11/01/2012

Minha mae, eu e as cores do passado

Nao, ela nao é minha mae :-)
Você não tem às vezes a impressão de que vive  num outro tempo? Como se as cores a sua volta estivessem todas meio borradas? Aí você vai andando lentamente, com uma música na cabeça, no coracao, ou no ipod (ou pode ser que você use sei lá, um cd player, ou melhor ainda um wallkman, rs) e poderia estar tranquilamente usando uns óculos de lentes coloridas, que podem muito bem ser rosa, e tem a impressão de estar num filme antigo? Ou sente vontade de estar?
Lembra quando nossas mães saiam todas arrumadinhas nos anos 70? A tua não? Nooossa, a minha sempre se arrumava toda. Ficava um luxo!
A minha mãe era muito bonita com uns 30 e poucos anos. Tinha os cabelos tao pretos que eram quase azulados, ondulados, e caiam com perfeicão sobre seu rosto. Ela tem essas maçãs do rosto proeminentes como as que tenho, e isso ficava muito bonito nela (não em mim!). Mamãe estava sempre de salto alto e tinha sempre um sorriso colado no rosto. Então, ela saia à noite com seu marido que não era mais meu pai e ela estava sempre divina! As pernas da minha mãe eram e são ainda, muito bem torneadas e ela e seus sapatos altos e seus vestidos brilhosos e seu sorriso vermelho e suas bolsinhas de mão com correntes douradas, tenho certeza, chamavam a atencao de muita gente na antiga pequena Manaus. 
E é a imagem da minha mãe que me vem à mente quando imagino que estou andando no passado, de óculos coloridos e me movendo como num filme antigo. De cores borradas. Eu a vejo andando nessas cores fortes e embaçadas do passado, minha mãe caminhando alegre, com música no fundo. Vejo  suas 4 filhas arrumadinhas, olhando pra ela, quase em estado de adoracao pela beleza e forca que a mãe emite. E vejo as cores dos anos 60, 70...

Já tive minhas fases de querer reviver o passado. Quando já não existiam mais tantos hippies eu ainda insistia em andar pela faculdade (há uns bons anos...) com roupas de estilo indiano, muitos badulaques, cabelos longos e faixa na testa.  Já quis mudar o mundo. Fiz boca de urna pro Lula num tempo que todos queriam votar no Collor,  saí na primeira página do jornal mais famoso da cidade num tempo em que minha mãe e seu marido (militar)  nem desconfiavam que eu militava pro PCdoB,   fugi de casa aos 18, casei com quem minha família não gostava, um cara metido a naturalista que falava em defesa do meio ambiente, quando ainda nem se dava muita atencao ao tema, engravidei e fiquei feliz demais por isso, morei em república de estudante até o oitavo mês de gestacao, carreguei minha filha de babybag (slim) num tempo que todos me olhavam como se isso fosse coisa de outro mundo e íamos juntas a faculdade e dali direto pra passeatas contra o governo. Também pintei minha cara pelo impeachment.  Mas isso foi tudo. Queria ter feito mais. Ousado mais. Tido mais coragem.Ter sido mais colorida.
   
Às vezes eu tenho vontade de voltar num tempo que não sei onde é. É como se este não fosse o meu tempo certo. Você entende isso? Acho que algo assim ocorre na cabeça de muita gente, mas não é estranho a gente ter essa sensacao de sentir saudade de algo que muitas vezes, nem viveu? Eu acho isso bem estranho... 

 
 ... assim como também acho muito lindo esse vídeo e essa música, tao vintage.


10 comentários:

  1. Menina, como vc fez coisa, hen?!!


    Eu nunca fui envolvida com política. Aliás se eu pudesse nem ia votar. Sou totalmente contra voto obrigatório e sou apolitica, numa boa. Se voto mudasse alguma coisa, o Brasil seria outro...

    Olha, esse tipo de saudades tem todas nós mulheres de cabeca, que escrevemos nossa história. O caso é que nao nos sentimos mais tao aventureiras como antigamente e ai sentimos falta. Comecamos a comparar o agora e o passado e achamos o passado mais colorido, porque no passado estava a nossa jovialidade, o desconhecido e aquele ritmo acelerado junto a fome que tinhamos de buscar novas coisas. Com o amadurecimento, vem o saber e o conhecer muitas coisas e ai o mundo nao é mais tao deslumbrante como antes.
    Precisamos ter uma percepcao grande para nao estragarmos o nosso presente e escrevê-lo tao bem de forma que num futuro possamos sentir tb saudades desses momentos assim como vc sente saudades desse tempo mais jovem.
    Nao compare. Viva o teu melhor em todas as fases. Cuidado para nao ficar depressiva em querer buscar essas respostas, onde elas estao num canto da nossa fantasia. Dê gracas pelo dia de hoje e vc vai ver como ele vai ficar colorido.

    Um grande beijo

    ResponderExcluir
  2. Tu foste bem animadinha e boas lembranças tens. Lindo teu texto! beijos e essa de sentir esse tipo de saudades do que nem vivemos acontece! beijos,lindo dia!chica

    ResponderExcluir
  3. Também tive minha fase de viver uma época que não foi minha.

    Na adolescência eu me apaixonei por Janis Joplin e cismei de andar como ela. Era algo surreal, que meus pais combatiam muito. Sempre tive uma atração por essa época dos hippies, queria ter vivido isso!

    Beijocas

    ResponderExcluir
  4. Querida Nina, obrigada por sua visita. "Coisas Que Indico" é meu xodó e também a sua casa, sinta-se à vontade. Sou fá das suas publicações, parabéns. Bjkas e tudo de bom!!!

    ResponderExcluir
  5. Nina, que delícia de post retrô!
    Me vi em várias situações deste passado, nos anos 70, em que eu, nada politizada, adorava me enfeitar como uma hippie arrumadinha. Digo arrumadinha, porque eu não era do desbunde, e sim daquelas que buscavam nos símbolos da época, uma forma para expressar um pouco do que ia na minha cabecinha de jovem.
    Sou como você, vivo relembrando essas coisas boas do passado e tem horas que até posso sentir cheiros e visualizar cores, como um vestido tubinho, mini, verde abacate com zíper da bainha até o decote. Eu adorava! Curti tudo isso e sou feliz demais e agradecida a Deus por ter vivido uma época tão rica em descobertas e boas músicas.
    Semana passada, ao meu lado no hortifruti, uma moça falava com uma das funcionárias e eu não olhei, mas quando ela se despediu da moça desejando-lhe um bom ano novo, dei uma olhada de soslaio e quem eu descubro, disfarçada atrás de óculos escuros, toda de preto e com uma mochila grande às costas?
    Nada mais que a musa dos Dancing Days brasileiro, a diva Sonia Braga que está tão magrinha e discreta que pode passar despercebida pela maioria das pessoas. Mas, não a mim que sempre a admirei daquela boa época e sei também que é moradora aqui da cidade de Niterói e do meu bairro. Não tive coragem de falar-lhe, mas a sensação e as boas lembranças daquela época, me acompanharam durante aqueles momentos de compras ali no hortifruti.
    Como é bom relembrar coisas boas!
    Amei este post, por isso desculpa o meu alongamento. hehe
    beijos cariocas

    ResponderExcluir
  6. Oi Nina querida,
    Assisti ao vídeo da Lana del Rey há dois dias e me apaixonei pelo estilo retrô dela... Bela ilustração para seu texto nostálgico!
    Bom seria ter acesso aos tempos que nos inspiram e deixam saudade...
    Beijos!!!


    ps: de vez em quando os comentários pregam cada peça... É uma tristeza quando o texto desaparece. Não conheço Sao Miguel dos Milagres :(
    Vai ficar pra próxima viagem! Obrigada pela dica! Bejao!

    ResponderExcluir
  7. Que engracado, sempre achei qd era mais jovemm que minha vida tava um saco e que nao tinha feito nada especial. Vcs falando isso, que minha vida foi agitada, me soa tao estranho, nem parece que sou eu. Sério que vcs acham isso??

    Hmmmmm, vou pensar melhor no assunto :-)

    ResponderExcluir
  8. Nina, tbm me sinto assim, como se eu vivesse numa epoca que nao é a minha... adorava antigamente e me dava mto bem naqla epoca, acho q me daria bem agora, aos 26 anos, vivendo no ritmo de antigamente.... sei la.... as vzs bate uma saudade, com ovc mesma diz, de coisas q a gente nem viveu...

    ResponderExcluir
  9. Nina...vi vc montada num arco iris,direcionando ele para o outro lado do pote.....vc coloriu....que coisas linda que vc escreveu sobre sua mãe,sobre as cores borradas.Eu sinto muitas saudades da minha mãe jovem e costumo me reportar para a época em que ela andava na minha frente com sua amiga,de saltos altos e meia com linha reta e eu ficava escutando seus saltos barulhentos e desejando ardentemente ter os meus próprios.
    Passamos por isso e é maravilhoso revirar nosso baú...ainda mais quando ele é rico de acontecimentos.....boa tarde... eu aqui no trabalho gazeteando)

    ResponderExcluir