13/01/2009

A Alemanha e a guerra

Quando eu vim pra cá, há poucos anos, ouvi de algumas pessoas, das poucas que falei que vinha, duas coisas que me deixaram com pulga atrás da orelha: "Mas logo a Alemanha?? ou ainda: Não posso te visitar nunca, nunca vou colocar os pés naquele país"(!!)
Confesso que um dia também fui muito contrária a idéia. Quando mais jovem, tudo passava na minha cabeça de menina sonhadora, morar em todos os países possíveis da europa, mas a Alemanha nunca esteve nos meus sonhos.
Tudo por causa da segunda guerra e dos absurdos que ouvimos falar de tal época.
Quando cheguei aqui, tinha já uma outra concepção do que era o país e ao botar os pés e aqui me enraizar, porque assim que me sinto aqui, em casa, vi o quanto quando jovem, estava enganada.
Mas desde que cheguei, estava me devendo uma visita mais profunda na História... e consegui realizar uma muito pequena parte da minha vontade, na viagem de natal que fizemos.
* * *
Estivemos por dois dia em Nürnberg, "a cidade mais alemã" dos tempos de Hitler, como eles costumavam se referir a Nürnberg. Onde ele fazia suas grandes reuniões do seu partido e onde também, depois da guerra, aconteceu o Processo de Nürnberg, ou seja, onde os culpados de guerra foram julgados. Ou parte deles, ou um terço deles, ou nada deles, quando pensamos em quem estava realmente envolvido no Holocausto...
Aqui, o julgamento dos acusados:


Uma cidade bonita, com prédios bonitos e antigos, como por toda a europa...







E onde acontece um dos mais famosos Mercados de Natal, o Christkindlesmarkt.


Acontece que, apesar de a cidade ser bonita, grande, moderna, nosso interesse lá era um só: conhecer o famoso Centro de Documentação.
Um dos grande delírios de Hitler e hoje museu que conta muito da história.




O museu mostra de forma altamente educativa, como tudo começou... usa recursos de filmagens, textos em áudio que explicam cada setor do museu em vários idiomas, cheio de fotos enormes da época, de gravações, álbuns, pequenos objetos, fazendo com que o visitante tenha uma visão geral e apronfundada do que motivou a Alemanha nazista a fazer o que fez com os povos que ela considerava inferiores...





Mostra desde a adoração a Hitler, começada por uma perfeita lavagem cerebral no povo... até sua decadência, com a proximacão do fim da guerra...
Mostra como o povo foi usado diabolicamente pra o mal.


Mostra como a Alemanha após o fim da primeira guerra, estava em péssimas condições, com o povo pagando impostos absurdos, extremamente mal alimentado e com uma dívida enorme, sem esperança alguma. Foi nesse contexto, de uma Alemanha pobre e sofrida, que Hitler entrou em cena, e pouco a pouco começou aquilo que seria um dos piores momentos da vida na terra para milhões de vítimas de suas atrocidades...
A Alemanha massacrada pela primeira guerra, se viu agora em novas mãos, nas mãos de um louco que conseguiu o apoio de muitos que tinham nele a esperança de mudanças. Estrategicamente, inicialmente de forma sutil, o Partido Nazista, instaurou na cabeça de muitos, que a culpa de todos os males estava nas mãos dos judeus, já que estes eram os ricos na época, valendo ressaltar que o antisemitismo (ódio aos judeus) já existia muito antes de Hitler, mas é claro, nunca, nada foi tão absurdo como o que aconteceu na segunda guerra mundial. Grande parte do comércio alemão era dominado pelos judeus e por isso mesmo, os nazistas usaram deste fato para iniciar seu ódio contra os mesmos. Inicialmente, como parte do cerco aos judeus, os nazistas não podiam ir tão direto ao ponto que desejavam, porque isso assustaria os outros países e faria com que eles se revoltassam contra a Alemanha que procurava se reerguer. Os nazistas começaram de forma devagar e calculista a guerra contra os judeus, que foram a principal vítima de suas loucuras.
Estima-se por volta de 6 milhões os mortos judeus!
Essa perseguição insana começou de fato, na noite de 9 de novembro de 1938, quando ocorreu a Noite dos Cristais, nome dado ao dia que o povo se reuniu junto aos partidários de Hitler e quebraram e incendiaram as lojas judias por toda a Alemanha. Isso foi o pontapé inicial, depois de um judeu na França, ter assassinado um alto funcionário do governo alemão por revolta do que já estava começando a acontecer na Alemanha contra os judeus ainda de forma discreta e sigilosa... a Noite dos Cristais foi então o primeiro dos ataques. Depois, o cerco aos judeus, colocando-os em guetos. A população judia era enorme, e conforme a Alemanha ia invadindo outros países na europa ela ia fazendo também ali, os guetos pra trancafiar os judeus.
Inicialmente, o objetivo era matar por inanição. Os guetos eram pequenos em comparação a grande população judia e muitos foram o que morreram de fome. Até os fogões eram lacrados. O guetos possuiam péssimas condicões de higiene e muitos também ali morreram por doenças graves ou por fuzilamento.
Depois dos guetos, os judeus foram enviados aos campos de concentração, que eram campos de trabalho forçado. Mulheres eram separadas de seus maridos e de seus filhos.
Após uma reunião em Berlim, os nazistas decidiram por um fim ao caso Judeu. Foi aí que começaram a ser construídos os campos de extermínio e tudo o que a gente conhece hoje de absurdos cometidos ali dentro, foram ali perpetrados.

* * *

Depois de Nürnberg, fomos a um outro lugar... já não era suficiente o que vimos, queria entender um pouco mais e fomos a um antigo campo de concentração, o de Flossenbürg.
O caminho em direção ao lugar é de extremo terror, ainda hoje. Não estava nevando aonde estávamos antes, mas ao começarmos a adentrar o longo percurso de carro, estava nevando sem parar, e eu tinha a impressão que naquele lugar, o frio e a neve nunca param, mesmo no verão. De tão tenso que é o caminho até o campo propriamente dito.
Em Flossenbürg, houve no total, 100.000 presos que trabalhavam arduamente, como em todos os campos de concentração, trabalho pesado, pouco alimentados, péssima saúde e péssimas condições sanitárias, onde desses 100 mil, um total de 30.000 ali vieram a falecer.
Flossenbürg era uma cidade que trabalhava com pedreiras, e era esse o trabalho árduo que os prisioneiros tinham que fazer, ou seja, retirar pedras da pedreira para construções nazistas.
Houve inclusive uma marcha para morte indo em direção a Auschwitz, nos últimos meses antes do fim da guerra, onde ali sim, havia além de campos de concentração, campos de extermínio.

Mapa que mostra os campos de concentração e de extermínio



Prédio aonde ficavam os nazistas responsáveis pelo Campo de Trabalho em Flossenbürg






Ao chegarem nos campos, os prisioneiros tinham seus pertences retirados de si, juntamente com sua dignidade.
Aqui, baralho de algum preso em Flossenbürg


Por algum período, Flossenbürg recebeu também mulheres.
Aqui, ilustrações de uma das prisioneiras, Eliane Jeanine Garreau e seu material de trabalho, que esteve em Ravenbrück, outro campo de trabalho forçado.






O antigo campo de concentração hoje é um museu, que apresenta algumas das pessoas que ali ficaram presase algumas de suas histórias


As pedras que contam a história


Os poucos utensílios dos prisioneiros



O banheiro, extremamente pequeno a pertado se imaginamos a quantidade de gente que havia ali.



Na parte de fora do campo, há também um crematório pra onde eram enviadas as vítimas. Também pela redondeza do museu, há um pequeno cemitério, em homenagem aos mortos, onde mais de 5 mil restos mortais de algumas das vítimas dos nazistas que ali ficaram aprisionadas, estão enterrados




E havia muito mais, mas a emoção não dá conta de fotografar. Roupas e sapatos de pessoas que ali estiveram, objetos de uso pessoal, maca que levava os corpos ao crematório, pás, pedaços de arame farpado que cercavam os campo, fotos e filmagens de pessoas em pele e osso, filmagens feitas pelos próprios nazistas de fuzilamentos, e eu só conseguia chorar ali dentro.

Não tem outra opção quando você se vê diante de tais cenas brutais...
Se o que eu vi num simples campo de concentração já me deixou chocada, eu imagino o que eu veria num campo de extermínio, como por exemplo, Auschwitz-Birkenau e Treblinka, dois dos maiores campos de extermínio onde eram assassinados não só judeus (homens, idosos, mulheres e crianças), como também comunistas, homossexuais, testemunhas de jeová (que se recusavam a usar armas e por isso, não se alistavam no exército), deficientes físicos e mentais, e todos aqueles que eram contra o nazismo.

Ainda hoje o mundo se pergunta o que aconteceu no mundo há tão pouco tempo. E é exatamente isso que fica martelando na minha cabeça, isso faz pouco mais de 60 anos! Tão pouco tempo atrás e o ser humano era esse carrasco que ouvimos falar...
O que fez o mundo se calar diante de tais atrocidades?
A resposta pode estar, segundo especialistas, na forma como tudo foi muito bem elaborado e escondido, apesar de alguns terem sido avisados o qeu aconteceia em alguns campos, quando prisioneiros conseguiam milagrosamente fugir.. e eram poucos o que fugiam e eram poucos os que acreditavam, mas também era pouco o que se podia fazer contra a máquina nazista.



* * *
O bom de tudo isso, se é que eu posso dizer que há alguma coisa de boa nisso tudo, é que o povo alemão que eu vejo hoje é totalmente contrário a qualquer tipo de violência ou guerra. Aprendeu às custas de muito sofrer, que nunca mais o que ocorreu por aqui deve ser repetido. "Nie wieder"!
E ainda há pessoas que dizem que o Holocausto não aconteceu e para esses, os tais revisionistas, existe lei, que os leva preso, porque a Alemanha é contrária a qualquer idéia que se diga que o Holocausto não aconteceu. Isso é crime aqui. Eles não negam os fatos e estão constantemente abertos a saber mais desse período. E se envergonham do que aconteceu.

Por muito tempo, os alemães tiveram grande vergonha e carregaram grande e enorme culpa pelo que seu povo fez contra a humanidade. Até que, certa vez, ao fazerem passeatas contra a guerra do Vietnan, os jovens alemães exigiram que seus pais contassem o que viram. Começaram então a sair dos armários toda a dor que o povo alemão carregava e carrega, até hoje, sobre os seus ombros...
Esteja certo de uma coisa, amigo que leu até o fim esse enorme e sofrido post, dói estar na pele de um alemão!

22 comentários:

  1. Nina, eu ameeei esse post!
    A maioria dos livros que já li foi sobre o nazismo e foi coincidência,sabe? Mas de tanto ler, eu sempre quero saber mais e mais. Até hoje eu não entendi o motivo de tanta perseguição contra os judeus! Não deve ser apenas por causa do assassinato contra um alemão, né? Se você souber o real motivo me diga porque não encontro ninguém que consiga me exolicar, nem o judeu que trabalha comigo.
    Eu me encanto por tudo isso e sofro muito quando leio sobre essa história tão real e triste.
    Li vários livros,mas o mais lindo, emocionante e verdadeiro foi o "Mil cairão ao teu lado", é um livro de chorar a cada capítulo.
    Eu poderia escrever horas sobre isso porque me interessa muito!
    Sabe, eu nunca tinha parado para pensar na Alemanha, mas ai te conheci, depois vieram os livros e sei que muita gente que lá estava Não concordava com isso,mas tinha que fazer parte para salvarem suas vidas e de suas famílias. Não acredito e nunca acreditei que o povo alemão fossem ruins, eles'foram ingênuos ao irem na cabeça doentia de Hitler.
    Falei demais, né?
    beijos!

    ResponderExcluir
  2. Excelente post Nina, parabéns!

    O que prova que o povo alemão já não é o mesmo do holocausto, é a sua coragem e nobreza em fazer um museu tão bem documentado e retratado como este que você aqui nos trouxe.

    É preciso ter-se uma grande firmeza de espírito para se assumir assim dessa forma tão nua perante o mundo. E a Alemanha soube fazê-lo como poucos.

    Obrigada Nina. Ainda fquei com mais vontade e curiosa de conhecer esse país e esse povo que a adoptou.

    ResponderExcluir
  3. É emocionante, nao? Também estive no Centro de Documentação em Nüremberg e em Auschwitz, e nao tem como chorar diante de tanto sofrimento, tanta crueldade! E é importante nao esquecer, para nao acontecer de novo!
    Beijos,
    Angie

    ResponderExcluir
  4. nao carlinha, falou bem... assim como vc, ninguém entende ao certo o porquê daquelas atrocidades terem acontecido. Como eu coloquei no post, já havia o antisemitismo bem antes de Hitler. E os judeus sempre mexeram mt bem com dinheiro, são mt bons no que fazem em questões comerciais. Na época, os judeus estavam na alta escala na sociedade, tanto é que as primeiras vítimas judias, foram os mais ricos da classe judaica. Os judeus sao perseguidos desde a antiguidade, porque acredita-se que foram eles os responsáveis pela morte de Jesus. Hitler nao estava interessado em religiao, o que ele queria era poder..Dizem tbm que ele foi recusado certa vez numa academia qualquer por um judeu.. dai aumentando seu ódio.. o fato é que além de louco, ele queria as riquezas que estavam concentradas nas maos dos judeus, e os colocou perante a sociedade alemã sofrida da época, em forma de lavagem cerebral, como aqueles que conseguiam o que queriam porque agiam para o mal, que eles eram ricos gracas a sua maldade, que eles eram por isso a escória da humanindade e como tal deveriam ser abolidos. ... nao sei, ninguém sabe, sao mts teorias a respeito desse ódio absurdo e preconceituoso...

    Então Patti, é por tudo isso que a minha admiracão por esse povo só cresce, e o mais interessante é ver como eles sao pessoas lindas, pacíficas e de bem com a vida. Vc vai achar aqui, nao somente um ou dois museus, mas todos os que vc possa imaginar desse período negro.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo post, muito bem escrito de grande sensibilidade. Já li muito sobre a guerra, coisas impensáveis aconteceram naqueles campos. Realmente foi um grande erro do povo alemão, guiados por um insano. Porem nos dias de hoje o povo, compreende o erro de seus antepassados e conseguiram construir um pais muito melhor. bjs

    ResponderExcluir
  6. Angie vc teve coragem de ir a Auschwitz?? Antes eu tinha vontade, mas to comecando a achar que é melhor parar por aqui, é mt dolorido, meu Deus...
    depois desse dia, pra vc ter uma idéia, eu até sonhei com isso, sonhei que era uma das prisioneiras, sonhei com alguém tatuando meu braco com ferro e fogo, tatuando o meu número de prisioneira. Eu sentia mt tristeza e um medo gigantesco nunca sentido num sonho, e sabia que iria morrer ali...
    acordava e pedia para que o sonho nao continuassse, mas ele continuava.. um horror!

    é Ana, eu fico surpresa com o crescimento da Alemanha, o que mais me surpreende aqui é o respeito que se tem a essa época e ainda o respeito que se tem pela polícia, eu acho que se fosse no Brasil a gente nunca teria esse respeito com a policia, porque eles tbm fizeram a sua parte, porque era obrigacao dela, nessa fase crítica.. mas eles souberam mesmo dar a volta por cima eu acho bonito demais, o respeito que ser tem aqui pelo cidadão.

    ResponderExcluir
  7. Oi Nina,

    Deixei um convite (meme) pra vc no meu blog.

    beijo!

    P.S.: Depois vou vir ler seu post com calma. Pareceu muito interessante.

    ResponderExcluir
  8. Oi Nina, eu imagino como deve ser dolorido esse sentimento de culpa. Esse momento foi muito triste para eles, guiados por um louco manipulador que se aproveitou de situações favoraveis para disseminar sua loucura. Eu adimiro a maneira como eles vem tratando desse episódio, sem esconder nada.
    Afinal, como disse a Angie, é bom para que ninguém se esqueça, para que ninguém tente repetir essa tragédia.
    Adorei o post, muito esclarecedor!

    Bjãoo

    ResponderExcluir
  9. Nina, acredito que não terei coragem nunca de fazer essa viagem que você fez.Meu coração não aguenta mais, está sofrido e calejado demais . Prefiro ver o lado belo da Alemanha .

    ResponderExcluir
  10. Adorei, Nina. Você deu vida e poesia a essa história tão doída, e teve coragem de falar em um assunto delicado sem meias palavras, mas também sem qualquer exagero. Eu terminei de ler 'O menino do pijama listrado' ontem e estava nesse clima mesmo. Foi ótimo ler seu texto. Consciente, mas ao mesmo tempo otimista. A Alemanha tem coisas lindas mesmo, e agora ainda nos 'tomou' você...rssss...

    E você? Melhorou??? Como está??

    Beijo grande,

    Rê.

    ResponderExcluir
  11. O duro é a lição não aprendida... Gaza está aí esbofeteando a nossa cara.
    Forte abraço e obrigada pelo texto.

    ResponderExcluir
  12. Ainda há muita história mentirosa sobre a Alemanha, a do holocausto, eu tenho dúvidas!

    Adão Braga

    ResponderExcluir
  13. Obrigada Renatinha! passo logo lá...

    É Monique, é pra nunca mais se repetir mesmo! Mas infelizmente se repete como disse a Ro, não na Alemanha gracas a Deus, mas em outro paises, aliás, como sempre aconteceu. A questão do Holocausto foi a terrível maneira com que a inteligência foi usada para o mal

    Entendo vc K, tbm já to nessa fase, é mt duro

    O menino do pijama listrado?? deve ser mt bom Re além de mt triste, nao?

    É verdade Adão que tem mt coisa que pode ter sido aumentada ou reduzida, mas do Holocausto eu não tenho dúvida. Se vc morasse aqui tbm não teria, porque todo dia os alemães mostram alguma reportagem sobre o tema na tv, e eles têm filmes originais feitos pelos própios desequilibrados nazistas, que nunca vi no Brasil... coisa de arrepiar!

    ResponderExcluir
  14. Pois o museu foi o unico lugar "turistico" de Nürberg que nao fui. Rodei TUDO lá, mas essa parte da historia nossos amigos nao queriam mostrar ou lembrar de forma nenhuma. E eu entendo, mas um dia volto lá

    ResponderExcluir
  15. Niníssima!! Já vi que tem um post bacana, mas tô na correria então volto a tardinha pra ler!!
    Passei pra dizer que tenho uma novidadezinha lá no blog!
    Saudades!!! Volto mais tarde!!
    Bjkas, amo!!!!!

    ResponderExcluir
  16. Nina, já havia lido esse seu texto ontem, sabe que eu até sonhei com tudo isso e só lembrei agora que dei uma relida?

    Eu amo a Alemanha, acho que não era necessário a guerra, mas qual guerra é necessária?

    Beijins com felicidades:*

    ResponderExcluir
  17. Nininha! Foi muito horrível este capítulo da história, dói lembrar o que aconteceu! Mas fico triste quando as pessoas dizem que alemão é tudo nazista! Sou de origem alemã e sempre escutei isto desde pequena, e acho uma pena, pois nem todos alemãos foram nazistas. Acho que a maioria se deixou seduzir por um cara nacionalista que dizia querer reerguer a Alemanha, mas acho que a maioria não sabia das atrocidades que eles cometiam nos campos de concentração.
    Quando tudo veio à tona, os alemães se sentiram culpados por terem acreditado num monstro e se sentiram cúmplices destes crimes.
    Foi uma grande tragédia e mancha na história da Alemanha. Mas o povo alemão é totalmente contra este tipo de violência, é muito receptivo, amigo, caprichoso, um povo muito animado!
    Parabéns pelo teu post!
    E é absurdo que ainda tenham pessoas que não acreditem nisso!!
    Bjão lindona!!!

    ResponderExcluir
  18. Nina, morar na Alemanha leva inevitavelmente a questionar esse periodo historico. Vc citou, admirada, o fato diso ter acontecido ha "apenas" 60 anos... E os Balcãs??? Não faz nem 20 anos!!!

    Concordo com varias coisas qe vc falou, mas acho que é simplista demais atribuir tudo à "loucura" de apenas um homem.

    ResponderExcluir
  19. Concordo Silvinha, e nao penso que ele foi único arquiteto daquilo tudo...

    ResponderExcluir
  20. Conheci seu blog hoje, Nina, e estou apaixonada pelos seus posts!
    Quando era um pouco mais nova, na 8° série, quando via tudo aquilo nas aulas de história confesso que fiquei revoltada e até pensei mal dos alemães, mas agora não penso mais assim.
    Realmente eu acho que eles queriam alguém que pudesse reerguer o país e se deixaram levar por aquele homem totalmente insano( que aposto que devia ter mais cumplices, ele não pode ter liderado tudo sozinho, pelo menos, eu acho...)!
    Acho que você esclareceu muito bem, e teve muita sensibilidade pra falar de uma coisa tão sofrida.
    Vou cotinuar lendo seus posts, que são muito bons!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  21. Um minuto de reflexão............
    Nina,quanta coisa triste,sem dúvida a pior tragédia da terra.Estar lá e saber dos sentimentos da época deve realmente ter sido difícil para vc que é uma pessoal sensivel.O incrivel é que Hitler por ter sobrevivido á alguns ataques para acabar com sua vida,se achava abençoadpo por Deus,protegido,e acreditava ainda mais no trabalho que estava fazendo como a coisa mais correta do mundo.Sua ambição egocentrica foi tão alta, que ignorou qualquer tipo de erro .E ainda vivem idiotas (infelizmente)que o idolatram e querem perpertuar suas leis....
    O homem como um todo,nunca aprenderá que as leis de Deus são baseada somento no amor.
    abraço Nina

    ResponderExcluir
  22. Miguinha VC ve q fico aqui lendo seus posts antigos e cada vez me surpreendo mais c a sua inteligecia, sensibilidade e magia para contar coisas da vida, historias da humanidade ou simplesmente coisas do coracao beijokas mil

    ResponderExcluir