07/08/2014

Pedalando pela vida

O dia comeca meio lento. Uma nuvem escura e pesada fica se formando lá fora da minha janela. Tem um ventinho estranho pra dias de verao, mas nao faz frio. O pequenininho coloca seu capacete, fecha o cinto de seguranca da cadeirinha e agarra firme na cintura da mamae enquanto esta comeca a pedalar. O deixo na escolinha e continuo o caminho em direcao a feira. Uma chuvinha fina comeca e eu paro quando ela dá uma encorpada. Debaixo da verdejante copa de uma frondosa árvore, fico observando o pouco movimento da rua, quando muitos dos moradores da cidade, já sairam de férias de verao. Algumas bicicletas, poucos carros. Uma senhora passa com um guarda chuva vermelho e um cachorrinho brinca na chuva, um rapaz passa falando alto num outro idioma no celular, enquanto pedala, os motoristas dos carros olham pra mim. E eu embaixo da árvore, lembro das chuvas grossas do Amazonas. Quando no meio daquele trânsito caótico de Manaus, certa vez, peguei todo o temporal de pingos grossos e em vez de reclamar e me proteger, deixei que a chuva molhasse corpo e alma. Lembro das pessoas olhando pra mim, feliz, na chuva. Elas nao sabiam, mas já era tempestade dentro de mim há tempos... 

Na feira, em frente a catedral, compro as frutinhas para o bolo. Só ontem lembrei, quando meu menininho perguntou na sua língua enrolada: "mama, vamos levar o bolo da senhora da janela?" Meu Deus, esqueci de fazer o bolo prometido a mim mesma! Coloco as frutas na cestinha e vou pra casa. 


Nao se preocupe, as compras nao vieram abertas assim, tá?

A chuva já passou, a nuvem deu uma clareada e eu, de volta, noto como é fácil voltar pra casa. A rua é levemente inclinada, a bicicleta vai descendo sozinha e eu fico olhando as coisas em volta. Lembrancas vao passando como a paisagem que passa ao meu lado, alguns momentos da vida, até ontem, me vem à memória. O sorriso leve faz uma prece. E os pensamentos vao se encaixando um no outro, como imagino acontecer na corrente da minha bike. A cadeirinha atrás faz barulho, a cesta deu uma balancada, sinal fica verde e continuo o caminho, quase sem pedalar. E penso como minha vida ultimamente está assim. Como descendo devagar uma pequena ladeira. Sem esforco, confortavelmente sentada numa bicicleta, recebendo o ar fresco no rosto, de cabelos ao vento e frutas e flores na cesta...

Entendi desde minha conversao e aprendo a cada dia desde entao, o que significa assentar-se nas promessas de Deus. Ontem vivi uma das experiências mais claras e palpáveis de como é Ele quem faz absolutamente tudo na nossa vida. Ontem me ficou muito claro, quao vao é todo sacrifício e esforco para que alguma coisa venha a acontecer. Desisti de, desde agosto, brigar com Deus, com o mundo, com o tempo, com as pessoas e comigo mesma. É claro que nem sempre é fácil, tem vezes que eu choro quando as coisas nao saem exatamente como pensei. Mas daí, eu só faco isso mesmo: chorar quieta no meu canto e pedir a Ele forcas. Já nao brigo, nao bato boca, de que vai adiantar?? Quem se estressa no fundo, sou só eu mesma... Sabe? Ontem um amigo do meu marido, desmaiou no trabalho, foi levado ao pronto socorro. Era um início de infarto. Com 32 anos! Foi por pouco. Eu penso: já pensou? Morrer de repente. Alguém levando tudo tao a ferro e fogo, nao tendo tempo de pensar na família, vive pra trabalho. E nunca pensa na eternidade. Nao sabe nem mesmo, pra onde vai depois de bater as botas. Tao estranho saber que pessoas nao pensam nisso...

Mas eu continuo meu pedalar.
E a cada dia creio mais que quem está comandando o guidon (ou se preferir, guidao) da minha bicicletinha é Deus, enquanto eu fico só fazendo pose como meu vestidinho florido. Vou seguindo meu caminho, aquele mesmo que Ele tracou pra mim, sem medo, sem receio, sem mágoas, sem cobrancas, mas sempre com fé e esperanca.
..."E nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus"... Efésios 2:6
 E
* * * 

Vou agora fazer, finalmente, essa torta e levar pra senhorinha...

* * *
To fazendo como parte dos "freiburgers": saindo de FÉRIAS!
Até a volta, querido leitor deste singelo blog!


8 comentários:

  1. Adorei pedalar contigo e fiquei com água na boca... Boa férias, curtam bem! bjs,chica

    ResponderExcluir
  2. Fiz a torta da foto e levamos quase ainda agora. Pensei em bater na janela dela, pois nem seu nome eu sei. Pedro preferiu chamar: Oma!!!!! (vovó em alemao). Ela logo apareceu na janela. Ficou encantada com nossa presenca e quase nao acreditou qd lhe ofereci a torta. Ficou emocionada.

    É isso, dever cumprido minha gente!

    ResponderExcluir
  3. Nossa Nina! Você me deixa boquiaberta!!!
    Como vocsê escreve de maneira tão clara e leve! Que leveza gostosa!
    Está de parabéns mesmo!
    E fico super feliz em saber que você está feliz em relação ao caminho que tem seguido!
    Beijinhos,
    Cody

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo texto! Estava com saudades de passar por aqui e adorei passear com você! Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Belezinha de post...
    Mas essa torta Nina, hummmm....
    Delicia!!!!!
    beijokas gata

    ResponderExcluir
  6. Tanta poesia no cotidiano. A tua leveza é transparente. Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Nina, quero muito a receita da torta, poderia me passar? bjs

    ResponderExcluir