12/06/2008

A Menina

Era uma vez uma menina. Uma menina bem pequenininha. A menina era uma pricesa, apesar do pai e da mãe não serem rei e rainha de verdade. Mas pra ela, parecia.
A Menina sempre se achou meio feinha. Ou muito tímida. E por isso ela pensava que não era tão importante quanto as suas irmãs. Ela era a segunda filha. A mais velha era a mais popular, a terceira era a mais forte, e a mais bondosa. A mais nova era a fofinha, de pernas bonitas e longas. Ela também tinha um irmãozinho, que se parecia muito com o pai dela.

A Menina adorava brincar no jardim, brincar com os amigos, brincar de brincar. Ela também se mudava bastante de casa. Um dia, ela encontrou um castelo num reino encantado. Tudo bem, o reino era pequenininho, e o castelo também, mas ela gostava assim mesmo.
A Menina conheceu um monte de crianças-reais que nem ela, cada uma tinha uma coisa legal que sabia fazer, e todos juntos viravam uma coisa só. A mais legal de todas.
A Menina se divertia muito.
Até que um dia ela teve que se mudar de novo. Foi triste, mas logo passou.

O tempo também passou e a Menina foi descobrindo várias coisas: dançar, sentir saudade, passar maquiagem, namorar, segurar o choro, lavar louça, estudar... E a Menina foi crescendo...mas só um pouquinho. Por isso que, mesmo adulta, ela tinha cara de menina, falava feito menina, sorria feito menina...ainda era menina!

Um dia, ela conheceu um artista. O Artista era incrível: inteligente, educado, divertido...e a Menina se apaixonou por ele. O Artista também.
O Artista não era desses de trabalhar em teatro ou circo, representando. O Artista era simplesmente ator. Um dia ele era um torcedor de futebol, outro dia, um homem de negócios. De repente ele era surfista, aí virava matemático. Era tanta confusão, tanta gente numa pessoa só, que a Menina e o Artista discutiam muito.
Mesmo assim, eles se casaram. E continuaram brigando. A Menina teve dois filhos: uma filhinha e um filhinho.

Um dia Artista começou a construir uma máscara. Ele queria se afundar tanto na arte de mudar, que acabou criando uma outra cara: uma ruim, que se irrita facilmente. Quando ele mostrou a máscara pra Menina, ela não se surpreendeu. Provavelmente o Artista havia começado a pensar nela muitos anos antes. Antes mesmo da Menina o conhecer.

Mas o Artista não era tão mau assim, a ponto de usar a máscara 24 horas por dia. De vez enquando, ele brincava com os filhos e tirava a máscara: dava pra ver o rosto de verdade. Um rosto bonzinho, sensível e brincalhão. Mas bastava a Menina chegar pra ele colocar a máscara de novo. Era assim o jogo.

A Menina até tentou fazer ele tirar a máscara pra ela. Mas a máscara era mágica, e quando alguém que não era o dono tentava tirar, ela ficava ainda mais poderosa e mais grudada na face. E o Artista se irritava mais. E a Menina desistiu de tentar.

Mas a história não acabou assim...sem final feliz...é claro que não!
Um dia, quando a filha mais velha da Menina estava quase do tamanho dela, a Menina disse que não queria ficar mais casada com o Artista. Ela estava muito triste porque ele não tirava a máscara quando ela estava por perto. E a filha aceitou a decisão. Ela também não entendia muito aquela magia da máscara. E já estava ficando chato. Um tempinho depois, ela contaram isso pro filho mais novo. Ele achou a idéia meio estranha, mas no fim, corcordou também.
A Menina foi morar em outra casa, mas todo dia ia visitar as crianças. O Artista ficou sem ninguém com quem brincar. Ele ainda usa a máscara, mas ela já está velha e a magia está acabando. Devagarzinho...mas acabando.

Quanto a Menina?
Ela começou a perseguir seus sonhos. Um deles era ir à França. Outro era ter uma vida melhor. E ela também queria encontrar uma outra pessoa pra completá-la.
Eis que um belo dia, ela conheceu alguém. Esse alguém morava muito longe, e falava uma outra língua. Ela não podia vê-lo, e vice-versa. Eles escreviam um para o outro num outro idioma que os dois entendiam. Era como falar com fantasmas.
Até que um dia a Menina viu uma foto desse alguém. Era um anjo um ano mais novo que ela. Ele tinha a pele bem clara, olhos azuis e cachinhos loiros caindo no rosto. A Menina achou ele lindo!
O Anjo achou a Menina muito bonita quando a viu também. Ela era morena, com o cabelo bem preto e os olhos castanhos. Ela morava no Brasil e ele era alemão. Mesmo assim eles deram um jeito de se encontrarem. E se apaixonaram. E se casaram...duas vezes! Uma com a família do Anjo. E a outra vez com a família da Menina.

O casamento com a família da Menina foi muito bom. Estavam todos lá. Os filhos, a mãe, as irmãs (as mesmas que antes ela sentia um pouquinho de inveja. Agora não mais), os tios, primos, amigos... Nesse dia, a Menina se sentiu a pessoa mais importante e feliz do mundo.

Hoje ela mora na Alemanha junto com o Anjo e os dois filhos. O Artista ainda está no Brasil. Os dois se dão melhor agora. O filho mais novo é um brincalhão que não para quieto. Adora jogar futebol e video-game. O Brincalhão também é muito sensível e doce, mas também não gosta de mostrar muito isso, como o Artista. A Menina às vezes tem medo que ele possa um dia, costruir uma máscara também. Mas o Brincalhão diz que não é bom costrutor, ele prefere ser jogador de futebol ou pintor. Algo assim. O Brincalhão às vezes é brincalhão demais. E a Menina se estressa. Mas no fim, volta tudo ao normal.

A filha mais velha já está maior do que a Menina (na verdade, não é muito diícil). A Menina diz que gostaria de ter sido igual a filha quando era mais nova. A filha não diz nada, mas ela também quer ser igual a Menina quando for mais velha. A filha já é uma adolescente. Ou será aborrecente?

Enfim, a Aborrecente e a Menina são muito parecidas. É o que dizem. Já elas não concordam muito. Se acham bem diferentes às vezes, mas sabem que é isso que as torna iguais.
A Aborrecente botou na cabeça que quer ser escritora. E a Menina adorou a idéia! Agora as duas ficam conversando sobre livros, como publicá-los, os melhores títulos...essas coisas. A Menina também escreve algumas coisas. E escreve bem, na verdade.

A Aborercente já leu das um pouquinho das histórias, e gostou! A Menina fala muito sobre ela mesma, e as pessoas ao seu redor. A Aborrecente resolveu criar um conto sobre a Menina também. E está aqui agora, escrevendo, escrevendo... E você aí está lendo tudo isso... Você está lendo tudo e deve estar feliz por ter um conto sobre você né, Nina? Você gostou da história, Nina-menina?

11 comentários:

  1. poxa filha, sempre que vc escreve assim me leva às lágrimas. Obrigada, é tudo tao bonito o que vc escreveu. Sabe, às vezes eu me pergunto porque fui tão abençoada com os filhos que tenho. Nao sei se fui uma boa pessoa assim, no decorrer da vida, pra merecer filhos como vcs. Uma mae que tem uma filha que escreve com essa sensibilidade ai, que vc colocou Laurinha, nesse texto, só pode se considerar a mulher mais sortuda da terra.
    Como vc conseguiu se expressar tao bem, com os sentimentos que povoaram nossas vidas juntos. Vc fez um resumo delicado desde a vila militar, o meu reino encantado, qd eu era mesmo menina, até os dias de hoje.
    Seu pai é mesmo um artista, o melhor de todos. Fizemos vcs filha. E isso é o mais importante pra gente. Somos pais que nao cabemos dentro da gente de tanto amor e orgulho por vcs serem quem são. E o Anjo, ahh o Anjo tbm se orgulha mt de vcs dois, meus, nossos filhinhos. O Artista, a Menina, o Anjo,o Brincalhão e a Adolescente (vc nao é aborrecente, não mesmo, „ahh se todos vcs fossem no mundo iguais a vc minha filha, que maravilha viver“...)

    ResponderExcluir
  2. Nina, não foi só você que chorou, estou aqui do outro lado do oceano, secando as lágrimas para que meu pequeno Pedro não se assuste...

    Laura, quantas palavras lindas! Quanta coisa linda! Já és ESCRITORA, com sua idade só me saia bem nas redações os suficiente pra ganhar um Ótimo...

    Tudo lindo, a história linda, você linda...
    aiai:D

    Sonia

    ResponderExcluir
  3. Como você consegue escrever dessa maneira tão sensível?É mágico.
    Fiquei muito feliz por você dividir um pouco da história de vocês conosco,que as amamos tanto! Enquanto eu fui lendo,senti tantas coisas...o coração se abria,se fechava,se aquecia,gelava.E tudo só com as suas palavras.Existe algo mais mágico que isso?
    Uma das coisas que mais admiro em vocês(são muitas) é a enorme capacidade que têm de passar por todos os obstáculos da vida sempre com muita força,sem deixar que todos os problemas destruam quem vocês são e as coisas em que acreditam.É a coisa mais linda que vocês possuem,o dom de fazer o amor
    curar as dores.Lindas,lindas,lindas ^^
    Parabéns por existirem *.*

    ResponderExcluir
  4. Nossa Laura, que texto mais lindo sobre sua mãe! Você tem que ser escritora mesmo,não tem jeito! Você nasceu para isso menina!
    A Nina tem que ter mesmo muito orgulho de você, não é a toa que ela baba!

    ResponderExcluir
  5. Ah não, gente!
    Que coisa mais linda!!!!

    Se minha filha for como vc quando crescer, ela me mata de orgulho e de tanto chorar...

    Parabéns Laura! Vc é fofa!
    Vc é ótima escritora!
    Vai em frente, não desiste não...
    Vou querer um livro seu autografado, viu.

    Nina, parabéns pela filha maravilhosa!!

    Bjux, bjux pras duas!

    ResponderExcluir
  6. Laura que texto lindo que vc escreveu qdo comecei a ler pensei que fosse sua mãe que estava escrevendo, mas qdo fui me aprofundando percebi que não era ela, vc descreveu a vida de sua mãe, de vcs de uma maneira sensível, linda, como eu admiro vc Laura, vc vai ser uma super-escritora, vc é criativa, inteligente, sensível, é esperta. Adorei!!!!!!!Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Olha Laura, eu também jurava que era um texto da sua mãe.
    Quantos anos você tem?
    História linda e emocionante, assim como você.E depois de romeu e Julieta,Tristão e Isolda,Marília e Dirceu,Sansão e Dalila,eu já achava que uma grande história de amor não poderia ter final feliz.Taí você me provando o contrário...

    ResponderExcluir
  8. Só para vocês saberem...meu blig está com algum problema,eu posto e só aparece muitas horas depois!¬¬"
    Vou ver o que faço,não quero largar o blig!=(
    Beijos^^

    ResponderExcluir
  9. *O*
    Quantos cometários lindo!! Aí, gente, valeu!! *¬*

    Ah, mãe, nem exagera, eu sei que eu sou demais xD
    E só agradeço a vc, por ter me apresentado o mundo das historias e livros desde quando eu era pequena ^^

    Ei Sonia, vc tem razao...eu JÁ SOU escritora!! Viva!!! Hahaha!
    PS: como assim SÓ ótimo? Isso é mais que maravilhoso! ^^

    Carooool!! De novo, lá vem voce falando tudo claramente, que eu fico sem palavras! (como ela consegue? ¬¬) Fica sabendo que a gente aqui tambem de admira muuuuuito, ta?
    Sobre o blig...como assim so aparece horas depois? o.O que estranho...
    Se bem, que tambem demora mito pra abrir aqui, o blig ta meio lerdo =(
    Mas, enfim...kissus! xDDD

    Isso ae Carlinha! Da-lhe Laura, da-lhe Laura!! /o/

    Hahahaha! Legal Marsyah! Um livro autografado?? Sim senhora, pode deixar!! \o/

    Criiiiis, eu acabei de reler o texto e voce tem razao! No começo, parece a minha mae falando né? o.O
    Brigaaaaada pelos elogios! Eu tambem te acho a melhor prima-de-segundo-grau que alguem pode ter!! Beijao!!

    Oi K! (?) POis é, parece um texto dela mesmo...haha!
    Ah, eu tenho 13 anos (quase 14! quase 14!), porque?
    Hahahahhaah!! Voce tem toda razao! Esses romances tragicos sao lindos, mas a gente acha que vai ser sempre assim! Vc tem toda razao! Adorei essa sua resposta!! Bejoooo =*

    ResponderExcluir
  10. bonito, criativo,forte, pesado,ficção baseado em personagens reais, porém ficção, pois o artista não usava mascara 24h e sim seu amor de maneira incomprendida.

    ResponderExcluir
  11. Obrigada por compartilhar com a gente suas emoções!
    Big bjs!

    ResponderExcluir