20/11/2012

Prison Island e Stone Town em Zanzibar

A minha amiga Márcia fez certa vez um comentário bem simpático, falando que eu sou uma das poucas pessoas que ela conhece que gosta de ir mais profundo nas viagens, saindo um pouco do roteiro turístico. Vindo da Márcia, que adora viajar, isso é mais que um elogio, me sinto lisonjeada que ela possa ter notado isso. É que essa é uma coisa que eu me cobro bastante, nao somente sair dos roteiros, mas, mais importante que isso: na minha cabeca nao entra que eu deva ficar só olhando as paisagens esquecendo de ver as pessoas. Sempre tento contato. Às vezes nao rola, afinal o idioma pode ser sempre um problema, mas eu tento. Além disso nao consigo ficar olhando só pra monumentos, eu acho que a beleza dos lugares está muito no povo e como ele vive. Claro que seria utopia querer poder fazer mais, mas é fato que eu curto muito mais ver povo que pedra :-)

E sempre que posso, tento mudar roteiro sim, como que entrar em ruelas que turista normalmente nao entra. É ali que muitas maravilhas se escondem...

Em Zanzibar, nao pudemos fazer muito, porque o hotel é muito longe da cidade e pra sair de lá só com carro especial de turismo, com tempo determinado pra voltar, entao tínhamos que fazer algum programa de turista se quiséssemos ver algo mais além de ficar curtindo as belezas do hotel. Isso me desagradou um pouco, queria ter visto mais, mas compreendo que nao era possível.


Prison Island estava no roteiro turístico.


 Prison Island fica em uma das muitas ilhas que pertencem a Zanzibar, linda, cheia também de recifes de corais, onde antigamente, era utilizada como prisao daqueles escravos de "mau comportamento".
Ali muitos aguardavam a deportacao que chegava de navios atracados nas águas lindas desse oceano. 
Um lindo lugar pra uma triste parte da História da humanidade:  a escravidao.



Escultura que lembra esse triste período, feita por Clara Sörnäs




Atualmente Prison Island comporta as tartarugas gigantes e centenárias, comuns na ilha


Como esta meiguinha aqui embaixo, que Pedrinho encantado chamava de Lulu e queria por que queria, colocar o dedo na boca dela, montar como num cavalo, tocar, beijar...



Também demos uma passeada pela capital,  Stone Town, Cidade de Pedra, assim chamada por que antigamente, os prédios eram todos feitos somente de pedras.
Mas também chamada pelos nativos de Cidade Antiga.






 A cultura Swahili incorporou aos prédios, diferentes culturas, como árabe, indiana (muitas portas sao no estilo indiano), persa, européia e logicamente, africana.



Aqui embaixo, o forte árabe, num antigo assentamento português


Uma feira bem movimentada e com algumas partes, somente para aqueles de sangue frio :-/


Uma típica porta indiana


A cidade nao é especialmente bonita, mas é de uma beleza arquitetônica bem interessante. Nao esquecendo que foi aqui que Freddie Mercury nasceu!
Em frente a esse mar na foto abaixo, existe o Museu da Cidade, antigamente chamado Casa da Maravilha, porque esse  prédio foi o primeiro a ter elevador em  toda a África Segundo nos informou nosso guia. Infelizmente nao encontrei a foto dele.


* * *

obs. 98% da populacao em Zanzibar é mulcumana, por isso muitas mulheres e meninas, de cabeca coberta. Em Stone Town você pode usar roupas normais, sem medo de estar incomodando as pessoas,como pode acontecer em outra culturas. As pessoas em Zanzibar sao sempre simpáticas, sorridentes e entendem que turistas nao precisam estar vestidos como eles, mas em respeito à populacao, acho importante ao menos, vestir roupas nao tao extravagentes ;-)



11 comentários:

  1. Hoje, aqui é o feriado da Consciência Negra: a escultura, a prisão nos faz refletir ainda mais sobre este período tão triste.
    As fotos estão lindas, a porta indiana então é de uma beleza incrível.
    E este "jeito"de viajar conhecendo o povo, suas ruelas, vilarejos torna as viagens ainda mais especiais.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Bravo, Nina! O passeio não acabou!
    Triste sobre a escravidão, todavia foi rico seu compartilhamento.
    Parabéns por um post tão esmerado, dando-nos acesso a uma cultura especial, diversa da nossa.
    Um abraço caipirinha.

    ResponderExcluir
  3. sou fã das ruelinhas longe damuvuca turística tb. Adorei as fotos! Uma riqueza de detalhes que passam despercebidos para muitos! beijo

    ResponderExcluir
  4. Olá minha querida!
    A postagem de hoje ratifica minha opinião: te acho uma exploradora fantástica das terras e povos alheios! Adoro esse olhar que vai além do óbvio, que busca nas pessoas e nas rurlas o diferencial entre viajar e conhecer. Conhecer no fundo, nas cores, nas sutilezas.
    Por falar em sutilezas, quantas delas estão presentes nas suas fotografias (e nas fotos do Sirko também!) Arrasaram!
    Janelas, artesanato, arquitetura... Amei tudim!
    Beijos Nina!
    Márcia

    ResponderExcluir
  5. Um post lindo, fazer turismo é isso, conhecer o povo, não somente o local. E muito menos encher malas e malas de objetos locais. Claro que uma lembrança é indispensável, mas para o nosso gozp, não para exibir.
    Muito lindo, tudo mostrado, visto, enxergado por vocês.
    Beijo, Nina.

    ResponderExcluir
  6. São dos detalhes que o todo é feito.Também gosto de enveredar por ruelas menos frequentadas, descobrir ligares preferidos pela população dos locais que visito.Me encanto pelos monumentos não apenas pela arquitetura, mas pela história contida neles,a de seus construtores,na maioria escravos das populações dominantes.
    Gostei de conhecer Zanzibar através de tuas lentes.Um passeio maravilhoso, Nina.
    Bjkas,
    Calu

    ResponderExcluir
  7. Eh, Nina! Isto é que é navegar por mares nunca dantes navegados.

    Olha vai lá na árvore que tem resposta "pra tu".

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Nina, enfim encontrei uma pessoa com os mesmos "modus viajandi" (claro que essa expressão não existe; é apenas uma brincadeira) que eu. Todas as viagens que faço e fiz, eu sempre fujo dos guias turísticos. Se o lugar é perigoso e necessito do guia, prefiro não ir. Gosto de cinhecer mesmo o povo do lugar, o que come, como vive. Eu também curto muito mais ver povo do que ver pedra.
    E tem mais um detalhe. Quando você conhece o povo passa a dar mais significado às pedras que vão nos mostrando.
    Muito bacana a sua postagem e também curioso o como se vestem e admitem nossas vestimentas por lá.
    Valeu, Nina!
    Beijos
    Manoel

    ResponderExcluir
  9. Puxa, Ninoca, você é mesmo sensível, isso eu já sabia há tempos, mas esta viagem e a mostragem dos locais interessantes e belos, ficaram mais bonitos ainda pela sua lente sensível e descrição primorosa.
    Adorei passear por Zanzibar contigo.
    E que gracinha o Pedrinho querer beijar a super tartaruga! Elenão tem medo de nada, né mesmo?
    beijinhos cariocas


    ResponderExcluir
  10. Taí, não sabia onde tinha nascido o Freddie!

    ResponderExcluir
  11. Nasceu lá mesmo,vimos a casa e tudo.

    Ai gente, vcs sao tao legais :-)
    Obrigada por existirem ta?

    ResponderExcluir