10/09/2012

"É melhor ser alegre que ser triste" e uma dica de livro

Estava lendo um livro emprestado da minha filha: Die Wahrheit über Alice, no Brasil chama-se Bela Maldade, escrito por Rebecca James. É um livro interessante e envolvente. A principal personagem viu sua irma ser assassinada e se sente castigada e culpada em grande parte do livro. Claro que a razao é totalmente compreensível, mas enquanto lia ficava pensando nas pessoas que nao viveram, gracas a Deus,  algo tao terrível e tao dramático assim, mas que também à sua maneira, vivem reclamando da vida ou nao se sentem muito dignas de estarem aqui, neste momento, vivas, ou de nao se sentirem merecedoras de coisas boas. Eu mesma já desconfiei que nao merecia viver bem.

Daí, outro dia, falei pro meu marido: muito obrigada. Ele perguntou porque e eu disse: por tudo. Na hora nao estava a fim de falar muito, mas passados alguns dias, eu disse pra ele algo como: eu te agradeco por você estar comigo, por me fazer feliz. Sim, eu sempre fui uma mulher feliz mas sempre tinha uma tristezinha me acompanhando. Desde que estamos juntos e que moro aqui, sinto que essa tristeza se foi. Obrigada por isso. Ele ficou muito emocionado e disse que o mesmo se passava com ele.
Sabe? Nao tenho um casamento perfeito, mas é muito bom ter alguém que me faz bem e em quem eu confio. Meu marido é chato, cabeca dura, engordou uns 10 quilos,  ronca feito um porco, tem os dentes tortos, tem caspa e as unhas dos pés sao estranhas, mas me dá tudo o que eu preciso e ainda um bocadinho mais. Descobri nesse casamento, que ninguém é perfeito e que eu nao vou  nunca encontrar alguém que vai preencher todos os meus requisitos, até porque eu nao preencho completamente os de ninguém, sempre haverá algo que vai desagradar um ou outro. Todas as nossas necessidades nao preenchidas durante o decorrer de nossas vidas só podem ser saciadas por nós mesmos. Delegar essa importante funcao (de nos fazer feliz) a outro alguém é perda de tempo e burrice emocional. Batendo na tecla mais uma vez: a felicidade nao está muito longe da gente e nem fora da gente.

É certo que meu marido me faz bem e me faz feliz, mas ele nao tem esse poder sozinho. Se eu nao estivesse disposta a ser feliz com ele, mesmo que ele fosse a perfeicao em pessoa, eu nao me sentiria bem ao seu lado. Afinal, como estar bem ao lado de alguém se eu nao estou bem dentro de mim mesma?
Sabe aquela gravacao de Samba da Bencao quando Vinicius de Moraes comenta que uma mulher nao deve ser apenas linda, mas ter sempre uma pitadinha de tristeza, ou que pra fazer um samba com beleza, é preciso um bocado de tristeza? Pois é, o poeta tinha razao.  É assim que é a vida. É bom e necessário ter uma tristezinha aqui ou ali, porque eu acho que é isso que forma a pessoa que a gente é, imagina alguém sem história. Sem uma saudade, sem uma coisa emocionante pra contar ou lembrar... que triste. 
É claro que acho que essa tristeza nao pode em hipótese alguma impedir alguém de ver a beleza das coisas. Da vida. Do momento. 

Mas é fato que a tristeza é companheira da gente, é companheira da alegria, e que ela faz parte da gente, mas que  é melhor ser alegre que ser triste  é sim nao é? :-)


gosto muito dessa versao com a Betânia.

9 comentários:

  1. esqueceu de colocar que ele adora implicar comigo por causa do tgv rsrsr
    bjs Adri

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente ADOREI este post...
    beijosssss

    ResponderExcluir
  3. ahahaha,Adri, so tu mesmo ahahahaha, ainda hj ele falou de ti: "acho que isso vai acompanhar a Adri por mt tempo ainda, sempre que eu ve-la vou lembrar da tgv" :-)

    Obrigada Aninha, vc é sempre um amor de menina, assim como tua filhota linda!

    Bjs de gratidao, meninas :-)

    ResponderExcluir
  4. Nina,
    Hoje eu comecei a fazer aula de violão, e a primeira música que eu disse para o meu professor que queria aprender era assim:
    (com minha voz desafinada eu cantei)
    "É melhor ser alegre que ser triste, alegria é a melhor coisa que existe, lá lá lá". Venho te visitar e descubro o nome da música... que grata surpresa!
    Querida, vou ficar de olho no livro que você sugeriu. E achei linda a sua gratidão ao seu esposo pela felicidade que ele te proporciona. Lindo esse vínculo profundo que o amor cava na gente.
    Esse amor imperfeito, pois nada na vida é perfeito. Mas é bom o suficiente para preencher nossas incompletudes, nossos anseios e necessidades de carinho e atenção.
    Bjs linda!
    Márcia

    ResponderExcluir
  5. É isso aí Ninoca, nem sempre os dias são azuis para nós!
    Teu maridex é um grande amor que você ganhou, assim como o meu também.
    Tem dias que o bicho pega, principalmente do meu lado, com minhas idiossincrasias, perturbações de uma mente menopausática. kkkk
    beijos cariocas


    ResponderExcluir
  6. Meninas Beth e Nina, que ninguém nos ouça, mas ando com uma saudade danada de uma boa briga que termine na cama. Aquelas que acabam com a resistência de qualquer mente menopausática. hehehe

    Beijos queridas!

    ResponderExcluir
  7. ahahaha, pitanga, adorei essa :-)
    ahahaha

    ResponderExcluir
  8. Essa Pitanga, não é mole!
    kkkkkk
    bjs


    ResponderExcluir
  9. Sem a tristeza a alegria nao existiria, nao e mesmo?! :)

    ResponderExcluir