12/08/2010

Inevitável

Só não mudo o nome deste blog para „entre mãe e filho“ porque seria uma traição a minha filha, mesmo ela tendo me abandonado aqui na escrita.. acontece que eu ando muito apaixonada... é inevitável.
Apaixonada pelo meu filhinho.
Como pode alguém ser tão imensamente e infinitamente doce?! Parece um, sei lá, algodão doce, um sorvete bem cremoso, um pudim de leite condensado cheio de furinhos, um marshmellow...

E é inevitável também não pensar na sorte que ele tem. Como quando eu o vejo chorar num cantinho um tanto quanto distante de mim. Há pessoas que dizem: "deixa-o chorar, ele precisa engrossar a voz! ""O menino vai ficar mal acostumado, não pega tanto no colo!" Ou coisas do gênero. Como? Como eu vou deixar meu filhinho chorar por tanto tempo? Ele nasceu, sobreviveu a um parto, veio antes da hora por cesária, o tiraram antes dele estar de fato, preparado, como vou deixá-lo sozinho numa caminha, abandonadinho???? Não aguento, nunca aguentei com meus outros dois pequenos, corro lá e pego mesmo no colo, dou aconchego, dou peito, dou sorrisos, calor, carinho.
Se eu já era assim quando mãe aos 23 anos, imagina agora, aos 38!!  Que tenho tempo de sobra e tranquilidade que só a idade pode fornecer?! E principalmente, como mãe de adolescentes e sabendo como o tempo passa rápido, vou é curtir todos os segundos com meu filhinho! Porque eles crescem e nós, mesmo nos adaptando a eles, nos pegamos sentindo saudade de quando eram pequenos.

Sim, é inevitável também não pensar que devo ter sido uma indiazinha deixada chorando por horas numa rede, num tempo que as mães eram brutais. Por não terem tempo, por não terem paciência, por não terem preparo, por não terem talvez, tanto amor... de quem/por quem(?). Ok, isso não era só antigamente.
Mas amor. Ahhh, o amor está aqui. Presente. Inevitável.
Parece que o coração vai explodir, com tanto amor. Quando o pequeno sorri, ao amamentá-lo e uma mãozinha sobe no meu peito, enquanto a outra roça parte das minhas costas, quando ele emite uns sonzinhos doces, ou meio brabos, quando ele se remexe na cama ao acordar, quando me olha profundamente nos olhos e parece saber exatamente quem eu sou, parece me conhecer melhor do que eu mesma, ou quando finalmente pega no sono, oohh Deus, cada segundo, eu vejo o amor dentro de mim aumentar e aumentar e aumentar.
Antes de engravidar, e mesmo ainda grávida, tinha medo de não amar meu filho tanto quanto amo meus dois mais velhos, mas ao ver meu menino chegar, bem, foi inevitável não amá-lo. É como se fosse meu primeiro filho. Já no seu nascimento, no seu primeiro choro, quem se acabou em lágrimas, fui eu. Ele dando uma paradinha, eu também dando, ele voltando a choradinha e eu também. Ele colocado sobre meu peito, o pai cortando o cordão umbilical. Ele ficando quietinho pertinho de mamãe, ouvindo minha voz, quietinho. O amor brotou na hora!!! É de fato, inevitável.
Assim como é inevitável não voltar a escrever aqui.
Decidi aos poucos voltar, não que eu tenha tempo, ou que a cabeça esteja fervilhando por textos novos, não. Sinto apenas que Pedro me inspira, me impulsiona a escrever, esse menino me emociona. Tem coisa que parece querer explodir dentro de mim, acho que isso é amor. Amor que quer sair do peito pra algum lugar. Como não sei pra onde e nem como direcionar isso, acho que a melhor saida é tentar voltar a escrita.
Talvez comece devagar. Escrevendo semanalmente. O tempo ficou muito curto pra uma mãe de uma bebê tão novinho, mãe entre fraldas, cocôs, pipis, puns, pequenos vômitos, arrotinhos (e algumas vezes, arrotões) banhos, cremes e óleos, pomadas, médicos, palpites, chupetas, noites curtas, peitos, leite escorrendo aqui e acolá...
Mas vou tentar escrever novamente. E visitar os blogs de minhas queridas, mas devagar, devagar...
Então, inté o próximo post. Porque o pequeno está comecando a acordar...e eu já estou indo lá :)

A musiquinha dele?


Inevitável!

ps.: Post em homenagem a minha amiga que voltou, Ana. Que me fez voltar também, mas agora a lembrar o quanto eu gosto de escrever... obrigada Ana "querida"!!

19 comentários:

  1. Oi, Nina. Que bom ver você de volta!
    Não vai acreditar (mas não tem porque duvidar...)que ontem pensei em você? Tinha a sua foto em minhas imagens (a foto que aparece em seus comentários) e fiquei a pensar onde estaria você!
    Coisas de Deus, acho!
    Vou ler tudo!
    Menina, um filhinho!
    Que notícia boa!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Nina, que delicia ler tudo isso! A cada palavra o sentimento aqui afloresce...nossa a gente ate imagina o amor, esse que preenche tudo, o pleno... mas com certeza, ali real deve ser mesmo super inteso! Fico tao feliz de poder ler seus texto e aos poucos ir sabendo mais do Pedro.
    Um super beijo carinhoso

    ResponderExcluir
  3. Que lindo, que lindo, que lindo...

    Tanto, que deu até vontade de ser mãe de novo, sabe?

    Vontade que dá e passa, mas a nostalgia fica...

    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Que noticia maravilhosa!! meu Deus como é bom a vida fluindo, tudo bem tudo certinho, estava com tanta saudade Nina de vc dos seus textos que as vezes eu entrava só pta dar uma espiada.
    Uma vez eu até comentei com vc que tinha medo de ter outro filho, medo de não ama-lo, ou deixar de amar minha Larinha e vc me garantiu que cada um filho é unico, e agora eu to vendo que é mesmo lendo essa declaração linda que vc fez para o Pedro.
    beijo bem grandão.

    ResponderExcluir
  5. Nina, queridona!
    Volte, volte sim! Mesmo que seja aos poucos! E traga contigo o Pedro, pra gente ir conhecendo, ir aprendendo a amar também, mesmo de longe, através dos seus posts carregados de emoção!
    Um beijo grande!

    ResponderExcluir
  6. Entendo perfeitamente essa impossiblidade ;-)
    Que bom que voltou. Eu que estou sem vontade blogar kkkkk Quem sabe volte ou melhor faço post e mando por email para os meus queridos.
    Vi suas fotos no orkut... ao ver seu filho foi inevitável meu sorriso escancarado e desejos de muitas alegrias na vida de sua família.
    Beijos, muitos!

    ResponderExcluir
  7. Nina que maravilha de texto. Nossa fiquei emocionada e segurando o choro (tô no trabalho). Fico tão emocionada com os textos que as mamães escrevem, com o seu então (pessoa que eu adoro), foi mais emocionante ainda. Que bom saber que vcs estão bem, que o Pedro tá crescendo saudável e doce assim como vc falou.
    Também acho que a gente tem mais é que amar os filhos e poupar eles do sofrimentos enquando é possível né? Pra que deixar ele chorando se vc pode acalentar ele do jeitinho que só uma mamãe sabe?
    Felicidades pra vcs! Volta que a gente te quer muito bem.
    Beijossss!!

    ResponderExcluir
  8. Nina, sei bem como é tudo isso... simplesmente MARAVILHOSO, cada segundo, cada momento, cada coisinha nova... MARAVILHOSO!!

    Seja muito feliz, Menina!
    Seja muito bem vinda de volta também!

    Beijos, beijos.

    ResponderExcluir
  9. Nina,

    Seja bem vinda! Adorei o texto, emocionante, me tocou de verdade. Eu fui mãe aos 39, no começo era rígida demais, agora, passdos dois anos, vejo que vc está coberta de razão. Meu marido me ensinou a ser mais flexível, e ver as coisas mais com os olhos do coração. Ele, como vc, foi pai aos 21 e 23, e depois aos 45.

    bj

    Ivana

    ResponderExcluir
  10. Ah, Nina, que post amoroso, que linda declaração de amor sua por este filhinho tão fofo!
    Deu até pra gente visualizar as cenas perfeitamente.
    Volte sim, você faz falta na blogosfera, escreve tão bem e bonito.
    um beijinho carioca

    ResponderExcluir
  11. Oi Nina,
    tão bom saber notícias do Pedrinho e tão bom saber que estás de volta. Ótimo poder ler teus textos, tuas emoções, principalmente porque são novinhas em folha e a gente recebe elas quentinhas, podendo acompanhar o crescimento do teu filhote de "perto".
    Um beijão enorme e tudo de bom pra vocês

    ResponderExcluir
  12. Aiii, o amor é tão lindo!! Esse amor entre mãe e filho, então nem se fala... Suspirei...
    Beijos, não nos abandone!! Rs rs rs...
    Beijoca no Pedrinho também!!

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Nina, que lindo texto transbordante de amor, como faz bem a alma de quem por aqui passa e desavisado acaba chorando com tanta meiguice. Beijos, fiquem com Deus.

    ResponderExcluir
  15. Nina querida, escrevi um comentário , mas acho q sumiu!!!!! Parabéns atrasado, mas desejo tudo de bom p vc. Te entendo em relação ao Pedro, pois tb fui mãe de temporão e é uma dádiva de Deus. Curti demais e agora meu bebê vai casar!!!! Passa rápido e temos q aproveitar todos os momentos, por isso, beije mto, abrace mto, d~e mto colo pq logo ele estará um rapaz!!!!! Q bom q voltou a escrever, só assim teremos notícias suas e do Pedro. espero q os irmãos estejam tão felizes com as minhas ficaram na época q a Lu nasceu. Mil bjks

    ResponderExcluir
  16. Oi Nina!!!

    Quanto tempo não passo por aqui!!
    Que saudades!!

    Parabéns pelo Filhote!
    Aproveita meesssmoo!!Criança é bom demais,né?!
    Apesar de não filhos e ainda não sei quando virá,penso que deve ser maravilhoso!!

    Grande abarço e Beijinhos!!

    Thaís M M

    ResponderExcluir
  17. Obaaaaaaaa! Que bom ouvir você de novo. Ah, que saudades da minha blogueira favorita!

    E que lindo post... nem preciso falar que entendi tudinho, até o que vc nem escreveu.

    E Pedro é o nome do meu pai.

    E que bom que tudo é como é.

    ResponderExcluir
  18. Era tanto amor, tanta doçura, que não cabia mais em palavras. Tinha que "virar"gente. Nina, que recompensa mais maravilhosa para o seu coração cheio de coisas boas. Que presente lindo! Esse novo amor deve estar te renovando e te trazendo lindas surpresas.

    Estou muito feliz por vocês!

    Beijo, beijo, beijo!

    Rê.

    ResponderExcluir
  19. oh, Nina, vc ja viuas fotos de bebes que fiz?¨''
    menina....e seu bebe, comoe stá?


    bjs e dias felzies


    Grace Olssosn

    ResponderExcluir