04/09/2014

Quando eu poderia ter morrido

Ando de bicicleta. Nao sei dirigir carros. Moro numa cidade em que nao há muita necessidade deles. O sistema público de transporte beira o perfeito e há por todos os trechos muito bem cuidados e sinalizados, ciclovias. A cidade é tranquila pra pedalar, mas mesmo assim, às vezes vivo situacoes na rua em que penso que aquilo poderia ter sido bem perigoso. Algumas vezes surge um carro do nada, e bem, o ciclista voaria pro alto... e nesses momentos, sempre penso que Deus estava ali guardando alguém. E lembro das várias vezes em que Deus me salvou de perigos. 

Na bicicleta mesmo, quando menina, várias vezes. Certo dia, aos vinte anos, depois de muito tempo sem pedalar, encontrei um amigo na rua que estava sobre uma. Pedi pra dar uma volta, porque amo bikes,  e o guidon girou de modo estranho, um carro quase me pegou. Sobre os patins, descendo como relâmpago as ladeiras da vila militar em que moramos, nao foram poucas as vezes em que Deus me livrou. A mim e a toda garotada comigo. Penso nas vezes em que o Senhor me livrou de doencas venéreas, nas muitas vezes em que estive dentro de um aviao em turbulência. Nos três partos cesárea e nas várias cirurgias pelas quais já passei. Nas várias vezes em que saí pra dancar à noite, quando mais jovem e encontrei tantos bêbados pelo caminho. No namorado agressivo. Na namorada enciumada de um ex, que me ameacou com uma faca. Das noitadas de carnaval que nunca gostei, mas ia por que, ahh vai,  todo mundo ia! E bebia.  Das viagens longas de ônibus numa estrada péssima e perigosa, pra fazer faculdade a trezentos quilômetros de onde morava, toda semana. Nas diversas voltas irresponsáveis sobre a Kawasaki de um namorado, a muitos Km/h, sem capacete. Do trabalho na floresta, assistindo a motosserra funcionando e tirando vidas nao só de árvores... Nos namorados estranhos da nossa babá. Nas muitas madrugadas, saindo das discotecas, com namorados com chave do carro na mao e muito álcool na cuca. Lembro especialmente de uma vez, em que indo pra uma festa, aos dezoito anos, num fusquinha com um bocado de amigos, passamos por poucos centímetros de um caminhao. Até hoje as luzes amarelas e a buzina alta, me vem à mente.   

Sabe? A vida é perigosa demais! E você sabe disso, nao? 
Já perdi muitos amigos e conhecidos que saíram pra nao voltar...
Tenho visto alguns filmes ultimamente. Alguns dramas onde pessoas sofrem com câncer e deixam um vazio na vida dos que ficam. Mas, pra onde elas vao depois da morte?? Perdi um primo ontem...onde estará ele hoje?

Das vezes em que fui salva, hoje entendo, estavam nos planos de Deus. Em muitas daquelas situacoes passadas, fui salva de morrer e nao sabia disso. Algo me falava ao coracao e eu automaticamente, agradecia a Deus, mas era mesmo, automaticamente. Porque tudo continuava como antes e eu, bem, eu nunca pensei que poderia morrer. Eu era jovem, bonitinha, namoradeira... eu nao morreria tao cedo. Mas... Sabe? Eu poderia sim, ter partido e onde estaria eu hoje? Naquele tempo, certamente, nao do lado de Deus!

Eu só queria hoje te fazer pensar um pouco. Pense nas vezes em que Ele te salvou. Se fizer uma lista, vai ficar horrorizado. E isso, sem contar nas vezes em que você nem percebeu, nem soube que havia ali a mao do Senhor. Sabe de uma coisa? Mesmo que você nao compreenda, Ele tem um propósito na sua vida e é por isso, que você ainda nao se foi! Ah, você nao acredita em Deus? Infelizmente eu nao tenho como provar a Sua existência, assim como você nao pode provar a Sua inexistência. Entao, sabendo que a eternidade existe e que sua alma diferente do seu corpo, nao morrerá, pra que arriscar?

***

 É que eu acredito na Bíblia e ela me diz em Hebreus 9:
 "... e, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo..."

H

8 comentários:

  1. Que bom que ELE nos cuida e nos salva!! São tantas as situações! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. São muitas exposições tão perigosas que nem nos damos conta... Uma linda reflexão você nos traz.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida
    Também já fui salva de perigos extremos e vi gente que foi salva também...
    Deus é fiel!!!
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
  4. Nina, muitas vezes creio que já nascemos como nossa hora de ir determinada...Mas creio em todas as possibilidades, inclusive do livramento de Deus. como sou uma pessoa medrosa, nunca me envolvi em riscos. E sempre contei com a proteção Dele, mesmo em situações que não ofereciam riscos, mas nunca sabemos.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Sinto muito pelo falecimento do seu primo. Que a família se console com a fé de que ele está em um bom lugar. Bj

    ResponderExcluir
  6. A lista e grande mesmo, quantas vezes me arrisquei... pois e! Interessante essa reflexao.

    Eu espero que seu primo esteja no Reino da Gloria de Deus Pai. A vida aqui e boa, mas espero que la seja melhor. Que a alma descanse e tenha paz.

    ResponderExcluir
  7. eu acho tbm Lucia, que nascemos com todos os dias contados, mas nao chamo isso de destino, como o mundo nos ensina, nosso destino, isso sim, quem determina é Deus. Mas nao podemos jamais nos esquecer, que temos mt responsabilidade sobre nossas vidas. Todo o resto, é misericórdia do Deus Altíssimo.

    Meninas, obrigada pela visita. Amo vcs!

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir