11/10/2014

Os cristaos encarcerados

Fico pensando algumas vezes nas pessoas aprisionadas. Nao naquelas que estao de fato, presas por grades, mas em certos princípios e doutrinas. Penso naqueles cristaos que nao conhecem a Cristo. Tenho pensado tao seriamente nisso! E antes de pensar em criticar qualquer pessoa, sou obrigada a me lembrar de como eu era. Acho curioso pensar em mim antes. De alguma maneira eu sou tao outra interiormente que já tenho dificuldade de lembrar da Nina de antes. Sei que eu era uma dessas pessoas. Como cresci em lar cristao (metade católico metade adventista) sempre ouvi pessoas falando de Deus, desde muito menina. Depois de "grandinha" (cof cof!) fui me distanciando de tudo aquilo mas sempre mantendo um certo apego a Deus.

Depois da primeira gravidez, vivendo uma vida muito dura, resolvi voltar. Fui com a motivacao errada, mas fui. Porém, frequentei o lugar que a meu ver, nao foi o correto e passei anos longe de qualquer "igreja". Já escrevi sobre minha experiência aqui. Mas o que quero dizer, é que eu, apesar de crer em Deus, era daqueles seres aprisionados que menciono antes. Nunca entendi nada de verdade sobre Ele e gostava de fazer as pessoas saberem que eu cria, mas nunca me atrevi a me entregar de fato, vivia em cima do muro. Era uma daquelas que dizia, quando aguém vinha falar de Deus pra mim: "ahhh claro, que lindo, concordo plenamente, já conhecia esse capitulo da Biblia, mas acho que a Maria ou o Chiquinho ali, precisam muito mais de Deus, já notou? Coitadinhos... vai lá [e me deixa em paz, sua crente chata!"].
Tipo assim, saca? Conhece esse tipo? Entao, era eu. 
Mas porque eu disse que sao prisioneiros? 

Eu nunca ouvi falar em qualquer lugar que estive que o contato com Deus era tao simples e fácil de ser feito. Onde quer que eu fosse, só ouvia sobre as dificuldades pra se chegar nEle. Teria por exemplo, que mudar de vida, obedecer os dez mandamentos, ir a igrejas o máximo de dias na semana possível, dar ofertas e dízimos, aceitar apertarem minha cabeca em reunioes às sextas feiras, morrendo de medo de pagar mico na frente de todos, caso "algo mais" se manisfestasse, nao podia usar isso ou aquilo, nao poderia mais tomar cerveja, teria que falar em línguas, ser batizada pelo Espírito Santo, fazer jejum, guardar sábado (agora misturando algumas crencas), enfim, muitas e muitas condicoes pra se chegar ao Criador e ser obediente a Ele. E no fim ia ver se Ele me concederia uma melhor vida aqui na terra. 

Nunca se falava que salvacao é dada a todo aquele que simplesmente, aceita e crê em Jesus, nunca ouvi falar realmente de vida eterna e comunhao com o Senhor, nem de Seu maravilhoso amor e da paz que Ele pode nos dar, só ouvia de Sua ira, das ruas de ouro e pedras preciosas na vindoura Nova Jerusalém, que seria aberta aos que sobrevivessem a tribulacao ou o quanto Ele abencoaria minha vida financeira se eu fizesse maiores ofertas... :-(  Meu Deus como isso é triste...
Lembro de ter, em toda a minha vida, extremo medo da morte, da grande tribulacao, do medo de ter que ir morar num sítio distante no meio do Amazonas e guardar ali muitos quilos e mais quilos de alimentos, temia a  marca da besta e o livro de Apocalipse. Na verdade, eu morria de medo de Deus!
Entende agora as prisoes das quais me refiro?

Note bem, eu nao estou aqui pra recriminar suas crencas muito menos dizer o que é certo ou errado nisso tudo que mencionei. Nao sou, definitivamente, a pessoa que pode esclarecer esses pontos. Estou milhoes de quilômetros longe de ser alguém correto, nao sou boazinha, nao sou perfeita, nao sou a rainha das boas obras, nao sei nem achar os livros da Bíblia rapidamente, nao sei orar e sem a menor sombra de falsa modéstia, reconheco, sou pior que você. A única coisa que quero dizer com tudo o que disse, é que essas coisas, essas exigências, essas crencas, sao todas barreiras que te impedem de ver Cristo de fato. Essas coisas te amedrontam, te obrigam,  te prendem a elas e te mantém concentrada nas coisas, nos rituais, e nao nAquele que realmente importa, o Senhor Jesus Cristo, entende?

Só Ele pode nos libertar das prisoes em que nós mesmos nos encarceramos.

5 comentários:

  1. Nina, acho que é a primeira vez que comento aqui apesar de já seguir seu blog há alguns meses. Mas hoje eu li esse texto e me identifiquei porque apesar de não ter nascido em um lar cristão, desde pequena frequento a igreja e sempre tive em mim essa fé em Cristo. Mas o engraçado é que só agora, nesses dois últimos meses, graças à maior tribulação que já passei na vida, foi que eu finalmente entendi. Entendi que é simples se achegar, de verdade, à Deus e que esse é o presente dEle para mim e não algo que eu deva conquistar através de boas ações. Agora entendi o que Paulo dizia sobre se gloriar nas atribulações. Parte desse meu entendimento veio através de um livro chamado O estranho a caminho de Emaus. A outra parte veio do amor e de me ver encurralada a confiar, pois era tudo o que eu podia fazer.

    Enfim, parabéns pelo blog e um beijo meu.

    ResponderExcluir
  2. Paula, mt obrigada por ter dito isso. Me deixa mt feliz saber que vc descobriu o jeitinho de chegar nEle de verdade. Acho que Ele permite passarmos por certos problemas pra vermos no fim ou no meio deles (principalmente) que nao estamos sós. E é às vezes por causa dessas dificuldades,que damos real valor ao Senhor, qd nao temos mais tantos a quem recorrer, somente a Ele, que sabemos,é SEMPRE o melhor caminho :-)

    Estou mt mt mt feliz por ti,Paulinha!

    ResponderExcluir
  3. "nao sou boazinha, nao sou perfeita, nao sou a rainha das boas obras, nao sei nem achar os livros da Bíblia rapidamente, nao sei orar e sem a menor sombra de falsa modéstia, reconheco, sou pior que você" Nina parece que foi que escrevi essa parte... é tão eu! Quando estávamos do lado de lá, dos encarcerados, achávamos que ser Cristão era ser bonzinho e feitor de boas obras, agora que somos cristãs sabemos que isso não é o foco da nossa vida, é algo que ocorre aos poucos, o importante é o nosso Senhor Jesus!

    ResponderExcluir
  4. Camy, é isso mesmo, esse é o verdadeiro foco,mesmo qd as coisas parecem difíceis e "desfocadas". A gente tem que aprender a olhar sempre e só pra Cristo.

    Bjs querida!

    ResponderExcluir
  5. Nos sempre temos a resposta no fundo do coracao, mas o chamado para essa resposta vem as vezes com dor, as vezes com o tempo, as vezes com perdas ou senao com sabedoria... outras vezes ha uma voz, mas para escuta-la, para reconhecer a voz requer um exercicio diario, um habito, o de se conhecer e o de elevar seu pensamento a Deus. Poderiamos chamar de oracao, meditacao ou estudo. Este contato propicia experiencias unicas e essenciais. A vida tem mais sentido assim.
    Depois que voce ve o caminho da luz, o caminho de Deus e encontra o lugar no coracao que tanto procurava, aquela paz, a gente ve que so temos que segui-lo e nao mais voltar.

    ResponderExcluir