29/02/2012

Nao tenha vergonha de onde você mora e nem de quem você é

Rose me mandou um email falando sobre a postagem do cantinho preferido, que me fez pensar. Ela dizia assim:
"Adorei seu post Nina.
Li no anterior alguem dizendo que tinha em casa um cantinho que amava mas que nao tinha coragem de tirar fotos e por no blog. Seu post veio a calhar. Eu acho que a casa de uma pessoa seja ela um palacio ou um barraco de favela, tem seu valor e as pessoas nao deveriam ter vergonha de onde moram".

Essas palavras me levaram de volta.

Nunca tive vergonha de quem eu sou e de onde vim ou onde estive.
Mas é interessante perceber, pra nao dizer que é triste, que as pessoas julgam você sempre sem nem saber nada de ti.
Teve uma época que eu era, aos olhos dos outros, muito pobre.
Tomava leite na mamadeira e no mamá da mamae!
Agora, me pergunta se algum dia eu me senti pobre.
Pergunta!

Senta. Que lá vem história.

Nao. Eu nunca me vi como uma pessoa pobre. Nunca, em nenhum momento da minha vida, me vi como pobre. Mesmo morando em casas paupérrimas.
Isso foi numa época em que me juntei ao pai dos meus filhos.


Nao morava aqui, esse era nosso passeio predileto,Janauacá-AM
Éramos dois universitários e desempregados, pais de um bebê: a Laura. Quando eu estava no oitavo mês de gravidez, mudamos da república de estudantes que vivíamos e fomos pra um quartinho alugado. De lá, pra uma casinha de dois cômodos, de lá, pra uma outra casinha de 4 cômodos. Em duas dessas casas, o banheiro era externo, um deles, o banheiro era coletivo. Uma delas nao tinha pia pra lavar minha louca. Todas essas casas eram de madeira com tinta descascada e velhas. Uma delas, muito perto de um rio que na cheia me metia medo, porque sempre me dava a impressao de que subiria até o muro da casa, ou que traria jacarés e cobras, ou no mínimo muito lixo das enchentes. 
Artista, sempre
Pra quem nao sabe, sou de Manaus.
Aqui me viam, pobre, bem pobre
Todas as três casas eram  cheias de ratos e ratazanas. Cheias! Uma delas, a última, havia tantos ratos enormes debaixo dela, que eu ouvia o ruídos deles durante todo o dia. Nos momentos de desespero, eu os esperava sair de suas tocas pra atirar pedra, já que com veneno, nao adiantava mais nada. Foi nessa última casa que desisti da minha faculdade e de viver em Manaus e fui embora com marido pra outro lugar onde ele já tinha um emprego depois de formado e alugaríamos uma casa melhor. Os ratos me expulsaram.

Indo pra escolinha

Porém, todas essas casas eram limpas, arrumadas, cheirosas, organizadas.
Meu maior ogulho sempre foi, as coisinhas dos meus já dois filhos, muito bonitinhas e novas, bem cuidadas, e nossa estante de livros, sempre cheias. Nossa colecao de cds, muito rica culturalmente.

Ela era famosa por ler tudo o que via
E os muitos livrinhos e disquinhos que meus filhos tinham a sua disposicao. Além da nossa televisao velha e ainda com botoes em vez de controle remoto, só passar programas da tv cultura.
Ele, emotivo, ria e chorava emocionado
Certo dia, na segunda casa, perto do rio, um professor da universidade foi levar na minha casa uma prova pra eu fazer, porque eu estava de licenca pelo parto do meu filho. O professor foi chegando e me olhando com uma pena, por eu morar ali, que eu nunca vou esquecer. Perguntei se ele queria algo, água ou suco, e ele negou. Foi ali que senti o constrangimento daquele homem. Eu era pobre aos olhos dele. E de pobre, nao se recebe água, certo?

Ela nao está chorando, tá fazendo graca.


Afinal ele nao teria como saber que minha filha e nós, só bebíamos água mineral, e como eu era cuidadosa com nossos alimentos, com nossas coisas. Nao, o professor nao tinha como saber que eu uma "pobre limpa"...

Tia Lila, nossa fada madrinha
Na terceira casa, aquela com muitos ratos embaixo, minhas irmas foram um dia me visitar. Uma delas falou: Poxa mana, tu é tao pobre né?

Minha irma mais nova disse algo que eu jamais irei esquecer e sou grata até hoje pela visao que ela teve de mim. Ela me viu como eu me via. Ela viu além das aparências e acredite, até hoje, esse foi o maior elogio que já recebi: eu nao acho a Nina pobre, olha a tua volta mana, olha a Laura, como é, como fala, tao inteligente essa menina, sempre bem arrumada e linda, olha os livros que a Nina tem aqui? Olha a Nina indo pra faculdade, no maior esforco e ainda fala francês! Olha os livros das criancas... nao mana, a Nina nao é pobre...




É isso.
Pobre é aquele de espírito.

 * * *

ps. nao falava francês, mas estudava com umas fitas cassetes que marido comprava pra mim.
Percebe? 
Pobre é também aquele que nao tem sonhos!

* * *
Agora, por favor , olha pra todas essas fotos aí em cima e me diz: você vê crianca mal tratada aí? Vê crianca triste? Vê crianca "pobre"? O que você vê nas fotos?



* * *

Participe se desejar mostrar seu cantinho preferido na sua casa. Clique aqui.

34 comentários:

  1. Nina,
    Espero que todo mundo que ler este post se anime e traga atravez de suas fotos o amor que existe dentro de suas casas.

    ResponderExcluir
  2. Se esse post vai incetivar alguém a fotografar seus cantinhos de amor, Rose, eu nao sei, só sei que já chorei muito olhando essas fotos hoje. Chorei mt olhando meus meninos, lembrando da vida ralada que tive, lembrando dos sonhos vivos, constantemente gritando dentro de mim: calma, calma tudo vai melhorar... chorando ouvindo as músicas do Guilherme Lamounier, que ouvíamos tanto.

    E to com medo de ir dormir e sonhar com os ratos :-(

    ResponderExcluir
  3. Nina e Rose,
    vocês duas a cada dia me passam uma energia tão boa, mas tão boa...
    São pessoas de coração bom, simples e que dão valor nas coisas simples da vida!
    Gosto de vocês Nina e Rose cada dia mais um pouquinho...
    A Rose ainda não me visitou lá no blog, eu que a sigo e vejo suas coisinhas pelo blog da Nina.
    beijos pra vocês duas...
    E simplesmente adorei este post seu Nina e saber mais um pouco da guerreira e a mulher interessante que é você minha amiga.
    E a última foto é voc~e junto com a sua filha? Você esta linda nesta foto..

    ResponderExcluir
  4. Cheguei em casa e vim olhar seu post de novo.
    E so vim dizer que esta foto sua tomando mamadeira no colo de sua mae esta a coisa mais linda do mundo.
    ----------
    Nao tenham medo dos ratos. Nao vao aparecer mais.

    ResponderExcluir
  5. Nina, lendo seu post eu ví...MINHA Mãe! Foi assim que minha mãe nos criou.Passavamos falta das coisas materiais, mas de amor, nunca! quando tinha só arroz, minha mae cozinhava o melhor arroz do mundo, que perfumava a casa toda.. e decorava com tomate e salsa colhida na horta que ela mantinha.Se eu fechar os olhos consigo até sentir o perfume.
    Minha mae conseguia nutrir nossa alma,e sim, fomos muito felizes.
    P.S:Eu andava desmotivada a blogar, mas lendo seus posts, me animei :) vou postar meu cantinho preferido também ;)

    Beijos

    http://www.umbebeemnossavida2.blogspot.com/?zx=9212100eb6ac650e

    ResponderExcluir
  6. Ah, Nina , que linda sua historia !
    Minha historia com meu francês so foi linda enquanto eramos pobres.
    Eu tinha ja um bom apartamento que havia comprado trabalhando de empregada doméstica nos EUA . Os moveis como te disse antes, todos de 2° mão Contudo, atrasavamos o condominio por meses , a luz foi cortada varias vezes e so não passamos fome porque minha mãe, mesmo morando longe, sempre nos ajudou muito. Mas como eu era feliz, Nina .
    Era feliz e sabia. A felicidade me dava um calorzinho no corpo , uma sensação tão plena de paz que eu esquecia completamente as contas atrasadas, o sofa rasgado...
    Depois que abrimos a escola e as coisas começaram a dar certo, bem, você conhece o final dessa historia...

    ResponderExcluir
  7. Que linda história!!!Já passei por uma fase assim...não foi fácil...Por isso resolvi vir para o Japão e tentar algo melhor...Um dia te conto minha história...
    Bjos...

    http://sweet-dreams-jp.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Nina, ixi... falou de mim!!
    Amei de novo o post. Na verdade eu não tenho nenhuma vergonha de morar onde moro porque escolhi vir pra cá por amor, pra morar com momarido...
    Não há em mim vergonha de ter tido ou ainda ter alguns momentos difíceis na vida, todos temos e teremos sempre momentos difíceis.
    Peço desculpas e até me envergonho muito em ter passado uma imagem de ter vergonha ou não me orgulhar de onde vivo ou de quem sou.
    A intenção com meu comentário era somente dizer que moramos duas famílias numa mesma casa, então nem tudo pode ser fotografado e como na nossa metade da casa só moravam meu marido e o meu enteado, a casa ainda não tem muitos toques femininos...mas já estou tomando providências e gostaria muito de participar das postagens do cantinho preferido. Passa lá no meu cantinho que eu vou postar meu cantinho preferido da casa.
    Espero ter oportunidade de desfazer essa imagem ruim que passei e me desculpe se me expressei mal.

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem? Cheguei aqui pelo Um Pouco de Mim. Gostei muito de ler esse teu post, sabe? Ainda hoje tive um pequeno entrevero com uma pessoa que espera que me comporte como pobre, até escrevi sobre isso lá no meu canto. Me lembrou também as vezes sem conta em que tive de aguentar o espanto das pessoas para quem fazia serviços, quando conheciam meus filhos: nossa, como seus filhos são limpinhos; nossa, como seus filhos são bem educados, nossa como seus filhos falam bem!...e por aí afora.
    Sempre fui pobre, mas, como você, nunca me senti pobre. Então, faço minhas as suas palavras:
    Pobre é aquele de espírito, aquele que não tem sonhos!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. Oi Aninha, sim, sou eu, grávida de três meses do Joao. Bonita???Vc vê beleza onde nao existe, hahahah, eu nao tirava a cara da privada nessa época por causa dos enjoos e fui parar no hospital uma semana, por que quase tive um aborto. Quase morri de saudade da minha filha :-( Obrigada pelas palavras lindas!

    Eu tbm amo essa foto Rose. Nós estávamos nesse dia (lembro como se fosse hj) no meio de uma passeata nas ruas de Manaus, pela Universidade, e essa foi uma pausa que fizemos pra Laurinha tomar seu leitinho. Ela ia pra todo lugar comigo, inclusive pras aulas na facul.

    Eu AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI ler isso Kálita. Sei um pouco da história da tua mae, e do amor tao grande que vcs todos tem por ela. Espero de verdade, ser tao amada e bem tratada pelos meus filhos como Divina é por vcs. Vou estar la teu blog amanha! Obrigada.

    Poxa, K, que bonito isso...bonito demais!! Vc é uma linda e eu te adoro. Fico tao feliz de ter ver aqui de volta, escrevendo. Te acho tao sábia.

    Conta Juliana, conta, conta,conta!

    Thais, foi vc quem comentou isso aqui:
    ?

    " Thais disse...

    Será que tenho coragem de mandar fotos da minha casa? Acho que não prefiro ver a de vocês hihihi é tão bagunçada a minha casa. Mas tenho um cantinho predileto onde eu leio minhas revistas quando elas chegam pelo correio que é um momento muito gostoso para mim.
    Mas não tenho coragem de fazer fotos."

    28/02/2012 12:39:00

    Se foi tudo bem, escrevi este post por causa da Rose e por causa desse comment.
    Ah e vou passar sim, com mair prazer amanha contigo,pra ver teu cantinho. Vou adorar!

    Euemeuumbigo, deixa eu te falar uma coisa mt sinceramente: terminei de ler teu comentário e chorei. Mexeu comigo porque sei como é ruim as pessoas esperarem que a gente assuma algo que nao acreditamos ser. E me dói pensar que as pessoas elogiam teus filhos quase nao acreditando qd os veem. O que eles esperavam? Criancas maltrapilhas e mal amadas, fedendo a xixi e com olhos remelentos, pesando como penas? Passei por isso, sei o que vc diz. Por isso me emocionou. E ver teu comment, puxa, serio mesmo, me emocionou... Deus abencoe seus filhos e que vc permaneca a boa mae que parece ser.

    ResponderExcluir
  11. Belo post, Nina! Eu também tenho cá minha história de infância e adolescência com muitas necessidades. Mas posso te dizer que mesmo até faltando comida, eu fui uma criança feliz. Já na adolescência foram outras problemas que não o dinheiro que roubaram meu bem-estar.

    Acho que nunca deixaria de mandar uma foto ou participar de algo porque acho que sou menos que os outros. Posso achar que não vale a pena participar por não ter outros pontos interessantes, mas se for só esse, acho que não... rs

    Beijocas

    ResponderExcluir
  12. Nina, obrigada! A reciproca de carinho é verdadeira.Minha mãe sempre fala de você :)


    Eu não sei se todas as pessoas tem a mesma sensação que eu, mas em um mundo tão cheio de idiotices, violência e desesperança, ter um espaço na internet que fale de coisas boas, de conquistas, de aprendizado, de realmente SER humano, olha,é um oásis para a alma.Nina tem esse dom de escrever coisas simples e profundas...e ler os comentários de seus leitores tão cheios de estórias, tão cheios de vida nos faz sorrir por dentro e murmumurar baixinho: O mundo ainda tem jeito !

    ResponderExcluir
  13. Eu vejo uma mulher forte que se vê com as lentes e perspectiva correta. Uma batalhadora que sonhou, conquistou e se reconstruiu a cada casa. Se rodeando de um elemento que a acompanha pela jornada...
    o livro... Ou melhor... Muitos deles...
    E Laurinha vai na mesma toada...
    Beijos amiga, lindo o seu post!
    Márcia

    ResponderExcluir
  14. Que post mais lindo e suave!
    Realmente de pobre você não tem e tenho certeza que nunca teve nada!!! Você é uma das pessoas mais ricas que eu tenho o prazer de conviver.

    ResponderExcluir
  15. Menina, eu cai aqui por acaso, vi um comentario no site Brazil com z... Sensacional esse post. Tbm sou de Manaus, quando li o teu post, me bateu uma saudade, tremenda da terrinha. Atualmente moro na Irlanda. Posso perguntar? Como vc foi morar na Italia? Vc levou suas crianças contigo p Italia? Tenho uma de 8 anos, está em MAO por enquanto. Isso me deixa muito triste. Morro de saudades. Um super abraço, Silvia

    ResponderExcluir
  16. Márcia, uau, uau, quem é essa mulher que tu tá falando?? :-) Obrigada Ma, acho nossas historias (minha e da tua mae um pouco parecidas tbm e pra mim, Maria é um vencedora)

    Kálita, vc é um doce!!
    Obrigadíssimaa. Ahh eu nao consigo comentar no teu blog, dá erro por causa da verificacao de palavras :-(


    Carlitinha mon amour! Tu que é uma super fofa linda e maravilhosa que até, GEEENTEEEE a Carlitinha saiu na revista Shape do mês passado!!!!!!!! Chiquérrima, linda, emagreceu um bocado e conseguiu ficar ainda mais linda do que sempre foi. Carlitinha, que saudadeeeeeeeee

    Silvia, nao moro na Itália, mas na Alemanha. Me escreve um email que a gente pode conversar melhor. Amei saber que tu é de Manaus! Me escreve. Na parte de cima do blog, tem um formulario de contato.
    Escreva.

    Bjs meninas

    ResponderExcluir
  17. Lindo este post!!!
    Realmente Nina Pobre é quem não tem sonhos.
    Sabe do que gosto desse mundo?
    É das voltas que ele dá.

    ResponderExcluir
  18. Ah, Nina, só você para me fazer reagir e escrever um comentário!
    Que post primoroso, pois sua história é de incentivo aos sonhos e à luta e o que nós vemos hoje é uma mulher realizada e que sabia a força que tinha lá dentro, por isso não estagnou-se e conseguiu ultrapassar as adversidades da vida, levando junto os filhos, dando a eles o carinho e conforto sempre.
    E você está mesmo muito linda nesta foto com sua filhinha abaixo.
    A blogosfera que me atrai é feita de pessoas como você, com tanto para dizer e enfeitar a vida.
    Te adoro garotinha!
    um beijo grande, carioca

    ResponderExcluir
  19. Adorei sua historia, poderia falar muito sobre ela, mas, voce disse tudo em poucas palavras: "POBRE E AQUELE DE ESPIRITO", eu vejo pessoas felizes...

    Beijo!

    ResponderExcluir
  20. adorei seu depoimento Nina! Realmente esses rótulos impostos, pelo que a gente possui sao um saco, as pessoas devereiam ser reconhecidas pelo que elas sao!!

    ResponderExcluir
  21. aiiii nina, seus posts são tão carregados de emoção!!
    tenho muito a aprende com vc, essa visão descomplicada das coisas, esse jeito simples e cativante...
    Sou mãe de um lindo menino de 1 ano e 4 meses, amo muito meu filho, meu marido, mas não me sinto uma mãe/esposa exemplar.
    Nunca tive vocação para ser dona de casa, não tenho traquejo em cozinha, ou aquela energia pra fazer tudo. Meu marido se chateia comigo, pq ele chega da facul e me vê dormindo (eu trabalho tambem e a noite eu chego cansada querendo ir para cama).
    Já conversei com ele, que ele chega tarde e que não dá para eu sempre fazer comida pra ele. Ora! quando eu chego do trabalho, não tenho ninguem para fazer nada por mim, pelo contrário: quando chego em casa do trabalho, tenho outro plantão para fazer, que é ser mãe!
    Dar atenção ao filho pequeno, fazer as coisas em casa...
    Ai nina, e ainda tem a faculdade! Larguei os estudos depois que engravidei e hoje não tenho perspectiva de retorno! Pois se algum dia terminar a facul, terei que sacrificar meu emprego ou o pouco tempo que tenho com meu filho.
    Ai Nina... e quando leio seu blog, as vezes penso que eu que sou complicada demais, que eu q nao consigo porque sou fraca... Me diga, qual a fórmula Nina? De ser sempre alto astral, ser uma mãe/esposa exemplar e uma dona de casa impecável, sem abrir mão do emprego??

    ResponderExcluir
  22. Querida "anonima" nao se culpe, pequena, NAO SE CULPE; NAO SE CULPE E NAO SE CULPE ;AHH MAIS UMA VEZ NAO SE CULPE!

    No Brasil vivemos todos de uma maneira mt machista. Os homens sao acostumados a serem servidos e nao ajudam. Servimos ao outro, pelo prazer de servir, mas ajuda-se como gratidao. Ou seja, vc como esposa e mae, tem lá suas obrigacoes, mas ele tbm. Vc nao está sozinha em casa, nao fez uma crianca sozinha. Ele faz faculdade? Ora, vc tbm! A gente como mulher, tem essa famigerada obrigacao da tripla jornada de trabalho. Trabalho fora, faculdade, ser mae, esposa e dona de casa. Sim, é "flórida"!

    Anonima, nao é fácil sabe? Eu nunca fui perfeita e nao sou. O que noto e que sempre esteve presente na minha vida, foi que eu nao desanimava. Sabe que eu chorava todo dia??? Mas algo me dizia que eu deveria fazer alguma coisa,e eu fazia, sempre. Enxugava as lágrimas e arregacava as mangas, mesmo que os outros nao vissem, eu fazia. Eu nunca desisti. Uma coisa importante é, vc precisa saber que tudo vem no tempo certo, mas que vc nao pode ficar esperando as coisas acontecerem, de bracos cruzados, vc tem que botar pra cima, pra ferver, mandar brasa mesmo, entendeu?? O primeiro passo só vc pode dar, ninguem mais. Quem está incomodado com a situacao? É vc?
    Entao é vc que tem que tomar atitudes.

    Tente dividir seu dia,planeje, escreva na agenda as atividades que devem ser feitas, tanto em casa qt fora dela. Acho planejamento mt importante.Mas nao esqueca de tentar pedir colaboracao do seu marido, ver como ele pode ajudar vc. Com a filha de vcs? Com a casa? Com a comida? Com a louca, enfim. Vc precisa mostrar que nao é super heroina e nem a mae dele.
    Uma coisa importante que pra mim foi fundamental, foi,terminar a faculdade. Tudo mudou ,no dia que me formei. Mudou nao só financeiramente, mas principalmente interiormente. Eu vi que eu podia. E isso foi mágico e mt revelador pra mim. E vc tbm pode!
    Bom, nao sei se falei o que vc precisava ouvir. Mas o que veio ao meu coracao.

    Me escreve contando os passos em direcao a si mesma que vc tem dado, ta?

    To na torcida!
    E nao perca a esperanca, a alegria e a fé, sao elas que te movimentam pra frente.
    Um beijo no coracao e na proxima, porfavor diga seu nome, ta?

    coloque o amor na sua vida, dê as maos pra ele e agradeca. Agradecer o que vc tem, é fundamental.

    ResponderExcluir
  23. Simplesmente amei o seu post!!
    Trás uma linda mensagem de aceitação!

    Bjs

    ResponderExcluir
  24. Conheci algumas pessoas que tinham vergonha de onde vinham e de seus familiares, por conta de suas simplicidades. Esse lance de negar raízes é uma coisa que muito me revolta. É como cuspir no prato que come. Sou muito orgulhoso da casa onde cresci e das pessoas que me educaram. De certa forma, foi a maneira simples deles que me ajudaram a ser a pessoa que sou hoje. Não sou um exemplo, mas tenho muito orgulho do que recebi dos meus pais.

    Gostei muito do seu relato, Nina. Você passou por cada uma, hein? Que bom ter tudo melhorado.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  25. Nina, cheguei ao seu blog através do mosaico da Rê e comecei a ler várias postagens até chegar nesta daqui. Queria te agradecer por estes relato, me fez pensar muito no meu momento atual. Estou longe de ser pobre, Tenho tantas coisas materiais e não materiais, mas estou em uma fase de reclamar muito de tudo. Reclamar de que as coisas não são/estão boas o suficiente. Eu reconheço e sou grata por tudo que tenho ( família,marido, amor, carinho, saúde , casa, lazer...)mas tenho a tendência a aumentar demais o que falta. Quero aprender a cada vez mais colocar lente de aumento naquilo que importa e a diminuir as faltas. Isso sim é ser rico, como vejo que vc é. Obrigada!

    ResponderExcluir
  26. Oi Nina, cheguei aqui pelo blog da Wilqui. Adorei seu canto virtual e seus cantinho preferidos em casa. em tocou ainda a questão do "ser pobre" pois penso como você. Muito legal seu blog.
    Abraços,
    Pancha

    ResponderExcluir
  27. Acabei chegando por aqui quando procurei no google sobre a cantora “Ivy Quainoo”, pois acabei de adquirir o CD (por acaso) e fiquei curioso para saber a origem da cantora. Ao me deparar com esse texto seu, a cada palavra que invadia a minha mente, fiquei cada vez mais feliz de me reconhecer em suas palavras, não só a época da minha infância, mas também a fase que passei com a minha esposa quando resolvermos ter a nossa casa.

    Compramos um apartamento legal, mas sem nada dentro, queríamos o nosso canto para morar, eu ela e nossos 2 filhos(o segundo ainda na barriga). Fomos na cara e coragem, com a nossa cama, geladeira, fogão e a tv de 14 polegadas apenas. Era engraçado quando os meus irmãos iam me visitar e via a minha casa vazia (eles não entendiam porque desistir de morar no apartamento de classe alta para ir viver a minha vida sem depender de família). Eu não entendia o porquê de eles me olharem assim, apenas a minha mãe que teve uma vida de pobreza e dificuldade me olhava com orgulho, de ver o seu caçula vivendo a própria vida sem pedir nada em troca, e o que mais ela sentia orgulho era perceber que mesmo com a casa vazia de moveis, ela via muita felicidade em todos os cantos da nossa casa.

    Passado 2 anos, já estamos com a nossa casa toda arrumada e nada mudou, continuamos felizes e alegres a cada dia assistindo nossos filhos crescerem e se tornarem indivíduos com suas particularidades, mas com certeza, transformando em seres humanos felizes.

    Parabéns pelo texto, me deixou bastante emocionado e me fez refleti bastante.

    PS: O CD da Ivy está fantástico.

    ResponderExcluir
  28. Po, droga, merda, putz JACK!!!!!
    nao tem como te responder cara!!!!!
    agora fiquei com raiva :-)

    Muito obrigada por esse comentário. Adorei e vou te falar, fiquei com lágrimas nos olhos. Mt feliz por vcs, viu?

    Mt bom mesmo. Mt parcido comigo tbm. Me emocionou tua leveza com o tema, nao somente agora, escrevendo aqui, mostrando a cara,mas a leveza de encarar a barra pesada que é assumir seus desejos, suas necessidades e encarar o que vier, sem vergonha. Estando com amor tudo vale a pena, nao é?

    Agora me diz, menino, como tu conhece a Ivy??? To pensando em comprar o cd tbm. Nossa, ela é DEMAIS!

    ResponderExcluir
  29. Obs: atualizei o nome Jack(que era de um pseudo meu) para o meu apelido “Chico”.

    Quanto a Ivy, foi algo por acaso, eu me bati em um site com a capa do CD dela, era tarde da noite e já estava indo dormi, ai resolvi conferi ela no youtube. Foi amor à primeira vista...

    Tenho a mania de ficar procurando músicos novos (isso desde a minha adolescência) e sempre consigo achar perolas. A Adele que tanto você gosta, conheci antes do CD 19 dela.

    Adorei a sua escrita, muito boa, já li quase todo o site (quando eu gosto, eu gosto). E me bateu uma vontade de voltar a escrever. Eu tinha um blog (faz tempooooooooooos) que era meio alternativo.

    Como homem sensível e romântico, vejo muito preconceito, pois as pessoas acreditam que homem deve ser duro e severo, e sou completamente o oposto disso, gosto da leveza do ser, choro em filmes, lendo um bom livro e porque não, ao ler um poste maravilhoso como foi o seu (a minha esposa acha engraçada essa sensibilidade, sendo que o pai era militar), mas sei que é isso que ela ama mais em mim, essa facilidade que tenho de demonstrar o amor.

    Acredito que a culpa será toda sua se voltar a escrever em um blog, estava pensando em algo que explore mais esse lado afetivo do homem, mostrar que nós, homens, não precisamos mais temer em mostrar a nossa humanidade, os dinossauros já se foram há muito tempo...

    E com amor, tudo vale a pena mesmo!

    Pode pegar o CD, bacana, bacana.

    ResponderExcluir
  30. Pode crer Chico/Jack é difícil mesmo ver homem escrevendo coisas do coracao. Por isso é sempre uma boa supresa ver pessoas como vc.

    A mulher é que estranha é? ahahahaha

    Bom, criando o blog ,vem avisar.
    Obrigada pelo comment e pelas palavras bacanas. E seja sempre mt bem vindo.

    Podexá, o cd dela ja está na minha listinha :-)

    Bjs na família e se cuida por aí

    ResponderExcluir
  31. Olá, sou nova por aqui...te vi no mosaico da Rê.
    Nas fotos acima só consigo ver uma família liiinda, digna de admiração por todo o caminho percorrido. Parabéns!!!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  32. Eu tenho um cantinho cheio de amor, ainda em construção, mas que me dar orgulho, um lugar que posso chamar de meu, abençoado por Deus, rico por natureza.
    Meu porto seguro.
    Beijos

    ResponderExcluir
  33. Olá!

    Nunca tinha entrado em seu blog, o achei por um acaso. E, li essa postagem sobre sua história de vida e, principalmente, sobre as suas moradias. Eu me emocionei ao ler. Parabéns! Somos ricos de bênçãos! Eu tenho vergonha da minha casa, preciso me curar disso. Mas, lendo a sua linda história me senti uma idiota completa!
    Beijos!!

    ResponderExcluir