Nossa viagem ao Brasil


Pois é, estivemos no Brasil. Fazia quatro anos que nao íamos, pois quando nos programamos para ir, houve uma gravidez inesperada e o bebê precisava completar um ano até tomar a vacina contra febre amarela. Quando essa fase foi completada, tínhamos que esperar o menino terminar o ano letivo, que aqui é no fim de julho. 
Entao, o fim de julho chegou e fomos! E que alegria!

Antes passamos uma semana em Cuba, que com exceção do mar maravilhosamente belo, de água quase morninha, nao me agradou. É um país muitíssimo atrasado, com serviços muito lentos, com uma comida não muito boa e prédios totalmente destruídos, como se tudo tivesse passado por um bombardeio. Aquele lugar é visualmente, horrível! Desculpa aqueles que amam Cuba, mas não deu pra mim. 
Meu marido vem da antiga Alemanha Oriental e nesse tempo em que o país vivia uma ditadura, só era permitido a eles viajar para pouquíssimos lugares, e um desses, era Cuba, obviamente pelo fato de ser um país comunista. Mas, somente agora deu vontade nele de ir, mas nao de voltar.

Manaus
Conheco quem gosta de Cuba, mas eu nao faco parte desse grupo. E olha que é muito difícil eu não gostar de um lugar! Só consigo ver o quanto esse papo de socialismo é uma grande roubada... As pessoas ali nao tem absolutamente nada! Tudo lhes falta. Só lhes sobrou, a meu ver, o orgulho de ainda permanecerem comunistas e serem contra os "famigerados imperialistas" (embora nunca tenha visto tanta gente vestindo roupas com estampa da bandeira norte americana como lá!). Entendo você que ama o ideal comunista, e te respeito, eu também já caí nessa bobagem quando jovem... pulei fora a tempo, quando cansei de tanto ouvir o desejo dos comunistas brasileiros, pelo menos daquela época: matar todos que sao contra sua utópica crença, no paredão... 
Mas nao seria justo da minha parte deixar de falar o quanto o povo cubano é alegre. Embora, sinceramente, nada se compare ao brasileiro. Ninguém é tao legal como vocês!!


Nesta viagem ao Brasil, fui totalmente despida de preconceitos. 
Logo na chegada pensei que seria bobagem perder tempo julgando o país e seus moradores. Decidi curtir tudo e nao recriminar ninguém: nao ia  reclamar! Nao iria reparar nas roupas indecentes da mulherada, que é uma coisa que sempre acho um horror; não iria procurar defeitos nas calçadas quebradas, nas horrorosas fiaçoes elétricas à mostra nas ruas, nao ia reclamar do barulho exagerado, nem mesmo do ato insuportável de colocar papel higiênico na lixeira em vez de direto no vaso! Dessa vez, eu só ia curtir os meus! Porque esse era um fato - só tinha um interesse: a minha família! Aproveitar cada momento com eles. O tempo inteiro meu, seria deles. E foi isso que fiz. 


Manaus
Sei que decepcionei pessoas importantes para mim, como familiares e amigos por nao tê-los visto desta vez, apesar de ter encontrado algumas pouquíssimas amigas, irmãs e sobrinha, que foram a casa da mamãe; e participei da Ceia do Senhor com meus irmãos em Cristo num domingo. E só! Dali, daquela casa, eu não sairia por nada :-)  Eu nao estava mesmo a fim de perder tempo longe da minha mãe e irmãos. Não queria, e nao perdi. Afinal, foram quatro anos sem vê-los! E Brasil pra mim, são eles. É Manaus, minha terra natal. É a casa da minha mãe, sabe?! Eles sao minha referência de Brasil e esse país nao existe pra mim sem a minha família!

É por isso que nao procurei ninguém. Nao dava, gente! Eu estava com muita saudade daquela casa cheia de mãe, irmãos e sobrinhos, do calor amoroso que vem daquele reunir na cozinha e da alegria que tanto pertence a nós quando estamos juntos. Apaguei a mente para os problemas pertencentes a eles, aqueles de todos os dias, entende? Não estava ali pra apontar o dedo na cara de ninguém,  e agindo assim eu sabia que perderia tempo querendo corrigir coisas que não são da minha alçada em vez de aproveitar a presença deles. E abri meu coracao para estar com eles. De verdade e de coração. Queria só conversar e rir feito tola com minhas irmãs, ver a minha bela mãe toda atarefada com cuidados com seu marido e com suas atividades com seus outros muitos velhinhos, que ela cuida num asilo, observar o crescimento dos sobrinhos e a barriga de gravidez da minha irmã caçula, falar no ouvido do meu doente e tão debilitado padrasto sobre o amor de Deus, comer X-Caboquinho com guaraná  Baré, comer peixe com farinha, tomar açaí,  tomar banho de rio que tanto amo, olhar o pôr do sol, ouvir a natureza, passear de barco, ver a interação linda dos meus dois pequenos filhos com a família, meu filhinho falar português, limpar cocô de cachorro... :-)


Manaus
O resto de Brasil, passamos entre Rio, Salvador e Fortaleza - de onde saiu nosso voo. No Rio, aproveitei ainda mais a presenca de um bocadinho de irmãs, passeando e rindo o que podíamos. E ali também só tive olhos para elas. Nem sei explicar a alegria que senti vendo parte das minhas irmãs juntas naquela cidade linda! Em Salvador, encontrei uma antiga amiga e sua linda filhinha e em Fortaleza ficamos menos de vinte quatro horas, mas ainda fomos a praia antes de partirmos :-)
E foi isso!
E quer saber?
Foi uma bela viagem! Curti o que podia e o que queria. Senti que fiz uma viagem ao interior da minha família, fiquei observando-os de outra maneira dessa vez. Vi o tanto de amor que há entre eles. Não havia um dia sequer que passasse sem que eu agradecesse fazer parte deles. Nao haveria um outro lugar pra minha existência acontecer, que nao fosse daquele ambiente, daquelas pessoas. Como sou grata a Deus por eles! Vi minha avó Laura em cada rosto, em cada semblante das mulheres mais velhas da família. Vi minha avó e o que ela deixou há mais de trinta anos, em minha mãe e em mim mesma. E me despedi de Manaus com uma certeza muito grande: fiz o que tinha de fazer, sem tirar nem por, como diz minha mãe. Sabe aquela sensação de missão cumprida? Entao... senti isso. Mais tarde,  até fiquei preocupada: será que iria morrer logo depois?
Ipanema

Mas nao morri :-)

Mas vi, além da minha própria família, vocês, brasileiros: Tão divertidos, engraçados, calorosos. Como vocês são simpáticos!! Fazia tempo que não ria tanto e sentia tanto calor humano de pessoas desconhecidas. 
Brasileiros, acreditem em mim, vocês são demais! Demais!!






Comentários

  1. Ah, Ninita, todo o texto é tão real e bom, que fica difícil escolher um destaque!
    Que bom que você aproveitou cada segundo! Graças a Deus, veio feliz e voltou feliz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viajar de coracao aberto, sem críticas, deveria ser uma boa bagagem pra levar em cada viagem que se faz
      :-)

      Excluir
  2. Que alegria por você estar alegre, maninha!!!

    ResponderExcluir
  3. "Vocês, brasileiros"? Não seria "nós, brasileiros"? rs Amei o texto, Nina. Como sempre. É isso. Valorizar a família é tudo! Que boa viagem! E virão muitas, ainda. Para voltar à origem, que mesmo vivendo longe, vc tanto preza. Você é um ser humano excepcional. Uma brasileira "da gema". Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, querida Lu, seria e é, "nós, brasileiros" mas estava escrevendo a meu ver, de uma forma especial, com carinho, para brasileiro ler e quis colocá-lo como o recebedor do elogio. Nesse sentido, prefeir me excluir do autoelogio :-)
      Bjs e obrigada pela presenca

      Excluir
  4. Ah que texto gostoso de ler. Minha Manaus é meu lugar favorito no mundo, sempre será minha raiz mais profunda, meu lar por eleicao.

    ResponderExcluir
  5. Nina...que delícia de viagem que vc fez♥️ realmente tudo que você escreveu de ver nossos irmãos sem julgamento...ficar e olhar para eles com os olhos de Jesus.
    Em fevereiro desde ano no aniversário do meu Pai fez 92 anos...moro em outra cidade
    Meus irmãos todos reunido
    Mas infelizmente o clima não tava harmônico...mas eu estava lá exercitando esse "ver as as pessoas com os olhos de Jesus "
    Então 4 meses depois uma irmã minha teve um avc no tronco e faleceu. Como diz uma canção do Tiago Brado
    "Só temos hoje para Amar"
    Beijos Nina
    P.s.desculpa o texto enorme

    ResponderExcluir
  6. Há Nina meu nome é Rosaura a que fez o texto enorme rsrs

    ResponderExcluir

Postar um comentário