31/10/2012

Do vício de se fazer de coitadinho


A pessoa cresceu contigo. Foi a mesma escola, teve os mesmos amigos,  a vida financeira dela era parecida com a tua, ou seja, vocês nunca foram ricos, mas também nao eram paupérrimos, as notas na escola eram próximas, vocês até resolveram fazer a mesma faculdade. Mas aí, você viu que aquela cidade tava pequena pra você. Você queria algo mais, queria ir pra um lugar mais quente, mais frio, perto da praia, no meio de um arranha-céu, nao importa. E você foi mesmo! Você resolveu encarar o novo de cabeca erguida, teve medo sim, mas arriscou,  deixou teus pais lá na cidadezinha e foi. Juntou algumas coisas numas caixas e se mandou. Você é um bom filho, visita seus pais sempre que pode, liga nas datas importantes, e todo aniversário e natal você vai lá dar o ar da sua graca. Na nova cidade, você conseguiu um bom emprego, alugou uma boa casinha, comprou um carrinho bacana, formou familia, tá feliz. A única coisa chata é que você nao tá vendo teus pais com a frequência com que gostaria e eles tem que ver o neto pela webcam. Mas, po, foi você quem escolheu.

Daí, você vai dar uma passeada na antiga cidade e encontra aquele amigo da infância, da escola, da facul. O cara continua morando lá, tá bem, tá recebendo menos que você, mas tem um bom emprego, construiu uma casa lindinha com um belo jardim, casou com a primeira namorada e os pais sao cuidados por ele, mas ele, coitadinho, nao pode viajar de férias pra onde gostaria ou nao tem um carro tao bacaninha quanto o seu.
Aí, o que acontece??
Ele fica reclamando o tempo todo da situacao em que está. Reclama da cidade, do governo, do preco das coisas, da mae velha. Faz comentários maldosos sobre tua situacao financeira: ahhh mas você pode pagar um carro, uma viagem, uma casa, um celular, uma cama de colchao d´água, e seja lá de que merda mais ele vai falar.
Aí você fala: "Aaah vai te f* camarada! Você teve as mesmas condicoes que eu. Eu mudei de cidade, você escolheu ficar aqui, o problema é seu, seu bosta!"
É claro que você nao diz isso, você só pensa, pelamor!!

Mas entende que tipo de pessoa eu to falando?
De gente que nao entende que na vida, a gente vai tomando decisoes aqui e ali e que elas vao formando a vida que a gente leva. E que a gente tem que pensar nas nossas prioridades e encarar de peito aberto o que a vida  trouxer de volta. Se você prefere ficar na cidade em que nasceu e trabalhar naquele trampo que te paga menos, porque acha que seus pais vao ficar mal sem você e você quer ajudá-los quando eles ficarem velhos, assuma a sua decisao e nao fique posando de herói nao-reconhecido, nao pose de eterna vítima. A escolha foi sua, malandro!  Nao fique reclamando do sucesso que seu antigo colega anda fazendo na cidade que escolheu pra viver e muito menos, reclame da fragilidade e dependência de seus velhos pais.

Isso nao pega bem!

Assumir as decisoes que se toma na vida é sabedoria, saca?!
Dar a cara a tapa ao se deparar com as consequências, também.

* * *



obs. dei aqui somente um exemplo. Você pode encontrar mais de mil razoes que fazem as pessoas reclamarem da vida que tem, sempre, é claro, comparando com outras vidas a sua volta e nao fazendo nada pra mudar, parecem insetos rondando lâmpada. Fato: as pessoas parecem nunca estarem satisfeitas com a vida que tem e precisam ficar apontando o dedo pras outras e o que é pior, essa chatice toda as fazem cegas diante das conquistas que teve. Que coisa chata!

9 comentários:

  1. Me impressiona a sua coragem em falar sobre coisas que ninguém mais fala. Preciso dizer que concordo: em género, número e grau?

    ResponderExcluir
  2. Bom dia amiga, aceita um pouquinho de calor aí? Nosso Amazonas tah beirando os 43 graus, oh quentura danada.
    Nina amada interessante como eu estava pensando nesta situação ontem a noite e justamente sobre colegas da faculdade, não fácil lidar com este tipo de gente, o palavrão fica na ponta da lingua, mas por educação ele não sai. Parece que eh tão dificil entender q somos responsaveis por nossas escolhas.

    Bjus querida.

    Keury

    ResponderExcluir
  3. Post muito bom! Mas preciso perguntar, tá tudo bem com você?
    Bjs da Thaís

    ResponderExcluir
  4. Se existe algo que tenho aversão é isto ao que apelidei de "síndrome do coitadinho" e que é mencionado em diversos posts de meu blogue. E o pior que o coitadismo torna-se um vício porque outras pessoas o alimentam, passam a mão na cabeça... É muito raro vermos estas pessoas que se fazem de vítimas desacompanhadas da compaixão de um outro alguém que cai em seu tipo de manipulação, pois se todos ignorassem os tais, eles não teriam a plateia desejada e parariam com isto.
    Concordo com o que você disse, contanto, faço apenas uma ressalva de que nem tudo (nem tudo! mas a maioria) na vida depende exclusivamente de nossas escolhas. Por vezes a vida nos deixa sem elas em algumas (apenas algumas) situações.
    Independente disto, se a vida foi de certa forma mais generosa com a outra pessoa, ela não tem culpa e não há motivos de descarregar isto pra cima dela. Este é meu modo de pensar a respeito deste tema.

    => CLIQUE => ESCRITOS LISÉRGICOS...

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo Blog! Quero aproveitar o tema e sugerir uma ótima opção de interatividade para crianças. A banda “Ilana e a Banda dos Bichos”, é cristã infantil, e tem o propósito de levar crianças, jovens e até mesmo adultos a palavra de Deus de forma alegre, estimulante e saudável, dando, assim, um novo significação a realidade e diferente de tudo já visto! Despertando a criatividade e mostrando que cada um é muito especial para Deus. O conteúdo do site é bem interativo e educativo, onde as crianças aprendem brincando com jogos, músicas, desenhos para colorir e informações, que também podem auxiliar a falar diretamente com o imaginário e o coração da criança. Visite nossa página www.ilanaeabandadosbichos.com.br, conheça melhor esse trabalho. Você também pode nos curtir no Facebook. Esperamos por você!

    ResponderExcluir
  6. Obrigada, faco o possível pra ser verdadeira Drica, mas as vezes acho que deveria falar menos :-)

    Pode mandar querida amiga Keury,um calorzinho daí, aqui comeca a esfriar de verdade... amiga, o melhor é ignorar certas pessoas, principalmente ai na cidade :-(

    Thaís, tá tudo ótimo. Esse tema surgiu de uma observacao de algumas pessoas da antiga Alemanha oriental e como elas se comportam com as pessoas da antiga alemanha ocidental, é um assunto mt dificil ate hoje. Mas como disse, se adequa a qualquer pessoa e situacao.

    Nao Christian, nem tudo é devido escolhas, claro que nao, mas eu acredito mesmo que boa parte é.

    Obrigada Illana (?) pelo convite.

    Bjs gente

    ResponderExcluir
  7. Nina, é aquela velha história: a grama do vizinho sempre será mais verdinha. O pior é que esse tipo de pessoas só começa dar valor ao que tem depois que perde. Bjo

    ResponderExcluir
  8. Sim, tem pessoas que não mudam de cidade e tem aquelas que não mudam nem sua vida. Conheço aos montes. Volta e meia cruzo com com uma arrastando aquele mesmo chinelo velho que usava aos 14 anos. E fico olhando e pensando o que faz uma pessoa estagnar de tal forma na vida.

    Se tem algo que não tenho a menor paciência é para gente que reclama da vida sem tomar atitudes, eu já quero logo largar para lá, porque minha vontade é falar um monte na cara da pessoa.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  9. Se tem algo que falo e repito é que ninguém é culpado pela minha bela vidinha mais ou menos a não ser eu mesmma.Nem Deus nem o diabo.Minhas proprias pernas me trouxeram até aqui!
    Beijão, saudade

    ResponderExcluir