08/07/2009

O curso da vida e integracao ao novo país

Voltei às aulas, por isso meninas, se sumir um pouco dos blogs de vocês, já sabem a razão. Bom, na verdade, é só um curso bem básico e curtinho, de apenas duas semanas, que fiquei levando de barriga, mas que agora tive que encarar, não porque eu não quisesse fazer, muito pelo contrário, mas porque sempre que eu decidia começá-lo acontecia algo e eu deixava pra depois.
O país resolveu já há uns bons anos, oferecer cursos do idioma pra os estrangeiros que tem o visto de permanência, a fim de fazê-los se sentir mais à vontade no país, e talvez assim, abrir mais as portas a essas pessoas, já que muitos imigrantes, apesar de morarem aqui há muitos anos, viverem em verdadeiros guetos, não conhecem e não fazem questão de conhecer a língua, os costumes do país que os abrigou e muitos tem trabalhos pouco remunerados. O curso, que pra mim durou 5 meses, chama-se Curso de Integração. São seis módulos, de curso intensivo. Extremamente útil e prático. Com professores altamente especializados e bom material didático. O preço para os imigrantes que não podem pagar o valor normal (que na verdade, já é um bom preço), é simbólico e permite que todo imigrante possa custear sem problemas. No fim do curso do idioma, os alunos fazem um super e enorme teste e podem ou não, ganhar o certificado em alemão. E no fim de tudo, ele ainda faz um curso, que é exatamente o que estou fazendo agora, chamado Curso de Orientação, onde aprendemos mais sobre os costumes, política do país, cultura, etc.

Enfim, comecei na segunda feira.

Somos apenas 9 pessoas, que estão aqui por diversos motivos, por curto ou longo período, vindos de países tão variados como Urbequistão, Serbia, Sri Lanka, Burma, Ilhas Fiji, Rússia, Argentina, Kênia, além do Brasil é claro! Aliás, muito bem representado, diga-se de passagem :)

Conversamos muito, sobre variados temas, sempre baseado no que está nos livros, servindo de guia. Ontem, um dos temas era o clichê que envolvem os países. Precisávamos andar pela sala, e ir perguntando o que cada pessoa pensava do nosso país, ou o que no seu país, pensa-se do nosso. Pois bem, olhem o que foi falado do nosso:

Lindas mulheres, lindas mulheres, lindas mulheres
Belas praias
Gente simpática
Lindas mulheres, lindas mulheres, lindas mulheres...

Tínhamos que concordar ou não. Eu claro, pulei da cadeira, enquanto as pessoas me olhavam curiosas: "Mas Nina, isso não é bom?? Ter belas mulheres no país?"

Acontece que eu sei que eles foram apenas simpáticos, eu via risinhos no rosto de cada um, eu sei o que as pessoas querem dizer com belas mulheres, eu sei o que é passado pelo mundo afora do que o Brasil é recheado.

Somos um país de bundas, e nada mais.
E isso me deixa chateada.
Como sempre.

"Imagem do Brasil", retirada do Google

Mas de qualquer maneira, isso é clichê, não que não seja verdade, temos sim, lindas mulheres no país, mas ei, peraí, temos também gente feia, gordas, magras, doentes, infelizes, banguelas, pobres, burras, inteligentes, com pouca bunda (sim amigos, isso também existe no Brasil!!), negras, brancas, índias, que não gostam de carnaval, e não sabem sambar, mas sabe gente?! não adianta nada eu me rebelar contra isso, eu tento, mas não adianta absolutamente nada. Preconceito é coisa formada em anos e anos, e não sai assim, de uma hora pra outra, esse é curso da vida.

Eu tenho é que ficar calma em sala de aula e tentar falar com menos paixão das coisas que acredito, senão, vou passar a imagem de que no Brasil tem também muita gente estressada...
* * *

E falando em stress, o argentino, ontem, quando tocaram no assunto futebol, olhou pra mim e disse meio invocado: "aahh sobre esse assunto eu não falo contigo!" no que eu respondi: - Ué, e porque não?? Eu não tenho o menor problema com isso e não to nem ai com essa guerrinha boba entre os dois países. Não tenho absolutamente nada contra a Argentina - e ele: É mesmo?!?
Fazendo a maior cara de espanto...
ahh gente fala sério!

21 comentários:

  1. Parabéns pelo seu curso, Nina desejo que contribua cada vez mais para a sua adaptação nessa terra, que me parece linda.

    Quanto a clichés, parece que ninguém escapa, por exemplo, os brasileiros que nunca sairam do Brasil para lado nenhum, mesmo aqueles que vivem em grandes cidades, supostamente mais desenvolvidas, ainda hoje têm a ideia que todos os portugueses são padeiros, se chamam Manuel e nós as mulheres temos bigode.
    Nada mais errado.
    O Manuel, o padeiro e o bigode da mulher, eram características do povo provinciano do interior escondido de Portugal, que de cá fugiu à ditadura. Nunca foi representativo do nosso país.

    Outro exemplo, agora do que nos chega de emigrantes brasileiros a Portugal: jovens pobres, sem formação que só conseguem trabalho na restauração, em boutiques de shopping com horários de escravo, pessoal para call center e muitas mulheres dedicadas ao alterne e prostituição de 5ª categoria em anúncios de jornal, bares do género e nas ruas de Lisboa.
    Poderemos nós portugueses europeus, avaliar todos os brasileiros pela mesma bitola? Julgo que não: nem todos serão Maneis, padeiros e mulheres com bigode.


    O cliché demonstra sempre uma grande ignorância de quem o profere.
    No Brasil há mulheres lindas sim senhora e isso é muito bom. Quanto às bundas que lhe dão fama, a culpa será do próprio departamento de turismo do país que as espalha por tudo o que é cartão posta, outdoor e revistas de turismo.
    É o próprio Brasil e os seus responsáveis que perpetuam essa ideia.
    Espero sinceramente que um dia mudem de estratégia.

    ResponderExcluir
  2. Que bom Nina que vc está ampliando seus conhecimentos afinal nunca é demais né ?
    Quanto ao preconceito eu já sabia que o Brasil era visto lá fora assim é uma pena pq temos tantas outras riquezas que não só bunda.
    beijo grande menina!!

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Nina, você está certa, a imagem que se tem do Brasil é limitada a bunda, bola e turismo sexual. Mas a gente também tem esses conceitos errôneos de países pouco conhecidos nossos, não é?
    Preconceito é fogo, além de ser um roubo pois nos tira a chance de conhecer de verdade outras culturas.
    E parabéns pelo curso.
    Beijos e bom dia.
    Se bem que por aí já deva ser quase boa tarde...

    ResponderExcluir
  4. Essa reação do argentino foi cômica hein!!! rsrsrs...

    Sou professora de idioma e sempre quando vamos estudar a cultura de algum país os famosos clichês aparecem. Infelizmente, sabemos que o Brasil tem uma imagem não tão agradável como gostaríamos. Sei também que não é fácil mudar isso. Mas... Nina, sinceramente, se não tentarmos, nunca vamos conseguir mudar nada, nem mesmo 5% da situação. Por isso, acho que seu curso é uma ótima oportunidade pra mostrar aos mais diversos países (aí representados) um Brasil inteligente, educado, sensato, responsável e humano.

    Abraços e boa sorte no seu curso!!!

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Nina, parabéns pelo curso!!! É muito bom voltar a estudar né?

    E quanto essa imagem que fazem do Brasil aí fora é uma pena!!!

    Na verdade eu também não gosto da música sertaneja atual. Gosto de música caipira, moda de viola.
    Aí, Chitãozinho e Xororó (que eu odiava), gravaram um cd só de clássicos caipiras e é esse que ouço nessa minha mistureba toda!!!
    Ah, nesse cd mistura total eu esqueci de dizer que também tem Almir Sater e Marcelo Camelo... Rs rs rs...

    E, vc tá certa, faxina, só com muita musica mesmo...


    Beijos, fica com Deus!!!

    ResponderExcluir
  7. Nina,
    Primeiramente, parabéns pela iniciativa de retomar o curso. Vai te enriquecer culturalmente, te trazer ainda mais fluência e um monte de coisas boas. Mas quanto a opinião que eles tem do Brasil... minha amiga, cuidado para não deixar o curso de orientação se tornar curso de chateação. Já falamos sobre isto uma vez, por mais que a gente tenta, não se mudam estes conceitos (e pré-conceitos) facilmente. Dias atrás um alemão (Eastern part) estava me dizendo que achava um absurdo o desmatamento da Amazônia, que as pessoas lá não precisavam de tecnologia nem de infra-estrutura. Daí eu tentei argumentar, usei dados econômicos e tal, e Michael assistindo tudo... Ele me pediu desculpas pela ignorância do rapaz e que ficou tocado em me ver defender o meu pais daquele jeito... ABER... eu não conseguiria mudar a ignorância das pessoas. Depois disto, fiquei mais tranks Nina linda... afinal de contas, no coração a gente sabe o que o Brasil de fato é.
    Muita paz e força, querida. Das ist nich einfach...
    Sem notícias de Dresden até o momento :(
    Beijocks! Vc é muito especial viu?
    Bjim

    ResponderExcluir
  8. Que jóia Nina! Eu adoro um curso, vez ou outra faço um.
    Meu paidrasto trabalha com Educação então quando tem um cursinho que ele sabe que eu vou amar e o horário é legal(entenda-se Maridones pode ficar com os meninos)ele me chama, aprendo coisas maravilhosas, o último que fiz foi sobre a Legislação na Educação, e sabe que esse assunto da Mulher Brasileira é sempre recorrente, mas o que se fala é sempre o desrespeito que sofremos.

    Ninoquinha o Caio ficou muito feliz com os parabéns que você e a Laura desejaram a ele, ficou sem graça e pediu para agradecer:)
    O Pedro quer fazer um desenho para você heheheh

    Beijins:*

    ResponderExcluir
  9. Realmente la fora só somos isso mesmo , um pais de bundas .
    No dia que os back street boys vieram ao Brasil eu morri de vergonha por que a mídia não sei se foi gugu ou se foi faustão levou um monte de mulher semi nua pra sambar la tudo em cima deles.
    Achei o cumulo !
    Boas colocações as suas e espero que vc consiga dominar esse idioma ai com fluência assim como vc deseja .
    Uma otima semana pra vc !

    ResponderExcluir
  10. Triste esta imagem do Brasil pelo mundo afora, se bem que acho que a ausencia de informacao e cultura geral eh que contribuem para gerar estas situacoes.
    Sabe que outro dia ouvi de um grupo de mulheres portuguesas que eu nem parecia brasileira por ser muito discreta? Fiquei estarrecida.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Nina, ontem assisti superficialmente uma matéria que falava de uma pesquisa feita com freiras.As que se dedicavam ao estudo tiveram menos ou não tiveram problemas de memória ou Alzeimer ao ficarem mais velhas.Então , aprender e studar é sempre muito bom.
    Quanto aos clichês ,você sabe como o meu francês sofre aqui no Brasil aguentando toda espécie de piada.
    Mas falando francamente ,eu não seria uma boa garota propaganda do meu país.Não gosto daqui nem tenho bunda !

    ResponderExcluir
  12. Olha eu por aqui tb! Seguindo os teus blogs! :)Abraço grande!

    ResponderExcluir
  13. Adorei o curso Nina, podia ser assim em todos os países,né não?
    Minha amiga, que mora nos EUA vive brigando com o povo sobre a imagem do Brasil e ninguém acredita nela,sabia? Deve ser muito chato ficar ouvindo coisas ruins sobre o nosso país, já que existe MUITA mulher feia também e mulheres que se valorizam...Complicado isso.

    Boa sorte no curso e que você aproveite muito.

    ResponderExcluir
  14. Relaxa! Deixa o Argentino pra lá, mas se tiver chance diga que o Rei é Pelé e que somos PENTA. rs...argh! beijo

    ResponderExcluir
  15. rótulos. eles existem por toda a parte, não tem jeito. e, infelizmente, eu não acredito que isso vá mudar tão cedo.


    um beijo

    lindo o seu tamplate! ;)

    ResponderExcluir
  16. É inerente ao ser humano. O preconceito sempre existe em todo lugar. No stress.
    Parabéns pelo curso.

    ResponderExcluir
  17. Mas nós brasileiros nao temos problemas com os argentinos... sao ELES que nao engolem o fato de nos sermos superiores, concorda?

    mana agora conta pra mim... o que disseram do Urbequistao??? Égua eu nao saberia o que dizer desse país...

    ResponderExcluir
  18. cara achei muito legal esse negocio de curso de integraçao pra imigrantes com visto permanente.. é bom saber que apesar de tudo, a Alemanha ainda é um pais que faz de tudo pra que seus imigrantes possam ter um maior contato com a lingua a ja que estao por ai mesmo, aprender os costumes e a lingua corretamente.. achei massa!! quanto ao argentino, eles levam mesmo a serio esse lance de rivalidade futebolistica com o Brasil.. eu hein!!

    bjos flor e parabens atrasado pra Laura!!

    ResponderExcluir
  19. Aiii que super bacana tudo isso ne?!
    Ainda bem que o Brasil esta sendo representado por uma moca sensata, inteligente, apaziguadora, carismatica e claro... bonita! =]

    ResponderExcluir
  20. Que legal essa troca de idéias com outras culturas!!! Quanto aos estereótipos, nao é mole!!! :-)))
    Beijocas, Angie

    ResponderExcluir
  21. gente, o argentino acabou se monstrando uma pessoa bem bacana :)

    E no fim do curso, o povo meio que entendeu o que eu queria dizer com o clichê que povoa a mente dos estrangeiros em relacao a nós, brasileiras... pelo menos, eu acho.

    ResponderExcluir