06/04/2011

Carta a um antigo e malvado amor

Hoje estava lembrando de você. Nao sei o que me fez pensar de novo. Acho que foi a vida que levo hoje, tao distante da vida que você poderia ter me dado. Que bom, que bom, que bom que disse nao quando você me pediu em casamento. Lembra disso?? Será se você ainda lembra de mim? Parece ter esquecido quem eu era logo depois do pedido de casamento, nao é?
Porque você sumiu no outro dia?
Sempre te vi como um covarde, e aquele dia você mostrou que eu tinha razao.
Como assim? O que significou aquilo?
Primeiro você me sacaneia durante dois anos, me fazendo de tapete, indo e voltando. Depois,  some por longos meses e quando eu já estava acostumada a sua ausência, me recuperando muito bem da falta, você reaparece. Com aquele sorriso encantador... eu já estava tao bem! Você tinha que surgir pra tentar me deixar confusa, nao é?? Você tinha que fazer isso, era a sua funcao na vida... mexer com as pessoas quando elas já estavam ficando livres do inferno que você fazia com elas.
Entao, era você de novo, batendo à minha porta. Me encontrou muito bem, nao foi? Renovada. E até eu acreditei na minha boa imagem. Foi ali que vi que você já nao era importante pra mim. Ali, em frente a você, eu sabia. Você era passado!
Eu estava com alguém mais interessante. Estava estudando. Estava feliz. Passava fome, é verdade, nos domingos, quando o prédio que morava ficava com a cozinha fechada e nao havia dinheiro pra restaurantes, mas tava feliz pela autonomia que havia conquistado. Eu era eu de novo, e nao uma cópia de mulherzinha fútil e deslumbrada que você queria eu me transformasse. Eu sabia que você já nao era nada pra mim. 
Te ver ali, de novo, na porta de casa, me fez pensar em como você era um cara burro, despreparado. Você me parecia uma pessoa que só via poder no dinheiro que tinha e no seu jeito de conquistador barato. Era tudo muito fácil pra você, nao era?? Bastava um sorriso seu, um olhar, uma piada, um passeio de carro ou moto, que as mulheres se jogavam, você nao tinha que fazer mais nada... e lá ia você, me colocar no fim da fila de novo, eu que tivesse paciência pra esperar a sua volta,  até que uma a uma,  aquela mulherada fosse saindo e você voltava, sempre voltava!! E eu sempre te aceitava... que constrangedor era aquilo. Todo mundo sabia e me via como uma coitada, carente e apaixonada, que se sujeitava a tudo. Mas eu te amava e nao via mal nisso. E você sabia disso, por isso ia  à vontade porque sabia que eu sempre estaria ali, esperando e aceitando o teu retorno, recebendo tao feliz as tuas migalhas de amor (??).
Mas naquele dia, você na minha porta, tudo ficou muito claro. Eu sabia que era a última vez que eu teria você de volta. O legal foi ter visto que nao houve sofrimento. A dor já nao existia. E a gente saiu, né?? Saimos, lembra? Você queria que eu fosse conhecer seus novos amigos "intelectuais". Um povinho que nao tinha nada a ver com você, que só porque tinham lido Cem Anos de Solidao ou visto um filme do Almodovar se achavam gente com capacidade intelectual acima dos outros... e você ali, se exibindo, tentando me reconquistar... já nao havia mais jeito e até você já sabia disso.  E definitivamente, nao seria com seu novo jeito mentiroso de ser que iria me ter de volta. Aquele ali na minha frente nao era você, ou seria eu que já era eu mesma? Estava de volta a mim mesma, finalmente?
E foi assim, que no medo de perder o conforto e  a certeza de ter sempre alguém com amor a sua espera  que  você apelou pro pedido de casamento, e eu, pensando na vida que  teria com você, num sobe e desce desgracado, numa roda vida, num tiro no escuro, disse nao acertadamente! E você se assustou, nao foi??? Eu te assustei com minha coragem e ousadia de dizer nao ao homem mais cobicado da regiao.

Senti pena de você. Na verdade, eu senti muita pena mesmo.
Nao tenho nocao de como você esteja hoje. Nao sei como você vive. Nao sei com quantas mulheres você já dividiu salas de aborto. Só sei que eu dou gracas a Deus pela lucidez que tive naquele dia. Dou gracas a Deus ter dito nao a você. Dou gracas a Deus por minha vida ter tomado outro rumo. Dou até gracas a Deus a todas as humilhacoes que passei por sua causa,  se nao fossem elas, eu teria dito sim, e hoje, seria mais uma infeliz nesse mundo... 

Lembrei de você hoje mas queria  te esquecer pra sempre. Porque ainda guardo raiva pelo que você fez das minhas lembrancas e sei que o dia em que a gente  se encontrar vai chegar e aí você vai ter que me pedir desculpas. Porque ainda existem coisas pra  acertar. E mesmo que você nao saiba nem da metade do que  aconteceu depois daquele "nao" ao seu pedido de casamento, você vai ver no meu olho a tristeza que você me causou um dia. Você vai saber...
E aí vai ser a sua vez de chorar, mas até isso eu acho que vou te poupar, sabe?! Porque eu nao quero fazer mal a você, nao quero atrapalhar as suas lembrancas, nao quero te fazer sentir mais uma culpa.


Xiii, será que to na fossa???
....

Esse post me fez pensar também no ótimo post que li  na Dama. 
* * *

Já colocou seu nome pra concorrer ao brinde surpresa de aniversário do blog? Clique aqui e participe!

10 comentários:

  1. Que liindo... é muuuito profundoO...
    bjo

    ResponderExcluir
  2. Seu relato parece verdadeiro, não sei se é um conto, mas enfim, observa-se sentimentos que ainda a conectam a esta pessoa, que em seu coração ainda não partiu, pois vc mantém a nota promissória em suas mãos, de uma dívida que ficou...
    Obs Hoje há o relato da Chica sobre as perdfas.imnaigurando a Série.
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Nina, parabéns pelo belo texto, profundo, forte, sensível, cheio de emoção e dor. Algumas pessoas passam pela nossa vida, e, embora tenhamos conseguido nos livrar delas, seus fantasmas ainda nos assombram. É inevitável, ainda mais que não somos um poço de gelo, né?

    Beijos,

    Carla

    ResponderExcluir
  4. E um texto com dor e sentimentos, acho que mesmo que voce o perdoe por completo ainda assim as memorias tristes nao desaparecerao, elas atormentam.
    Eu tenho que dizer que no ano que cheguei aqui na Europa eu so sonhava com coisas do Brasil, depois acho que as coisas por aqui comecaram a ficar mais organicas e passei a sonhar com coisas daqui tbm. Mas tenho que confessar que vez ou outra sonho com meu ex-namorado. Como pode isso? Dai isso faz meu dia ser um pouco estranho, passo a lembrar do que fiz, do que ele fez. Nao e bom, nao gosto, nao peco para lembrar, mas os pensamentos apenas vem como uma mare.
    Entao nao adianta, tudo que a gente vive esta entrenhado, os sentimentos, os momentos, estao nas nossas celulas, celulas que tem memoria... e tao complexo... isso faz parte de voce. Mas fico feliz por voce saber conviver. Esse e o unico caminho. A gente tendo bons momentos com o nosso presente faz as coisas se equilibrarem...entao desejo a voce maninha querida, um dia de muita luz, amor e sorrisos!

    Bjo com carinho

    ResponderExcluir
  5. Nina,
    Lindo demais seu texto, de uma sinceridade brilhante!
    Eita não que abriu portas e possibilidades pra ti... Deve ter sido muito libertador Nina.
    E deve ter demandado muita coragem!
    Um beijo querida!
    Márcia

    ResponderExcluir
  6. Oi Nina,boa tarde !!!
    Lendo esta história,me veio a cabeça o tal do amor q existiu entre duas pessoas e por falta de maturidade,o relacionamento nem chegou a existir...dois dias somente...e trinta e oito anos com cicatrizes profundas...ah...tbm eram dois adolescentes q não tinham vivido nada neste sentido !!
    Qdo um passa pelo outro na rua...nossa...vontade de bater,gritar e espernear...e olhndo para frente,deslumbrando a triste realidade do tal do amor mal resolvido,porém nunca mal amada no presente...pq a vida tem destas coisas mesmo...armadilhadas do destino...
    Chega...tbm fiquei na fossa agora !!
    Talvez iria ficar no rol das mulheres mal amadas,mal resolvidas e até mal....alguma coisa nesse sentido mesmo q vc pensou e pior de todos os males...mal tratadas no físico...vá saber neh mesmo !!!
    Gostei do texto,como sempre me fazendo pensar...saindo fumacinha da minha cabeça...rs.
    beijo.
    De qualquer forma não deixou de ser um amor malvado...

    ResponderExcluir
  7. Nina
    Uma bela descrição . E mais interessante ainda foi que mesmo jovem voce era amdurcida e sabia o que queria memso sofrendo.
    Gostei muito de seu poder de convicção.
    Por isso se deu na vida.
    com carinho MOnica

    ResponderExcluir
  8. Engraçado como nos mulheres somos tolas.
    Eu tbm tive uma historia parecida,mas graças a Deus a lucidez.
    Que ainda nos resta esse bom senso,o nosso sexto sentido de uma hra ouvi-lo e enfim dizer não !

    ResponderExcluir
  9. Ai, NIna! Quando você escreve sobre essas coisas eu leio mil vezes o post. Leio um pouco e paro. Sempre acho que não vou conseguir terminar. Volto. Leio mais um pedacinho. Quero entrar nesse passado e te pegar de lá. Paro de novo. Volto mais uma vez. Tenho vontade de gritar o seu nome e dizer: Não, Nina! Aï, não! Igualzinho a minha avó fala para as atrizes de novela, mesmo sabendo que o que vai acontecer já está escrito...

    Mas que bom que você consegue aprender e ensinar com isso tudo.

    Um beijo grande,

    Rê.

    ResponderExcluir
  10. Nina querida fiquei bastante tocada com este post, hoje no trabalho vi muito rápido o blog, mas o assunto ficou o dia todo na minha cabeça, e somete agora tive tempo para ler melhor. Tu melhor do que ninguem sabe que eu tive um amor malvado (e bem malvado), e que não foi fácil me levantar, mais eu consegui, e quando eu estava muito bem obrigada, ele resolveu descobrir que me "amava", e me pediu em casamento, me promenteu maravilhas e enquanto ele falava eu lembrava de tudo que ele me fez e me lembrava de vc, da Josy e também da Meire, da faculdade. Eu pedi um tempo pra pensar, afinal de contas os filhotes estavam fazendo festa com o pedido. Naquela noite eu saí com umas colegas, dancei horrores, amanheci vendo o rio Amazonas, e na hora do almoço o dito apareceu la em casa e eu disse um NÃO enorme e me senti livre como nunca, foi como se um grande peso tivesse saído das minhas costas, e entre as melhores coisas que eu ja fiz nessa minha vidinha esse não esta incluido. Dias depois fiquei sabendo que ele estava vivendo com outra e eu continuei na minha casinha,com meus filhotes, bem mais feliz do que antes, meses depois dava uma chance há um estudante universitário, morador de republica, na época "sem eira e nem beira", mas que me mostrou uma outra vida e me faz muito feliz.

    Bjus querida

    ResponderExcluir