16/01/2009

Em busca da simplicidade

Morar na europa é reaprender a ser simples!
Pelo menos aqui na Alemanha. O que parece uma grande contradição para um brasileiro que vive no Brasil. Quando você diz que mora na Alemanha (ou na Suiça, ou em Praga, nos EUA, sei lá) as pessoas logo exclamam: „nossa, tu tá podendo hein?! que chique!“ou pode acontecer ainda como acontece comigo, muitos deixam de falar com você como falavam antes.
Eu agora virei a METIDA! MSN, emails, orkut? Esqueça! Por que eles esqueceram de você! Enquanto isso só me resta me divertir com tal cara de pau de certos alguéns em desprezar alguém que antes era até seu amigo...
Mas o fato é que morar aqui é exatamente o contrário do luxo que algumas pessoas pensam. É contraditório isso. Mas é verdade. Aqui eu aprendo a valorizar cada vez mais o grande valor que tem a SIMPLICIDADE.
Eu sempre dei mais valor às coisas simples. Nunca fui ligada em jóias, coisas de marca, carros de luxo ou coisas muito caras... luxo pra mim é de fato muitas outras coisas que o óbvio.
Aliás, com o passar do tempo, o conceito de luxo mudou e muda constantemente. Para muitos, luxo é grife cara estampada na roupa, nos acessórios, nos sapatos, jóias, carros, maquiagem, para outros é algo bem diferente. E depende muito da necessidade de cada um.
Viver na europa pode ser luxo ou não, assim como viver no interior do estado do Amazonas, na beira do rio, pode ser também. Tudo depende de como você vê as coisas, de como está seu estado de espírito, de como você vê o mundo.
As pessoas aqui são extremamente simples e não entendem como as brasileiras podem dar tanto valor às coisas materiais... Explico: algumas brasileiras aqui são, digamos, deslumbradas demais, dão muito valor ao supérfluo e isso os alemães já notaram faz tempo. Certa vez fui interrogada por uma professora no curso de alemão: ela dizia que eu parecia bem diferente de outras mulheres do meu país que havia conhecido, e perguntava muito intrigada, de onde vem esse valor extremado ao material.
„Cada pessoa é um ser diferente do outro“, foi o máximo que pude responder, mesmo sabendo que ela falava um fato.

Um dia conheci uma menina mineira, de uns 20 e poucos anos, que se dizia extremamente livre aqui, livre de toda a tonelada de maquiagem que usava em Beagá, das infinitas idas e vindas ao shopping pra poder estar aos pés da amigas e primas, livre da escravidão de escovas e chapinhas semanais nos cabelos já maltratados.
Nunca fui escrava de salão, mas entendo o que ela disse.
Ela se dizia livre porque vê que aqui as pessoas não estão preocupadas com a tua roupa, com teu cabelo, com a grife da tua calça jeans, com teu relógio novo e carésimo, não estão mesmo, aqui as pessoas te medem por um outro medidor: o teu interno é o que importa, é o que você é, a tua simpatia e educação, o respeito que você mostra ao outro, etc. Aqui você não precisa se preocupar em comprar todos as roupas novas da estação, você pode usar o mesmo casaco de inverno por todos os invernos de tua vida que ninguém vai se importar, o sapato pode ser o mesmo por longos anos que não vai ter ninguém se incomodando com isso, cabelo unha e maquiagem? Você mesma faz! Afinal o custo de ir a um salão são poucos bolsos que encaram, pois há muito mais coisa especial a se fazer com aquele dinheiro: uma ida ao museu, juntar pra próxima viagem de verão, ir ao um show no Waldbühne em Berlim, comprar aquele item que faltava pra o teu hobby predileto, pintar ou trocar a velha bicicleta...
E falando em bicicleta, lembro quando estudava no Amazonas, fazíamos excursões à floresta em Itacoatiara, que é um pólo moveleiro no Amazonas, e os alunos da universidade riam de forma debochada ao ver os estacionamentos das escolas ou empresas cheios de bicicletas (antes de o povo de Itacoatiara entrar na febre das motinhas, todo mundo usava bicileta). Pobres manauenses! o que pra eles era luxo (ter um carro) em outros países é lixo!
Sim, é claro que aqui tem carro, e muito! Mas tem também muita consciência ecológica e respeito ao próprio bolso. O povo faz questão de usar os bondinhos, os trens, os ônibus (que têm um serviço exemplar de qualidade e pontualidade) e bicicleta, e até mesmo patins, patinetes. Manter um carro aqui é muito caro! Quando viajam pra outras cidades, fazem uso constante do serviço de caronas (na internet é anunciada a ida e volta, se for o caso, e as pessoas se comunicam por ali) pagando-se muito mais barato do que indo com seu próprio carro, por avião, ou mesmo trem, que não é tão barato quanto se pensa. Comida? Come-se tudo o que está no prato! Deselegante aqui é deixar resto. Desperdício é falta de respeito. Água, luz, aquecimento elétrico em casa é sempre economizado. Pra enconomizar água, toma-se banho todos os dias, claro, mas aproveita-se pelo menos um dia na academia e pra lá tomar banho... é um dia a menos de gasto em casa! Louça é lavada sempre na máquina de lavar, gasta-se menos água do que usando a pia normal. E se caso for usar a pia pra lavar louça, enche-se esta e lava-se a louça que já ficou de molho por uns instantes, sem enxaguar! (isso ainda dobra meu estômago!). Roupas? Compra-se muito em liquidação ou em lojas de second hand. Empregada, babá, diarista? Aqui tem nada disso não! A empregada, faxineira, cozinheira, lavadora de privada é você mesmo!

- Quer conhecer uma curiosidade do homem alemão? Ele não faz xixi em pé no vaso! E diferente do que o brasileiro afirma, isso não é sinal de ser gay! Aqui as mães criam o filho pro mundo independente, e mulher não faz tudo pra homem aqui não... nem mesmo a mãe. É ele que tem que lavar o vaso, e ele sabe que em pé o risco de fazer mais sujeira pra limpar depois é muito maior.

Livros escolares são emprestados pela secretaria da escola e o aluno se responsabilza em não estragá-lo, assim podendo repassar ao próximo aluno no próximo ano escolar.

Tudo isso aí não é sinal de pobreza ou avareza não, aqui é sinal de inteligência! O alemão descobriu direitinho e na marra, como unir o útil ao agradável: ele é forçado todos os dias a pensar no meio ambiente e no próprio bolso.

Não estou dizendo com isso que não existe gente consumista. Muito pelo contrário, existe e muito. Eles compram coisas demais, muito mais do que precisam. Mas existe também essa consciência das coisas e do seu real valor, muito mais observado por eles do que por nós, brasileiros.

E assim o povo alemão vai crescendo dentro do meu conceito de viver bem.

Aqui o luxo mesmo está nas coisas simples da vida cotidiana. Dá-se muito mais valor ao sol num dia frio do que a grife do seu sapato; aos passeios de bicicleta no verão ou primavera, levando ao lado o seu cachorro, do que um carro caríssimo; a tranquilidade e verde dos parques e o ar puro do que um celular hiper caro; a uma varandinha em casa com flores e um bom livro pra ler numa espreguiçadeira do que as mil calças jeans de marca no guarda roupa, a contemplação de uma boa caminhada na floresta ou nas montanhas do que um dia num salão de beleza ou uma cirurgia plástica nos peitos...

Eu adoro isso. E estou à procura da simplicidade que perdemos há muito no Brasil.
Quer saber? Viver aqui é mesmo um luxo! No verdadeiro sentido da palavra.



E não, meus antigos-ex-amigos, eu não „estou“ metida, são vocês que „são“. Eu estou é muito mais simples, graças a Deus!

* * *

Aaaahhh, mas agora eu vou ficar prosa! Vocês me dão licença de ficar metidona agora?? Olha gente, olha que gracinha que uma menininha de 24 anos mas com cara de 14 : ) fez lá no blog dela... Obrigada Pri, você é uma fofa! De verdade... to boba demais hoje!

38 comentários:

  1. Nina, entendi letrinha por letrinha.
    Sabe que em 94 eu perdi a minha mãe, e no mesmo ano fui passar uma temporada em Paris, em março de 95, minha avó estava mal, e eu fui visitá-la, chegando no hospital, a primeira coisa que uma tia falou pra uma conhecida da minha avó que estava lá pelo mesmo motivo, era que "a coitadinha perdeu a mãe, mas foi pra França!", acredita nisso? Número 1 eu nunca fui coitadinha e número 2, desde quando uma viagem compensa uma perda? fala sério né? As pessoas achavam chic eu ter ficado um tempo fora, eu achava necessário...
    Nunca fui ligada a grifes e não é agora depois de velinha que vou ficar né?
    Salão de beleza? só vou pra cortar os cabelos e vez ou outra fazer as unhas, e só!
    Peito eu nunca tive então não me faz falta hahahahah
    Vou pra todo canto de ônibus, acho mais barato pra mim e pro planeta, raras vezes EU dirijo, só quando o lugar é muito contra mão e ir de ônibus é um saco.

    Sou simples desde sempre Nininha:)

    Beijins com felicidades:*

    ResponderExcluir
  2. Nina isso acontece nos países pobres. Têm sempre a ideia falsa de que tudo o que se passa fora dali é que é bom, chic, rico e de bom viver.

    Quantos saem de lá e depois se confrontam com a realidade e verificam que nada se consegue sem trabalho, esforço e dedicação?

    ResponderExcluir
  3. Eu to adorando os assusntos sobre a Alemanha. Eu entendo perfeitamente o que você quer dizer,mais ainda acho muito inviável uma vida como essa aqui no Brasil.
    Se você dá carona, pode ser assaltado,estuprado,assasssinado. Se você sai de bicicleta corre o risco de ser atropelado nesse trânsito caótico e que ninguém respeita ninguém.Homem que faz xixi sentado? Aqui seria quase que uma fantasia, já que vivemos num país mega machista e que eu odeeeeio!
    Enfim, você é privilegiada por viver num país onde as pessoas não ligam tanto para as roupas e se interessam pelo inteiror da gente, aqui quase ninguém faz isso, mas enfim, fazer o quê, né?
    E esses seus "amigos" hein? PELAMORDEDEUS!
    Te amo!
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Nina, realmente viver sem estar ligada a consumismo é mto bom. Aqui o povo consome tanto q ontem, vi na TV o número absurdo de pessoas em dívida c lojas, cartões etc. A inadimplencia está solta por aqui, mas acho q a crise é mundial e não sei se vai ter conserto em pouco tempo. Ver países fortes com problemas, nos deixa de cabelo em pé. Mas sejamos otimistas e vamos consumir só o necessário!!!!!!! Bjks

    ResponderExcluir
  5. Realmente, aqui ha um senso "ecologico" bem mas desenvolvido do que no Brasil e as pessoas não parecem tão afeitas a marcas.

    Por outro lado, como vc mesma disse, as pessoas são diferentes... Qdo vc fala, Nina, que aqui as mulheres não são escravas de salão ou da beleza, no meu ponto de vista, muitas são relaxadas...

    Eu cansei de me incomodar ao receber olhares nas ruas pq procuro estar elegante nem que seja p/ ir ao supermercado, simplesmente não me incomodo (mais) por ser a unica mulher maquiada e com escova no cabelo no vagão do metrô. Pq eu me arrumo p/ mim, e não p/ competir com quer que seja, e não serão mulheres pouco elegantes que vão mudar isso. Eu me arrumo pq gosto, simples assim. Faço escova no cabelo mesmo sem sair de casa, me maquio p/ descer no supermercado embaixo do meu prédio...

    Antes de Berlin, eu morei apenas em Curitiba e em Paris. E, em ambas as cidades, as coisas são muito diferentes daqui nesta questão.

    Enfim, cada um é unico.

    ResponderExcluir
  6. Olá Menininha... Voltei!!

    Acabo de descobrir que devo morar na Alemanha (eu sempre achei que deveria morar na Nova Zelândia), este lugar é a minha cara.

    Que saudade que eu estava de você e de todas as outras meninas e meninos...

    bjux, bjux querida!

    ResponderExcluir
  7. silvinha, eu sou como vc, só saio de casa arrumadinha... gosto de estar bem vestida (à minha maneira) e tbm uso, não maquiagem, mas um lápis no olho e um batonzinho, sempre! e só vou tmb ao mercadinho assim... o problema que to criticando aqui não é o prazer de se vestir bem, é esse pensar somente nisso entende? é o valorizar alguém somente vendo o exterior dele, isso me incomoda e isso pra mim é reduzir o ser humano a sua capacidade (que mts vezes nao depende só dele) de ter ou nao dinheiro... e to aqui revendo o conceito do que é luxo. pra alguns sao coisas carissimas, pra outros pode ser ter tempo com os filhos, pra outros é ter saúde, uma casa no campo, sei lá... é isso que to querendo pensar aqui, na valorizacao exagerada do supérfluo.. e tbm queria dismitificar o que é viver na europa.. só isso. e tudo isso...

    ResponderExcluir
  8. Nina, esta é uma coisa que eu sempre converso com meus amigos brasileiros que não fizeram o que os seu "ini-a-migos" fizeram. Nós sempre nos comunicamos, trocamos telefonemas, msns, orkuts ou blogagens, mas tento passar para eles que aqui quem limpa o vazo sanitário é a gente, enquanto que no Brasil temos as escravas do lar para isso. Aqui temos que nos despir de todo orgulho e preconceito que um país feudal como o nosso nos impôs, apesar de que na minha casa se lavava roupa a mão, só depois que sai da casa dos meus pais é que eles compraram máquina de lavar roupas, e agradeço muito por isso, pois hoje vivendo nos Estados Unidos posso usar tudo que aprendi.
    Muito do que você falou também acontece aqui na área onde moro, outras nem tanto, mas esta é uma experiência que temos que espalhar por aí.
    bjks

    ResponderExcluir
  9. Soninha, vc é podre de chique! à sua maneira,linda com o coracao mais nobre que eu já vi!

    Carlinha, tudo tem que comecar um dia... também acho que seria difícil, mas nao é imposível... a gente comeca de pequeno e com nosso filhos as grande mudancas.

    vc tem razao patti, isso vem mesmo da pobreza que nos assola, mts meninas semrpe foram mt pobres no Brasil e qd se veem aqui, deslumbram-se demais.. e esse pensamento prevalece tbm pra quem mora no Brasil e pensa que tudo é facil aqui, que tudo é 100%

    concordo marisa, a gent etem que diminuir os gastos, os nosso filhos tao vendo e aprendendo tudo

    marcinha, que bom te ver aqui de novo :)

    cris vc falou o que tava há mt engasgado na minha garganta. empregada doméstica é resultado da época da escravidão... essa coisa doentia que até hj existe no Brasil. Eu decidi aqui e falei outro dia pra familia, se voltarmos a morar no Brasil, nao quero ter empregada em casa. Isso choca as pessoas, elas pensam que nao sao mais capazes de viver sem suas "secretárias-escravas" mas é bobagem, aqui a gente nao faz tudo sem elas?? Então!

    ResponderExcluir
  10. Nina, quando minha prima foi pra França minha tia fez ela aprender a cozinhar, a cuidar da casa e etc. Poruqe minha prima nunca fez nada dentro de casa pelo fato de sempre ter empregadas a disposição. Mas lá é bem diferente e minha tia que ja conhecia, preparou ela pra isso.Várias pessoas questionavam esse comportamento, mas isso fez a diferença, lá ela não tinha empregada e tinha que fazer tudo sozinha (talvez esse tenha sido um dos fatores pra ela resolver voltar,rsrs!). Quandouma outra tia minha veio nos visitar no Brasil (ela mora em Houston) e ela queria ir no salão todo dia,e minha mãe perguntou porque todo esse interesse, e ela disse que lá esses serviços são bem mais caros, são um luxo, não é um tipo de serviço que se use com frequencia, ao inves daqui, que as pessoas costumam ir ao salão 2,3 ou mais vezes por semana, não importa a classe social, a idade,etc. Eu acho que aqui temos valores trocados, inversos. Não sei se pelo fato de ainda termos uma vasta natureza em bom estado, se por ignorancia ou por comodismo. Só sei que temos valores errados.

    Adorei o post Nina!!! Eu também prezo por esses mesmos valores que você.

    Bjãoo

    ResponderExcluir
  11. Chic demais você!
    Já fui lá e amei o que ela escreveu sobre você,tudo verdade!

    Beijins:*

    ResponderExcluir
  12. Nina, mesmo não te conhecendo, achei o seu blog muito especial e mesmo não recebendo nada por isso, resolvi escrever sobre vc lá. É uma forma de mostrar apreço aqui que se destaca em um esfera tão ampla quanto é a internet!

    Tem pessoas (algumas blogueiras), que se fecham demais em um mundinho todo perfeito. Sabemos que a realidade é maior que isso.

    Por isso e outras coisas, gostei tanto daqui (e do outro blog tb).

    Continue assim.

    Tudooo de bom, ou melhor, tudo de EXCELENTE pra vc!

    Um super beijo,
    Pri

    ResponderExcluir
  13. Nina, concordo c/ vc em muitos aspectos, mas por exemplo ir trabalhar de onibus aqui no nordeste é um terror, pois são super demorados e o calor q/ faz a gente chega pingando, é horrível, e ainda tem o fator segurança q/ ñ existe. P/ mim seria um luxo ir trabalhar de bicicleta, enfim como vc diz luxo, no verdadeiro sentido da palavra.
    Bjos, Rosa Mônica

    ResponderExcluir
  14. Eu quero morar aí! E de preferência ser tua vizinha! hehehe...
    Luxo pra mim é ter saúde, ter tempo na agenda pra fazer o que se gosta, ter amigos...
    O resto é bobagem!
    Bjo, amo!!

    ResponderExcluir
  15. Nina,minha sogra passou o fim de ano aqui, você sabe.Ela colou minhas cadeiras quebradas,consertou a instalação elétrica dos dois banheiros,lixou e envernizou portas e o móvel da minha pia de cozinha.E ela tem mestrado na Sobornne.Ela tem apenas três pares de roupas para o dia a dia, uma roupa de festa e dois pares de calçados.
    Se eu te contar como meu companheiro é chamado de metido você não acredita.
    Também acho que as pessoas tem estereótipos formados e se limitam a repetir falas e comportamentos como um papagaio ou um miquinho de circo sem conhecimento.

    ResponderExcluir
  16. Nina concordo sem tirar nem por! O engracado e que gostamos de moda ne? Uma coisa que esta tao relacionada ao luxo (significado que a sociedade tem). E engracado ainda pq qdo eu falei para o amore que gostava dessas coisas ele nao entendia pq eu gosto de moda e nao sou "patricinha" kkkkkkkkkkk
    o amore ODEIA patricinha. Eu gosto sao das combinacoes, das cores, das texturas, da sensibilidade de cada um em criar. A arte a criacao no meio disso tudo. Da relacao entre a roupa e a pessoa. Do desenho e da pessoa.. Mas nao ligo para marcas, nem para desfiles, nao sou ligada a ultima tendencia, mas ate entendo, os conceitos, a epoca, apesar de que me cansa muitas vezes. Hoje em dia ele entende beeem minha relacao com isso. Entao... penso que luxo e a inteligencia de ver e sentir o mundo dessa forma especial. Como vc que construiu luxo relacionado a simplicidade de viver...e viver bem! Penso nisso tbm, alem do luxo simples, na moda simples. Mais significativa e menos descartavel. Aqui eu so compro roupas qdo estao em promocao, aquelas que surge coisinhas por 2 euros, 5 euros...hihihih.. adoro fazer um garimpinho! kkkkkkkkkk
    E o melhor sao os achados!!
    Maquiagem eu acho lindo em fotos, mas no dia-a-dia mesmo acho desnecessario o exagero que ja vi muitas vezes tbm. Eu uso rimel, corretivo e blush. Para o dia e para a noite. Acho o suficiente.

    Eu vejo muito pessoas se vestirem simples (e o modo de vida simples), digo mas que so de olhar da para perceber que tudo tem significado e valor. Acho o maximo ver uma universitaria numa bicicletinha com a bota e casaco surrado o cachecol colorido e mochila indo estudar.. Sinto que cada coisinha ali tem valor por ter historia que com certeza tem, ser surradinho e estar ali acompanhando sempre o percusso dos estudos. Sempre viajo e faco historinhas na minha cabeca ao ver pessoas assim... Acho bem mais louvavel do que muitas patricinhas que ja vi com um bando de amigas iguais com escova e mechas no cabelo e a maquiagem ate o poro sufocar, o que me da nauseas!

    Viajem na moda... mas tbm concordo que as pessoas valorizam muito mais as coisas naturais, educacao e valores humanos do que as coisas materiais. Para mim isso e evolucao. E muito pobre, seco, sem graca, superfulo e mesquinho ter uma vida alimentada pelo querer ter e nao pelo querer ser.

    A viajem foi otima Nina! Strasbourg e linda! Os dois primeiros dias fez solzao e frio de -8 graus...kkkkkkk mas muito bom, depois nevou, mas fez 0/-1 grau. E depois so nevoa branca. Chegamos hj. Eu entnedo claro que dia de semana e muito ruim, e mesmo! Com certeza vira outra oportunidade! Sem problema nenhum!! =]
    Mas deu para sentir seu cheirinho, sentir um cadinho da Alemanha pela estrada! Depois vou postar la sobre Strasbourg...mas agora vou dar uma descansadinha.

    bju bju mana!

    ResponderExcluir
  17. Eu vi o comentario ali da Rosa Monica, sim ate que nisso eu concordo com ela. Sao dificuldades diferntes ne?! Aqui muito frio de rachar a boca na bicicleta e no nordeste do Brasil o calor de fritar os miolos. Meu pai e nosrdestino do piaui. Ele e tem uma aprencia simples humilde, mas na verdade meu pai e muito orgulhoso...kkkkkkk Mas ele nao chega a ser chato nao. kkkkk
    Veja como os valores nao sao congelados.... eles mudam... Vejo muita gente aqui que ate aparentaser metido, mas na verdade e super simples.

    Eu em Vitoria, ja enfrentei greve de onibus, andei kilometros para chegar em casa, peguei onibus lotado, enfretava dois onibus para chegar num lugar num posto de saude num lugar com barro, muro descascando, gente na esperanca de resolver um problema e muito funcionario com cara de **. Eu cada vez que estava com alguem tentava ajudar ao maximo, mas muitas coisas nao dependiam so de mim... eu ficava revoltada e voltava para casa pensando o que eu podia fazer! Um pouquinho se resolvia...mas e o outro cadinho? Entao acho problema ai e do sistema mesmo. Sistema do pais gigante como vc falaou ha um tempo atras, problema da corrupcao, da falta de educacao. Educacao ta me tudo se isso fosse resolvido seria como efeito domino, outras coisas tbm seriam apaziguadas.

    o que entendedo que vc tenha falado e do luxo relacionado aos valores e acredito que isso ai tbm esta relacionado a educacao de berco e de escola. O que nos cultiva? De que nos alimentamos? O que nos satisfaz?

    Ja conheci meninas que trabalhavam no shopping, ganhavam 450 reais e compravam calca de marca de 300. Olha a cabeca da criatura!! PELAMOR! Mas tbm ja conheci gente que ganhava 500 e pagava os estudos de 400. Isso e um exemplo... mas as coisas sao assim mesmo. A primeira menina realciona a boa vida ao prazer de ter uma calca que so gente rica pode comprar... e a segunda da valor aos estudos, que por sinal isso abrira ainda mais a cabeca dela...e assim vai. E pensar no que cultivamos!

    ResponderExcluir
  18. Fui lá no blog da Priscila e deixei comentário, mas não entrou. Depois eu tento de novo!
    Linda homenagem que ela fez pra ti, Nina! E tu merece, porque tu sim, é um luxo!!
    Bjkas e bom sábado!!!

    ResponderExcluir
  19. meus olhos ficaram cheios de lágrimas.
    simples,mas de coração.

    ResponderExcluir
  20. Este aproveitamento dos livros funciona assim aqui no Nordeste. Porém, o problema é que alguns perdem os livros, e então, para sairem da situação complicada, pois, se não devolverem os livros, ficam sem a matricular até pagarem os mesmos, o que fazem os malandros? Roubam os livros de quem os conservou.

    Adão Braga

    ResponderExcluir
  21. Eu tenho de concordar, brasileiro é um povo deslumbrado mesmo. Mas acho que é uma coisa bem cultural mesmo! A Alemanha foi arrasada por duas guerras, humilhada, despojada... Aprendeu mesmo na marra. Acho que sempre tivemos tudo em abundância por aqui, então nunca nos preocupamos muito. Água não falta, energia não falta, alimento não falta... O país é mesmo abeçoado por Deus e bonito por natureza. A verdade é que a gente só dá valor quando falta... Vide o episódio do apagão no Brasil! Eu sei que temos muitos problemas por aqui, mas reconheço que não há lugar como o lar. Eu morei 3 anos na Bolívia e pra mim não tem país melhor que o meu! =D

    P.S.: Eu vim pelo blog da Prix, adorei a indicação dela.

    ResponderExcluir
  22. NINA, EU ENTENDO TUDO DO QUE VC FALA POR QUE VIVO ISSO.

    Eu moro na Suécia, um país onde ninguém dar valor ao que vc usa. Dar-se valor ao que faz da vida ao seu redor.Incluindo, os demais que nem faz parte de sua vida privada.
    Meio-ambiente aqui é ESSENCIAL. ANIMAIS?SIM. ELES SAO TRATADOS COMO GENTE.

    Só compro roupas uma vez por ano e na liquidacao.Economizo cada centavo da minha vida para investir no meu trabalho, Nina.Nao meco esforcos para investir em fotografias. Um hobby que se transformou em trabalho.

    E vou publicar um post que escrevi dias atrás e muito parecido com o seu.

    BEIJOS, MENINA.

    ResponderExcluir
  23. Visitinha de médico! Passando pra desejar um domingão gostosão!!!
    Bjos, amooooooo!!!

    ResponderExcluir
  24. muito bom o post, Nina.. li todinho e realmente as coisas funcionam assim.. brasileiro é bixo escroto, que acha que andar de carro e ter um casarão é sinônimo de poder e luxo, e esquece que coisas simples como andar de bicicleta ou fazer uma caminhada pode ser uma luxuria só, ou um privilegio em alguns paises europeus.. quero ter essa sua visão quando eu me mudar pra Italia.

    ResponderExcluir
  25. Muito bom seu post.Para muitos, morar no exterior ja demonstra um certo status.
    Voce esclareceu muito bem como as coisas se passam e simplicidade deve ser a "palavra chave" para se viver bem em qualquer lugar.
    Quanto ao portugues, agora daonou-se tudo. Estou me sentido uma semi analfabeta. Precisamos reaprender. Não sei mais quando escrevo certo ou errado.
    Mas vamos á luta.
    Bjs e otima semana

    ResponderExcluir
  26. Vou te dizer, seu post está maravilhoso. Acredito muito em tudo que você escreveu, aqui no Brasil ainda não se dá valor as coisas que realmente importam, a vida, a cultura e mais ainda o planeta, admiro muito a sociedade européia, por isso, o desapego das coisas que não tem importância para vida.bjs e parabéns.

    ResponderExcluir
  27. * Atitude correta sua tia teve Nique.
    * Pri, já disse, vc é uma fofa!!!
    * Rosa Monica,eu entendo vc querida, em Manaus é tbm extremamente complicado sair por ai de bicileta além de perigoso demais...
    * Vizinhas Bina? Que maravilha seria!
    * Pois é Katita, aqui a gente faz absolutamente TUDO sozinhos
    * Chris, vc é minha maninha, a gente pensa mt igual mesmo :)
    * Então vc é como eu Dafni, sempre com lágrimas nos olhos :)
    * Que horror isso Adao, essa coisa de se mostrar espertinho me tira do sério.
    * Vc tem razão Mariana, quem tem demais nao valoriza o que tem
    * Quero mt ler o que seu post Grace e ver as fotos, claro!
    * É Carol, luxo é outra coisa...
    * A gente tá correndo atrás das coisas erradas Bete, tamo na contramao, sabe??
    * Então Ana, o seu post de hoje fala disso tbm né? de uma outra visao...

    Espero nao ter ofendido ninguém com esse post... só queria tentar mostrar que nem tudo o dinheiro compra.
    Bjs a todos!

    ResponderExcluir
  28. Oi Nina,

    Primeiro queria dizer que adorei o novo layout. Ainda nao tinha visto.

    Segundo, que adorei seu texto. Eu, que nunca morei em outro pais, consigo te entender e me imagino levando uma vida simples assim. Me canso tb de ter que me preocupar com que roupa vou sair, quando na verdade tenho vontade de colocar um tenis pra me sentir mais confortavel.

    Que bom que vc esta descobrindo tudo isso.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  29. Nina, que Layout lindo !
    E que texto maravilhoso...
    Achei a minha cara.....
    Vou espalhar para as minhas amigas....

    ResponderExcluir
  30. Nina, nao consigo acreditar que existam pessoas que achem que tu ficou metida, por favor, será que estas pessoas te conheciam realmente? Acho que não. Acredito que nao existam ex-amigos, na realidade nao eram amigos, so isso.
    Mana adorei ler sobre a Alemanha e alguns costumes que se tem por ai, muito interessante.
    Entrei no blog q tu recomendou. É muito verdadeiro o que Pri escreveu.
    Bjussss

    Keury

    ResponderExcluir
  31. Renatinha, obrigada, o layout eu preciso mudar sempre, sou uma inquieta com relacao a isso :(

    Monica, vc e sua delicadeza de sempre...

    Keury minha amigona,uma das poucas de Ita :))))) vc tem razão, amigos mesmo, conto no dedos de uma só mao :(

    eles me desprezaram keury :( mas tudo bem, sou pequena, mas sou forte :)

    um beijo em cada um que veio aqui.

    ResponderExcluir
  32. Nina,
    Amei o texto!!! Concordo 100% com seus comentários! E viva os sapatos confortáveis, e viva os passeios ao ar livre, e viva a cara sem maquiagem :o)))
    Beijocas,
    Angie

    ResponderExcluir
  33. Nina,
    Amei o texto!!! Concordo 100% com seus comentários! E viva os sapatos confortáveis, e viva os passeios ao ar livre, e viva a cara sem maquiagem :o)))
    Beijocas,
    Angie

    ResponderExcluir
  34. Que post bacana !! A gente tem muito que aprender com os alemães e como ..
    Gostei muito do seu blog ,irei visita-la mais vezes ,,
    um grande abraço

    ResponderExcluir
  35. Tô indo pra Alemanha, rs...
    Amei o estilo de vida por aí, e mesmo aqui no Brasil me sinto fora de lugar. Não preciso ter todas as roupas da coleção, e nem troco de casaco todo inverno, tô chegando aí amiga. bj

    ResponderExcluir
  36. A prancha semanal me persegue, mas não dou $ meu suado dinheirinho aos salões, eu mesmo faço. Rs...Minha prancha é artesanal. bj

    ResponderExcluir
  37. Olá, cheguei aqui pelo concurso da Elaine.

    Identifiquei-me muito, porque sou assim, e tenho sido alvo de gozações entre amigas de trabalho. Se compro uma jaqueta, um sapato, penso na durabilidade, em quantos anos poderei usá-lo. Cabelos e unhas aprendi a cuidar sozinha, e no básico, cabelos e unhas em ordem, só.

    Empregar o dinheiro num bom livro, num concerto ou uma ida a um museu, é fazer escolhas perenes.

    Ótimo post, parabéns.

    ResponderExcluir
  38. Olá Nina adorei seu post, vim pelo concurso e seu blog é 10!
    O ser humano e em especial o brasileiro tendem a ser metidos e ter mania de grandeza, principalmente os de menor poder aquisitivo. O que você chama de simplicidade e não deixa de ser, eu chamaria de humildade, pois é o que falta nestas pessoas fúteis e que se julgam muito melhor que os outros e que não têem o mínimo senso e não sabem dar valor as coisas mais simples e belas da vida...
    Bjsss grandes e parabéns!!!

    ResponderExcluir