26/09/2011

Como e quando você lê? E resultado do sorteio!

Descobri a beleza dos livros um pouco tarde, aos 12 anos, com a leitura obrigatória em classe. O ano era 1982 e nosso queridíssimo professor de português, Paulo Roberto, me ajudou nessa grande descoberta. Veio daí o grande amor pelo meu primeiro livro, O Meu Pé de Laranja Lima, que lia e chorava ao mesmo tempo que pensava o quao incrível era poder ler aquelas palavras, tao bem colocadas num papel, de maneira tao ordenada e bonita, e que era capaz de levar alguém às lágrimas e a outro mundo, bastando pra isso abrir o livro.  Uma coisa meio mágica pra mim, até hoje, confesso.

Depois desse primeiro contato,  vieram tantos outros... na adolescência eu passava muito tempo dentro do quarto com livros na mao, tanto que minhas irmas me xingavam de bobona quando elas iam sair e eu escolhia ficar em casa, no meu cantinho, viajando nas letras e fugindo da minha timidez absurda. Lembro quando minha mae ouviu do meu primeiro marido, que a gente queria casar: Ruy, tu tem certeza que quer casar com a Nina? Homem de Deus,  minha filha nao sabe cuidar de casa nao, viu?! Só o que ela sabe é ler!"   Minha mae  sabia o que dizia, ela era a pessoa que mais entendia dessa minha paixao por livros. Era ela quem me incentivava a ficar no meu quarto, lendo. Apesar disso me distanciar do resto do mundo, fato que a incomodava muito, mas ela sabia que aquilo era minha escolha. Às vezes, minha mae cutucava minhas irmas pra elas me chamarem pra sair, daí elas vinham já prontinhas, arrumadinhas, maquiadinhas, me chamar: vamo Pingo! Deixa esse livro pra depois, sua lesinha! Imagina, eu que sempre me vi como um entrave na vida das pessoas, lá ia fazer minhas irmas lindinhas me aguardarem?  Via nos seus olhos  que elas estavam com pressa e na verdade, nem queriam que eu fosse, claro que dizia que nao iria. Minha mae ficava meio triste, eu sabia, ao me ver só no quarto, mas ela sabia que eu curtia aquele mundinho. Era ela quem preparava meu leitinho quente com biscoito e levava orgulhosa ao meu quarto enquanto eu estava debrucada sobre livros, me preparando pro vestibular e algumas vezes, parava no meio dos estudos pra continuar a leitura do livro da vez. Minha mae, poxa, isso me dá uma saudade... mae carinhosa, leitinho quentinho e livros.  Tanto amor junto, né?! 
A verdade é que eu lia muito e estava sempre com livros ao redor. 
Hoje eu tento, mas as obrigacoes do dia a dia nao me permitem mais ficar à toa, lendo o tanto quanto gostaria. Com um bebê de 1 ano, dois adolescentes, um marido e uma casa, me vejo sem tempo pra essa paixao. Leio quando posso, tento ler antes de dormir ou enquanto espero o leite  do bebê ferver, no intervalo dos seus curtos sonos, no carro enquanto ele está na sua cadeirinha, me olhando e tentando falar comigo,  nos dez minutinhos que ele passa brincando sozinho com seus brinquedinhos, sem que me chame pra brincarmos juntos. E quando existem livros muito bons e irresistíveis,  como o que estou lendo atualmente, faco de tudo para aproveitar o máximo de tempo possível, até acordar antes do bebê (e isso é raro, viu?!) e ir continuar a leitura até que ele acorde, ou posso levar o livro ao banheiro, ou enquanto cozinho, aliás, esse momento é o melhor pra ler. Enquanto o arroz cozinha e o pai cuida do bebê aproveito pra ler mais ou menos, calmamente...

Aqui um pequeno trecho inicial do ótimo livro que estou lendo, mais uma dica que me foi dada aqui no blog, agora pela Glorinha de Lion, o livro chama-se A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón:

Ainda me lembro daquele amanhecer em que meu pai me levou pela primeira vez para visitar o Cemitério dos Livros Esquecidos. Despontavam os primeios dias de verao de 1945 e andávamos nas ruas de uma Barcelona aprisionada sob um céu cinzento, com um sol de vapor que se derramava na Rambla de Santa Mônica com uma grinalda de cobre líquido.
- Daniel, o que você vai ver hoje nao pode contar a ninguém - advertiu meu pai. - Nem ao seu amigo Tomás. A ninguém.
- Nem a mamae? - perguntei, em voz baixa.
Meu pai deu um suspiro, amparado naquele sorriso triste que o perseguia como uma sombra pela vida.
- Claro que sim - respondeu, cabisbaixo. - Com ela na temos segredos. A ela você pode contar tudo.
Logo depois da guerra civil, um surto de cólera levou minha mae. Nós a enterramos em Montjuic, no dia do meu quarto aniversário. Lembro apenas que choveu o dia todo e a noite toda, e que quando perguntei ao meu pai se o céu chorava faltou-lhe voz pra responder. Seis anos depois, a lembranca da minha mae era para mim uma alucinacao, um silêncio cheio de gritos que eu nao tinha aprendido a apaziguar com palavras.
...

Bom, é isso, a gente sempre arruma um jeitinho pra ler. Só nao lê quem nao quer e quem nao quer, só nao lê, porque ainda nao descobriu dentro de si mesmo, a beleza de uma boa leitura.

ps. Esta é uma postagem a pedido da Vanessa Anacleto, pelo aniversário do seu blog, Fio de Ariadne, que é uma apaixonada por livros e que até já escreveu um, o Culpa de Mae,  e eu, adivinha, comprei dela quando estive no Rio!! 

* * *

Resultado do sorteio do livro da Leila Ferreira, A arte de ser leve:

Depois de recortar os papeizinhos (sim, sim, eu sou das antigas) e esperar o bebezinho acordar de uma finalmente, ótima noite de sono, eis aqui o nome da sortuda que vai levar um livrinho lindo pra casa.
Ei Marcinha! parabéns! Eu te envio esta semana! Bom divertimento e boa leitura. Te peco mais uma coisinha, mas isso você definitivamente, nao é obrigada a fazer. Sempre que sorteio um livro aqui, peco que a pessoa, se assim for do seu agrado, repasse o livro quando acabar de ler. Quem sabe, esquecendo em algum lugar com um recadinho pra ela ao ler, repassar também, ou mesmo dando pra quem quiser, mas sempre pedindo que a pessoa doe o livro pra uma outra.
É nossa singela contribuicao para um mundo mais bonito e educado, né?
* * *

Agora é com você, como e quando você lê e o que está lendo atualmente?

11 comentários:

  1. Um bom livro e mesmo um deleite. Eu nao tenho lido tanto como eu gostaria, mas a sensacao de viver a historia do personagem e tao legal! Deu para imaginar o quanto devia ser legal voce estar la no seu cantinho com a boa leitura e o aconchego do leite quente. Ahh isso tbm e muito legal, e um momento so seu!

    Gostei do trecho do livro, Parabesn a Marcia. :)

    Bjksss

    ResponderExcluir
  2. Nina, começou tarde mas começou bem! Ah, eu amo este livro, me lembra a minha infãncia, li umas 3 vezes. :-) Muito obrigada por compartilhar sua estante conosco.

    beijos e boa semana.

    ResponderExcluir
  3. Ah Nina, que notícia maravilhosa!!! Muitíssimo obrigada a você pelo sorteio do livro e ao Pedrinho por ter me escolhido! Fiquei muito feliz!
    Pode ter certeza de que vou repassar o livro da mesma forma que fizestes comigo. Nunca fiz sorteio no blog, e este livro será um ótimo motivo!
    Vou te passar o endereço por e-mail, muito obrigada de coração Nina!!! Um beijo no Pedrinho, bitte! E um bjão pra ti linda!
    Márcia

    ResponderExcluir
  4. Olá querida Nina,

    Sem dúvidas o livro O meu pé de laranja lima é lindo! também é o meu favorito, li duas vezes.

    Atualmente estou lendo Peregrinos, de Elizabeth Gilbert.

    Amiga, este livro que você está lendo não foi um dos que vimos naquela livraria em Salvador?

    Um grande beijo, fiquem com Deus!

    ResponderExcluir
  5. Foi esse mesmo Ju, acabei vendo depois que ele estava na lista (lembra dela??? eu procurando doidinha :-) ahahaha

    Ma, que bom que gostou, to enviando amanha mesmo, mas avisa o Michi

    Chris,é mesmo mt boooooooommmmm curtir um bom livro num aconchego dum leite morninho :-) oohhh

    Van, eu que agradeco a chance de lembrar dessas coisas boas.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Eu adoro ler, sempre que possível compro um livro bjs.
    http://ebenezervariedades.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Nina, que saudade querida! Ando tão com a cabeça nas nuvens que não tenho escrito nem no meu blog. Enfim, sobre a paixão por livros entendo perfeitamente. Não há mais nada que faça a gente viajar tanto e por tantos lugares e sensações. Ha pouco tempo li "Romeu e Julieta". Todos sabem de cór e saltiado a história, mas Shakespeare tinha o dom. Ele é magnífico. Li toda a história como se nunca tivesse nem ouvido falar e fui transportada a outro mundo. Muito bom mesmo. Recomento.

    Tudo bem por aí, Menininha? Filhos? Marido? Você?
    Espero que sim.
    Vou tentar participar do seu canto mais vezes, mas se eu sumir me perdoe, logo que puder volto.

    Beijos, beijos!

    ResponderExcluir
  8. Nina
    Nós lá de casa tinhamos uma biblioteca enorme!
    Sempre liamos muito, nós seis, por causa da mamae que era professora e de papai que também lia .
    Depois que mudamos para esta casa que é imensa colocamos os nossos livros infantis e juvenis nos grandes armarios e com o tempo eles deram carunchos.
    Então dos que sobraram resolvemos doar. Doamos todos , mas antes eu reli alguns novamente.
    E agora eu continuo lendo pois tenho tempo, antes só lia livros sobre educação, agora leio para divertir e passo pra frente de imediato.
    Mas quero reler Dom Casmurro. Fui eu que dei pra biblioteca, mas não o encontrei lá. E agora quero rele-lo . Meu sobrinho vai me emprestar.
    Com carinho Monica

    ResponderExcluir
  9. Seu post me deu vontade de um bom livro, mãe, leite morno e biscoitos.
    beiio é sempre bom ler vc.

    ResponderExcluir
  10. Oi NIna!
    Adorei o texto! Tu sabes né que tenho uma queda enorrrme pel'O Meu pé de laranja Lima! Nossa como choro cada vez que releio o livro! Mas amo de paixão!
    Um amigo meu já havia me indicado A sombra e o vento e falado super bem. Com esta tua recomendação, agora ou colocar na listinha. haha
    Tem um site de leitores, chamado skoob, tu deves conhecer, que é bem legal, dá pra trocar livros, montar uma estante com os livros lidos e metas com os livros que queremos ler. Muito legal.
    Adoro ler-te! Grande beijo

    ResponderExcluir
  11. Oh Nina, que cantinho tão especial. E sua forma de contar sua historia, então, de emocionar.Apaixonei. Abraços

    ResponderExcluir