06/04/2014

Minha tia e uma oracao atendida anos depois

Amo minhas tias, mas uma tem sido especial pra mim, mesmo depois de 17 anos morta. Na época em que ela estava viva, sempre a vi como uma pessoa muito sofrida e nao entendia como  podia ter aquela presenca tao serena, mesmo passando por tanta dificuldade. Desde que me converti, tenho lembrado muito da minha tia Maria, a irma mais velha da minha mae. Inclusive, falei dela e de sua fé no primeiro post que escrevi, quando Deus me encontrou em maio do ano passado. Sei pouco da sua vida, mas estou certa de que esta foi bastante dura com titia. Sei que quando jovem, trabalhou em uma empresa que produzia juta, que é uma fibra têxtil extraida de uma planta, muito comum na Amazônia, e que passa por vários processos trabalhosos até virar na maioria dos casos, aqueles sacos ásperos que embalam graos de café. Lembro das minhas tias comentarem sobre esse trabalho duro na fábrica de juta, e de como saiam de lá cansadas e com cheiro ruim da própria matéria prima com a qual trabalhavam. Nos anos 40, 50 era um trabalho bracal. 

Minha tia conheceu seu marido nessa época. Teve três filhos mas se separou depois de alguns anos,  nao sei a razao da separacao  e quem foi que pediu o divórcio, só sei que minha tia nao recebia qualquer apoio do ex-marido e viveu toda sua vida sozinha. Era a família quem a ajudava na criacao dos três meninos. Ela morava numa casinha no quintal da minha avó, e era uma casinha tao pobre que dava pena de ver. Só lembro nessa época dos tios comendo melancia no quintal e do meu primo, filho dela, correndo atrás de gatos e fazendo maldade com os pobrezinhos. O menininho era terrível! Os filhos foram crescendo e minha tia se viu numa situacao dificilima quando a filha mais velha, uma menina lindíssima, de uns 15 ou 16 anos, comecou a se envolver com um marginal do bairrro. Ele era um bandido de verdade! Que maltratava muito minha prima e seus próprios filhos. Essa foi a época que minha tia mais sofreu, e até minha prima se desligar desse homem demorou muitos anos. Ele ia a casa da nossa avó para fazer confusao, gritar e ameacar toda nossa familia. Foi morto por outros bandidos. E minha tia foi ao velório. A única da família que compareceu. Passado algum tempo, sua filha mais nova, de apenas 16 anos, a menina mais tranquila e bondosa que já conheci, morreu de apendicite furada. Nove dias depois, o pai dessa minha prima, morreu. Ninguém sabe de que, dizem que foi de remorso por ter negado atencao a filha quando ela, alguns dias antes de dar entrada no hospital, lhe pediu o único presente em toda a vida, um relógio de pulso que ele negou. Dois meses depois, a mae da minha tia, minha avó Laura, que estava internada de câncer há alguns meses, morreu também.  Antes tinha pedido pra ir para casa e ficou lá ainda alguns meses até ser chamada por Deus.
Agora imagine a cena. A mesma mulher que desde mais ou menos os vinte anos, sofreu com marido ruim e distante, que teve problemas seríssimos com a filha que se envolveu com um marginal, perdeu a filha mais nova de repente, o ex marido que ainda amava e a mae, em menos de três meses! 
Eu via essa minha tia, que era extremamente magrinha, e aparentava ser  muito mais velha do que de fato era, e nao acreditava como alguém podia aguentar tanta dor. A filha mais velha, de vez em quando dava problemas, os netos aumentavam, o dinheiro diminuia, a saúde piorava (ela desenvolveu em funcao de sua pressao alta,  uma doenca popularmente conhecida como coracao grande, que lhe fazia sempre ter falta de ar e extrema fadiga). O mundo parecia estar caindo sobre a cabeca daquela tia que podíamos ver os batimentos de seu peito e pulsacao das veias esverdeadas, através da pele branca e magérrima, daquela que parecia ser feita só de pele e ossos, e ela, sorria serena e tranquila e lia a sua Bíblia, emanando paz e serenidade. Foi ela quem meteu medo na menina bobona que eu era, quando nos anos 80, lia pra nós o apocalipse nos fins da tarde. (Acho que esse foi o único erro dela ;-) Nao lembro de ver minha tia chorar além da conta (nesses dias da morte dos seus), nao lembro de vê-la com raiva, xingar algo, reclamar de qualquer coisa. Era a pessoa mais serena, sensata e tranquila que já conheci. Nunca ouvi de sua boca qualquer palavra de torpor, nunca ouvi um gemido sequer de murmúria, nunca! Pelo contrário, daquela boca só ouvi risos discretos, palavras de consolo, bencaos e gracas a Deus. Hoje eu vejo minha tia, que morreu tranquilamente enquanto dormia,  de uma maneira diferente daquela época. Nao a vejo mais como uma sofredora, porque sim, ela sofreu bastante, mas nunca aparentou isso e nem o seu interior sofria. Nao que ela quisesse provar o quanto era forte, absolutamente! Mas ela tinha uma fé completamente inabalável no seu Senhor. Quando tudo lhe faltava, a única coisa que ela repetia era "Deus proverá" e é fato que Ele sempre proveu! Mesmo que minha tia tivesse muito pouco, ela sempre recebia de minha mae ou dos outros tios alguma coisa e nunca algo realmente lhe fez falta. Ela precisava de pouco e o pouco que tinha, ainda repartia com os filhos e netos. Foi morar com a minha outra tia quando mamae foi buscá-la a fim de que descansasse um pouco para ter sua saúde recuperada e ficou ainda por alguns anos sendo cuidada e cuidando de todos nós, na casa que antes morava a minha avó, no mesmo quintal onde havia muitas plantas e gatos e comia-se melancia.

Ela e todas as outras tias falavam de Deus pra mim e minhas irmas. Nós nunca demos muita atencao às suas palavras. Queríamos ser donas de nossas própria vidas. Deus era muito chato e ranzinza e iria cortar nosso barato, assim eu pensava. Mesmo com toda nossa rebeldia, todas as tias sempre traziam nossas fotos dentro de suas Bíblias e guardavam nossos nomes e de nossas famílias em papeizinhos que liam em suas oracoes. Muitos anos depois de ver fotos minhas naquelas velhas e desgastadas Bíblia, eu faco o mesmo hoje. E agradeco a minha tia Maria, a dona de um semblante iluminado por Deus, por nao ter desistido da gente.

* * *

"Amados, não estranheis a ardente prova que vem sobre vós para vos tentar, como se coisa estranha vos acontecesse; mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e alegreis" 1Pedro 4:12.
 no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e alegreis".

9 comentários:

  1. "Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. - Romanos 8:35-39

    ResponderExcluir
  2. Oiiii flor,
    vi seu recaindo lá no Face, respondi... e vim pra cá ler um pouco.
    Li vários posts antigos, ADORO!!!
    Mas este último foi bacana, me identifiquei tanto com a parte da bíblia, pois as tias do Ivan fazem o mesmo, até hoje.
    E como anda tudo?
    aqui vai indo, readaptando!!!
    voltei para o blog ontem, depois de meses parado, me fez bem viu...
    um beijão e vamos nos falando por aqui

    ResponderExcluir
  3. oi flor!
    Lindo relato!
    Essas lembranças compartilhadas sempre iluminam a vida de alguém.
    É uma grande lição de sabedoria e fé.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Nina
    Que história! E quanta fé.
    Hoje o Evangelho de domingo fala sobre VIDA Jesus é a ressureiçao e a vida! Quando Jesus acordou Lázaro que era seu amigo, irmão de Marta e Maria . Eram uma familia de amigos de Jesus
    Ate brinquei que hoje poderia ser comemorado o dia do amigo. Não para que ele o ressuscite como Jesus fez, mas demonstrar por gestos o quanto amamos nossos amigos. Os de longe como voce e os de perto.
    Que Voce continue a colocar fotos de sua familia na Biblia. Eu também coloco.
    E o papai foi pro céu mas deixou uma Biblia para cada um de nós.
    com carinho Monica

    ResponderExcluir
  5. De uma certa forma é uma pequena homenagem a sua tia Nina.

    Gostei do post!

    Beijos!

    Daninane....

    ResponderExcluir
  6. Ah Nina, fiquei imaginando esta tia querida em meio ao quintal com plantas, gatos e melancias! Uma bela visão você nos trouxe através de seu relato amoroso.
    um beijinho carioca


    ResponderExcluir
  7. Texto divino, assim como sua tia... que doce, que fe, mesmo com o sofrimento. Deus a amparou sim, tenho certeza que ela esta no Reino da Gloria ao lado Dele. O tempo nos faz enxergar as coisas de forma diferente, nao e mesmo? Ou seria a experiencia de vida... O tempo permite ver a figura de forma mais clara, como um todo. Tomamos distancia e vemos as situacoes, as pessoas que passaram em um outro cenario, mas as cores ficam mais apagadas, mesmo que a memoria esteja viva.

    Um grande beijo, minha maninha

    ResponderExcluir
  8. Ai Nina !! você com suas historis reais de vida sempre me faz chorar e perceber o quanto somos pequenos diante da vontade de Deus!!
    Quando vc descrevia sua tia, passava em minha cabeça o semblante de minha mãe, que de tão serena e tranquila não lembro de nunca ter desistido até que Deus a chamou...
    Mas nina], não tenho forças pra escrever um texto assim sobre ela, começo e não consigo , a imagem por vezes se vai...talvez um dia! (chorando)
    lindo texto cheio de saudades e agradecimentos !!
    beijos e até mais !

    ResponderExcluir
  9. Quantas "tia Maria" têm pela vida afora? Eu mesma conheço algumas, não com a carga de sofrimento da sua, mas com essa serenidade que nos passam, com essa certeza de que sempre alguém proverá por nossas necessidades.
    Por isso temos que acreditar que há uma vida além desta e que sempre teremos a oportunidade de ser felizes, seja onde for.
    Beijo, Nina.

    ResponderExcluir