28/03/2011

Irmandade, um texto da minha filha sobre seus irmaos...

Pedi pra filhota escrever...
* * *

No momento, estou deitada na cama rabiscando estrelinhas no meu caderno de História. Do aparelho de som entoa a voz melodiosa da - que surpresa! - Melody Gardot. Me pergunto se esse é o seu verdadeiro nome. Há um cheiro de cebola e carne no ar, o que chega até a ser agradável embora eu normalmente ache cheiro de comida depois do jantar levemente enjoativo. 
Quando nao se sabe o que escrever, a melhor dica é comecar. Escreva a primeira coisa que passar pela cabeca, descreva o que sente, o que vê, o que acontece. Uma folha cheia de palavras aparentemente inúteis é menos assustadora do que uma folha completamente branca. Depois você pode apagar o que achar desnecessário. Ou nao. Numa viagem, eu considero o caminho tao importante quanto o destino.
Mas deixando os rodeios de lado, o motivo de ter comecado a escrever é o seguinte: minha mae, a dona do blog, me pediu há semanas pra escrever um textinho simples e doce sobre meus dois irmaos mais novos. Eu venho empurrando esse trabalho incômodo com a barriga há tempos porque, primeiro, nao se pode forcar a critividade, segundo nao sei mais do que pudesse lhes falar além de reclamacoes, e delas o mundo já está cheio.
Mas vamos lá, talvez uma apresentacao ajude a quebrar o gelo.  Caso alguém ainda nao tenha percebido, ou talvez nem se lembre, sou eu, a filha da dona do blog que vos fala. Até algum tempo atrás eu participava do blog Entre Mae e Filha com a minha mae, o que deixa bem claro qual era minha posicao no título. Depois eu, digamos, tive minha fase de emancipacao e criei meu próprio blog,  o Conjunto Desordenado de Palavras, onde eu também nao escrevo mais nada nos últimos... seis meses, acho. Na verdade, eu poderia ficar o tempo todo falando sobre mim, parece que o tema escorrega das minhas maos facilmente. Mas eu nao quero passar uma imagem narcisista para as possíveis leitoras deste post, embora eu ache que no mundo, todos concordariam comigo quando eu digo que o tema preferido de muita gente é  falar sobre si mesmo. Enfim, vamos aos irmaos.
Oh Houston, Houston, temos um problema. Será que devo revelar seus verdadeiros nomes? Na internet? Ou vocês, seguidores fiéis já sabem seus nomes?
Entao pra simplificar, criemos nicknames para as figuras. 

Vejamos, irmao mais novo n° 1 fica sendo, Batata. Irmao mais novo n° 2, Almôndega. Nota-se que o aroma delicado de cebola frita na manteiga ainda faz efeito na escrita.

Batata tem 14 anos agora. Existem 2 anos e meio entre nós. Quando éramos menores, passávamos boa parte do tempo juntos. Ele me seguia, como é  de se esperar de irmaos menores. Nós assistíamos TV juntos, lutávamos pseudokaratê/judô na cama de casal dos nossos pais, pegávamos biscoitos escondidos, jogávamos bolas de lama um no outro, tomávamos banho no rio, catávamos conchinhas na praia e brigávamos por qualquer coisa. Acho que traumatizei o Batata de alguma forma, já que resolvia as discussoes sempre na porrada, nessa época, minha personagem preferida era  Mônica, da turma... Meu pai sempre dizia: - parem com isso porque um vai sair chorando - Era sempre o Batata quem chorava.
Curto e grosso, eu achava meu irmao quase sempre um saco: fraco, medroso, irritante, dedo-duro. Mas me recuso a aceitar repreensoes, ok? Geralmente é isso o que os irmaos mais velhos pensam dos mais novos, senao pior.
Agora o Batata cresceu um pouco, está do meu tamanho, um centímetro menor, eu acredito. Tem músculos nas pernas, bracos e barriga e adora mostrar em qualquer ocasiao. Passou pela fase mais difícil e longa da puberdade (minha mae que o diga!) mas ainda nao está completamente curado. Usa óculos de aros grandes. E calcas apertadas. Tem dúzias de amigos com suas piadinhas bestas e namoradinhas com suas risadinhas mais bestas ainda. Tem um celular "touch" enquanto eu ainda tenho meu bom e velho tijolo. Teve seu primeiro beijo antes de mim, o que estranhamente, nao me incomoda tanto. De certa forma, sinto uma mistura de nojo e compaixao dessa geracao apenas dois anos mais nova... Batata se tornou, olhando indiretamente, um monstro superficial. Passa três vezes  mais tempo do que eu em frente ao espelho, nao sai de casa sem seus sapatos modernos e assiste reallity shows ou algo do gênero e clips musicais de hiphop sempre que está em posse do controle remoto. Por mais apocalíptico que ele tenha sido pra mim quando pequeno, uma coisa é certa: ele sempre ouvia e dava importância ao que eu falava -  ele também era obediente, de certa forma, fofinho! Agora me encontro falando com as paredes. Há tempos nao ocorre nenhuma conversa entre nós. Talvez ele simplesmente tenha enjoado da minha voz, nao sei. Fato é que eu nao posso mais tentar exlicar nada, ele sempre me corta e diz: você acha que eu nao sei disso? Pensa que eu sou uma criancinha? Para de bancar a mamae, eu já tenho uma, e isso é mais do que suficiente! Eu nao sou burro, tá? E quem te perguntou, aliás?"

Ok, que seja! Nao me deixo mais provocar. Se ele nao quer ouvir mais meus sábios conselhos e informacoes vitais, azar o dele. Na verdade, o Batata anda tao insuportável que eu até evito puxar papo com ele. Um dia  essa fase passa e ele evolui para um homem maduro e responsável. Espero.
Mas uma coisa nunca mudou: toda noite, antes dele ir dormir, ele bate na porta do meu quarto e me deseja uma boa noite e sempre dá um beijo na mamae e no nosso padastro nessa hora.
...
Espero que as senhoras já tenham passado pela pausa com seus oohhhh depois da frase incrivelmente fofa que amolece coracoes acima, porque a nossa viagem continua, desta vez com o Almôndega. Ao contrário do Batata, que ganhou seu apelido sem motivo aparente, Almôndega faz todo o sentido, caros leitores da minha mae, é que ele é uma bolinha macia de carne que só de olhar já dá vontade de morder. Exatamente: estou falando do meu irmao-bebê de quase 9 meses. Esse pequeno ser com a voz supersônica nasceu exatamente um dia antes do meu aniversário, com apenas 16 anos de diferenca.
Podem imaginar como foi cantar parabéns e soprar velhinhas numa maternidade com a mae toda quebrada e o resto da família logo nos meu sweet sixteens?

Almôndega é, como dito, uma fofura. Tem olhinhos grandes mas levemente puxados, parecidos com os meus (ou seja, LINDOS)  cabelos louros que logo logo vao se transformar em cachos e um sorriso de passarinho que conquista todo mundo (e acho que ele sabe muito bem disso). Enfim, o Almôndega é a coisa mais doce desse mundo, se nao fosse um pequeno problema:  quando ele chora, ainda mais quando ele chora sem motivo e sem parar, sou  possuída por uma imensa vontade de jogá-lo contra a parede para que a criturinha finalmente fique quieta (nossa, eu posso ouvir as indignacoes de vocês e mais uma vez eu apelo para a humildade e bondade  humana pra confessar: quem nunca passou por isso antes???)
É como um ima, Almôndega chora - meu carinho é afastado pra longe, Almôndega ri - nao consigo parar de olhar pra ele um segundo sequer.
Ser mae é algo perigoso, você é a eterna escrava das vontades e necessidades do seu filho. E mesmo assim existe esse tempero maternal no coracao de todas as mulheres. Eu mesma nao sou excecao à regra. Entre meus amigos eu sou aquela que toma conta de todos, sempre com um ouvido aberto e um conselho pra aqueles que tem um problema. Certo, por outro lado eu sou a bruxa sarcástica que pega e puxa pé de todo mundo sempre que tem uma chance, mas isso é outra história...

Seja como for, ainda nao há muito o que falar do Almôndega, afinal ele ainda nem sabe o que eu sou pra ele, dirá entao como nos entendemos ou como ele será no futuro, uma coisa pra mim é certa, dessa vez eu vou prestar atencao pra que ele continue fofinho mesmo depois da puberdade. Agora COMO eu vou me virar é que é o problema.

Agora acabou. 
Nao há mais irmaos pra apresentar. Mesmo assim, nada mal pra quem comecou falando sobre estrelinhas e carne frita, nao é?
Como Grand Final, eu poderia dizer que acho bom ter irmaos, sem eles minha infância e adolescência seriam meio sem graca. Claro que nem sempre é fácil ser a mais velha, ou seja, a sábia chefe! Mas acho que o papel de professora me cai como uma luva.
Existem momentos em que eu imagino como seria ser filha única... ou ter um irmao ou irma mais velho (a). Francamente, ser filha única deve ser ainda mais complicado, eu teria muito mais trabalho e é impossível lutar judô sozinha. Além do mais eu já tenho problemas suficientes em admitir que os meus pais estao num nível de respeito e autoridade acima do meu. Mais um irmao mais velho pra mandar em mim, bah!!
Bem , c´est fini. Acho que nao era bem  esse texto emocionante que minha mae esperava, mas espero tê-la satisfeito e a vocês também.
Jabuticaba agradece a atencao dispensada. Banzai!

14 comentários:

  1. Olá Laurinha! quanto tempo, hein?!? lendo o seu texto eu nem reconheci o "Batata", quer dizer então que ele não é mais aquele menino doce e adorável??? Adorei a forma bem humorada como vc descreveu seus irmãos... bem engraçado, quase dei risadas na frente do computador...
    Um bjo querida, bjs!
    Nina, pra vc tmb, bjos!
    Fiquem com Deus!!!
    Juli

    ResponderExcluir
  2. Olá Nina e Laurinha!!!
    Ah!!! parece mesmo que as famílias e irmãos são os mesmos não importa o país, cultura, educação e etc... mas acho que muitas pessoas vão se identificar, porque irmãos a gente ama e em alguns momentos quer distância, principalmente na adoslecência... kkkkk... por essas e outras que a vida é bela!!! Muito legal o texto, quem sabe está aí uma futura escritora que terá muito o que contar né?
    Ótima semana !!!
    Beijos
    Bia

    ResponderExcluir
  3. Jabuticaba voce e uma comedia mesmo!! hahah Voce tem razao em muitas coisas... irmaos sao assim mesmo, e uma relacao de tapas e beijos que faz nossa vida ser muito mais emocionante! haha
    Ja a parte de atacar o pequeno almondega na parede, tadinho, nao da, sei que um choro de bebe pode ser ensurdecedor, mas coloque uns fones de ouvido e va faze-lo rir! Eu sei, eu sei, e muito amor, amor fraterno, e tao quanto, um amor explosivo!

    bjus bjus

    ResponderExcluir
  4. Oi Jabuticaba,bom dia !!!
    Texto excelente,parabéns !!
    Agora vem cá...já imaginou o que se passa na cabeça do Batata em relação a vc,irmã mais velha? kakaka.Vc poderá se surpreender,caso ele resolva relatar tbm...
    A Nina plantou direitinho a sementinha da "escrita" em vc,volte logo...será um prazer ler teus posts tbm !!!
    Linda terça-feira para todos aí !!
    beijo.

    ResponderExcluir
  5. Apesar do blog ser Entre mae e filha, acho que o batata merece mostrar sua visao de ser irmao mais novo, ou melhor do meio agora ne? Entao porque nao um texto resposta do Batata? Seria muito legal ler um texto dele sobre os irmaos.
    Nao leve a mal hein, Laura 0=)

    ResponderExcluir
  6. Uau, texto maravilhoso! Laura, voce escreve muito bem e descreveu maravilhosamente a relacao entre irmaos, que cá entre nós, é a mesma em todas as familias. rs
    Um grande beijo
    Liza

    ResponderExcluir
  7. Laurinha
    Eu adorei o que escreveu sobre seus irmãos. Dei bastante risada.
    Se eu fosse escrever sobre os meus seis irmãos acho que daria tres folhas de caderno de ambos os lados. sabe uma hora destas vou escrever.
    E eu sempre quiz ser filha unica apesar de adorar meus irmãso.
    mas eu queria ser a unica na vida de meus pais. Puro egoismo..
    com carinho Monica
    Prazer te conhecer, viu mocinha!
    Há aqui em casa tem tres rapazes. Se um dia quiser conhecer. Ninguem tem olhos claros mas são lindos! um faz engenharia outro odontologia e outro já e formado e as idades são 23 anos, 21 anos, 18 anos.
    Eu ficaria muito feliz de te-la por sobrinha.

    com carinho Monica

    ResponderExcluir
  8. "Mandou bem, Laura"! Você explicou direitinho como é esse inferno que é ter um irmão de quatorze anos, que não ouve o que você fala, que ocupa o espelho e o banheiro na hora que você quer usar, que é espaçoso nas suas preferências musicais. É um horror. Agora, vai alguém se meter com ele e lhe dar umas porradas na escola, que eu quero ver se você não avança em cima pra defender o irmão, né não?? Vai sair até golpe de karate genuíno. hehehehehehehe

    Isso de querer jogar o Almôndega na parede, traumatiza não. Aqui em casa o mais velho queria enfiar duas chupetas na boca do mais novo pra ver se ele se calava. hehehe

    Olha aqui Laura, essa de desenhar estrelinhas no caderno, aí você se entregou, minha linda!

    ResponderExcluir
  9. Ameeeeei o post, super legal!
    beijos
    historias-amigassempre.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Noooossa Nina....fiquei impressionada com a facilidade que a sua jaboticaba tem pra se expressar...woow....PARABEEEENS,e morri de inveja..rs!!Uma por nao ter uma jaboticaba como essa, so tenho jaboticabO..rs..e outra pelo texto inteligente e hilario!!!
    Como me identifiquei quando o batata foi descrito, o meu filho de 13 esta igualzinho...hahahah...sabe tuuudo, insuportável!!!
    Adoreeeeei o texto,normalmente morro de preguiça de ler um textao, mas esse aqui nao teve como parar!!!
    Ahhh...Nina, super obrigada pelo seu comentario la no blog da Debora(Amar ser Mae), voce que é uma fooooofa!!!
    Beijocas pra jaboticabona e jaboticabinha!!!!

    ResponderExcluir
  11. Jaboticaba que saudade de vc menina, amei o post sobre seus irmãos, ri muito enquanto lia. Não consigo imaginar o Batata adolescente, na minha cabecinha ele ainda é o menino mais fofo e carinhoso que eu conheci.

    Bjinhus minha linda.

    Keury

    Ps.: Amiga Nina a Laurinha é o maximo, e como escreve bem essa menina, tu tens uma grande benção em casa. Bjus

    ResponderExcluir
  12. Ninaaaaa!
    Eu quero essa Jaboticaba como nora!!!
    Que graça de menina!
    Adorei sua inteligência para se expressar e li o texto de uma só vez de tão bom que estava.
    Neste pequeno trecho "Numa viagem, eu considero o caminho tao importante quanto o destino." ficou demonstrado o quanto sua filha Jaboticaba presta atenção à vida, tudo para ela é importante.
    Adorei!
    bjs cariocas

    ResponderExcluir
  13. Olá
    passei rapidinho para lhe dizer que há um covite no meu espaço. Confira e se agradar para mim será uma satisfação.

    ResponderExcluir
  14. Hey meninas, vocês viram minha princesa como é maravilhosa?! Eu sou corujona mesmo :-)

    Ahh o Batata teve uma fase bem complicada mesmo, mas tem gracas a Deus melhorado bastante, eu já nao tava aguentando. E a Jabu(o?)ticaba exagera um pouco, viu? eles conversam sim, às vezes tao longamente que eu tenho que ir acabar com o papo e expulsar os dois pros seus respectivos quartos... mas de fato, os dois andam se estranhando mais ultimamente, mas é da idade, né? E tem também o fato de o irmao estar crescendo e precisando mostrar sua independência em relacao a mana mais velha.

    Qt ao Almôndega, aahh se essa Jabuticabinha levada da breca fizesse o que ela diz, seria mais uma frutinha esmagada na parede de casa :-)

    Um bj e obrigada pelos lindos comentários. O Batata ainda está pensando se revida a sister dele...

    ResponderExcluir