27/01/2011

Sobre minha burrice...

Eu tenho uma filha muito inteligente, sabe? Fico olhando pra ela e tentando encontrar de quem ela tem essa inteligência toda. Fico olhando pra ela enquanto ela se faz tantos questionamentos. Ela parece tao confusa e ao mesmo tempo, tao eufórica, com todas as suas descobertas aos 16 anos! 
Ela tem tantas dúvidas e nos rodeia com tantas perguntas e faz observacoes tao interessantes que às vezes eu me pego mais enrolada ao responder hoje do que quando ela era pequenininha e me fazia perguntas um tanto escabrosas, como por ex.: mae, o que é porra??

Hoje ela me questiona sobre a existência de Deus, sobre teorias disso ou daquilo, ela sempre tem uma palavra na boca, uma resposta, uma pergunta, uma observacao... nao tem quem fique entediado com Laura por perto, porque ela sempre tem o que falar. Fala pelos cotovelos e mais rápido do que a mae, diz que sua linguagem precisa ser rápida porque só assim pra acompanhar seu raciocínio... E nao pense que você terá com ela um papo furrequinha, a menina só pensa e fala coisas interessantes... eu fico até boba olhando pra ela. Gente, essa menina é minha filha mesmo? Ela escreve seus pensamentos em diários,  que mantém desde os 7 anos de idade, agora só com apontamentos importantes,  nunca querido diário, hoje eu fiz isso ou aquilo... Ela conversa com professores, com amigos (outro dia uma colega de classe descobriu que a menina comportada  que Laura é durante a aula pode ter ideias excepcionais e papos ultra inteligentes: 
- "Laura, caramba, nunca pensei que você tivesse tanta coisa na cabeca, vamos lá, comeca outro assunto pra me fazer pensar"...  e lá vem a Laura, como um trator.

Ela lê mais livros do que pisca os olhos... por toda a casa, tem livros, com páginas marcadas,  simbolizando que ela esteve ali, como se fosse uma trilha de Joao e Maria, ela vai deixando os livros pela casa: Laura, guarda esse livro! Mas eu ainda to lendo mae... é que ela comeca a ler uns três livros por dia, e só termina em outro dia porque tem mais uns três pra terminar. E ainda lê uns 5 mangás por dia, sua grande paixao. Vive na biblioteca municipal, empresta livros, cds, dvds, uns que eu nem sabia que existia... tem dia que ela comeca um livro de 400 páginas e termina em poucas horas. Eu acho incrível! Lê português, alemao, inglês e já comeca a ler em francês e até japonês a menina já pode entender.. cruz credo!
Em algumas aulas de estudos sociais ou política, é ela quem defende alguns temas e faz com que outros mudem de ideia. A professora elogia. Agora ela está em dúvida com relacao a que profissao seguir... tá numa confusao cruel sobre a faculdade. Diz que quer antes de tomar uma decisao tao importante, trabalhar como Au Pair pelo mundo, por onde der, pra aprender mais sobre  a vida e outros idiomas  que ela se aprofunda agora na escola. Quer morar sozinha ou com amigas, em breve, pra ser independente, e saber se pode mesmo se virar sozinha... quer deixar de ser controlada pela mamaezinha-faz-tudo.

Isso tudo me faz pensar o quanto pode ser estressante ser jovem e ser constantemente, tao cobrado.
Sabe o que eu sinto?? Que eu to feliz nessa minha fase burra da minha vida. Nao, nao ria, é sério, eu estou me sentindo tao burra ultimamente... e tao feliz! Tao livre... sem pressao, sem cobrancas. Que loucura pensar nisso. É assim. Eu já fui como a Laura, nao tao inteligente nem tao questionadora, mas já tive minhas terríveis fases de ser metida a intelectual. Vivia com livros difíceis debaixo do braco, era partidária do PCdoB e nao ligava pra nada além do meu próprio umbigo. Escolhi uma faculdade porque nao tava com saco de ficar procurando seguir minha verdadeira vocacao e me dei mal, porque me formei sem ter o coracao feliz. E hoje, alguns anos depois de formada, nao quero mais trabalhar na minha área, nao quero na verdade, trabalhar com mais nada. Posso mesmo estar me sentindo burra mas isso, nao me faz mal, nem dói, nem vou ligar se alguém rir de mim... alguns diriam: nem parece a mesma jovem que aos 18 anos lia Freud ou queria fazer uma revolucao armada no país...

Pura verdade, sou outra hoje e dou gracas a Deus por isso... sabe o que é? Eu cansei! To igual a Rê que cansou legal de um  bocado de coisa chata mesmo e escreveu lindamente aqui...

Eu to num país onde nao consigo me expressar como realmente gostaria. Entao, quando falo, tenho a impressao de ser meio burra, é como aquela pessoa que nao consegue se expressar corretamente num determinado ambiente  porque nao estudou o suficiente, por exemplo. As pessoas dizem que isso nao é verdade, que eu falo e me expresso bem, mas é assim que eu sinto. E o mais surpreendente, isso nao me irrita. É, algumas vezes, frustrante, mas nao me irrita, eu me viro pra explicar as coisas que parecem nao terem sido ditas corretamente, e consigo, e até bem, e o interlocutor entendeu  e acabou! 

Eu já nao me estresso muito numa conversa, nao quero matar ou morrer pra explicar e convencer alguém do meu ponto de vista. "Olha, meu, é assim que eu penso e é assim que você pensa, e tá legal, e pronto, nao tem mais problema, entende?"

Isso tem a ver certamente com o passar dos anos na nossa vida, você passa a ficar tao  light consigo mesma, que dá até gosto de se ver. Laura diz que eu já alcancei o nirvana, ela pensa nisso especialmente quando eu digo que nada mais me envergonha ou assusta, ou quando ela fica horas escolhendo uma foto onde ela parece menos horripilante pra imprimir e colocar num quadro e eu digo que as minhas, ela pode mandar ampliar qualquer uma, todas estao ok.


Obs.: Continuo amando ler, adoro livros, a diferenca é que agora, leio só o que realmente me interessa, nao só pra mostrar a capa e me exibir intelectualmente.

Se a minha burrice é ou nao real eu nao sei, a única coisa certa na minha cabeca é: matemática sumiu da minha cabeca totalmente!! Tomou doril, de verdade, virou espuma de sabao, bruma  leve no vento, sumiu, escafedeu, nao sei se ainda sei fazer contas básicas...impressionante como com o passar do tempo, nossa mente fica seletiva, nao é??!

21 comentários:

  1. Oi Nina, não tenho comentado mas tenho lido você cada vez que tem um texto novo seu no google reader. Adorei esse post, tudo que você falou eu venho percebendo. Sou bem mais madura que você, já tenho 5.5 e estive uns dias com minha mãe que tem 8.5 e pude perceber um bocado de coisas nela nesta idade que tô até com vontade de falar sobre isso no blog, quem sabe eu reabro o danado.
    Linda filha você tem, parece com minha Marina que já bateu asas e me deixou um vazio que não tem nada que encha.
    beijo grande, minha linda.

    ResponderExcluir
  2. Oi, só pra dizer que o comentário do blog Muito Pouco eu Sei é meu, da Berê, "sua velha",viu?
    beijo

    ResponderExcluir
  3. berê, minha velha! O mais incrível Berê, é que eu pensei em ti hj o dia todo, é que costurei três almofadinhas de patchwork e só pensava em ti, minha velha, que nao é velha e nem é minha, ahahaha.

    Bjs na tua mae e na Marina... eu sei,quando a Laura mudar de casa, eu vou morrer de saudade, ela é meu guia, minha estrela-guia mesmo, sabe, minha orientacao no mundo, meu leme, minha bússola.. imagino a tua saudade com Marinha no Rio...

    ResponderExcluir
  4. Pois tái, a sua filhota linda e inteligente puxou mesmo é a você!
    Vai escrever bem assim lá na ponte ... kkkkk
    Eu li seu texto para meu marido que está aqui ao lado, convalescendo de um pós-cirúrgico e com o braço com gelo em cima. Ele adorou e ficou pensativo.
    É mesmo uma enorme satisfação ver filhos assim, tão bem intencionados na vida, com este gás para fazer tantas coisas que ainda têm pela frente.
    Quanto a você, cara amiga, está como eu, na sua fase 'emburrecida', mas feliz e é isso que interessa.
    Acho que já passamos daquele tempo de ter que afirmar nossa intelectualidade.
    adorei o post, você é demais!

    Ahhhh, meu post de hoje precisa muito da sua força, passe lá, ok.

    bjs cariocas

    ResponderExcluir
  5. ô coisa boa falar com você quase que on line. Manda pra mim fotos das suas almofadas, devem ter ficado lindas.
    Um beijo e um abraço bem apertado daqueles que só brasileiro sabe dar.

    ResponderExcluir
  6. Beth, quanta honra, maridao ouviu, e na tua bela voz??? uau!!!!!! vai ficar melhor o coroa.... eba :-) vou passar no teu blog sim, pó deixar. Ah e obrigada pelas palavras, lindas de sempre.

    Berê, vou te mostrar, ficaram muito bacaninhas e me inspirei naquelas que tu enviaste por email. Obrigada menina!

    ResponderExcluir
  7. Nina, achei um barato o que você escreveu. Acho que uma "burrice" como a sua será sempre bem vinda, quando acompanhada de alegria e paz.
    Eu diria que estou bem entre você e a Laura, saindo da fase da afirmação pra entrar na de negação... Acho que vou pedir algum exemplar do Freud emprestado a você.
    Um bjao,
    Márcia

    ResponderExcluir
  8. Nina,
    É tão gostoso ler o seu Blog...

    Acho que neste mundo o que a gente está mais precisando é de afeto e de paz, e isso você tem de sobra....

    Muitas vezes me sinto "burrinha" também, principalmente em relação ao meu marido, que tem o apelido de Sr. Discovery ( dá pra imaginar ?)

    O que eu estou procurando agora é aprender sobre as LEIS ESPIRITUAIS que regem a vida da gente....
    E ,estou me sentindo muito mais confiante em DEUS e em mim mesma...

    ResponderExcluir
  9. Oi NIna!
    Obrigada pelo comentário lá no Luna! Nossa, eu me identifiquei bastante com o teu texto, como sempre aliás. Mas sinto que estou, ainda na fase da Laura, só que me pertinho do teu nirvana! Não sei ao certo, mas penso, e sinto, que isto tenha muito a ver com uma coisa chamada Maternidade.
    TEr um filho, criá-lo e amá-lo incondicionalmente é o que faz com que as mães sejam tão tranquilas, realizadas, completas. Claro, algumas não tem a menor vocação ou talvez apenas não estivessem preparadas no momento em que se encontraram com a maternidade. Só que pela minha observação são casos raros.
    Vai ver é isto que tá me faltando! Mas tudo tem seu tempo!!
    Grande beijo pra ti e tuuudo de bom!

    ResponderExcluir
  10. Ahh eu sou doida para conhecer a Laura, ela escreve muito bem mesmo e super imagino como ela seja. E tao legal ela ja estar nessa fase de intelectualidade, enteder um pouco mais de coisas nao concretas, se fazer perguntas, porque nessa idade ate que eu me questionava sobre muitas coisas, mas nao nessa velocidade, eu fui comecar a querer devorar todas as coisas cult-intelectuais-liricas- articas, na epoca da faculdade...e comecou com uns 17/18 anos. Mas enfim, aiiiii Nina quando chegou na sua parte eu me vi hoje em dia, viu?! Em relacao a faculdade, da expressao... tantas mudancas aconteceram comigo internamente nesses anos que estou aqui. A vida aqui mexe e diferente. Antes eu era uma, hoje sou outra, tenho mais meus pes no chao, ja nao me acho tao inteligente como antes, minha coragem, bem essa por um ponto foi ate bom perder um pouco. Porque antes meu lema era "Nao tenho nada a perder" e hoje vejo que tenho sim muitas coisas a perder. E fase, e fase! Nada disso me faz triste nao. E so um periodo de me re-conhecer/descobrir... e lendo seu post vem muitos insights, assim como livros ou uma caminhada numa trilha. Pois e, gosto de vir aqui e me identificar com as coisas que vc escreve maninha.

    bjinhos

    ResponderExcluir
  11. Não é burrice não, Nina! É só uma escolha pra ver o que vale a pena ou não. Tem coisas que a gente olha pra trás e pensa: eu fiz isso? EU???
    Pois é! Agora a gente não faz mais ou, pelo menos, tenta só fazer o que realmente importa. Sem cobranças.

    Beijos, Nina. Aqui calor demais!!!!

    ResponderExcluir
  12. Nina que lindo post, fiquei um bom tempo lembrando da Laurinha, a linda Laurinha, com xuxinhas no cabelo, gibi na mao e dando bronca em Joao, Lulu e Johnathan. (Ahhh quanta saudades desse tempo, nossos bebês, tão fortes...afinal de contas era um época dificil, mas eles estavam ali conosco, sempre nos dando força, nos fazendo felizes)
    Laura é realmente muito especial e desde pequena sempre se mostrou tão independente, menina de opiniao forte. Tem a quem puxar essa menina. Saudades de vcs. Bjus

    PS.: Mas tinha que se desligar justamente de matemática, amiga os numeros construiram esse mundão, hehehe.

    ResponderExcluir
  13. Ameei o texto.

    historias-amigassempre.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Essa filha é uma benção! Que ela continue assim, lendo o mais que puder, e aplicando os seus conhecimentos para ajudar as pessoas. Seja qual profissão ela escolher, tenho certeza de que será brilhante!
    Beijocas às duas
    Adri

    ResponderExcluir
  15. Oi Nina!!!
    Infelizmente devido a falta de tempo não posso ler todos os textos e blogs como gostaria, na medida do possível vou lendo... mas pelo pouco que li sobre o que tu escreveu não me pareceu nada burra, muito pelo contrário, tem bastante conhecimento e compreensão coisa difícil para uma pessoa burra assimilar!!!
    Noosaaa!!! Que maravilhoso ter uma filha assim como a tua... nem todos os jovens gostam de ler... muitos são completamente alienados... apesar de serem muito espertos em tecnologia não se interessam por aperfeiçoar sua cultura assim com tua filha demonstra, eu gostaria de ter uma filha assim também. Ah!!! Eu amei saber que tu gosta de rotina... tu acredita que eu amo rotina, fico indignada qd algo sai errado e quebra minha rotina... sinal que algo não tá bom e eu não gosto disto, não gosto muito de imprevissibilidade a não ser que seja uma surpresa boa, mas normalmente qd ocorre um imprevisto (quebra a rotina) é sempre algo ruim... e eu nunca tinha visto alguém dizer que gosta de rotina... sempre escuto as pessoas falarem que odeiam rotina... adorei saber que encontrei uma pessoa que adora a rotina assim como eu.
    Tenha um ótimo fim de semana
    Bjus
    Bia

    ResponderExcluir
  16. Nina
    Parece até que voce escreveu o que eu gostaria em muitas partes.
    Eu não tenho uma filha, mas tenho cunhadas, irmãos e irmãs.
    E neste ultimo passeio que fiz me senti a pessoa mais burra e imbecil da face da terra. Ainda bem que eles não leem o que escreve senão estaria perdida.
    Mas é a pura verdade.
    E tenho um sobrinho afilhado com 17 anos que por não sabe o que quer. Fez vestibular para medicina, direito, engenharia. Mas onde passa diz que não é isto que quer.
    Agora disse que quer engenharia mas só na federal e como fez pra medicina não passou. Ainda bem porque acho que não era isto que queria. Passou em primeiro lugar em agronomia mas não é isto que ele quer, passou em sexto em engenharia mas em escola particular e não matriculou. passou em direito no Rio de Janeiro mas não é isto que quer.
    Miunha mãe que também é muito inteligente. Seria a terceira mulher mineira a se formar em direito mas só terminou 20 anos depois porque casou primeiro com papai. Ela disse que se fosse meu irmão enviariao Afranio para os EUA para aprender a ler e a pensar em ingles.
    Sua filha já está na frente dele. Pois já sabe varias linguas.
    Uma hora entre no meu blog e veja que rapaz lindo o Afranio está ficando?
    Vamos fazer o casamento?
    Eu iria amar.
    Mas assim eu estou ficando mais ignorante ainda.
    Mas brincar não tem importancia tem?
    Um beijinho na Laura e diz pra ela que o Afranio é do bem.
    com carinho Monica

    ResponderExcluir
  17. Olha, minha querida Nina, quem escreve como você escreve não é burra coisíssima nenhuma não, viu?
    Pelo contrário, sensível e inteligente, você encanta com suas reflexões e histórias. E sua menina Laura vai seguindo pelo mesmo caminho. "Filho de peixe, peixinho é", já diziam os antigos, com razão. Você se orgulhe muito dessa garota que ainda vai te dar muitas alegrias. E de você também!

    Sou sua fã, você sabe!

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  18. Uia, minha mae tá fazendo propaganda da pseudo-gênio que é a filha dela, até proposta de casamento eu já recebi!
    Agradeco os comentários sangue-bom, mas sério gente, eu sou só uma rele mortal que tem uma mae-coruja!
    E que ela alcancou o nirvana nnguém nega! Mamy,você nao é burra! E uma das pessoas mais sábias que eu conheco, valeu?
    Fiquem na paz, todas vocês!

    ResponderExcluir
  19. Nina, que bom criar filhos assim, que dão conta do recado, vivem a vida com maturidade e alegria. A começar do nome, Laura, um dos meus preferidos, fiquei fã da sua filha.
    Tenho duas, já casadas, mães, inteligentes, nunca me deram trabalho, mas não foram perguntadeiras, contestadoras, nem dadas a leitura para questionamentos. Apenas o básico, leiturinha leve, pra distrair.
    É uma benção ter uma Laura pra chamar de sua, viu?
    Beijo pra ela e pra você!
    (fico pensando em como vc já aceitou a cultura europeia e pensa com tranquilidade no momento em que sua filha sairá de casa, para alçar voos mais altos...De certa forma, é o correto.)

    ResponderExcluir
  20. Oi Nina!!

    Parabéns pela Filhota!

    A inteligencia dela também é graças a sua influencia!Sua sensibilidade,seu carinho e educação dada a ela!

    Beijinhos!!

    Thaís M M

    ResponderExcluir
  21. Sua Laura, Minha Laura, Nossos amores, Nossas burrices coletivas (rs.),

    Vamos escrever um livro em conjunto????? rsrsrsrsrsrsr...

    MInha Laura também me surpreende a cada dia e, a cada dia, me sinto mais ligada a ela...Tenho até medo, sabia? Principalmente quando leio comentários como esse primeiro...Ai, meu Deus!!!!

    Beijo!

    Rê.

    ResponderExcluir