13/11/2008

Sobre o mundo e sobre nós mesmos

Se ontem falamos de adocão, hoje páro pra pensar no que nós todos somos e o que será de nossos filhos...

"Fala-se tanto da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos e esquece-se da urgência de deixarmos filhos melhores para o nosso planeta"...

A frase, que a minha amiga Kathia me enviou e que foi enviada a ela por alguém que não sabe o autor da frase, me fez lembrar de tantas coisas...

como desse texto escrito por Elisa Lucinda e lido por Ana carolina num show com Seu Jorge, que muitos devem conhecer, mas que sempre me emociono, toda vez que ouco...






E de um outro texto, forte, enviado pela Silvinha. Se é de autoria do João Ubaldo Ribeiro eu não sei, mas que parece com ele, parece, aliás, parece com muitos de nós...


Precisa-se de Matéria Prima para construir um País

"A crença geral anterior era que Collor não servia, bem como Itamar e Fernando Henrique.
Agora dizemos que Lula não serve.E o que vier depois de Lula também não servirá para nada...
Por isso estou começando a suspeitar que o problema não está no ladrão corrupto que foi Collor, ou na farsa que é o Lula.
O problema está em nós.

Nós como POVO.
Nós como matéria prima de um país.

Porque pertenço a um país onde a "ESPERTEZA“ é a moeda que sempre é valorizada, tanto ou mais do que o dólar.

Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais apreciada
do que formar uma família, baseada em valores e respeito aos demais.

Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nas calçadas onde se paga por um só jornal E SE TIRA UM SÓ JORNAL, DEIXANDO OS DEMAIS ONDE ESTÃO.

Pertenço ao país onde as "EMPRESAS PRIVADAS" são papelarias particulares de seus empregados desonestos, que levam para casa, como se fosse correto, folhas de papel, lápis, canetas, clipes e tudo o que possa ser útil para o trabalho dos filhos...
E para eles mesmos.

Pertenço a um país onde a gente se sente o máximo porque conseguiu "puxar" a tevê a cabo do vizinho, onde a gente frauda a declaração de imposto de renda para não pagar ou pagar menos impostos.

Pertenço a um país onde a falta de pontualidade é um hábito.

Onde os diretores das empresas não valorizam o capital humano.

Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e
depois reclamam do governo por não limpar os esgotos.

Onde nossos congressistas trabalham dois dias por semana para aprovar projetos e leis que só servem para afundar o que não tem, encher o saco do que tem pouco e beneficiar só a alguns.

Pertenço a um país onde as carteiras de motorista e os certificados médicos podem ser "comprados", sem fazer nenhum exame.

Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços, ou um inválido, fica em pé no ônibus, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme para não dar o lugar.

Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o pedestre. Um país onde fazemos um monte de coisa errada, mas nos esbaldamos em criticar nossos governantes.

Como "Matéria Prima" de um país, temos muitas coisas boas, mas nos falta muito para sermos os homens e mulheres de que nosso País precisa.

Esses defeitos, essa "ESPERTEZA BRASILEIRA" congênita, essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até converter-se em casos de escândalo, essa falta de qualidade humana, mais do que Collor, Itamar, Fernando Henrique ou Lula, é que é real e honestamente ruim, porque todos eles são brasileiros como nós, ELEITOS POR NÓS.

Nascidos aqui, não em outra parte...

Entristeço-me.

Porque, ainda que Lula renunciasse hoje mesmo, o próximo presidente que o suceder terá que continuar trabalhando com a mesma matéria prima defeituosa que, como povo, somos nós mesmos.

E não poderá fazer nada...

Não tenho nenhuma garantia de que alguém o possa fazer melhor. Mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá.

Nem serviu Collor, nem serviu Itamar, não serviu Fernando Henrique, e nem
serve Lula, nem servirá o que vier.


Qual é a alternativa?

Precisamos de mais um ditador, para que nos faça cumprir a lei com a força e por meio do terror?

Aqui faz falta outra coisa.

enquanto essa "outra coisa" não comece a surgir de baixo para cima, ou de cima
para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados... Igualmente sacaneados!

É muito gostoso ser brasileiro.

Mas quando essa brasilinidade autóctone começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento como Nação, aí a coisa muda...

Não esperemos acender uma vela a todos os Santos, a ver se nos mandam um Messias.

Nós temos que mudar! Um novo governante com os mesmos brasileiros não poderá fazer nada..

Está muito claro...

Somos nós os que temos que mudar.

Agora, depois desta mensagem, francamente decidi procurar o responsável, não para castigá-lo, senão para exigir-lhe (sim, exigir-lhe) que melhore seu comportamento e que não se faça de surdo, de desentendido.

Sim, decidi procurar o responsável e ESTOU SEGURO QUE O ENCONTRAREI QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO".

Coisas a se pensar muito seriamente!!!


18 comentários:

  1. Pensar seriamente mesmo, Nina. Sempre falo sobre esse tipo de coisa também, acho que as pessoas só conhecem o sentido da palavra corrupção quando lhes desfavorece. Quando é em favor do SEU interesse, deixa de ser imoral e condenável e passa a ser o celebrado "jeitinho brasileiro", que, na verdade, deve existir em toda parte do mundo...

    Ética e honestidade viraram palavras com sentido pessoal, que dependem da situação pela qual cada um passa em determinado momento...

    Triste isso, né???

    Beijo grande!!!!!

    Rê.

    ResponderExcluir
  2. oi nina! bela reflexão! é preciso pensar no futuro que queremos viver... bjs!!!

    ResponderExcluir
  3. Nina,
    Teu anúncio traz esperança. Esperança de refletir sobre que me cerca, antes de tudo mais. Esperança de tentar ser coerente comigo e com a ética que me equilibra em meio a esse turbilhão deselegante. O mundo começa em mim. Penso que esse exercício auto-crítico pode provocar mudanças coletivas.
    Um beijo,
    Bel.

    ResponderExcluir
  4. Nina...

    Vc disse tudo...
    E a Ana mais um tanto ne?!
    Gente adoro ela...
    Temos realmente que cuidar e educar nossos filhos pra um mundo melhor sempre...
    Bjokas

    ResponderExcluir
  5. Eh amiga, eh duro mas eh exatamente assim mesmo que acontece... eh importante começarmos a mudança de nós mesmos, em nossa casa, no trabalho, na escola, enfim, temos que melhorar!
    Mts bjs!!!!

    ResponderExcluir
  6. mito bom teu post, é muito legal vir aqui.
    Maurizio
    Gostei do outro blog, Parabens.
    Maurizio

    ResponderExcluir
  7. Nina!
    Que texto é este!!!??Fiquei toda arrepiada, muito direto e muito pouco agressivo, É Nossa realidade, AQUi...nuna e crua!!!
    Vou divulgá-lo, as pessoas precisam de verdades!!!
    ACORDA BRASIL!!!!!!
    Bom Dia!!!
    Beijinhos!
    Thaís M M

    ResponderExcluir
  8. como será que o mundo vai estar daqui a cinquenta anos, quando nossos filhos ja serao quem sabe avós!!

    eu nao penso nessas coisas, acho que a sociedade caminha no ritmo que deve andar.. a gente cria os filhos do jeito que a gente acha que é certo, e tudo influenciado pela sociedade em que vivemos.

    a gente tem que se preocupar é com a sociedade, porque é pra nela que viverao nossos bacuris de amanha.

    ResponderExcluir
  9. Querida, obrigada pela sua visita lá no meu cantinho. Fiquei feliz com o seu comentário. Menina essa frase enviada pela sua amiga sobre filhos melhores foi dez. Beijocas

    ResponderExcluir
  10. Olá Nina
    Retribuindo sua visitinha ao meu Canteiro.
    Precisamos, sim, deixar filhos melhores para a vida, pois são eles que darão continuidade aos nossos valores.
    Carinhoso abraço.

    ResponderExcluir
  11. Você já tinha mandado esse texto por e-mail e eu adooorei! É a realidade nua e crua!

    ResponderExcluir
  12. Se cada um fizer a sua parte, só tem como melhorar! E haja espelho!!!
    Beijo grande,
    Angie

    ResponderExcluir
  13. Nina
    eu não sou uma pessoa católica(dessas praticantes), tão pouco sou religiosa.
    Mas gosto demais dos 10 Mandamentos.
    Não seria divino se as pessoas aplicassem aquelas lindas palavras pra vida toda?
    Eu tento, e muitas das vezes, eu consigo, explico pros meninos os significados de cada um, de uma maneira que eles possam entender, e me fascina como eles assimilam rápido.
    Tô fazendo a minha parte Nina, e faço segura de que estou fazendo bem feito:)

    Beijins com felicidades:*

    ResponderExcluir
  14. Obrigada pela visita ao blog. Conheço muito bem esse texto da Elisa Lucinda.
    Big Beijos

    ResponderExcluir
  15. Minha amigona querida!!!
    Passei prá dar um beijinho!
    Agora tô exausta pra ler todo o post, mas amanhã de manhã volto pra ler com calma!
    Beijão lindona!!!!!
    zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

    ResponderExcluir
  16. Coisas para pensar muito seriamente, realemnte. A criacao, a educacao e sempre a base de tudo. Pq e ela que forma humanos, nao apenas seres. E ainda, a materia prima da nacao, como foi mencionado nesse texto lindo e verdadeiro. Cada frase mais tocante que a outra, nos provoca uma reacao interna de querer mudar tudo agora. Mas leva tempo ne? Acredito que muitas pessoas sabem criar seus filhos, mas ainda assim falta! Aquela parte da musica de ana Carolina com Seu Jorge e maravilhosa, lembro que eu sempre que ouvia lembrava da minha mae falando: nao se pega nem um alfinete dos outros. Ela me contava uma historia de um ladrao que estava atras das grades e ele dizia que a culpa dele estar ali foi da mae dele. Pq ele comecou pegando um alfinete da vizinha e dava a sua mae para costurar...e a mae nao dizia nada.
    E la em casa sempre se falou confere o troco se veio mais devolve. Sao coisas como essas que fazem a diferenca...
    Educar os filhos e base. E esse jeitinho brasileiro foi posto como poesia, mas nao tem nada de poetico...essa esperteza e vergonhosa! Aqui e impressionante a honestidade do povo. Mas com certeza isso e de criacao. Vc citou o lance do jornal e e assim mesmo. Aqui nem uma sementinha de plantinha se pega em terreno baldio. To falando isso pq teve um dia que estavamos indo pegar o carro num estacionamento e tinha o terreno baldio, e eu vi um plantinha daquelas que e so tirar a sementinha da flor e plantar... falei com o amore e ele disse: nao esse terreno deve ser de alguem, a gente compra a planta ja crescida.
    Fiquei boba. Me considero honesta, mas o amore me superou nessa!

    Bju bju

    ResponderExcluir
  17. Achei extremamente importante sua reflexão, Nina: e como ficam nossos filhos neste mundo? Qual o papel deles p/ melhorar esta humanidade tão enfraquecida?

    Beijo!

    ResponderExcluir
  18. Pois é, Nina!

    Não é todo mundo que tem condições de criar filhos decentes para o mundo, veja só os níves de violência cada dia mais alarmantes.

    Eu optei por não ter filhos: primeiro porque nunca foi a minha praia mesmo, segundo porque é uma baita responsabilidade e eu, mesmo ganhando razoavelmente bem, não me considero (como não considero quase ninguém) segura psicologicamente para isso.

    Beijos e sucesso!!!

    ResponderExcluir