13/05/2009

Escolha o seu preferido. textos sobre maes.

Os textos que recebi foram esses. Os três primeiros, são das filhas para as mães. E o último, foi de uma mãe sobre a filha. Achei todos tão queridos. Eu não saberia qual escolher, fica a seu critério. Por favor, escolha apenas um dos textos, quem mais receber votos, vai ganhar um desenho :) e um outro pequeno brinde.
Obs.: Os nomes foram trocados, assim você vota de fato no qual mais gostou e não se deixará levar pelo fato de conhecer o autor do texto, ok?
Obs 2.: Você que escreveu um dos textos, pode claro, votar, mas por favor, não diga qual o foi o seu texto, pode ser assim??
Um beijo e bom divertimento!

* * *
Texto 1

"Domingo furei com uma pessoa querida .
Deixei de ir ao orfanato ajudar com as crianças pequenas.
Não telefonei nem dei explicações. Foi mal educado de minha parte.
Talvez eu tivesse ficado sem graça de dizer o NÃO de forma mais concisa.

Que eu não tinha ido ao orfanato, porque tinha uma "filha" pra cuidar.

Explico:

Agora, depois de alguns anos , a situação comigo se inverteu : "minha
mãe virou minha filha"

É uma filha que preciso levar para a Yoga toda segunda e quarta, senão
ela ameaça desistir.
Uma filha que "fica de mal" com o marido porque ele só fica com a
"bunda" sentada no sofá, e não a leva para passear NUNCA.
Uma filha, que "disputa" atenção com o meu filho ( o neto ) para ver
quem conta mais histórias para mim.

De repente, eu percebi , que o tempo estava passando, e que esta
"filha" , que tinha cuidado de tanta gente, agora precisa ser
"cuidada"
Precisa ter os sentimentos acolhidos.
Precisa ser escutada sem julgamento
Precisa ser levada para passear, como uma criança de "verdade"....
Precisa ter o seu espaço respeitado, sua memória e sonhos preservados.

A "mãe" , tem que virar a "dona da casa" e não a "empregada da
casa", que tem que estar à disposição dos filhos para saber que horas
eles vão chegar pra almoçar.
A "mãe" agora é Catharina, que já foi jovem fisicamente, e hoje
precisa ser jovem de alma.....

A "mãe" precisa virar filha um pouco, para que os filhos também sintam
na pele o que é cuidar, o que é se preocupar, e o que é amar de
verdade."

* * *

Texto 2

Recordar é viver

"Domingo era dia de praia, acordávamos cedinho. Para minha mãe, sair às 9 horas de casa era tardíssimo! Então sempre saíamos às 7 horas em rumo à praia de Guriri. Lá ia eu por todos os meus aparatos no golzinho velho, branco e quadradinho de papai. Baldinhos, canga, pazinha. E minha irmã falava: - Ih menina vai logo... para que tudo isso!?
Vamos, vamos porque senão desisto de ir para praia! Dizia mamãe.
E mais do que correndo iamos nos apertar dentro do carrro rumo a praia!
Iamos para uma parte da praia que tinha poucas pessoas. Era o final da praia. Mas sempre bom! Eu pensava: Ahhh que delícia!! Tudo pra gente!!

Sol, mar, areia e piscininhas (pocinhas)! Todo mundo ajudava a cavar a areia até formar uma piscininha para se refrescar debaixo do sol de domingo. Eu saia pegando as conchinhas das mais diversas formas, brilhos e cores! Mas cavando daqui, cavando dali apareciam os Tatuís. Aqueles bichinhos que ficam na areia da praia e se escondem rapidamente.
Ahhh isso era uma missão para Super Ana! Coitado dos tatuís! Eu juntava tudo e colocava no baldinho. Minha mãe dizia: -Deixa eles no lugar deles, tadinhos, ficar ali nesse baldinho tão pequeno em vista desse marzão! O que é da praia não podemos pegar!
Eu dizia: -Mas eu cuido direitinho deles! Depois eu solto mãe!
(Tudo bem que as vezes eu pensava em fritar.)
E eu e mamãe começavamos a fazer castelinhos na areia, juntando a areia molhada nas mãos e jogando por cima. Terra sobre terra ate ficar bem alto! Enfeitava o “castelo” com as conchinhas e no fim da praia eu soltava os tatuís no castelo, que mais do que de repente voltavam para suas areias profundas. O mar que subia pouco a pouco tomava a piscininha e o castelo até tudo ficar liso como antes.
Lá iamos nós de volta para casa, mas antes de chegar em casa parávamos na estrada para um sorvetinho refrescante em meio a nossa pele e cabelos ressecados, duro e cheio de sal!
Ao chegar em casa mamãe dizia: todo mundo direto por banho, mas lá fora, nada de sujar o banheiro aqui de dentro!! A alegria continuava em casa com banho de mangueira pelo quintal e papai fazendo churrasco para o almoço!"

* * *

Texto 3

Minha Mãe e a Medalha

"Sempre achei minha mãe perfeita. Bonita, cheirosa, elegante, engraçada, compreensiva. Uma mulher-maravilha de verdade. Em carne e osso. Sem avião invisível, mas com vários outros super poderes. Quando eu tinha 8 anos, em março de 1983, meu pai, que fazia uma grande dupla com ela, faleceu, vítima de câncer no intestino. E, mais uma vez, o seu super poder transformou um acontecimento trágico em uma forma de nos unir ainda mais. Existiam os momentos de tristeza, é claro, como quando fomos passar um carnaval em Rio das Ostras – RJ e, enquanto eu fingia dormir, ela, em prantos, conversava com minha Tia Luíza, dizendo que estava recebendo ajuda financeira dos irmãos e do pai para conseguir comer.

Mas a mulher maravilha não se deixava abater. Nunca. Levantava a cabeça e continuava a vida. Dando o melhor de si para mim e para o meu irmão, Bernardo.

Três anos depois daquele março, voltamos a morar em nossa cidade natal, pois havíamos mudado para Vitória quando eu tinha mais ou menos 3 ou 4 anos. Moramos um ano na casa de minha avó, a mãe da Mulher Maravilha. E o que parecia ser trágico, virou encantamento. Deixamos uma apartamento enorme em Vitória e uma vida digna de filme para morarmos em um apartamento emprestado, bem pequenininho. E ela dizia: “ A nossa casa vai ficar parecendo uma casinha de bonecas. Vocês vão adorar morar aqui!” E adoramos mesmo. Por cada dia.

Neste mesmo ano em que mudamos, na celebração do dia dos pais no colégio, a professora de artes nos pediu que fizéssemos uma medalha para o nosso pai, colocando-o em primeiro lugar no nosso coração. Eu fiz a medalha, claro, não gostava de ser diferente na escola (criança pensa cada coisa...), mas quando cheguei em casa, fui correndo para o meu quarto e apaguei o pai. Não porque o meu pai não fosse digno de uma medalha ou porque ele não fosse o meu campeão, mas porque, naquele dia, naqueles anos, naquela vida, eu não poderia dar a medalha para outra pessoa. Em cima do pai apagado, escrevi um MÃE bem grande e fui correndo premiá-la naquele dia. A mullher maravilha tinha vencido mais uma vez..."

Texto 4

"No Rio, em 1986. Carol com 2 aninhos e Fê com 8 aninhos. Nossos passeios sempre aconteciam numa boa. Shopping, praia, parque, visita aos tios das meninas, o dia todo a familia reunida em brincadeiras e papos.
Numa dessas vezes, de mtas. brincadeiras, meu sobrinho Marcelo
queria gravar em fita K7, a fala de Fê e da Carol.
Ele gravou muita coisa e acabou que se perdeu no tempo...
Mas ficou um trecho de Fê cantando Doce Mel da Xuxa e o discurso inflamado e bem alto da Carol, que mais parecia um político num palanque, em época de eleição.
Marcelo em tom de brincadeira falava:__Mamona, sua mamona!!!
E foi provocando... Ela realmente mamava muito peito. Não tomava mamadeira, nem chupava chupeta e dedo.
O negócio dela era mamar peito.
Foi aí que ela começou seu discurso, falava e repetia bem alto aquele pedacinho de gente.
__Gosto de peito!!!
__Gosto de peito!!!
__Gosto de mamãe!!!
__Gosto de Mamãe!!!
__Gostoooo de peeeiiiiittoooo
__Gooosstttoooo de mamãããeeee!!!
E alguem de fundo falava: E o papai?
E a madrinha?
E Marcelo?
__Gosto de peito!!!
__Gostoooo de peeeiiiiittoooo
Não preciso falar mais nada..."

* * *
Não deixe, por favor, de dar sua opinião. O texto mais votado, juntamente com o desenho, será apresentado no post das crônicas da menina, na sexta feira.
Até lá!

31 comentários:

  1. Eu já tinha elegido o texto 1 mesmo sem ler os outros somente por essa frase: "A "mãe" , tem que virar a "dona da casa" e não a "empregada da
    casa""

    TEXTO 1

    ResponderExcluir
  2. Todos os textos estao legais, cada um do seu jeitinho.
    E gracas a deus minha dor de cabeca passou, acbei que so fiz as coisas que tinha que fazer ontem. Mas hoje ainda tenho algumas pendencias para resolver. Inclusive vou ligar agora para o consulado..
    bjinhos

    ResponderExcluir
  3. Oi Nina. Missão difícil essa. Mas pensando com a emoção, coisa típica de mim, eu escolho o texto 2. Ele me fez recordar da minha prórpia infancia vivida muitos domingos na praia assim como a "menina" da história.
    Depois volto aqui para ver quem ganhou. Estou na torcida do 2.
    Beijos e um ótimo dia!

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Nina, eu voto no texto nº1. Mas todos são muito emocionamtes.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Depois que a emoção for embora, eu volto e voto direitinho.
    Tudo tão diferente e tão igual...

    Beijins:*

    ResponderExcluir
  6. Gostei mais do primeiro. Uma verdade que poucas pessoas lembram de escrever sobre.

    Bem bonita essa consciencia da autora.

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  7. Nina, você acredita que eu ESQUECI de te mandar um texto? eu Não estou acreditando!

    Bom, eu amei o texto 3, lindo mesmo!Mas, como estou passando por uma fase um pouco difícil com minha avózinha, o texto 1 mexeu comigo, então, voto nele!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Você tem o dom de saber como estou, já percebi isso.
    Ontem eu estava pensando tanto em você, de como queria ir para Paris na minha lua -de-mel, (eu e o Fábio combinamos de não fazer festa e ir pra Paris) e fiquei pensando se era muito longe da sua casa, de como seria bom passar um dia com você,com a Laura lendo livros, com o João fazeno pizza, se seria tão bom como é virtualmente ou se ficaríamos timidas diante a outra...Já pensou? Não sei,mas acho que sua casa tem cheiro bom, tudo harmonioso...
    Mesmo que Paris seja longe eu vou até você e nosso encontro vai acontecer um dia, eu sei.

    ResponderExcluir
  9. Hahaha...o texto 4 é super engracado!! Huahuahaua!!!

    Todos ficaram bons, mas eu voto no 3, porque achei lindo essa de presentear a mãe viúva no dia dos pais... Vai autora desconhecida n° 3!! /o/

    ResponderExcluir
  10. Texto 4.

    Um beijim.

    Carol.

    ResponderExcluir
  11. Olá!!

    Todos os textos são lindos, sinceros,reais,profundos....adorei!
    Mas voto no texto 3...representa a força da Mulher!

    Beijinhos!
    Thaís

    ResponderExcluir
  12. Todos lindos. Mas o 4 me fez rir muiiito. Imagino a cena.
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Eu vô no 3. No doubt.

    Um abração.

    Karla.

    ResponderExcluir
  14. Nina, meu voto é para o texto n° 3.

    Uma mãe com predicados de heroína é a que eu queria ter tido.

    ResponderExcluir
  15. Nina!!

    Que alegria ler estes textos aqui. Delícia mesmo!!! Acho que não vou conseguir votar, você perdoa? ´rsrsrsrsrs...

    Beijo muito grande!

    Rê.

    ResponderExcluir
  16. Olá.me chamo Aline e gostei muito do seu blog. Vou votar no terceiro texto que achei muito emocionante.

    Um grande abraço para você e para todos que participaram.

    ResponderExcluir
  17. Nina estou apaixonada pelo 2 e pelo 3, fiquei emocionada demais com o 1 e ri e me vi horrores no 4, então no sorteio de faz de conta que eu fiz vou ficar com o 3 ok?(que ruim isso de vota né? Nunca tinha pensado nisso...)

    Beijins:*

    ResponderExcluir
  18. Olá nina !! vou ficar com o texto 3 pois minha mãe era essa mulher maravilha com toda aquela força e garra, não por me criar sem pai,pois graças a Deus tenho pai, mas de trabalhar e cuidar da casa e as dificuldades do dia-a- dia.
    então é isso TEXTO 3.
    BEIJO!!

    ResponderExcluir
  19. Já que podemos votar anonimamente, eu voto no texto 2, porque lembrou muito a minha própria infância e eu achei lindo como a autora do texto recorda dessa época bonita com os pais na praia, além do mais, eu penso que todo mundo viveu isso um dia.

    Bjs!
    Assinado: Eu

    ResponderExcluir
  20. GANHEI UMA MÁQUINA DE COSTURAAAAAAA!

    chegou ontem:)

    Beijins:*

    ResponderExcluir
  21. Eu adorei sua visita. Não vejo hora de costurar...Nina, eu tinha te deixado um recado...a gravidez não foi pra frente...outra coisa...voto no 2. Beijos

    ResponderExcluir
  22. eu voto no texto 3, porque vivi uma situação bem parecida com essa.
    beijos.

    KK.

    ResponderExcluir
  23. Nina, achei tão bonitinho seu filho levar o pezinho de abacate para o quarto! Nossos meninos são tudo né? Bjokas querida.

    ResponderExcluir
  24. Ai Nina ,amei seu comentário.

    Ainda não vou casar,como você sabe, a grana ainda é curta,mas acho que mais dia,menos dia iremos estar juntos, pois esse assunto é cada vez mais falado entre nós.
    A viagem à Paris é garantida,nem que eu tenha que rodar bolsinha, rs!
    Que bom que posso contar com você sobre as minhas dúvidas, logo,logo, pedirei várias dicas.

    Amo-te

    ResponderExcluir
  25. Voto para o número 3 !

    ResponderExcluir
  26. Nina se vc estiver agora no pc e ler meu comentario queria te dar um presentinho que tomei a liberdaee de fazer pra sua nova lay , que alias ficou joia...como eu faço pra mandar por email ?aguardo !!

    ResponderExcluir
  27. AMei o 4, NIna.. mesmo porque em 1986, a Carol aqui tb tinha dois aninhos..

    AMEI o 4!!!

    ResponderExcluir
  28. Cheguei muito tarde pra dar o meu pitaco, buaaaaaa!!! Mas os 4 textos estao excelentes e emocionantes!!!
    Que idéia legal que você teve, Nina :o)))
    Beijo grande, Angie

    ResponderExcluir