão ou reconhecimento, isso só o tempo dirá, mas o que importa é que eu estou cultivando a educação deles e me sinto feliz e é um prazer imenso poder fazer isso. Num outro momento sei que hão de abrir-se caminhos para eu matar a saudade de ter amigos de trabalho, meu próprio dinheiro, as festinhas de fim de ano da empresa, etc... E até isso sei que será motivo de admiração pros meus filhos e servirá de exemplo para eles. Sei que provavelmente não dará mais tempo de ter aquele super emprego ou ser aquela super profissional. Mas sei que a melhor profissão do mundo eu já terei realizado e o coração tranquilo por esta missão cumprida sempre vai apaziguar qualquer sentimento oposto que possa surgir!
    Boa sorte companheiras, nós temos que ter muita consciência de nossa própria importância, aí, vamos ter a força de não ligar para as opiniões alheias, e seguiremos em frente com convicção e dedicação. E quer saber, percebi que atrás destes que nos desvalorizam, muitas vezes existe é admiração, por vezes até inveja ou frustração por parte de muitos que criticam.
    um grande abraço a todas e boa sorte nesta caminhada...
    Sandra

    ResponderExcluir
  30. amei amei amei amei, Sandra!!

    ameiiiiiiii seu comentário.
    Um bj grande pra ti e pra teus filhos... ah, sim, eles vao sim, nao se preocupe com isso, reconhecer seu valor.

    ResponderExcluir
  31. Olá!
    Procurando na internet algo sobre ser dona de casa achei seu post e adorei!
    Esse é o dilema da minha vida atualmente pois me sinto insegura c/ minha escolha de ser dona de casa mas, não sei se é por mim ou pela cobrança das pessoas e de toda uma sociedade...
    Eu gosto muito de cuidar da casa e do meu marido, recém casei e não tenho filhos mas é nosso próximo plano...
    Estou com 36 anos e sou assistente social e técnica em enfermagem, na enfermagem trabalhei na área mas no serviço social não...
    E meu problema não é somente o gostar de ser dona de casa e enfrentar preconceitos mas também pela minha insegurança de procurar algo fora, sempre foi assim e sempre teve sofrimento, então espero que com a ajuda de um profissional eu consiga superar isso p/ então poder optar sem medo de que se um dia eu precisar trabalhar, não sofrer tanto!

    ResponderExcluir
  32. Adorei, você está super certa! O mais importante é fazer o que te faz feliz, sem imposição de ninguém. Se a pessoa não se realiza trabalhando fora e não precisa economicamente, não vejo nenhum problema nisso,afinal temos o direito de escolher .... Acho incrivelmente mais útil ser uma super dona de casa do que uma profissional triste e desencantada com sua profissão.

    ResponderExcluir
  33. Lendo seu post agora,depois de ouvir do meu marido,com o qual estou a 17 anos,que ele acha que não tenho direito nem a nossa casa,pois quem trabalhou para pagar foi ele.Nessas horas é que sinto que tudo que trabalhei em casa e cuidados que tive com ele,simplesmente não valem nada.Não passem por isso,é uma tristeza avassaladora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida, seu marido é quem tem um problema, nao você! Se ele nao reconhece seu esforco, ao trabalhar dentro de casa enquanto ele trabalhava fora, ele é um ingrato que nao sabe valorizar a família.
      Converse com ele, peça orientacao a Deus. Nao considere seu tempo cuidando da sua casa e familia, como tempo perdido. Vc fez sua parte, e cá entre nós, a mt digna parte.
      Um abraco

      Excluir
  34. Querida Nina, obrigado pelo texto. Me senti mais reconfortada porque sempre fui muito ativa e trabalhei fora e quando me mudei pra cidade do meu esposo, não consegui trabalho na minha área (sou arte educadora) e fui demitida da loja em que fiquei como vendedora. Então estou em casa. As vezes, bate uma depressão, por eu não estar fazendo o que amo e não me sinto útil. Mas o lado bom de ter virado ''dona de casa'', foi que aprendi a cozinhar coisas novas e deixar a casa sempre caprichada, além de estar podendo passar mais tempo com meu esposo e meu cachorro. Eu não tinha tempo para fazer nada disso; é uma pena que às vezes a gente se sinta tão sobrecarregada por todos os papéis que a gente tem que exercer como mulher nessa vida e dói mais ainda quando esses esforços não são reconhecidos. As vezes, a minha parte profissional grita dentro de mim, principalmente porque sempre amei minha profissão e fui independente (luto para não entrar em depressão por causa disso) e por outro lado, me sinto bem de poder estar cuidando e estar mais próxima da minha família dentro de casa.

    ResponderExcluir