21/01/2013

Gonzaga e Gonzaguinha me emocionaram...

Já fazia um tempo que queria assistir o filme Gonzaga de pai pra filho, entao ontem a Georgia me enviou um link e vi. E chorei um bocado. O filme me emocionou desde o comeco. Me vi eu mesma e um bocado de gente que fez ou faz parte da minha vida, nesse bonito filme. 

Chorei quando o Gonzaga rapazinho se descobriu pobre e mulato e viu que isso seria um empecilho pra ter seu grande amor, quando o filme mostra as cenas de pobreza e trabalho duro na labuta diária do povo nordestino, mas também das mesmas cenas mostrarem um bocado de amor no sertao de Pernambuco, quando Gonzaga deixa sua cidade por ameaca de um coronel preconceituoso, quando seu pai vai visitá-lo no quartel, quando esse pai tao bom que Gonzaga teve, se mostrava tao amoroso mesmo sendo aos olhos dos outros, bruto e nao letrado, quando esse mesmo pai sentia as dores do filho quando a mae tinha que se mostrar dura. Pelo filho muito amado que ele foi. Chorava quando via as cores de pele queimada de sol de sua mae e de seu povo. Quando Gonzaga vai embora uma segunda vez de sua terra, mas leva-a consigo de alguma maneira. Quando ele entende que nao precisa negar suas raízes num moderno Rio de Janeiro. Quando Gonzaga perde sua linda mulher e nao sabe lidar com essa perda, transferindo ao filho todo seu medo. Chorei ao ver o menino Gonzaguinha sem mae e sem pai... e quando fiz comparacoes com tantos pais distantes, assim como Gonzaga foi. Quando eles ingenuamente acreditam que só dinheiro é o que os filhos precisam. "É pai, nunca faltou nada em casa, só você". Quando Gonzaguinha vai refazendo a sua vida como se seguisse os passos de sua mae e pai, quando se mostra um jovem rebelde, e já adulto, cheio de mágoas e dores da alma,  cobrando do seu distante pai mais amor. Tao corajoso... Chorei ao ver grata que os dois tiveram tempo e disposicao de fazerem as pazes.

Eu nao fui muito fa de Gonzaga, apesar de admirar  suas músicas e sempre saber dele, de seu sorriso tao presente e suas roupas típicas. Mas sempre fui apaixonada pelas músicas de Gonzaguinha, o filho. Senti muito a sua morte e lembro dos noticiários da época, que foi embora logo depois de seu pai ter se despedido dessa terra... mas agora, depois desse lindo filme, que me fez lembrar de tantas coisas e tantas músicas lindas, virei fa, agora dos dois.

Sei que você já deve ter visto o filme. Mas se nao viu, veja. É tao bonito. E os atores, estao tao bons!! Veja. Veja.

17 comentários:

  1. Bom diiiiia e bom retorno :). Ainda não vi o filme, mas acho que vou arranjar um tempinho para vê-lo. Beijos!!!

    ResponderExcluir
  2. Olha Flavinha, se vc tem nem que seja um pezinho no nordeste, nao vai se arrepender. Acho que ele fala um pouco de cada um de nós e de nossas origens,de nossos sonhos, de nossas dores, nossos amores.. sei la, esse filme mexeu comigo.
    Vê sim!

    Beijao

    ResponderExcluir
  3. Oi Nina!

    O filme é lindo, realmente. Eu cresci ouvindo " Seu Luís", e sempre admirei a genialidade do mestre da sanfona. Que bom que ele também conquistou você.
    Olha, tem sorteio lá no blog, te espero por lá !

    Beijos

    Selma

    ResponderExcluir
  4. Eu fiquei apaixonada pela beleza singular que é este filme.

    A vida sofrida, dolorida e tocante.

    Acho que todo pai precisava assisti-lo.

    Acho que toda mãe também.

    Acho que todo filho deveria assisti-lo.

    O diretor deste filme é o mesmo do filme Os dois filhos de Francisco.

    Que eu tb amei.

    Umas curiosidades sobre o filme, Nina:


    O concurso

    Preocupado em encontrar um intérprete fisicamente parecido com Luiz Gonzaga, Breno Silveira organizou uma seleção que contou com 5.000 inscritos e incluiu convocação de candidatos através de programas de rádio. O escolhido foi o músico paulistano Chambinho do Acordeon, que vive Gonzagão entre 30 e 50 anos.

    O guia do museu

    Também participante do concurso, Adélio Lima trabalhava como guia turístico em um museu que homenageia Luiz Gonzaga em Caruaru, Pernambuco. Adélio foi contratado para interpretar o mestre do baião mais velho e teve de engordar dez quilos para o papel. No total, cinco atores dão vida ao músico: Land Vieira (dos 17 aos 23 anos), Nivaldo Expedito de Carvalho, o Chambinho do Acordeom (dos 27 aos 50 anos), e Adélio Lima (70 anos).


    Bom saber que vc ficou feliz mesmo que chorou horrores, rs.

    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Olá.
    Gostei muito do seu blog, parabéns.
    Sempre que possível estarei passando por aqui.
    Até mais

    ResponderExcluir
  6. Oi Nina,

    Amo suas linhas, cada pedacinho, me fazem vajar, sonhar, sei lá..acho que me levam de volta a minha amada Manaus, simplesmente amo. Me chamo Helena, e sou mais uma brasileira casada com europeu e moro em Portugal há 12 anos, mas, resolví comentar finalmente seu post pra te dizer que se você estiver interessada em conhecer uma pessoa que tem muito em comum com você, envia um convite pro meu facebook, adoraria um dia bater um papinho com você, meu face é helena libório, beijos minha linda e que Deus abençõe a você e a sua família linda.

    ResponderExcluir
  7. nossa, eu gostei demais da interpretacao de todos, Ge. Ele tinha que ser musico mesmo, fez mt bem seu papel!

    Helena, mt obrigada pelas palavras tao gentis! Me deixou mt feliz. Mas olha, nao to adicionando mais ninguem no face, ate porque to ate pensando em cancelar, nao uso aquilo nunca. Mas olha,vc pode me escrever por email. No blog, ali em cima, tem uma abinha escrita "entre em cntato" me escreva por ali,se assim preferir, tá? Vou esperar.
    Um bj

    ResponderExcluir
  8. Oi Nina, te percebo perfeitamente, também não sou um assídua, mas, costumo usar o face sim pra me comunicar com minha família pela web, mas, também não é dos meus passatempos preferidos só que a distãncia muitas vezes me obriga a procurar formas de matar a saudade da minha "tribo". Com certeza vou te escrever um e-mail, assim que tiver um tempinho, beijinhos luzitanos!!!

    ResponderExcluir
  9. Cadê o link? (rs*)
    Não assisti o filme ainda, mas tenho lido bastante sobre o Gonzagão. O Jornal "O Globo" ofereceu um encarte maravilhoso sobre sua vida e obra.
    Boa semana!! Beijus,

    ResponderExcluir
  10. oi Luma, pois é, pensei isso mesmo ao fazer essa postagem: xiii, e se alguém quiser ver no link?

    :-)

    eu nao coloquei o link propositadamente, porque achei meio complicado de assistir nesse site (o filme é dividido em blocos exatamente como na tv) mas acredito que pode-se ver o filme inteiro e sem interrupcao em outros sites.

    de qq maneira, aqui vai o link:
    http://gonzagaofilme.blogspot.com.br/

    Beijinho

    ResponderExcluir
  11. Seu blog tá com uma carinha bem legal, suave, clean.

    Bem, eu estou louca para ver esse filme, mas não consegui baixar. Em qual link você conseguiu ver?

    Beijocas

    ResponderExcluir
  12. Eu assisti sim, Nina. E me emocionei, apesar de não ter chorado como você.
    Os atores são excelentes, a história é de uma veracidade comovente.
    Não me esqueço da cena em que o Gonzaga, viajando, parou num posto de gasolina e escolheu um negro e um anão para fazer parte da banda. Os ensinamentos foram dados no rio, todos eles estavam pelados caminhando no compasso da música... kkk.
    E quem somos nós para questionar a didática do Rei do Baião?
    A banda dele arrasou ;)
    Beijo querida!
    Márcia

    ResponderExcluir
  13. Oi Nina, tentei enviar um e-mail teste mas, confesso que foi mais complicado do que imaginei, mandei um para ver se você conseguiria receber, pois tenho a mera impressão que o meu anti-virus não deixa que eu envie e-mails automáticos, mas, pelo menos tentei, vou continuar acompanhando seus posts sempre que me for possível, bejinhos

    ResponderExcluir
  14. Helena, entao escreve pra esse: ninasena@hotmail.com

    ResponderExcluir
  15. gente, to na tpm, entao volto outra hora qd estiver legal, ok??? beijinhos

    ResponderExcluir
  16. Nininha, você me deixou com água na boca!
    Adoro tudo sobre o nordeste. É o Brasil de verdade.
    Salvei o link.
    Um beijão do leste paulista.

    ResponderExcluir