Sou mae de quatro filhos!

Na sala de parto, quando o bebê é tirado de dentro da gente, é quando todos os medos, angústias e ansiedade, se dissipam num esperado chorinho. Ao ouvir seu primeiro sinal de vida, eu caí em prantos. O bebê dava uma paradinha, e eu também, entao, voltava ao choro, e eu o seguia chorando. O bebê chorava de um lado, e eu de outro. O marido, os enfermeiros e a doula me olhavam, e sorriam, entendendo tudo. E quando todos os procedimentos médicos com o bebê foram feitos, ela, a minha nenén, foi colocada nos meus bracos. E nosso choro cessou. Instantaneamente, ela parou de chorar - sempre fico encantada com esse momento em que eles nos sao dados e o choro cessa. Ela ouve meu batimento cardíaco, minha voz, sente meu cheiro, e me reconhece, e eu vejo pela primeira vez seu rostinho. Eu ainda estava sob os cuidados dos médicos, que ainda mexiam tudo comigo lá embaixo, no corte da cesárea, e a gente aqui em cima, sentindo o amor respirar e até mamar a primeira vez na mamae. Eu choro sempre!

Às vezes, na verdade, muitas vezes, fico olhando pra ela. E choro novamente. Choro porque ela tem os olhos tao imensamente doces e o semblante tao tranquilo. Ela me emociona!
Quando eu estava grávida, pensava que ela fosse um presente para o meu marido, que sempre desejou mais um filho. Mas, ela foi um presente pra mim! Foi pra mim! Nao que toda a família nao esteja sendo abencoada e presenteada com sua presenca, mas eu sou especialmente feliz com ela.
Ter um bebê aos quarenta e seis anos dá um certo medo, mas pode ser tao bonito!
Mas, lembro do nascimento dos meus outros três filhos, aos vinte e dois, vinte e cinco,  e aos trinta e nove anos, e bom, eu chorava também. Me emocionava. Cada filho é mesmo um presente divino, um ser criado dentro da gente, pra gente cuidar aqui nesta terra. Como nao se emocionar?! Como nao ser grata?
Grata pela oportunidade de ser mae de mais um, pelo maravilhoso ato de amamentar, pela saúde dela e minha, pela família que cresce, pela continuidade, pela presenca de Deus ao redor da gente, mesmo quando a gente parece ter os olhos somente voltados para um rostinho, mesmo assim, Ele está ali, presente, cuidando, falando. 
Nasci para ser mãe desses quatro filhos queridos! E esta é a minha melhor e mais linda tarefa, e a qual executo com prazer e alegria.  E nunca na minha vida vou reclamar disso, assim como nunca reclamei. Mesmo na adolescência complicada de um deles - sim, eu quase pirei, mas, sobrevivemos! - ou quando tive que parar tantas coisas e tantas vezes, como a faculdade, por exemplo, porque mais um filho chegava. Nunca coloquei a responsabilidade ou alguma culpa em alguém: ser mae é minha funcao aqui, e entendi isso muito cedo. Me coloquei sim, em segundo plano (pra nao dizer em último) diversas vezes na minha vida sendo mae, e nao tenho vergonha de dizer isso, e mais importante, nao acho que perdi tempo, nao me arrependo e nao acho que perdi algo ao abdicar de certas coisas pelos meus meninos. 
Sim, tudo foi por eles! Eles merecem e eu faria tudo de novo se fosse necessário, com alguns consertos aqui ou ali, obviamente. Nao para ser vista como sendo um super mae, ou melhor que alguém, porque isso, eu bem sei que nao sou, mas porque eles sao meus filhos, minha responsabilidade e porque eles merecem... 


Comentários

  1. Ô que lindo! Já chegou o bebê Deus que é Soberano abençoe essa menina em nome de Jesus Cristo nosso único Senhor e Salvador, que ela cresça em graça e sabedoria e fortaleça em espírito para a glória de Deus!
    Abraços querida Nina...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas