24/01/2017

Compras e insatisfação cristã

Sabe aquela sensação que você tem quando chega em casa depois de perfeitas compras e faz aquela cara de "ai que saco"?!
Eu sou assim. Na hora da compra é a maior empolgacao, saio da loja toda feliz, mas com o tempo, até chegar em casa e desempacotar tudo, a alegria vai sendo enrolada como as peças, devagar e melancolicamente. E vai caminhando para algum lugar desconhecido e vazio, até que desaparece. Então, uma onda nostalgicamente solitária, toma o seu lugar no peito, surgindo uma falta de alguma coisa que... só vai se completar, na próxima compra.
É uma bola de neve. Não gosto de pensar que compramos por insatisfação, mas parece que há comprovações quanto a isso, não é?!
Será verdade que quanto maior a insatisfação, maior é o desejo de consumir, a fim de se preencher um sentimento de vazio interno? Não sei se concordo inteiramente com isso...

Mas deve ser verdade. E assim, lá vai se formando o povo consumista e cheio de dívidas. E cheio de dívidas, lá vai o povo consumista, consumir...

Certa vez, um amigo me disse que compra várias coisas para sua casa, mesmo estando muito endividado, por que, se não compra, não tem nada e os vizinhos e família, reparam. Mas, isso não é contraditório demais? Porque ele compra se não pode comprar? E para quem ele realmente compra? Para si ou para os olhos e curiosidade dos outros? Qual é a graça de se estar o ano todo, cheio de dívidas?

Sobre a insatisfacao pós compra, eu ainda sinto isso, mesmo não me sentindo realmente incompleta ou insatisfeita. Desde que passei a andar com Deus, muita coisa foi posta em ordem na minha vidinha e o vazio enorme que havia, foi preenchido. Mas ainda percebo isso, talvez agora mais fortemente que antes, quando compro qualquer coisa. Quando estou em casa com a última aquisicao,  eu me pergunto: precisava disso mesmo? E a resposta obviamente, é sempre a mesma: NÃO! E o pior é quando eu não compro. Por exemplo, uma roupa: Fico doida para levar, mas finjo ser mais forte que ela. Saio da loja, mas aquela peça maravilhosa, que ficaria perfeita com aquela outra que tenho em casa, não me sai da cabeça! E isso pode durar semanas, até que eu pare de resistir e volte lá para comprar.
Que horror!
Sério, não me sinto bem com isso...

Quando compro, fico feliz e o caminho para casa com a comprinha debaixo do braço é mesmo legal. Mas, basta chegar em casa para notar o quanto essa alegria dura pouco, tao passageira quanto o que o resto das coisas deste mundo é. Que estranho não? Aquilo que pensamos ser o motivo de nossa felicidade e satisfação, é só mais uma ilusão curtíssima e "passageiríssima". Uma vez que sabemos: essa alegria da compra não vai durar muito! A nova peça do guarda roupa, em breve, será colocada de lado, porque a moda muda, porque você muda, porque você se arrepende da compra quando experimenta novamente, porque só agora notou  que a cor não combina com seu tom de pele, ou que na verdade, já tinha uma igualzinha no guarda roupa, etc, etc, etc.

Para desapontamento comigo mesma, que adoro esbanjar no orgulho, dizendo que tenho poucas coisas, estou numa fase consumista demais. Mesmo acreditando que seja por causa da estacão. Aqui é inverno, e estava precisando de uns pulôveres novos, mas de um pulôver, passo para um cachecol, de um cachecol a uma touca, depois, para camisa, e como amo camisas, vou precisar de uma rosa, uma branca, outra preta... enfim.

Mas pensar na brevidade das coisas e de como a moda passa, deveria nos levar a pensar também sobre a vida. Queremos mesmo, carregar uma mala pesada, pelo resto de anos que teremos pela frente?  O que realmente nos importa? Coisas ou pessoas? O aqui ou o que vem depois?

Pensar em insatisfacao e consumismo, vale também para as coisas espirituais. Porque ficar procurando satisfacao em livros, videos, palestras, teorias da conspiracao, enfim, coisas que nos  afastam do Senhor, mesmo tendo em si, a propaganda enganosa, de nos aproximar dEle? Que tipo de preenchimento Deus ainda não trouxe a nossa vida, que precisamos procurar em outros lugares? Que tipo de fé é a nossa, que ainda não teve satisfacao em Cristo, somente? O que a gente realmente quer? Que Cristo venha? Então, por que procurar saber quando é que o tal do anticristo surgirá? E porque é tao importante falar mais desse último, do que do realmente, Primeiro?! Por que ficamos à procura de profecias, sonhos e visões, se temos tudo na Bíblia?
Porque somos tao "religiosamente- consumistas????

Sei lá. Isso foi só uma reflexão pra mim mesma...

***
"Atentei para todas as obras que se fazem debaixo do sol, e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito". Eclesiastes 1


6 comentários:

  1. Boa tarde, querida Nina!
    Gosto de susas reflexões... leio-as calmamente!
    Resolvi nem ir mais numa certa loja onde posso sempre comprar coisas bem em conta (pra não dizer que estou esbanjando) mas, se não preciso de nada, não vou mais e ponto final.
    A gente vai se autoeducando mas é difícil e só com a ajuda de Deus e nosso controle poderemos vencer o consumismo....
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Temos que ter mt disciplina, ne Rosélia? Eu sempre tive, sabia? por isso to me estranhando ultimamente... A tua tática é boa! Obrigada pela dica! ;-)

      Mas sabe o que achei engracado nesse texto? o poder da Palavra de Deus! Acabei de reler o texto, como sempre, escrevi mt, e sabe o que notei? A forca incrível da última parte dele, ou seja, o versículo bíblico! Como a Palavra do Senhor é poderosa!

      Excluir
  2. Oi lindeza!
    Há que se ponderar se a culpa é pela compra desnecessária ou se a culpa é pelo orgulho de ter pouco.
    Não acho que uma blusa nova afaste ninguém da obra de Deus. Existe de fato uma satisfação em estar bem consigo, com o corpo, e uma roupa nova talvez evidencie este bem estar.
    Mas consumo exagerado pode sim estar atrelado a um vazio que nunca será preenchido.
    Depois do casamento eu engordei alguns quilinhos e até que tento entrar nas roupas mas elas não querem entrar em mim kkk. Tive que ir as compras e notei que não somente comprei peças um numero maior, como o perfil das roupas também mudou... O comprimento está maior, as mangas cobrindo mais os ombros. Acho que essas mudanças no guarda-roupas refletem o envelhecer de um modo positivo. Nada mais decadente do que uma mulher se vestindo de maneira incompatível com sua idade.
    Enfim querida, nem sempre comprar é agredir a si. E comprar não é felicidade, mas o resultado de uma boa compra pode sim trazer satisfação.
    Minha opinião ;)
    Bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Má! gordinha é? hhhmmmm o amor faz bem!!!! ;-)

      Sim, há que se ponderar sobre a primeira questao. E acho que no meu caso, fico com a segunda opcao. Me sinto mal por gostar de dizer que preciso de pouco, mas me pego agora numa fase que nao condiz com o que digo. Isso tem me irritado, porque me vi como uma hipórita! Mas nada que me deixe com raiva ou triste comigo mesma, é só uma observacao pra mostrar o qt sou PÉSSIMA!!!! (e nao me diga, por favor, o contrario ahahahaha)
      E obviamente, nao me referi em nenhum momento sobre roupa e obra...

      Mas tbm acho que a satisfacao da tua última frase, nao é a mesma que eu havia pensado ;-)

      Bom te rever! Beijao <3

      Excluir