14/03/2013

Como esquecer?

Esta semana "empreguicei". Nao tinha ido a academia um dia sequer. 
Hoje, mais cedo, estava respondendo alguns emails e visitando blogs, quando Pedrinho se aproximou de mim e falou: Queta Mama, queta... mia...mia... Siri... mia Mama (traducao: Jaqueta, Academia, Mae,  e  Siri a amiguinha dele da academia - lá eles tem um lugar onde as criancas ficam brincando e ele adora), e ficou me puxando pra eu levantar. Eu respondi que hoje nao iríamos. Nao tava nadinha disposta. Mas ele me animou, afinal, ele nunca antes havia pedido pra sair. Ele pede água, iogurte, pao, mas pra sair, nunca. Pois de repente, pulei da cadeira,  juntei todas as forcas e fomos. 

Sabe? Ontem eu nao estava muito bem. Reencontrei pessoas no facebook que nao estava preparada pra rever. Fiquei meio baixinho astral à noite e fui dormir um tanto chateada. 

E daí hoje, na academia, fui pra esteira e pela primeira vez corri de verdade. Acho que as pessoas que costumam me ver nela, toda calminha, andando meio que rebolando  e com carinha de paisagem bonita, se assustaram. Eu tava com cara de brava. Correndo, enquanto tentava me desconcentrar da impressao de que minha bunda  e peitos vao cair no chao num impacto e pular pro céu em outro, aumentava o volume do mp3 player e corria com violência. Às vezes, colocava num rock pesado, e nessas horas, imaginava estar dando uns socos na cara do passado. Depois, mudava pra uma outra música, calminha, e comecava a caminhar, voltava pras músicas mais vibrantes, corria de novo, meio que segurando os peitos, os culotes, a barriga e ia embora pra longe, no meu caminho imaginário, indo e vindo do passado, esmurrando em golpes de boxe os que me fizeram mal. Voltava pras músicas mais calmas, tomava uma água e dizia pra mim mesma que eu ia ficar bem de novo.  

Hoje ao olhar pra frente, nao via pessoas de cabelos louros ou brancos,  nem paredes,  nem máquinas pesadas se movimentando sem parar, via somente gente que foi importante no meu passado e  que eu descobri ontem (ou pelo menos foi o que pensei) que eu nao fui importante pra elas. Foi assim, com essa sensacao chata que fui dormir: po, entao é assim? Perdi todo meu tempo me doando pra esse serzinho aí?

E foi na esteira hoje que relembrei a licao que eu já tinha estudado. As pessoas vem à nossa vida com uma funcao. E elas só dao o que podem dar. Vi uma das pessoas mais importantes do meu passado ontem. Nao quero contato algum. Mas tentei fazer algo que ontem eu ainda nao poderia por causa do susto de rever. Hoje, com a companhia que me é muito importante, a música, eu consegui entender que sou capaz de perdoar. Entendo que ninguém e nada é para sempre. E desejei sinceramente que a pessoa continue com a vida aparentemente linda que tem  hoje. Como eu poderia desejar outra coisa, se minha vida também é linda? Terminei a secao de terapia na academia totalmente grata. Grata à pessoa ter tirado um bocado de seu tempo pra estracalhar um pedaco da minha alma láááá atrás, grata pelas voltas que a vida dá, e grata ao meu filhinho que me fez sair de onde estava. Do meu mundinho medíocre e resmungao...
* * *

Às vezes a vida está esperando somente que a gente dê o primeiro passo. O que me lembra o que li hoje na Norma.





12 comentários:

  1. Olá Nina,
    Primeiro quero dizer para você pintar a paredinha daquela cor. Vai arrasar!
    Que coisa fofa você ter atendido ao pedido do seu filho, né? Nada nessa vida acontece por acaso. Hoje, mais do que nunca penso assim.
    Perdoar é preciso...Sempre!!!
    Beijos mil
    www.democratizacaodamoda.blogspot.com
    www.teredecorando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Hoje uma amiga colocou esta mensagem no facebook: "Uma pessoa te abandona no momento que você mais precisa... não, não é crueldade, é apenas a vida tirando do seu caminho quem não merece participar da sua vitória". Vale a pena refletir sobre isto. E obrigado pela visita. Gostei muito.

    ResponderExcluir
  3. Eh engracado como a gente(pelo menos eu) gostariamos de nao ter vivido algumas coisas, tao pouco convivido com elas, por que fazem isso com o nosso coracao?
    E por nao levamos apenas as boas lembrancas?
    Ahhhh bom seria se fosse possível.
    Mas sabe uma coisa boa, existe sempre aquele anjo desfaçado de janela, de musica, de textos, EEE de criancas, que nos tomam pela mao, e nos levam pra fora, por que de fora vemos melhor.
    E vendo melhor percebemos que muita coisa nao vale apena.
    Eu vi um texto seu ontem quando vi comentar já tem outro rsrs ( os ovos na tigela) dai fui descendo vi que as fotos de vc nada pigunSSa tb estao por aqui, ri muito vc de bigode toda beijada....rsrs bjs Ninoca

    ResponderExcluir
  4. Eu sou uma blogueira assim mesmo, Wi, de fases. Tem tempos que escrevo feito louca, todo dia e outros que fico um bom tempo sem nem dar as caras aqui :-)

    Tudo a ver a frase, né? vc que mora num Kinderovo :-)

    Teresinha, to aqui com a mao cocando pra pintar mesmo, marido vai me matar...

    Bjs meninas

    ResponderExcluir
  5. Oi querida
    Que bela reflexão e que passo bem dado, perdoar e se libertar.
    bj

    ResponderExcluir
  6. Oi Nina,
    Escrevi três vezes o comentário sem conseguir me expressar de verdade. Fantasmas do passado são uma merda mas essas coisas sempre são responsáveis por nos fazerem mais fortes e melhores, de alguma forma. Só seria tão mais fácil se você mais docemente...
    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Ouça "Pop Zen"na voz do Arnaldo Antunes.

    ResponderExcluir
  8. Conclusões que só quando temos mais maturidade conseguimos chegar.

    Acho que essa questão aí passa pela rejeição e todos sucumbem, nem que seja por breves momentos, quando sentem que não foram importante, que não fazem mais parte de algo ou da vida de alguém.

    Mas como você bem disse e complemento, a vida segue em frente e outras pessoas interessantes virão.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  9. Olá Nina!
    Olha, até te vejo na esteira soltando fumacinhas dos miolos. Agora está tudo limpinho.
    Faço isto com as caminhadas: falo sozinha, mudo o ritmo, me renovo.
    Abração (também ao Pedrinho).

    ResponderExcluir
  10. É Nina, tem pessoas que nos deixam tal mal, voltei assim do Brasil, lembra?
    Porém quando cheguei aqui percebi o quanto eu dei valor, ou seja valorizei demais o que aconteceu de ruim ou melhor me expressando as situações ruins e desta forma não dei o devido valor as pessoas que me deram o maior carinho, foi por isso que resolvi fazer aquele post, em homenagem as pessoas que me fizeram "bem"!!
    Temos o habito de ficar com caramiolas na cabeça, pensando nas pessoas... será que elas pensam assim na gente??
    Você é bem parecida comigo sabia, neste aspecto, pelo menos acho que seja...Eu confesso que eu fico incomodada sim, como você ficou, perco meu tempo (que é uma merda) pensando no assunto e na tal pessoa... temos é que aprender a fazer diferente, estou trabalhando isso em mim... devagar chego lá...
    beijos com carinho!!!

    ResponderExcluir
  11. lindo, lindo d+
    gostei muito do seu blog... seguindo sempre :)
    te espero no meu tambem e gostando, q fique :)

    ResponderExcluir
  12. Ninoca,
    Teu Pedrinho é quem sabe das coisas, então, deixa ele te orientar.
    E, sabe, foi o melhor que fizestes, ter ido pra ginástica, pois lá você deixou suas dúvidas e despertou a endorfina.
    um super abraço carioca


    ResponderExcluir