26/11/2012

Lembrancas

Ontem saí à noite de repente. Nao sou de sair muito - quando se tem crianca pequena, isso se torna mais complicado, mesmo tendo filhos maiores que possam cuidar do irmao. A mais velha é uma ótima babá, sabe? Ela, que nasceu logo depois de você ter sumido. Nao, nao se preocupe, ela nao é sua filha. Deus me livre disso. 

Entao, pois é,  saí à noite. Em alguns momentos você veio à minha mente. Nao era a mesma cidade, nao era a mesma temperatura, mas eram as mesmas luzes amarelas, os mesmo carros, e quase a mesma animacao nas ruas. E lembrei de você. De quando eu te esperava me buscar na casa da minha mae, ou da tia. Meu coracao pulava dentro do peito ao ver o carro parado na rua, você buzinando e eu correndo dentro de mim sem que você visse minha euforia,  mas indo a passos lentos pra falar contigo. Acho que nunca fui tao apaixonada em toda a vida. Lembrei quando eu tinha que ir pra aqueles bailes de forró que eu detestava, mas que você adorava. Lembrei das roupas curtas e justas que eu nos meus 17 anos usava. De um shortinho de veludo fino que eu tinha, lembrei do meu shortinho, imagina a cena. Short, meias, camisa de seda, sapatinho alto, cabelo longo, num forró! Lembrei das coisas que usava só pra ti agradar e que nao eram suficientes pra ti prender. Você, eterno mulherengo... Entao lembrei das músicas que ouvíamos indo pros banhos de rio, do jeep sem capote, e depois do banho, mais bregas nas ruas da Ponta Negra e aquele monte de gente que eu nao tinha nada a ver, mas com as quais eu era simpática só pra ti agradar. Lembrei das tantas mulheres que te paqueravam e que você correspondia, orgulhoso da sua beleza europeia no meio dos rostos indígenas ao redor. 

E lembrei ontem dos elogios que você me fazia. Eu sabia o quanto você era sincero, mas também sabia o quanto você era fraco em assumir o que realmente queria. E havia tanta gente contra nós, nao era?  Lembra daquele comentário horrível que teu primo fez ou daquela tua tia metida à besta? Mas a verdade mesmo é que eu era a mais forte daquele grupo podre que você nos fazia frequentar, mesmo sem eu saber, eu já era forte e foi essa forca que nos separou.

Um alívio pensar que aquilo tudo ficou pra trás, que só ficaram as lembrancas, que foram acesas ontem, com as luzes amarelas...



 
 Mas o mais complicado pra mim é saber que ainda temos o que conversar. E que esse dia vai ter que chegar, o dia em que você terá que ouvir o que nunca pensou ouvir de mim. E aí, eu nao sei, nao sei o que vai ser de você... e nem de mim.

9 comentários:

  1. Você sabe que é forte.
    A força é qualidade que nos surpreende. beijo

    ResponderExcluir
  2. "você buzinando e eu correndo dentro de mim, sem que você visse a minha euforia".
    Lindo, Nina.
    As lembranças se acendem com faíscas tão simples... Uma luz amarela, uma música, uma paisagem...
    Que você tenha sim a oportunidade de conversar com essa pessoa.
    Bjim
    Márcia

    ResponderExcluir
  3. Oi Nina!!!

    Lindo!!!

    Escreva cartas. Milhares cartas de desabafos e desabafos desaforados. Xingue, humilhe, tudo nas cartas. Leia em silencio. Depois leia em voz alta. Depois leia aos gritos. Todas elas. Depois queime. Queime todas. Faz isso. Quando a hora da conversa chegar, apenas o necessário será dito.

    Beijos

    Selma

    ResponderExcluir
  4. Sao as nossas experiencias q nos fazem o q somos hj. Lindo texto. Me fez lembrar o quanto somos humanps e feitos de historias q as vezes, boas ou ruins, nao podem ser apadas. Beijos!!!

    ResponderExcluir
  5. Este é aquele tipo de texto que nem dá para comentar. É como se você estivesse pensando em voz alta para ter a certeza de que já passou.

    beijos Nina

    ResponderExcluir
  6. Estava com esse tipo de pensamento esses dias. Lembranças que me dão a certeza de que tudo o que aconteceu me deixou mais forte. bjos e boa semana

    ResponderExcluir
  7. Uau! Queria falar mais ou menos o que a Pitanga falou, mas não encontrava as palavras.
    Beijo, Nina!

    ResponderExcluir
  8. Poxa Nina, se você nunca falar isto pessoalmente, pelo menos terá belos contos a serem editados!
    Achei a ideia da Selma aí em cima, bem original.
    beijos cariocas


    ResponderExcluir
  9. Nao entendi absolutamente nada...boiei, voei legal, rs.


    Bjos

    ResponderExcluir