10/09/2009

Na Terra dos Faraós com algumas chatices

Bem, mas como nem tudo são flores, e isso a gente entende muito bem, existem também no Egito problemas graves!

Todo o país é coberto por uma poeira que parece nunca cessar, o céu poderia ser ainda mais azul, as cores das casas poderiam ser ainda mais coloridas, os bazares ainda mais brilhantes, mas tudo o que você toca e vê é coberto de poeira. Mas isso, não é um problema do próprio país e ninguém, talvez, tenha culpa por isso, afinal, a poeira do deserto pertence a natureza. Mas existe também a fumaça dos milhões de carros na ruas, carros que não possuem a menor condição de sair da garagem, muito velhos e altamente poluentes. O trânsito como falei no primeiro post, é um caos total, sempre buzinando alto, não respeitam as leis que talvez existam, as pessoas andam entre os carros e por questão de milímetros muitos escapam de ser atropelados. Isso mais na cidades grandes, porque nas pequenas, o trânsito é um pouco mais tranquilo, mas a mentalidade na direção é a mesma. Um trajeto que levaria 15 minutos, precisa mais de uma hora pra chegar ao seu destino. Mas isso, quem mora em São Paulo já está acostumado, certo? Talvez o morador de São Paulo, né Carlinha? só vai estranhar ao encontrar pelo meio dos carros, ovelhas, cavalos, camelos e mulheres cobertas, muito cobertas...
A água potável não é confiável! E não se deve escovar os dentes com a água da torneira, os guias nos recomendam usar sempre água mineral pra isso. Com certeza ao estômago dos europeus, essa água causaria prejuízos. Onde estávamos, no primeiro dia já fomos avisados que todos os cuidados com o alimento era coisa levada muito a sério, mas que se qualquer coisa acontecesse, havia medicamentos na recepção. Pois bem, comida deliciosa pra lá e pra cá, e no segundo dia, meu marido começa a apresentar o que eles chamam de mal do calor excessivo. Lá vai eu, passar limão no peladão... segundo o nosso espetacular-maravilhoso-impressionante guia, o Ahmed (claro que ele se chama Ahmed, todo egípcio se chama Ahmed!!) limão ajuda a baixar a febre. Maridinho teve diarréia e vômito. Graças a Deus, foi só um dia, mas exatamente no dia que iríamos conhecer os mais bonitos templos, o de Karnak e o de Luxor, eu me recusei a ir sozinha, como poderia deixar marido doente e sozinho?? Ele já esteve lá há 13 anos, e já conhecia os 2 templos.
Mas eu dancei, aqui algumas coisas que perdi :(

Marido renovado, começam os problemas na mulher, sim, eu fiquei com problemas estomacais por uns 3 ou 4 dias. Mas não deixei de passear, mas acho que comigo o lance foi mais leve... depois soubemos que todo mundo no navio teve problemas parecidos!! Então, já sabe, estando num país africano, cuidado com o que você come (evite saladas e alimentos crus, esse foi meu erro) e bebe e nada de ir chegando do calor e tomando algo gelado, comece sempre com uma bebida quente, e nada de cerveja debaixo do sol forte!!
Barriguinhas ok, começam outros problemas. Não que exista ordem cronológica, esse problema você já nota na chegada ao país. A mentalidade de venda do povo árabe é pra nós, pelo menos pra mim e pra esmagadora maioria do nosso grupo, INSUPORTÁVEL!!
Eles são loucos com vendas, te perseguem por onde você anda, te incomodam pra vender o que tem, chegam até a serem atrevidos. Pra quem não conhece, se assusta e pensa que eles estão sendo, até mesmo, violentos. Eles invadem nosso espaço demais, são altamente incômodos, falam alto. Não aceitam um não como resposta e ficam importunando o tempo inteiro. A grande maioria dos vendedores é homem, nunca vi uma mulher vendendo nada, apenas uma menininha, vi nas ruas do Cairo. Os homens são a maioria nos bazares, nos supermercados, nos hotéis, nos restaurantes, enfim. Os preços das mercadorias não estão expostos, você precisa perguntar ao vendedor e aí começa a sua horrível jornada. Você precisa ter MUITA paciência pra jogar com eles, até encontrar o preço que seja justo aos seus olhos. TUDO o que eles dizem ser o valor inicial, pode acreditar que o valor justo, é 70% menos! Ou até mais que 70%. É terrível comprar no Egito. Em todo lugar que andávamos, bastava eu dizer que queria tal coisa, que marido e o vendedor começavam a palhaçada da barganha. Eu saía de perto impaciente, porque aquilo me tirava do sério. Cheguei a um ponto que já nem olhava mais lojinha alguma, mesmo que visse algo lindo (e olha que tudo é muito lindo) perdia o interesse só em pensar no tempo que perderia até a compra propriamente dita.

Se me perguntarem se ainda quero voltar ao Egito, essa terrível mentalidade de venda seria a única coisa que talvez, me impedisse de querer voltar. Acredite em mim, é TERRIVELMENTE INSUPORTÁVEL!!

Uma outra coisa, que não sei dizer se é bom ou ruim. Os homens elogiam muito as mulheres. Não sei se é porque os pobres só veem mulher coberta o tempo inteiro, da cabeça aos pés, mas é elogio pra dar e vender. Eu ouvia constantemente. Era um "oohh como você é linda" pra cá, ou "você parece com uma estrela de cinema" ou "você tem o rosto lindo e parece muito com uma egípcia", eu acho até que eles já tem um gravadorzinho preparado pra repetir os elogios. O que me incomoda, não é o elogio em si, afinal, quem não gosta de ouvir um?? O chato é que qualquer homem diz isso pra você. Na frente do meu marido, eu não me incomodava, mas quando eles esperavam meu marido sair de perto, pra começar a ladainha, aí a coisa mudava de figura. Não gosto disso, acho falta de respeito. Pra você tem uma ideia, num dos voos, do Cairo pra Hurghada, ficamos marido e eu em poltronas separadas, só havia lugar na primeira poltrona do avião, um funcionário do voo ficou do meu lado, e o tempo todo do voo, ficava orando, girando sua correntinha mulçumana entre os dedos e me elogiando: "Ele é seu amigo??" (perguntando sobre meu marido, e mesmo eu frisando que ele era MEU MARIDO, o homem repetia: "Ooohh meu Deus, como você é linda, linda, tão linda!!!"). Ohh irritação viu?
Engraçado mesmo foi um dia, que andando com meu marido pela rua, um rapaz começa uma conversa e no meio da conversa até bem simpática, ele diz que eu tenho o rosto muito parecido com as egípcias, ao saber que sou do Amazonas, e fazermos uma ligação com o rosto indígeno que tenho e a morenice da mulher egípcia, ele pergunta muito sério ao meu marido: "Quantos camelos você pagou por ela???"

Se ainda há isso de pagamento com camelos, eu não sei, mas fiquei muito interessada em saber como é a vida das mulheres por lá. Nosso guia falou que a mulher é como o homem, pode fazer tudo! Fumar, fazer faculdade, ir aos lugares que todo homem frequenta, com exceção de não ir rezar nas mesquitas (vou fazer um outro post sobre), a única coisa que lhe é proibida é o mesmo que aos homens, ou seja, aquilo que está no corão como proibição.
Mas eu não sei, até hoje a imagem daquelas mulheres vestidas de preto, da cabeça aos pés (e muitas até com luvas) tendo somente os olhos aparecendo, não me deixa acreditar que as mulheres são de fato, livres como os homens...

Mas justiça seja feita, o povo egípcio é muito simpático. Alegre mesmo. Muito acolhedor, sorridente. Parece muito com brasileiro gente boa.
Os homens sabem ser muito gentis e alegres.
Uma das coisas que mais eu gostava, era ver o trabalho que os camareiros preparavam ao chegarmos nos quartos dos hotéis, feitos com as toalhas de banho, todo dia tinha algo novo.
Aqui algumas das gracinhas:










Pois é, o Egito! Tava pensando que todo mundo no ocidente deveria conhecer um dia na vida um país oriental. É muito interessante, mágico mesmo... e até no momento da compra, que tanto me irritou, se você se desarmar da sua impaciência, pode ser bem interessante.

Num dia de passeio de barco, havia um homem bem velhinho, que nos levava num pequeno barco à vela. Este senhor na foto, que infelizmente ficou escura demais...

Um menininho o acompanhava e o ajudava nos trabalhos com os turistas. O pequeno Ahmed (olha aí Ahmed de novo) era muito sério, compenetrado. Eu olhava fascinada aquele menininho de uns 10 anos no máximo, ajudando aquele que deveria ser seu avô. Muito pacientemente, dava as mãos às mulheres pra elas sairem do barquinho, ou ajudava o velhinho em outras coisas. Depois, o pequeno perguntou muito gentilmente ao nosso Ahmed se poderia colocar as suas coisinhas pra vender no chão do barco. Todos concordamos e compramos vários colares dele. No fim, o menininho em agradecimento, tocou pra nós. Eu posso dizer a vocês, com toda a certeza do mundo,que esse foi o dia mais emocionante pra mim no Egito. Enquanto ele tocava, eu chorava sem parar. Ficava pensando na sorte que muitas de nossas crianças tem, na saudade dos meus próprios filhos, na vida dura que as pessoas ali tem. Tentei filmar alguma coisa, na minha máquina fotográfica, porque esqueci a filmadora, de novo! mas tive que parar rápido porque eu não conseguia parar de chorar. O pequeno era muito emocionante, forte, compenetrado demais.

video

Pra vocês entenderem algo, ele que é criança, não é obrigado a participar do Ramadã, tempo de um mês em que os mulçumanos não comem e não bebem nada durante o dia todo, do nascer do sol até o poente, mas o menininho estava participando e em respeito, permanecia sério e em silêncio.

Ohhh Deus, como esse Egito mexeu comigo...

18 comentários:

  1. Nina você voltou!!!!!! Que ótimo e com tanta maravilha para nos contar. O Egito deve ser um encanto. Temos um amigo que foi também ele adorou tanto que já quer voltar. Falou dos vendedores também, mas encantou-se total pelas belezas diferentes que viu.
    Beijoca meNina

    ResponderExcluir
  2. oi nina! ah, amoooo viajar, mas ainda não conheci o egito... qto ao vaticano, a basílica é mesmo impressionante - principalmente, subir e olhar a paisagem que se abre diante de nós! dá uma olhadinha no post http://pepperinfashion.blogspot.com/2008/07/o-pas-dentro-de-outro.html
    que tem mais fotos. e, qdo voltar, não deixe de entrar: vc vai gostar! bjs, querida!!!

    ResponderExcluir
  3. É sempre isso:quando sumo e volto,o mundo deu uma volta e de tudo aconteceu!

    Antes de tudo:feliz aniversário!Você é alguém que sem dúvida pode dizer que está fazendo tudo de melhor com a vida que Deus lhe deu :)

    Sobre o Egito...meu Deus,quanta coisa linda!Há uma amiga minha que irá em janeiro para lá(agora eu tenho amigos que vão ao Egito,muito chique hehehe) e estava me dizendo que apesar de achar que irá gostar,terá problemas com tudo o que você mencionou...barulho,poluição.Bem,todo lugar tem seus prós e contras.E o Egito está me parecendo muito mágico agora!Tenho sonhos de visitar o Oriente,Índia(antes de tudo) e Japão de início.Agora o Egito também está nos planos!Engraçado que dia desses decidi que iria virar especialista sobre o Egito(sempre tenho "crises" nas quais decido virar especialista sobre algo só porque a Wikipedia da tal coisa é interessante)...

    Vou ver se dá tempo de ler mais um blog e vou estudar,beijos ;*

    ResponderExcluir
  4. What kind a nice trip? Wow! Egypt is very nice really great!!!!!!!!!!!!!!

    Pam

    ResponderExcluir
  5. Nina querida,
    Que viagem viu?
    Não imaginava porém que os tricks dos egípcios (acho que estenderia a teimosia para todos os povos árabes) para a venda fossem tão incômodos. Mas como vc bem mencionou, com uma boa dose de paciência dá pra contornar tudo isto!
    Adorei o texto, qdo for pras terras de lá lembrarei de não comer coisitas cruas!
    Bjim querida!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, gostei de ler tudo aqui, acho que fiquei com meu café e umas quase duas horas lendo os post´s anteriores.
    Amei

    beijos, que bom que tem tanto a falar da sua viagem de férias, pra mim foi tudo encantador ao ler..

    Chris

    ResponderExcluir
  7. Que bom que voltou, Nina, estava fazendo falta aqui no mundo das blogueiras. Que bom que fez boa viagem!!! Fiquei realmente com vontade de conhecer o Egito!

    E o menino Ahmed, que encantador...


    Beijos, fica com Deus!!!

    ResponderExcluir
  8. Amei viajar pelo Egito contigo... com todos os perrengues e maravilhas!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  9. Nina só vim te dar um abraço. Nem vou comentar o que penso de viagens como esta ao Egito e que tais, que é para não apanhar. hehehe

    beijos, menina!

    ResponderExcluir
  10. kkkkkkkk Nossa Nina amei sua viajem, imaginei cada detalhe . Amei os bonecos feitos com as toalhas. Porem todavia com certeza eu não iria pra aquele forno pois minha cidade ja é por de mais quente e eu não suportaria. Com relação as mulheres é realmente triste pois os costumes deles as oprimem muito, pelo menos é o que se vê aqui do Brasil.
    Um abração !!!!!

    ResponderExcluir
  11. Nina que viajem mais legal a sua viajei com vc.
    E pra variar, molenga que sou, já estava querendo chorar quando vc disse que chorou, ai não me aguentei quando vi o menininho tocar...
    Realmente Nina nos faz pensar na sorte dessas crianças, tão pequenas e tendo que levar uma vida tão seria e tão dura.
    O que nos faz colocar os pés no chão pra certas coisas, e somente agradecer nnão é mesmo Nina?
    beijo grande estava com saudades, e Feliz Aniversario !! (oficialmente.

    ResponderExcluir
  12. Nina,
    Voltei para ver mais sobre a viagem e vou lhe dizer uma coisa, já conhecia bastante sobre estes fatos que vc nos conta, mesmo sem ter ido até o Egito, mas é que tem uma menina, linda, super simpática, paulistinha e muçulmana que escreve um blog desde quando lá morava e tudo isso que vc narrou é verdade, pois ela contou todos esses detalhes, tanto os maravilhosos quanto os ruins.
    O Egito é isso mesmo, mexe com a cabeça dos ocidentais e você disse certo, todos nós deveríamos ir a um país como esse pelo menos uma vez na vida.
    Estou pensando na idéia para umas férias.
    beijos cariocas

    ResponderExcluir
  13. Nina
    Eu adoro ver histórias, saber sobre viagens.
    Quando li sobre o Egito fiquei fascinada.
    Eu já gostava de suas histórias infantis agora vou adorar estas.
    Vou ler o inicio e colocar no meu favorito
    Obrigada por me ensinar a ver este outro blog seu.
    Voce já foi em Nova York?
    Estamos tentando o visto semana que vem para podermnos ir em outubro.
    Se foi escreva sobre esta viagem antes de irmos.
    com carinho
    Monica

    ResponderExcluir
  14. Nina, tudo fascinante! Fatos e fotos! Aliás, gostaria de pedir permissão a ti para mostrar estas tuas fotos das esculturas com toalhas para as camareirinhas do hotel em que trabalho. Não fazemos isso aqui, porque o hotel tem um público executivo, mas elas adorariam ver, tenho certeza.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Égua barganha??? Mana, paresar de bisneta de Cirios-libaneses, nasci com esse gens defeituoso: DETESTO barganhar... tb perco a paciencia e vou embora... ai piora a situacao de vez! hehehehehe

    ResponderExcluir
  16. Monica, nunca fui a Nova Iork nao, na verdade, essa foi a primeira vez que fui a outro país que nao seja na europa (com exececao do Brasil é, claro) EUA nao tenho vontade de conhecer nao, mas deve ser um lugar beeeem legal, né??

    Um bj a todos!!!!

    ResponderExcluir
  17. Limao ajuda a baixar febre? Essa eu nao sabia! E, muito fofo que você ficou cuidando do maridinho dodói: nao tem coisa melhor para curar dodói do que um cafunezinho da pessoa que a gente ama :-)
    Da água eu sabia, mas nao pensei que o mesmo se aplicava para os alimentos crus! Ótima dica, Nina!
    E adorei sua viagem de barco com o menininho: que emocionante!
    Beijos, Angie

    ResponderExcluir
  18. Olá, vim conferir a sua experiência no Egito e, realmente, é um tanto desanimadora mas, mesmo assim, gostaria de ver as pirâmides e o Museu do Cairo. Quem sabe?
    Bj
    Adri

    ResponderExcluir