26/12/2014

Em paz com o passado

Ele nao gostava de falar do passado e nem da infância. Como se tudo o que vivera fosse um erro. Sempre que lembrancas vinham à mente, fugia delas, se esquivando. Encontrava uma saída nao muito ortodoxa para se esconder. Como quando fazia em crianca, fugindo de amigos numa brincadeira de  esconde esconde. O pai severo, a mae insípida. A voz alta e reta, quase sempre como uma ordem de um sargento a um soldado raso. As eternas proibicoes. - Nao faca isso, nao faca aquilo, fez errado de novo! - O galho seco na botinha no lugar do chocolate, no natal, como sinal de repreensao. Um menino triste, sem irmaos ou grandes amigos. 


Cresceu tímido. Na defensiva. Porém, pronto para atacar com palavras, assim como aprendeu na infância. Nunca apanhou dos pais com cinta ou chinelo, mas fora espancado por eles com palavras duras, cruas, secas. Nunca soube o que era um elogio. O futuro seria duro e difícil. Nos encontros em família só se falava em dinheiro, poupanca, estudos, trabalho, como se o mundo se resumisse a somente isso aqui. O palpável, o concreto, o certo, a carne... nunca ouvira dos pais sobre as coisas incertas, maleáveis, sobrenaturais. Tudo era prático demais. Nem mesmo os livros infantis tinham tema de fantasia, nunca algo era feito para ele sonhar. Sonhos nao cabiam ali. Números surgiam a sua frente no lugar de ovelhas a serem contadas antes de pegar no sono. Licoes de casa sem fim. Toda brincadeira era uma tormenta. Nao dava um passo em direcao a uma bola, sem que o pai o fizesse uma pergunta teórica do movimento. Se tocasse no aquecimento da casa, permitiam-no se queimar. - A prática leva a perfeicao. O menino precisa aprender. Era solto no playground até quase se machucar. Cuidados extremos dos pais nao eram bem vistos, - assim a crianca nao se desenvolve, nao aprende a ser independente.


Cresceu assim. Sendo o que os pais esperavam dele. Formou-se na universidade, naquilo que acreditava ser  o certo. Fez de si mesmo, o que todos esperavam dele e ele próprio se dizia feliz com as conquistas. Mas o passado o atormentava ainda. Nao seria fácil livrar-se daquilo. A prima que cresceu com ele, mesmo depois de ter-se tornado adulta e  mae, nao ficava sozinha numa casa, e nem dormia no escuro. A mae a deixava chorar no berco, no corredor escuro, enquanto dormia no quarto. Afinal tinha que trabalhar no outro dia. Ele nao tinha medo do escuro como a prima, apesar de também seu bercinho ter sido colocado várias vezes, no corredor. Mas nao olhava para trás. Nao tinha passado, nao falava disso, nao tinha boas lembrancas. Nao gostava nada daquilo.



Até que virou pai. E viu seu pai, virar avô. E tudo aquilo que nao recebera na infância, viu seu filho receber. De alguma maneira, aquilo se tornou para ele uma imagem terna. De aconchego. Tornar-se  avô fez seu pai entender o quanto faltou ao filho. Às vezes, vinha até ele com lágrimas nos olhos tentando se desculpar pela falta. Pelas falhas. Ele desconversava, dizia nao ter o que desculpar. Tudo aconteceu como tinha que acontecer e o fato de nao ter outros parâmetros para fazer comparacoes, fazia-o acreditar que aquilo era a vida normal. E sabia que aquela sua reacao, seria o melhor a fazer, nao machucaria seus velhos pais como eles o machucaram. Apesar de se sentir ofendido a ponto de nem conseguir abracá-los com amor.  


Um dia, reuniu coragem e forca. Levou mulher e filho a uma pequena e curta viagem ao passado. Comecou pela maternidade em que nascera, e foi visitando todas as casas ainda em pé, em que vivera, as garagens que alugavam para guardar o carro e o vagao do trailler. Visitaram as creches em que esteve, as escolas, o playground em que brincava, desceu o pequeno monte nevado que escorregava de trenó no inverno, e a casa do avós. Explicou ao filho, a cada paragem, detalhes engracados que lembrava. Aos poucos o rosto se abria em sorriso. Algumas vezes, nao tao felizes momentos vinham à mente. Mas se esforcou a mostrar a si mesmo e ao filho, um pouco da gratidao que trazia em si. E se emocionava quando o filho repetia: queria ter vivido isso pai! 



Voltou pra casa. Contou aos pais onde esteve e abriram uma cerveja.
Tinham toda uma tarde pela frente...




10 comentários:

  1. Que lindo, Nina, me emocionei!!

    ResponderExcluir
  2. Que bom, quando dá tempo de recuperar um pouco o passado que nos pareceu tão árido. Ter maturidade para entender os motivos dos outros, mesmo não compartilhando as mesmas ideias.
    Que bom quando a vida coloca em nossa vida a pessoa certa.
    Beijo e um ano lindo para você e sua família, Nina, com muita saúde e paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razao, Lucia, que bom qd ha tempo. Pra esse caso, deu.
      Pra ti tbm um lindo 2015

      Excluir
  3. Que beleza de conto, Nina!
    Realmente, já vi pessoas que foram criadas assim, na dureza, longe do abraço afetivo dos pais, mas os respeitam até hoje e sofre em silêncio.
    Nina, que seu novo ano seja cheio de boas realizações e alegrias no coraçãozinho!
    um abraço grande carioca


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É triste ne Beth?

      Oh amiga, tbm desejo a vcs um agradável ano novo.

      Excluir
  4. Nina, querida. Nessa história não há culpados. Há circunstâncias.
    Um grande beijo.
    Feliz 2015

    ResponderExcluir