31/03/2009

Meus sogros, meus novos pais

Tenho, graças a Deus, minha mãe, pai infelizmente não tenho mais, apesar de já ter me sentido um pouco sem pai mesmo antes dele partir. Casando, ganhei um marido maravilhoso e de quebra um pai e uma mãe. Isso não é genial??!!

Eu acho que alguns espaços são preenchidos quando casamos.
Tenho sogros maravilhosos.
Desde o primeiro dia que cheguei, sou sempre recebida com um abraço caloroso de boas vindas. Isso ainda no meu primeiro dia aqui, quando ainda meus sogros não sabiam das nossas verdadeiras intenções de casar. Qualquer outra reação deles contrária a uma boa recepção seria compreensível, afinal, sou uma estrangeira num país distante do meu, vinda de um país tropical e bonito por natureza, mas que também traz um montinho de barra pesada na bagagem diariamente, uma mulher que eles antes, nunca haviam ouvido falar. Normalmente seria complicado entender e aceitar numa boa, não é?

Mas meus sogrinhos se adaptaram muito bem. Até hoje, o carinho só aumenta. A atenção e o cuidado que esses novos pais tem comigo e com meus filhos, eu ainda não havia sentido antes em parte alguma.

A gente sempre tem certo receio quando casamos novamente, e temos filhos de outros relacionamentos. Na minha família e na do pai dos meus filhos, o carinho e o amor sempre existiram e é bem real, mas como saber qual será a recepção numa nova família?? Num novo país então fica ainda mais complicado de saber! Pra mim foi tudo muito novo, claro, é meu segundo casamento, e a primeira vez que moro fora do meu próprio país. Pois bem, tanto eu como meus filhos somos tão bem ou melhor tratados do que talvez o meu próprio marido pela família. Não somente pelos meus sogros, ou pais, ou novos avós dos meus filhos, mas por todos. "Avós e bisavós", os tios, os primos, todos da família inteira, nos tratam com o maior carinho do mundo.

Meus sogros são realmente como pais pra mim e tratam meus filhos como se fosse seus netos diretos. Nem sei se nossa própria família faria igual.
Pessoas que fazem de tudo pra nos sentirmos bem, que conversam, que ensinam, que cozinham, que telefonam, que educam, que dão dicas, que recebem dicas, que presenteiam, que aproveitam o máximo de tempo que tem juntos, que se divertem como novos avós, que se desculpam com o filho por ter sido tão duros com ele na infância, que aprendem junto com as crianças uma nova forma de ver a vida, que podem ficar horas e mais horas na madrugada tentando encontrar a saída pra algum problema que por ventura temos, que se alegram quando os tomamos nos braços e damos beijinhos e abraços, coisa que o filho deles dificilmente faz, que se sentem felizes vendo seu filho feliz e até mais calmo e sereno, que se algum dia tiveram receio da decisão do filho em se casar com uma estrangeira, hoje provavelmente vem que foi a decisão acertada pra eles também...

Eu ganhei pais, os meus filhos avós, e eles uma nova família, bem mais feliz.



A viagem que fizemos na semana passada, foi pra passar um tempo com eles. Fomos antes, eu e marido, e os meninos que tinham aula, ficaram cuidando da casa e na sexta feira foram nos encontrar, sozinhos, de trem. Precisaram descer e trocar de trem, numa viagem relativamente longa e o fizeram perfeitamente bem.

Até nisso os meus novos pais estão me ajudando. Aprender a ensinar meus filhos a ficarem mais independentes da mamãe Nina. E eu?
Só me resta agradecer a essa boa gente das bandas de cá...

13 comentários:

  1. Essa aceitação e total integração na família, por parte dos seus sogros é realmente muito boa Nina.
    Torna a adaptação a um local desconhecido e a uma nova vida, muito mais fácil para todos.
    Era bom que fosse assim com todos.

    ResponderExcluir
  2. Não imagina como me identifico com este seu post, Nina, mesmo tendo só um casamento e uma só filha. É assim mesmo que considero os meus sogros, e a dor de ver partir o meu sogro, um par de anos depois, ainda não passou.

    ResponderExcluir
  3. Nina é mesmo uma felicidade quando isso acontece.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  4. Nina, sou como vc..mas pena que nao tenho sogros e minha mae se foi.
    Mas os meus cunhados tratam meus filhos como se fossem dafamilia e isso é muito bom.Nina,energia positiva funciona em qualquer lugar, querida e pessoas iluminadas nao vivem esses conflitos nao...

    PARABÉNS PARA NÓS
    BEIJOS E DIAS FLEIZES, QUERIDA

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Meus sogros também são uns queridos.
    Sabe que eu acho terrível noras e genros que falam mal dos sogros? Me deram o marido que eu amo tanto e é tão fofo, como poderia não gostar deles?
    Nina, ouvindo O caçador de pipas pois é um áudio-book.Se você ficar à vontade para me mandar seu endereço eu mando para você assim que acabar de ouvir. Não mando por e-mail pois é muito pesado.Pode responder no meu e-mail, tá?
    Beijos e fica com Deus.

    ResponderExcluir
  6. Isso e muito bacana ne Nina!! Acho o maximo a receptividade deles, o carinho, a atencao que vc ve que e sincera. Tenho muito disso com meus sogros tbm! E a relacao fica ainda melhor por eles nao morarem perto... mas e sempre assim ne?rsrs Amo meus sogros, mas acho legal nao ter aquele contato de todo dia sabe?! Mas que a gente ganha uma nova familia, ahhh isso ganha! Eles se preocupam com a gente e a gente ve nos olhos deles a satisfacao de ver o filho feliz!

    E e interessante aqui que desde bem cedo os meninos ja se viram mesmo, sao criados de forma para serem independentes. Mas claro, que nao e ao leu, sao nas pequenas coisas...vai se ganhando confianca aos poucos! Acho muito bacana Laura e o Joao terem esses creditos. Mas aposto que o pensamento da mamy sempre paira nos filhotes!

    Ahh... essa semana sou eu que vou dar uma sumidinha, mas quarta to de volta!

    bju bju

    ResponderExcluir
  7. Que legal, Nina... é tão bom ouvir uma história como a sua.
    Um beijo grande com muito carinho!

    ResponderExcluir
  8. João e Laura saindo sozinhos?
    Que missão em dona Nina...
    Eu quero tanto essa liberdade para os meus, ano passado quando eu estava me sentindo segura e eles também, começou a acontecer um monte de porcaria relacionada as crianças por aqui, e assim, voltei a colocá-los em baixo da asa.
    Familia?
    Essa sempre é boa até quando é ruim heheheheh

    Eu tenho uma bonequinha dessa, bemmmmm parecida com a da foto:D

    Beijins:*

    ResponderExcluir
  9. Nina, saudade. Que bom ter esses novos pais! Também fui bem recebida pelos meus sogros, meu sogro me adorava, infelizmente os dois já se foram. O melhor disso é vc aprender com eles esse desligamento dos filhos, eu te entendo pq sou ligadíssima nas minhas filhas, mas sempre foram independentes p sair, só q c controle!!!!
    Felizmente são pessoas super legais.
    Apareça e dê notícias. Bjks
    Tem visto meu blog Marisarte?

    ResponderExcluir
  10. Nina, que sorte você teve...
    Minha sogra é um horror.Nunca foi gentil comigo, pelo contrário.Desde que me conheceu fui posta de lado, só a Valentina interessava.Já a mãe dela é um amor.
    Precisaria de um longo post pra contar todas as grosserias das quais já fui vítima.
    Os avós paternos de meu marido presenteiam o neto e meus filhos no Natal, com cheques nominais a cada um deles.Acho tão estranho não receber nada.Claro que me sinto recompensada por darem presentes aos meus filhos, mas eu nunca faria dessa maneira, excluindo apenas uma pessoa de uma família.
    Que fofos , Laura e João tão independentes e inteligentes .

    ResponderExcluir
  11. Nina, que bom que você tem todo esse carinho pela família do seu marido! Sortuda :oD
    Beijo grande, Angie

    ResponderExcluir
  12. Mana, ver como a familia do meu marido recebeu o JOhan foi o que me deu a certeza de que eu seria feliz aqui e que tinha tomado a decisao certa.

    Minha sogra fala, a boca pequena, que Johan é o neto preferido dela por ter sido aquele que ela nao pode amar desde que nasceu... tu aguentas uma coisa dessa? Nao é de desmanchar em lagrimas?

    ResponderExcluir
  13. Nina,

    Que depoimento lindo! Eh tao bom saber que existem pessoas do bem. Sempre fui muito crédula e acreditava que era possível ter um relacionamento saudavel com a familia do marido, ate pela maneira como minha mae tratava e trata as suas noras. Infelizmente, eu tive um tratamento digamos tao "estranho e traumatico" que parece ficcao. Ler o seu depoimento me fez pensar que ainda eh possivel acreditar no ser humano.

    Parabens pelo blog.

    ResponderExcluir